UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS - PowerPoint PPT Presentation

tara-tillman
slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS PowerPoint Presentation
Download Presentation
UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS

play fullscreen
1 / 7
Download Presentation
UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS
68 Views
Download Presentation

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS FUNDAMENTOS METODOLÓGICOS DO HANDEBOL Professor: Ms. Emerson Miguel da Cruz

  2. Freqüência Cardíaca: A freqüência cardíaca será o principal parâmetro fisiológico utilizado para controle da intensidade da aula. A aferição da freqüência fornece uma estimativa de quantos batimentos o coração do sujeito está realizando em um minuto. BPM – Batimentos por minuto. A aferição manual da freqüência cardíaca consiste em uma leve pressão dos dedos sobre uma determinada artéria com o intuito de ter uma sensação tátil do pulsar produzido pelas batidas do coração, procedendo assim uma contagem do número de pulsações (normalmente fazemos esta aferição na artéria radial ou na carótica). Esta contagem pode ser feita em: 6, 10 ou 15 segundos. Seis segundos: quando a cronometragem é feita em seis (6) segundos deve se multiplicar este valor por dez (10) para que se tenha uma estimativa dos batimentos em 60 segundos (bmp).

  3. CONTROLE FISIOLÓGICO DA ATIVIDADE: Fórmula padrão básica para o cálculo da ZPT – Zona pessoal de treinamento. 220 – Idade = Freqüência cardíaca máxima Limite superior 87% da FC-máxima. Limite inferior 72% da FC-máxima. Quadro para cálculo da ZPT.

  4. Aquecimento e curva de esforço durante a atividade: Aquecimento: Existem profissionais que acham o aquecimento desnecessário e temos outros que o acham imprescindível, apresentaremos aqui algumas considerações para que você possa se posicionar quanto ao assunto. Conceito: È o conjunto de atividades de diferentes formas que, mediante um volume e uma intensidade de trabalhos adequados, visam preparar o indivíduo para o desempenho de performances máximas e submáximas (Dantas 1995). Conceito: Aquecimento do atleta: medidas tomadas antes de uma carga desportiva – seja para treinamento ou competição – visando a obtenção de um estado psicofísico e coordenadivo-cinestésico ideal, bem como a profilaxia de lesões (Weineck 1991).

  5. O aquecimento pode ser de quatro maneiras: Aquecimento passivo: O corpo sofre passivamente a ação de um agente externo. Ex: duchas quentes (Elevação da temperatura), diatermia (Aplicação terapêutica da eletricidade, com base no desenvolvimento de calor), fricção (elevação da temperatura corporal e aumento do fluxo sanguíneo periférico), massagens (aumento da circulação local). Aquecimento mental: consiste no treinamento mental pré-competitivo, no qual o atleta imagina-se realizando os movimentos, e também na ativação voluntária da sua concentração para a atividade e sua auto-motivação. (Teoria do U invertido). Aquecimento ativo: consiste na execução de exercícios e movimentos realizados para se alcançar efeitos de dois tipos: gerais e específicos. No primeiro vais se obter uma preparação global do organismo para a performance. No segundo trabalhar-se-á localizadamente com a musculatura a ser empregada durante a atividade. (Normalmente fazemos alongamento durante este tipo de aquecimento). Aquecimento combinado: Utilização conjunta de mais de um tipo de aquecimento.

  6. Objetivos gerais do aquecimento e efeitos fisiológicos do aquecimento: Permitir uma transição suave para o organismo que sairá de um estado de repouso para um estado de atividade; feita a atividade principal devemos fazer depois o desaquecimento (ou volta a calma).

  7. O aquecimento contribui para aumentar o uso de oxigênio reduzindo desta forma a dependência de fontes anaeróbias. O aquecimento contribui para reduzir os níveis de ácido lático encontrados após o exercício. Aumento da temperatura corporal: cada grau aumentado na temperatura corporal a velocidade das reações metabólicas aumenta em cerca de 13%. Aumento na circulação: A circulação sanguínea será mais direcionada para os grupamentos musculares envolvidos na tarefa. Aumento da velocidade de condução nervosa: para cada grau aumentado na temperatura corporal a velocidade de condução nervosa cresce cerca de 10%. Além disso a atividade melhora a ação dos proprioceptores (Cada terminação nervosa sensorial que informa sobre movimento e posição corporal) melhorando a coordenação motora. Profilaxia de lesões: O aquecimento protege o aparelho locomotor aumentando a elasticidade muscular, produzindo mais líquido sinovial e aumentando a espessura das cartilagens. Redução do tempo necessário para atingir o Steady-State (Estado estável).