introdu o ao estudo da ecologia l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
PowerPoint Presentation
Download Presentation

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 26

- PowerPoint PPT Presentation


  • 437 Views
  • Uploaded on

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ECOLOGIA. DEFINIÇÃO DE ECOLOGIA. SER VIVO. SER VIVO. É O RAMO DA BIOLOGIA QUE ESTUDA OS SERES VIVOS E SUAS RELAÇÕES. SER VIVO. MEIO AMBIENTE. NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO. CÉLULA CITOLOGIA. TECIDO HISTOLOGIA. ÓRGÃO/SIST. ANATOMIA. INDIVÍDUO. COMUNIDADE

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about '' - benjamin


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
defini o de ecologia

DEFINIÇÃO DE ECOLOGIA

SER VIVO

SER VIVO

É O RAMO DA BIOLOGIA QUE ESTUDA OS SERES VIVOS E SUAS RELAÇÕES

SER VIVO

MEIO AMBIENTE

n veis de organiza o

NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO

CÉLULA

CITOLOGIA

TECIDO

HISTOLOGIA

ÓRGÃO/SIST.

ANATOMIA

INDIVÍDUO

COMUNIDADE

CONJUNTO DE POPULAÇÕES

QUE HABITAM UM MESMA

ÁREA/VOLUME

POPULAÇÃO

CONJUNTO DE INDIVÍDUOS

DE UMA MESMA ESPÉCIE

ÁREA/VOLUME

BIOSFERA

CONJUNTO DE

ECOSSISTEMAS

DO PLANETA TERRA

ECOSSISTEMA

BIOCENOSE

(COMUNIDADE)

+

BIÓTOPO

outros conceitos fundamentais

OUTROS CONCEITOS FUNDAMENTAIS

HABITAT NICHO ECOLÓGICO

LOCAL COMUM = SAVANA PROFISSÃO = SEU PAPEL

ZEBRA, ELEFANTE, HIENA... MUITO ESPECÍFICO

ENDEREÇO QUANDO MUITO PRÓXIMO GERA COMPETIÇÃO

cadeia alimentar e n vel tr fico

CONSUMIDOR

TERCEÁRIO

CONSUMIDOR

SECUNDÁRIO

CONSUMIDOR

QUATERNÁRIO

CONSUMIDOR

PRIMÁRIO

PRODUTORES

CADEIA ALIMENTAR E NÍVEL TRÓFICO

teia alimentar

Decompositores

TEIA ALIMENTAR

Consumidor

terceário

Consumidor

secundário

Consumidor

primário

e secundário

Consumidor

primário

Consumidor

primário

Produtor

Produtor

pir mides ecol gicas

PIRÂMIDES ECOLÓGICAS

PIRÂMIDES DE NÚMEROS

COBRA

PARASITAS

PARDAL

CUPINS

GAFANHOTO

CAPIM

ÁRVORE

PIRÂMIDE

DIREITA

PIRÂMIDE

INVERTIDA

pir mides ecol gicas8

PIRÂMIDES ECOLÓGICAS

PIRÂMIDES DE BIOMASSA

HOMEM=7OKg

ZOOPLÂNCTON= 20g/m²

BOI=1t

FITOP.=4g/m²

ALFAFA=8t

PIRÂMIDE

INVERTIDA

PIRÂMIDE

DIREITA

pir mides ecol gicas9

PIRÂMIDES ECOLÓGICAS

PIRÂMIDES DE ENERGIA

ENERGIA

DISSIPADA

EM FORMA

DE CALOR

CONS.SEC.

CONS. PRIM.

PRODUTOR

NÃO EXISTE PIRÂMIDE INVERTIDA

NESTE CASO.

OBSERVAÇÃO:

tipos de rela es

TIPOS DE RELAÇÕES

INTRA-ESPECÍFICAS

IND. DA MESMA ESPÉCIE

HARMÔNICAS

+/+ OU +/ 0

INTERESPECÍFICAS

IND. DE ESPÉCIES DIFERENTES

INTRA-ESPECÍFICAS

DESARMÔNICAS

+ / 

INTERESPECÍFICAS

defini o b sica s o os fatores do meio ambiente que atuam nos seres vivos

DEFINIÇÃO BÁSICA: São os fatores do meio ambiente que atuam nos seres vivos.

IMPORTÂNCIA:

  • FOTOSSÍNTESE
  • FOTOPERIODICIDADE

FOTÓFILOS

LUZ

CLASSIFICAÇÃO

FOTÓFOBOS

temperatura

TEMPERATURA VARIÁVEL = PECILOTÉRMICOS

  • TEMPERATURA CONSTANTE = HOMEOTÉRMICOS

CLASSIFICAÇÃO:

“LEMBRAR”- Cada ser possui uma temperatura ótima de sobrevivência para o seu metabolismo.

ÁGUA

TEMPERATURA

  • ARMAZENAMENTO DE ÁGUA
  • URINA POUCO
  • FEZES SECAS
  • AUSÊNCIA OU BAIXA QUANTIDADE DE GLÂNDULAS SUDORÍPARAS
  • XERÓFITAS - RAÍZES LONGAS, FOLHAS COM A FORMA DE ESPINHOS.

ADAPTAÇÕES:

press o

EURÍBAROS = SUPORTAM GRANDES VARIAÇÕES

  • ESTENÓBAROS = NÃO SUPORTAM VARIAÇÕES

CLASSIFICAÇÃO:

“NÃO ESQUEÇA”- Ao nível do mar a pressão normal é de 1 atm. Se subimos ela diminui, se afundamos ela aumenta.

EURÍBAROS

ESTENÓBAROS

PRESSÃO

salinidade

EURÍALINOS = SUPORTAM GRANDES VARIAÇÕES

  • ESTENÓALINOS = NÃO SUPORTAM VARIAÇÕES

CLASSIFICAÇÃO:

ESTENÓALINOS

SALINIDADE

PIRANHAS

salinidade16

EURIALINOS

CATÁDROMO

LAMPRÉIAS E ENGUIAS

SALINIDADE

ANÁDROMO

RIO

SALMÃO E TAINHA

MAR

tipos de rela es17

TIPOS DE RELAÇÕES

INTRA-ESPECÍFICAS

IND. DA MESMA ESPÉCIE

HARMÔNICAS

+/+ OU +/ 0

INTERESPECÍFICAS

IND. DE ESPÉCIES DIFERENTES

INTRA-ESPECÍFICAS

DESARMÔNICAS

+ / 

INTERESPECÍFICAS

rela es harm nicas intra espec ficas

RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS

COLÔNIAS

SOCIEDADE

RAINHA

OPERÁRIAS

ZANGÕES

Physalia sp.

rela es harm nicas interespec ficas

RELAÇÕES HARMÔNICAS INTERESPECÍFICAS

MUTUALISMO

SIMBIOSE

PROTOCOOPERAÇÃO

BEM-TE-VI

(SE ALIMENTA)

+

RINOCERONTE (CARRAPATO)

LÍQUENS

ALGA (ALIMENTO)

+

FUNGO (PROTEÇÃO)

rela es harm nicas interespec ficas20

RELAÇÕES HARMÔNICAS INTERESPECÍFICAS

COMENSALISMO

INQUILINISMO

PEPINO DO MAR

(CASA)

+

FIERASTER (INQUILINO)

TUBARÃO

+

RÊMORA

rela es harm nicas interespec ficas21

RELAÇÕES HARMÔNICAS INTERESPECÍFICAS

EPIFITISMO

FORESIA

ORQUÍDEAS

E

ÁRVORES

CRACAS

E

SIRI

rela o desararm nica intra espec fica

RELAÇÃO DESARARMÔNICA INTRA-ESPECÍFICA

CANIBALISMO

FATORES QUE INFLUENCIAM: STRESS, ESPAÇO, COMPETIÇÃO E ALIMENTO

TUBARÃO

PORCO

COELHO

rela es desarm nicas interespec ficas

RELAÇÕES DESARMÔNICAS INTERESPECÍFICAS

PREDATISMO

PARASITISMO

ENDOPARASITA = LOMBRIGA

ECTOPARASITA = CARRAPATO

GUEPARDO

E

ANTÍLOPE

rela es desarm nicas interespec ficas24

RELAÇÕES DESARMÔNICAS INTERESPECÍFICAS

AMENSALISMO

ESCLAVAGISMO

FORMIGA

+

PULGÃO

ANTIBIOSE

camuflagem

CAMUFLAGEM

QUANDO O ANIMAL SE CONFUNDE COM O AMBIENTE

CAMALEÃO

URSO POLAR

POLVO

Cuidado: o grilo realiza camuflagem e mimetismo.

mimetismo

MIMETISMO

QUANDO INDIVÍDUOS DE UMA ESPÉCIE PARECEM DE OUTRA

BATESIANOimita um maior ou + perigoso

DEFENSIVO

MÜLERIANOutiliza maus odores