Posturas – sempre presentes - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Posturas – sempre presentes PowerPoint Presentation
Download Presentation
Posturas – sempre presentes

play fullscreen
1 / 34
Posturas – sempre presentes
99 Views
Download Presentation
alaura
Download Presentation

Posturas – sempre presentes

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. TEORIA GERAL DO JUÍZO CONCILIATÓRIO Adriana Goulart de Sena OrsiniJuíza Federal do Trabalho, Titular 35ª VT de Belo HorizonteProfessora Doutora Faculdade de Direito da UFMGBrasília-DF, Junho de 2013

  2. TÉCNICAS DE JUÍZO CONCILIATÓRIO Adriana Goulart de Sena OrsiniJuíza Federal do Trabalho, Titular 35ª VT de Belo HorizonteProfessora Doutora Faculdade de Direito da UFMGBrasília-DF, Junho de 2013

  3. Posturas– sempre presentes • Procedimentos– avaliação da necessidade da utilização ou não, observado o caso concreto submetido ao Juízo conciliatório

  4. postura ética e dirigida à conciliação • Enfatizar o diálogo e a autonomia das partes • Não desistir diante da negativa retórica de afirmação pública de razões da parte

  5. postura de objetivar o conflito • Manter o foco dos debates nosfatos e nãonaspessoasousuascondutas. • Controlar a tendênciainicial das partes de desabafarem com tom ofensivoouagressivoà parte contrária; o desabafoabreespaçopara o diálogo, mas nãopodecriar um segundoproblema

  6. postura de controlar as intervenções • Fazer prevalecer a “escuta ativa” sobre intervenções desnecessárias do Juiz. • Estimular a intervenção das partes de forma ordenada e bilateral, com tolerância para a simplicidade e pouca objetividade das partes.

  7. postura de manter abertos espaços e opções de recuo nas posições • O recuoestratégicoéumanecessidadeconstantediante de posiçõesequivocadas, e deveserusadocomomostra do empoderamento das partesnacondução do processo.

  8. postura de abordar prospectivamente • Superar o passado e apontarpara as vantagens de um futurosemconflito. • Explicitarquenãoépossívelvoltar no tempo e desfazer o queaconteceu, mas não se deveperder a oportunidade de recomeçar e “superar”.

  9. postura de manter o ritmo de andamento pelas partes • Não ceder às tentações da pressa na queima de etapas do diálogo e da construção das propostas. • Diante das limitações das audiências, utilizar o tempo do processo em seu favor (intervalo entre as audiências) e estimular o contato entre as partes.

  10. postura de valorizar as manifestações das partes • Estimular a manifestação, de forma ordenada e educada. • Destacarpontospositivos das falas e atentarpara a ênfaseemcertosfatosouidéias.

  11. postura de expressar-se com termos positivos, claros e simples na conciliação • VERBAL: a linguagemcompatívelreflete o seu empoderamento comoresponsáveispeloseusucesso. • ESCRITA: a ata de audiênciaé o documentoqueretrata a vontade das partes e a prevalência da imagem do futurosobre a do passado: objetivoégarantir o cumprimento do acordo e a efetividadepelasatisfação das partes com o seuresultado.

  12. Procedimentos

  13. apresentar-se de forma sucinta e eficiente • Explicitar o papel do Juiz e seucompromisso com a conciliação. • Exporregraspara o andamento do procedimento

  14. reconstruir o conflito de forma dialogada • QUANDO UTILIZAR: nas situações em que houver vários pontos controvertidos e for necessária a sistematização para elucidar as propostas, ou as partes não tomarem a iniciativa de apresentar propostas, estabelecendo o diálogo e a participação ativa das partes e seus procuradores.

  15. estabelecer referenciais quantitativos • QUANDO UTILIZAR: nas situações em que as partes revelarem desconhecimento ou dúvida sobre o montante em litígio ou sua expressão econômica concreta, ou quando as partes tenderem a perder o foco nos debates

  16. sumarizar retrospectivamente os aspectos positivos • QUANDO UTILIZAR: nos momentos de impasse na conciliação, para demonstrar a importância dos avanços e garantir a manutenção na objetividade dos pontos remanescentes, sem permitir recuo.

  17. produzir percepções de reciprocidade • QUANDO UTILIZAR: nas hipóteses em que uma das partes revela dificuldade de entender a conduta ou postura da outra parte nas circunstâncias concretas do caso, para desarmar os ânimos e para estabelecer a participação ativa de uma parte.

  18. isolar duplamente as partes com o Juiz • QUANDO UTILIZAR: na superação de pontos de resistência específicos de uma ou outra parte, quando fundados em argumentos ocultos e componentes da lide sociológica que não foram externados e são obstáculos, ou na solução de impasses na relação secundária, podendo se justificar tanto pela utilização do espaço externo quanto do interno ou ambos.

  19. isolar os advogados com o Juiz • QUANDO UTILIZAR: em situações com matérias de direito muito complexas ou com matérias de fato com grande repercussão pessoal ou social (assédio sexual, assédio moral, despedida injuriosa, etc.), em que as partes têm dificuldade para distanciamento crítico de suas posições, podendo haver prévia delimitação dos pontos controvertidos mais relevantes ou sensíveis para o debate posterior com as partes.

  20. alterar o debate dinamicamente nos impasses (“mudar o jogo”) • QUANDO UTILIZAR: nos momentos em que surgir impasse na conciliação: do valor, passar ao parcelamento, ou local de pagamento, ou outras condições

  21. superar falhas de comunicação e entendimento • QUANDO UTILIZAR: uma parte está atribuindo o embate ou impasse a afirmações ou condutas da outra ou quando uma parte ou ambas não estão compreendendo os termos do debate ou da proposta, gerando incertezas ou dúvidas sobre as condições do acordo e prejudicar a própria pacificação do conflito.

  22. Engenharias de gestão conciliatória • Engenharia de tempo • Engenharia de espaço

  23. Engenharia de tempo Administração do tempo no processo na audiência: intervalos adequados e tematicidade das pautas no iter do processo: intervalo entre audiência inicial e de prosseguimento

  24. Engenharia de espaço Meio-ambiente da conciliação instalações físicas: conforto térmico, acústico, visual e ergonômico. suporte para necessidades imediatas.

  25. DIFICULDADES CONCRETAS NA PRÁTICA CONCILIATÓRIA

  26. DificuldadesConcretas Propostas retóricas  Papel do Juiz: desconstituir expectativas ilusórias das partes pelo convencimento e diálogo prospectivo sobre os riscos da demanda e sobre os efetivos valores em discussão.

  27. DificuldadesConcretas Tentativa de renúncia a direito indisponível incontroverso  Papel do Juiz: orientar sobre os limites jurídicos e suas conseqüências para o renunciante e para garantir a prevalência do interesse público.

  28. DificuldadesConcretas Tentativa de lesão a direito de terceiro (conluio)  Papel do Juiz: exercer o amplo poder de direção processual e garantir a prevalência do interesse público, alertando as partes, e, em casos extremos, obstando a homologação e adotando outras providências (CPC, art. 129).

  29. DificuldadesConcretas Controvérsias ocultas  Papel do Juiz: externalização-revelação da plenitude da lide sociológica com técnicas não-invasivas da intimidade.

  30. Conflitos trabalhistas tem origem e repercussão de amplo significado social. Na grande maioria dos conflitos trabalhistas, as partes são profundamente desiguais do ponto de vista econômico, social e cultural. Para o litigante habitual o processo é uma das faces do “seu negócio”. Litigância repetitiva – Litigância habitual – Litigância em excesso

  31. DificuldadesConcretas Reclamado litigante habitual  Papel do Juiz: desafio da inversão ou do equilíbrio das vantagens com estratégias de procedimento (celeridade, limitação de diligências protelatórias, intervenção do MPT) e de convencimento (atuação pedagógica dos julgamentos).

  32. DificuldadesConcretas Discussão sobre a relação secundária (honorários)  Papel do Juiz: orientar sobre contornos jurídicos da discussão e impor limites éticos ao debate. Não impedir que tal debate ocorra, especialmente em espaço externo da sala de audiências.

  33. DificuldadesConcretas Partes desacompanhadas de advogado  Papel do Juiz: orientar a parte sobre os riscos da demanda e valores em discussão, garantindo sua plena compreensão com linguagem simples e direta sem perder a imparcialidade.

  34. MUITO OBRIGADA! Adriana Goulart de Sena OrsiniBrasília-DF, Junho de 2013adrisena@uol.com.br