tratamento biol gico de esgotos dom sticos l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
PowerPoint Presentation
Download Presentation

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 24

- PowerPoint PPT Presentation


  • 476 Views
  • Uploaded on

Tratamento Biológico de Esgotos Domésticos. Alan Murbach Koga Camila Jácome de Campos Milena Gabriela Lange. Universidade Federal de Santa Catarina Engenharia Bioquímica. Tratamento Biológico de Esgotos Domésticos. Definição. Tipos de Tratamento. Lagoas Facultativas.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about '' - salena


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
tratamento biol gico de esgotos dom sticos

Tratamento Biológico de Esgotos Domésticos

Alan Murbach Koga

Camila Jácome de Campos

Milena Gabriela Lange

Universidade Federal de Santa Catarina

Engenharia Bioquímica

slide2

Tratamento Biológico de Esgotos Domésticos

Definição

Tipos de Tratamento

Lagoas Facultativas

Sistemas de Lagoas Anaeróbias Seguidas por Lagoas Facultativas

Lagoas de Estabilização

Lagoas Aeradas Facultativas

Lagoas de Maturação

Vantagens e Desvantagens

Curiosidades

Conclusão

slide3

Tipos de Tratamento

Lagoas de Estabilização

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

  • Características dos esgotos: função dos usos à qual a água foi submetida. Variam com clima, situação social e econômica, e hábitos da população.
  • Caracterização: amostras representativas e análises físico-químicas destas. Determina-se: pH, temperatura, DBO, DQO, nitrogênio orgânico, amoniacal, nitritos e nitratos, fósforo, alcalinidade, sólidos (totais, fixos,voláteis,suspensos, dissolvidos), coliformes totais e fecais. E dependendo do caso, análises de metais pesados, pesticidas, etc.
  • Esgotos sanitários:
    • Água (98%)
    • Sólidos (2%)
    • Sólidos Suspensos
    • Sólidos Dissolvidos
    • Matéria Orgânica (40-60% proteínas,25-50% carboidratos e 10% óleos)
    • Nutrientes (N, P)
    • Organismos Patogênicos (vírus, bactérias, protozoários, helmintos)
slide4

Tipos de Tratamento

Lagoas de Estabilização

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

  • Organismos presentes:
  • Bactérias: principais responsáveis pela estabilização da matéria orgânica e quando patogênicas causam doenças intestinais;
  • Fungos: grande importância na decomposição da matéria orgânica e podem crescer em condições de baixo pH;
  • Protozoários: maioria aeróbio ou facultativo. Essenciais no tratamento biológico para a manutenção de um equilíbrio entre os diversos grupos pois se alimentam de bactérias, algas e outros microorganismos.
  • Vírus: causam doenças e podem ser de difícil remoção no tratamento da água ou do esgoto;
  • Helmintos: a presença de ovos de helmintos pode causar doenças.
slide5

Tipos de Tratamento

Lagoas de Estabilização

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

  • Existem inúmeros tipos de tratamento de esgoto doméstico. Processos biológicos, aeróbios e anaeróbios são aplicados com uma série de aspectos positivos e negativos. Esses processos utilizam organismos que se proliferam na água, otimizando o tratamento e minimizando custos, para que se consiga a maior eficiência possível.
  • As tecnologias de tratamento de efluentes são um aperfeiçoamento do processo de depuração da natureza,e buscam:
    • Menor tempo de duração; e
    • Maior capacidade de absorção, com o mínimo de recursos em instalações e operação, e melhor qualidade do efluente lançado.
  • Classificação do sistema basicamente, em 2 grupos: tecnologias de sistemas simplificados e sistemas mecanizados;
slide6

Tipos de Tratamento

Lagoas de Estabilização

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

  • Objetivo dos tratamentos: remoção dos principais poluentes presentes nas águas residuárias.
  • O tratamento de esgoto compreendem as seguintes etapas de remoção:
    • Preliminar: remove sólidos grosseiros e areia;
    • Primário: remove sólidos em suspensão sedimentáveis, materiais flutuantes (óleos e graxas) e parte da matéria orgânica em suspensão;
    • Secundários: remove matéria orgânica dissolvida e matéria orgânica em suspensão não removida no tratamento primário;
    • Terciário: remove poluentes específicos e/ou poluentes não suficientemente removidos no tratamento secundário. Ex: nutrientes ou organismos patogênicos.
slide7

Lagoas de Estabilização

Tipos de Tratamento

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

  • As lagoas de estabilização são bastante indicadas para regiões de clima quente e países em desenvolvimento, devido aos seguintes aspectos:
    • Suficiente disponibilidade de área;
    • Clima favorável ( temperatura e insolação elevadas );
    • Operação simples;
    • Necessidade de poucos ou nenhum equipamento;
slide8

Lagoas de Estabilização

Tipos de Tratamento

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

  • Há diversas variantes dos sistemas de lagoas de estabilização. São abordados neste trabalho:
    • Lagoas facultativas;
    • Sistemas de lagoas anaeróbias seguida de facultativa;
    • Lagoas aeradas facultativas;
    • Lagoas de maturação;
slide9

Lagoas de Estabilização

zona aeróbia

CO2

zona facultativa

algas

bactérias

O2

zona anaeróbia

Tipos de Tratamento

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

Lagoa Facultativa

  • DBO solúvel Decomposição Aeróbia

DBO particulada Decomposição Anaeróbica

adaptado de VON SPERLING, 1996

slide10

Lagoas de Estabilização

Tipos de Tratamento

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

Lagoa Facultativa

  • Região Oxipausa  Produção de O2 = Consumo de O2 .
  • Diversidade de Bactérias.
  • Retirada do lodo de fundo > 20 anos
  • Duração do processo é > 20 dias
slide11

Lagoas de Estabilização

Tipos de Tratamento

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

Influência das Algas

  • Sua concentração é maior que das bactérias, por isso a cor verde da lagoa.
  • Algas Verdes (clorofíceas): Chlamydomonas, Euglenas e Chlorellas.
  • Cianobactérias: Oscillatoria, Phormidium, Anacystis e Anaboena.
  • Produção O2 15 vezes maior que consumo.
slide12

Lagoas de Estabilização

Tipos de Tratamento

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

Sistemas de Lagoa Anaeróbia seguida de Lagoa Facultativa

  • Formação de Ácidos (bactérias acidogênicas)  DBO
  • Formação de Metano (bactérias metanogênicas)  Remoção DBO
  • Sensibilidade às condições ambientais
slide13

Lagoas de Estabilização

Tipos de Tratamento

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

Sistemas de Lagoa Anaeróbia seguida de Lagoa Facultativa

  • Países quentes: melhor reprodução das bactérias
  • Muito profunda: 3 a 5m, evitar oxigênio
  • Preocupação com mau cheiro de lagoa aneróbia, pH deve estar neutro
slide14

Lagoas de Estabilização

Tipos de Tratamento

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

Lagoas Aeradas Facultativas

  • Menores áreas
  • Diferenças: facultativa (O2 fotossíntese)X Aerada facultativa (O2 aeradores)
  • O excesso de O2decompôe a matéria orgânica mais rapidamente
  • Duração do processo é de 5 a 10 dias
  • Retirada do lodo de fundo < 5 anos
slide15

Lagoas de Estabilização

Tipos de Tratamento

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

Lagoa Maturação ou Polimento

  • Principal finalidade: remoção de organismos patogênicos, sólidos em suspensão e nutrientes  Não remove DBO
  • Mais econômica
  • Baixa profundidade (0,8m a 1,5m)
  • Maior penetração de raios solares
slide16

Lagoas de Estabilização

Tipos de Tratamento

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

Os sistemas de lagoas além da depuração da matéria orgânica tem-se ótima eficiência na remoção de patógenos.

slide17

Vantagens Desvantagens

Tipos de Tratamento

Lagoas de Estabilização

Definição

Curiosidades

Conclusão

slide18

Lagoas de Estabilização

Tipos de Tratamento

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

slide19

Lagoas de Estabilização

Tipos de Tratamento

Vantagens Desvantagens

Definição

Curiosidades

Conclusão

slide20

Tipos de Tratamento

Lagoas de Estabilização

Vantagens Desvantagens

Curiosidades

Definição

Conclusão

Lagoa Jardim Paulistano I

Sistema de Lagoa Facultativa

Lagoa City Petrópolis

Sistema de Lagoa Facultativa

slide21

Tipos de Tratamento

Lagoas de Estabilização

Vantagens Desvantagens

Curiosidades

Definição

Conclusão

Lagoa Jardim Paulistano II

Sistemas De Lagoas Anaeróbias Seguidas Por Lagoas Facultativas (Sistema Australiano)

Lagoa Restinga

Sistemas De Lagoas Anaeróbias Seguidas Por Lagoas Facultativas (Sistema Australiano)

slide22

Tipos de Tratamento

Lagoas de Estabilização

Vantagens Desvantagens

Curiosidades

Definição

Conclusão

  • Se mostra bastante indicada em nosso país devido aos seguintes aspectos:
  • Suficiente disponibilidade de área em um grande número de localidades;
  • Clima favorável (temperatura e insolação elevadas);
  • Operação simples;
  • Necessidade de poucos ou nenhum equipamento;
  • Baixo preço de implantação e manutenção;
slide23

Tipos de Tratamento

Lagoas de Estabilização

Vantagens Desvantagens

Curiosidades

Definição

Conclusão

  • Brasil
    • 20% da população ainda não é abastecida com água potável.
    • 35% dos habitantes não têm acesso à rede coletora de esgoto;
    • Apenas 12% têm esgoto tratado.
  • OMS
    • 20% do volume de esgoto coletado passa por uma estação de tratamento
    • 50% da população urbana deve ser atendida pelo sistema de esgoto.
    • 80% das residências urbanas devem ser abastecidas com água tratada.
  • Santa Catarina
    • 8% da população urbana é atendida pelo sistema de esgoto.
    • 86% das residências urbanas são abastecidas com água tratada
  • Florianópolis
    • Início da década de 90: rede de esgoto atendia 3% da população Florianópolis A partir de 1993: sistema começaatender 36%;
    • Hoje: abrange 43,64% do município.
slide24

Bibliografia

JORDÃO, E.P.; PESSOA, C.A. Tratamento de Esgotos Domésticos. 3ª ed.- ABES, Rio de Janeiro,720 p.;1995.

VON SPERLING, M. Princípios do Tratamento Biológico de Águas Residuárias. Vol.1 Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental- Universidade Federal de Minas-introdução à Qualidade das Águas e ao Tratamento de Esgotos, Ed. DESA-UFMG, 2 ed. Gerais; 243 p;1996.

VON SPERLING, M. Princípios do Tratamento Biológico de Águas Residuárias. Vol.2 –Princípios básico do Tratamento de Esgoto. Ed. DESA-UFMG. Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental- Universidade Federal de Minas Gerais

VON SPERLING, M. Princípios do Tratamento Biológico de Águas Residuárias. Vol.3- Lagoas de Estabilização .Ed, DESA-UFMG. Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental- Universidade Federal de Minas Gerais.

CLÁUDIA LAVINA MARTINS, COMPORTAMENTO DE REATOR DE LEITO FLUIDIZADO TRIFÁSICO AERÓBIO UTILIZANDO DIFERENTES MATERIAIS SUPORTE. 2003, Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, UFSC

Koga, M..E , Buhr. R., Périco G. Tratamento Biológicos de Esgotos Domésticos, 2003, Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental, UFSC

http://www.flipper.ind.br/

http://www.etg.ufmg.br/tim2/tratamento1.ppt

http://www.etg.ufmg.br/tim2/tratamento2.ppt

http://www.etg.ufmg.br/tim2/tratamento3.ppt

http://www.casan.com.br/saude_ete_lagoa.htm