US 3D/4D E INTERVENCIONISTA ELASTOGRAFIA CONDIÇÕES ESPECIAIS EM PEDIATRIA - PowerPoint PPT Presentation

natan
prof dr marcos fonseca n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
US 3D/4D E INTERVENCIONISTA ELASTOGRAFIA CONDIÇÕES ESPECIAIS EM PEDIATRIA PowerPoint Presentation
Download Presentation
US 3D/4D E INTERVENCIONISTA ELASTOGRAFIA CONDIÇÕES ESPECIAIS EM PEDIATRIA

play fullscreen
1 / 36
Download Presentation
US 3D/4D E INTERVENCIONISTA ELASTOGRAFIA CONDIÇÕES ESPECIAIS EM PEDIATRIA
124 Views
Download Presentation

US 3D/4D E INTERVENCIONISTA ELASTOGRAFIA CONDIÇÕES ESPECIAIS EM PEDIATRIA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Prof. Dr. Marcos Fonseca US 3D/4D E INTERVENCIONISTAELASTOGRAFIACONDIÇÕES ESPECIAIS EM PEDIATRIA

  2. US 3D/4D

  3. US INTERVENCIONISTA • Servindo como guia para • Biopsia • P.A.A.F. • Agulhamento • Guia para aspiração • Infusão de medicamentos e meios de contraste • Cateterismo e dreno • Na biópsia e P.A.A.F. serão avaliados tecidos (biópsia) e células (P.A.A.F.) na procura de atipias.

  4. BIOPSIAS • Mama • Próstata • Fígado • Rim

  5. P.A.A.F. • Utilizada geralmente em orgãos e estruturas superficiais • Tireoide • Mama • Linfonodo • Massas e nódulos

  6. AGULHAMENTO • Finalidade: Favorecer a identificação de uma lesão durante o ato cirúrgico através da prévia marcação com agulha e fio.

  7. GUIA PARA PUNÇÃO ASPIRATIVA • Abscesso • Ascite • Derrame pleural • Amniocentese

  8. GUIA PARA INFUSÃO DE MEDICAMENTOS PARA TRATAMENTO OU MEIO DE CONTRASTE PARA EXAME • Articulações • Ex: Corticóide • Orgãos • Ex: Substância esclerosante em cistos

  9. GUIA PARA CATETERISMO E DRENO • Hidronefrose • Árvore biliar dilatada • Cordão umbilical

  10. ELASTOGRAFIA • Conceitos e considerações: • Estudo através do ultrassom da resposta de um tecido a uma perturbação mecânica.

  11. ELASTOGRAFIA • Conceitos e considerações: • Um pulso ultrassônico estimula uma determinada região provocando perturbação das moléculas do tecido gerando um sinal que se propaga em forma de ondas a uma velocidade determinada pela consistência da região estimulada.

  12. ELASTOGRAFIA • Conceitos e considerações: • O som se propaga mais rápido em tecidos sólidos • Quanto mais “dura” for a estrutura mais rápido é a velocidade do som, desta forma podemos medir a dureza da estrutura.

  13. ELASTOGRAFIA • Conceitos e considerações: • Geralmente lesões mais elásticas (mais moles) são de constituição benigna e mais rígidas (mais duras) de maior probabilidade de malignidade.

  14. APLICAÇÕES • MAMA E TIREOIDE • Mais um parâmetro na investigação de massas e nódulos para detecção precoce de lesões de potencial maligno. • Auxiliar na seleção da indicação de biópsias.

  15. APLICAÇÕES • FIGADO • Quantificar o grau de fibrose hepática. • Quanto maior a fibrose existente no fígado maior a velocidade do sinal na elastografia.

  16. CONDIÇÕES ESPECIAIS EM PEDIATRIA • CEREBRAL • Através das fontanelas e também pela menor calcificação da tábua óssea craniana, podemos estudar o cérebro em RN e crianças menores. • Hemorragia cerebral do RN • Prematuros • Mal-formações • Triagem • Geralmente necessita estudo complementar com TC ou RM.

  17. CONDIÇÕES ESPECIAIS EM PEDIATRIA • GASTROINTESTINAL • Refluxo gastroesofageano: • US com Doppler • Estenose do piloro • Intussuscepção • Apendicite

  18. Referências • GOMES. Atlas comentado de US esquelética 2011 • SERNIK. US do sistema musculoesquelético 2009 • ZWIEBEL, PELLERITO. Introdução a US vascular. 2007 • NECTOUX, CUNHA Ultrassonografia Vascular. 2000 • LO VUOLO. Gamutsen Doppler 1997 • ENGELHORN. Guia pratico de US vascular • CERRI. Doppler. 1996 • EVANS, AHUJA. US Prática de cabeça e pescoço.2000 • CERRI. US abdominal 2002