slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASIT PowerPoint Presentation
Download Presentation
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASIT

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 25

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASIT - PowerPoint PPT Presentation


  • 230 Views
  • Uploaded on

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA MICROBIOLOGIA GERAL. MICRORGANISMOS E BIOTERRORISMO. LEANDRA FORMENTÃO MARIANE DAHMER THIAGO NUNES THYAGO VANDERLINDE. DEFINIÇÃO.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASIT' - cyrah


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA, IMUNOLOGIA E PARASITOLOGIA

MICROBIOLOGIA GERAL

MICRORGANISMOS E

BIOTERRORISMO

LEANDRA FORMENTÃO

MARIANE DAHMER

THIAGO NUNES

THYAGO VANDERLINDE

slide2

DEFINIÇÃO

Liberação de microrganismos ou substâncias tóxicas a fim de causar lesões, doenças ou morte de populações, ou causar prejuízos ao meio ambiente.

Disseminação - água, ar ou alimentos.

slide3

ESCOLHA DO AGENTE BIOLÓGICO

  • Resulte em doenças com curto tempo de incubação: gravidade atingida em pouco tempo;
  • Fácil disseminação e transmissão;
  • Possibilidade de ser produzido em larga
  • escala;
  • Fácil manipulação;
  • Agente para o qual a população não está
  • imune.
slide4

MANIPULAÇÃO GENÉTICA

Existem naturalmente, mas podem ser modificados de modo a:

  • Aumentar sua capacidade de transmissão;
  • Torná-los resistentes a medicamentos;
  • Torná-los mais hábeis a causar doenças.
slide5

BIOTERRORISMO NA HISTÓRIA

  • Homem de Neanderthal;
  • Legionários romanos;
  • Tártaros;
  • Exército britânico na Guerra dos cem anos;
  • Exército japonês antes do início da Segunda Guerra Mundial;
  • Alemães e russos na Segunda Guerra Mundial;
  • Ataque com Antraz contra os Estados Unidos, em 2001.
slide6

A LETALIDADE DE UM ATAQUE BIOLÓGICO COMPARADA A UM ATAQUE NUCLEAR

Fonte: http://www.cdc.gov/ncidod/EID/vol5no4/siegrist.htm

slide7

EXEMPLOS DE AGENTES BIOLÓGICOS

Bacillus anthracis, Clostridium botulinum toxin, Yersinia pestis, Francisella tularensis, varíola major e vírus ebola.

Os mais críticos são a Varíola e o Antraz, devido a:

  • Fácil transmissão;
  • Causam alta mortalidade;
  • Alta taxa de sobrevivência do agente.

Mortalidade causada por:

  • Inalação do Antraz (se não for tratada): > 90%;
  • Varíola: 30%
slide8

CLASSIFICAÇÃO

Os agentes utilizados são classificados em três categorias (pelo CDC):

  • Categoria A;
  • Categoria B;
  • Categoria C.
slide9

CLASSIFICAÇÃO

CATEGORIA A

Inclui os agentes que apresentam altas taxas de mortalidade.

Características comuns:

  • Fácil disseminação;
  • Transmissão de pessoa para pessoa;
  • Requerem intervenção especial;
  • Causam pânico na população.
slide10

CLASSIFICAÇÃO

CATEGORIA A

Exemplos:

  • Varíola;
  • Antraz;
  • Botulismo;
  • Peste bubônica;
  • Filovírus;
  • Arenavírus;
  • Tularemia.
slide11

CLASSIFICAÇÃO

CATEGORIA B

Características comuns:

  • Moderada facilidade de transmissão;
  • Apresentam baixas taxas de mortalidade;
  • Resultam em moderadas taxas de adoecimento;
  • Requerem monitoramento da doença e aprimoramento de laboratórios.
slide12

CLASSIFICAÇÃO

CATEGORIA B

Exemplos:

  • Febre Q;
  • Brucelose;
  • Alfavírus;
  • Salmonelose;
  • Ricina;
  • Tifo;
slide13

CLASSIFICAÇÃO

CATEGORIA C

Tem potencial para causar grandes danos, podendo ser usados no futuro para propagação em grandes quantidades.

Características comuns:

  • Facilmente disponíveis;
  • Fáceis de reproduzir, manipular e disseminar;
  • Representam potencial para causar grandes impactos na saúde.
slide14

CLASSIFICAÇÃO

CATEGORIA C

Exemplos:

  • Febre amarela;
  • Tuberculose;
  • Hantavirose.
slide15

ANTRAZ (Carbúnculo)

Causado pela bactéria Bacillusanthracis;

Período de incubação: 01 a 06 dias;

Sintomas:

  • Febre alta;
  • Lesões escuras na pele;
  • Dores no corpo.
slide16

ANTRAZ (Carbúnculo)

Inicialmente confundida com gripe, em alguns dias prejudica a função pulmonar.

Morte: choque tóxico dentro de 24 a 36 horas.

Disseminação: pode ser manipulada e liberada misturada a poeira ou pó. Episódio nos Estados Unidos.

slide17

VARÍOLA

Causada pelo vírus Orthopoxvirus variolae;

Exclusiva da espécie humana;

Resistência a variações de umidade e temperatura;

Fácil transmissão: de pessoa para pessoa;

Incubação (no organismo): 07 a 17 dias;

Instala-se na garganta e fossas nasais.

slide18

VARÍOLA

Sintomas (permanecem de 2-5 dias):

  • Febre alta;
  • Mal estar;
  • Dores de cabeça e nas costas.

Sintomas mais graves:

Erupções avermelhadas na garganta, boca, rosto, que depois espalham-se pelo corpo inteiro (reprodução em células epiteliais).

Evolução das erupções: bolhas de pus que provocam dor e coceira (risco de cegueira ao tocar o olho).

slide19

INTERVENÇÕES

Incentivos na profilaxia:

  • Criação de laboratórios com nível de biossegurança 4 (NB-4);
  • Pesquisas que visam o desenvolvimento de vacinas;
  • Diminuição do tempo entre identificar um microrganismo e a criação da vacina;
slide20

DEFICIÊNCIAS DO SISTEMA DE SAÚDE

  • Instalações mal preparadas frente a um surto;
  • Agentes de saúde mal preparados para fornecer informações;
  • Baixa quantidade de vacinas disponíveis para determinado microrganismo ou mesmo sua inexistência.
slide21

OS BIO-PERIGOSOS ATUALMENTE

  • O grupo terrorista Aum Shinrikyo, do Japão, é bem financiado e já tentou disseminar o Antraz e o Botulismo em várias ocasiões e, até o momento, não obteve sucesso;
  • A Rússia e os EUA também fizeram experimentos com armas biológicas antes de supostamente suspenderem seus programas.
slide22

COMBATENDO O BIOTERRORISMO

O órgão norte americano FDA ( Administração de Alimentos e Drogas) é encarregado de deter um ataque bioterrorista com 5 estratégias amplas:

Conscientização

Prevenção

Preparação

Reação (pushpacks)

Recuperação

slide23

COMBATENDO O BIOTERRORISMO

Dois programas anti-terroristas foram implantados após 11/09

Bio-vigilância (Dep. de Segurança da Nação)

Bioescudo

slide24

REFERÊNCIAS

SILVA, L. J. Guerra biológica, bioterrorismo e saúde pública. Cad. de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2001.

KOTTOW, M. Bioterrorismo, biodefensa, bioética. Cad. de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2003.

ERCOLE, F. F. COSTA, R. S. Protocolo de cuidados frente a doenças decorrentes de bioterrorismo. Rev. Latino-americano de Enfermagem, 2003.

HENDERSON, J. M. Bioterrorism: are we prepared?. Disponível em: http://www.actionbioscience.org/

KAPLAN, K. Burdens of biodefense. Nature, v. 485, p. 386-387, Maio/2010.

Bioterrorism. The virtual museum of bacteria. Disponível em: http://www.bacteriamuseum.org/cms/Special-features/bioterrorism.html

Bioterrorism. Centers for Disease Control and Prevention. Disponível em: http://www.bt.cdc.gov/bioterrorism/

Bioterrorismo. Fundação Oswaldo Cruz. Disponível em: http://www.fiocruz.br/biosseguranca/Bis/infantil/bioterrorismo.htm

slide25

Realidade

ou

Mito?