slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Marcelle Amorim - R3 Neonatologia/HRAS/SES/DF Orientadora: Alessandra Moreira PowerPoint Presentation
Download Presentation
Marcelle Amorim - R3 Neonatologia/HRAS/SES/DF Orientadora: Alessandra Moreira

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 22
badru

Marcelle Amorim - R3 Neonatologia/HRAS/SES/DF Orientadora: Alessandra Moreira - PowerPoint PPT Presentation

140 Views
Download Presentation
Marcelle Amorim - R3 Neonatologia/HRAS/SES/DF Orientadora: Alessandra Moreira
An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author. While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Alimentação Contínua Promove Tolerância Gastrintestinal e Crescimento em Recém-Nascidos de Muito Baixo Peso Marcelle Amorim - R3 Neonatologia/HRAS/SES/DF Orientadora: Alessandra Moreira

  2. Introdução A intolerância alimentar é problema comum em RN MBP (< 1200g), necessitando do uso de NPP e NPT.  Retardadores da alimentação enteral plena: - Imaturidade fisiológica geral - Desorganização da motilidade GI  A alimentação enteral precoce com pequenos volumes associados a NPP promoveu a maturação e desenvolvimento GI.

  3. Introdução Blondheim et al (1993) compararam alimentação contínua com intermitente : evidência de que a alimentação em infusão lenta melhora a função motora duodenal. As estratégias de alimentação e seus efeitos na tolerância GI e crescimento têm sido estudadas, mas os resultados são conflitantes e limitados.

  4. Objetivo Comparar os efeitos da Alimentação Enteral Contínua x Intermitente sobre a tolerância gastrintestinal, avaliar o tempo para alimentação enteral plena e o crescimento de RN com peso ao nascer < 1200g e IG 24- 29 sem.

  5. Método 1. Modelo de Estudo e População  RN – seleção (3 unidade neonatais independentes do Hosp. Univ.) dentro das 30 horas de vida e randomizados em 3 grupos: CNG = alim. nasogástrica contínua; ING = alim. nasogástrica intermitente; IOG = alim. orogástrica intermitente.

  6. Método  Os RN permaneciam nos grupos a partir da randomização até 32 sem de idade gestacional pós-concepção (IGpC) ( fase de intervenção). Critério de inclusão : peso ao nascer < 1200g e IG 24 (0-7) e 29 (0-7) sem.  Critério de estab. respiratória: diferença O2 arterio-alveolar ≥ 0,18 com paO2 e paCO2 normais, FiO2 entre 0,55 e 0,6.

  7. Método 2. Protocolo de estudo 1ª hora de vida - HV 60-80 ml/kg/h com glicose a 10g/100ml e alimentação enteral antes de 30hdv, usando somente leite humano. Grupo principal = dieta contínua em bomba de infusão ( Terufusion Syringe Pump). Grupos controles = dieta a cada 3 horas por 15-40 min.

  8. Método  Dieta: aumento gradual -RN PN < 1000g - 10-15 ml/kg/d -PN 1000- 1199g - 15-20 ml/kg/d -3° dia:  em 15- 20 ml/kg/d  NPP: < 72hdv. Volume aumentado em 10 ml/kg/h até 140- 160ml/kg/h  Dieta = 75% do volume total, a NPP era interrompida e fortificantes de LH adicionados

  9. Método  Resíduo gástrico CNG = 8/8hs IOG e ING = 6/6hs  Intolerância alimentar (sinais de Enterocolite Necrosante - ECN): Distensão abdominal, desenho de alças na parede, aspirado biliar ou vômito, RG > 50% da dieta prévia ( IOG ou ING), ou que excedesse a infusão da hora.

  10. Método 3. Análise Estatística • Resultado primário (tempo para chegar a dieta enteral plena) → padrão Hazard e intervalo de confiança 95% : Análise de regressão Cox’s. • Fatores demográficos, relacionados ao nascimento, resultados nutricionais e morbidades clínicas → Análise de variância (teste Bonferroni)

  11. Método •Variáveis de distribuição anormais→ teste Kruskal-Wallis não-paramétrico • Resultados dicotômicos →Teste de Fischer. • Os dados são expressos em média e mediana e a significância estatística foi 0,05.

  12. Resultados →70 (91%) RN foram randomizados → 7 (9%) excluídos : 5 - falta de consentimento; 1 - os dados foram perdidos; 1 - a mãe morreu durante a cesárea. Dois foram excluídos após a randomização por diagnóstico de malformação.

  13. Resultados Fase de intervenção - 3 RN mudaram dos seus grupos : • 1 do IOG → CNG por 14 d: apnéia grave e bradicardia por RGE; • 1 do IOG→ ING por 13 d: bradicardia durante inserção das sondas; • 1 do ING→ IOG por 6d: retenção de CO2 por obstrução nasal pela sonda.

  14. Resultados

  15. Resultados

  16. Resultados

  17. Resultados

  18. Resultados Mortalidade sem diferença estatisticamente significante: - Precoce: um óbito por grupo → colapso circulatório e respiratório; - Após a fase de intervenção: 2 óbitos do CNG  com 33 e 47 sem por sepse , disf. respiratória e circulatória, e doença pulmonar crônica.

  19. Discussão O estudo demonstrou que alimentação contínua nos RN < 1200g e IG 24-29 sem promoveu tolerância GI e reduziu o tempo necessária para atingir dieta enteral plena. Além de parecer mais adequada fisiologicamente para tolerância enteral dos RN extremos < 850g.

  20. Discussão → Resultados contrastam com estudos prévios: - diferença da IG; - peso ao nascer; - uso de leite humano exclusivo; - início precoce de dieta enteral; - aumento diário do volume da dieta.

  21. Discussão Akintorin e Silvestre, diferente de Schanler, observaram - não haver diferença estatisticamente significante na intolerância alimentar, na freqüência de RG e vômitos entre a dieta contínua e intermitente.