antologia po tica l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Antologia Poética PowerPoint Presentation
Download Presentation
Antologia Poética

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 23

Antologia Poética - PowerPoint PPT Presentation


  • 178 Views
  • Uploaded on

Antologia Poética. Vinícius de Moraes. O que é uma antologia?. Antologia significa, etimologicamente, "coletânea de flores"; o termo remete à ideia de escolha, coleção. Sendo assim, antologia é uma coleção de trabalhos literários; neste caso, coleção de trabalhos poéticos. . Vinicius de Moraes

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Antologia Poética' - Mercy


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
antologia po tica

Antologia Poética

Vinícius de Moraes

o que uma antologia
O que é uma antologia?

Antologia significa, etimologicamente, "coletânea de flores"; o termo remete à ideia de escolha, coleção. Sendo assim, antologia é uma coleção de trabalhos literários; neste caso, coleção de trabalhos poéticos.

slide3
Vinicius de Moraes
  • Sensualismo erótico, “carpe diem”, Classicismo (sonetos), poesia social, MPB (Bossa Nova), Teatro (Orfeu da Conceição), música infantil.
  • Forma e Exegese; Poemas, Sonetos e Baladas; Livro de Sonetos; A Arca de Noé;
  • “De tudo ao meu amor serei atento
  • Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
  • Que mesmo em face do maior encanto
  • Dele se encante mais meu pensamento.”
  • (Soneto de Fidelidade)
slide4
SONETO DE SEPARAÇÃO
  • De repente do riso fez-se o pranto
  • Silencioso e branco como a bruma
  • E das bocas unidas fez-se a espuma
  • E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
  • De repente da calma fez-se o vento
  • Que dos olhos desfez a última chama
  • E da paixão fez-se o pressentimento
  • E do momento imóvel fez-se o drama.
  • De repente, não mais que de repente
  • Fez-se de triste o que se fez amante
  • E de sozinho o que se fez contente.
  • Fez-se do amigo próximo o distante
  • Fez-se da vida uma aventura errante
  • De repente, não mais que de repente.
slide5
FELICIDADE
  • Tristeza não tem fim
  • Felicidade sim...
  • A felicidade é como a pluma
  • Que o vento vai levando pelo ar
  • Voa tão leve
  • Mas tem a vida breve
  • Precisa que haja vento sem parar.
  • A felicidade do pobre parece
  • A grande ilusão do carnaval
  • A gente trabalha o ano inteiro
  • Por um momento de sonho
  • Pra fazer a fantasia
  • De rei, ou de pirata, ou jardineira
  • E tudo se acabar na quarta-feira.
slide6
“Antologia Poética”, de Vinícius de Moraes, mostra diferentes fases do poeta. A primeira, nos anos 30, associa a mulher à tentação.
  • Já na fase seguinte, dos anos 40 em diante, Vinícius enfoca a realidade social e retrata o sexo sem pecado.
aus ncia
Ausência

Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são docesPorque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vidaE eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminadoQuero só que surjas em mim como a fé nos desesperadosPara que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoadaQue ficou sobre a minha carne como uma nódoa do passado.Eu deixarei... tu irás e encostarás a tua face em outra faceTeus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugadaMas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noitePorque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosaPorque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaçoE eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.Eu ficarei só como os veleiros nos portos silenciososMas eu te possuirei mais que ninguém porque poderei partirE todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelasSerão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.Rio de Janeiro, 1935

slide8

Este é um dos primeiros poemas em que aparece a tentativa de representar a mulher amada e a experiência amorosa como ponto de encontro entre a transcendência e os apelos terrenos, entre espírito e matéria.

a rosa de hiroxima
A rosa de Hiroxima
  • Pensem nas criançasMudas telepáticasPensem nas meninasCegas inexatasPensem nas mulheresRotas alteradasPensem nas feridasComo rosas cálidasMas oh não se esqueçamDa rosa da rosaDa rosa de HiroximaA rosa hereditáriaA rosa radioativaEstúpida e inválidaA rosa com cirroseA anti-rosa atômicaSem cor sem perfumeSem rosa sem nada
slide10

Numa postura humanista, em que cria figuras com fortes tintas, o poeta canta contra a guerra. Usando o verbo "pensar" no imperativo ("pensem"), "convida-nos" a todos a refletir diante das atrocidades causadas pela guerra; e, principalmente, a causada pelo mais novo rebento gerado pelo ser humano: a bomba atômica. A culpa não é apenas de um indivíduo ou outro. A culpa, a responsabilidade da destruição não é de um país X ou Y, mas de toda a humanidade. O que está em jogo aqui é a própria existência, ou melhor dizendo, a própria sobrevivência humana.

a bomba at mica
É a bomba atômica

Coitada da bomba atômica

Que não gosta de matar

Mas que ao matar mata tudo

Animal e vegetal

Que mata a vida na terra

E mata a vida do ar

Mas que também mata a guerra...

Bomba atômica que aterra!

Bomba atômica da paz!

Vem-me uma angústia

Quisera tanto

Por um momento

Tê-la em meus braços

A coma ao vento

Descendo nua

Pelos espaços

Descendo branca

Branca e serena

(...)

slide12

A bomba adquire formas variadas, tais como pomba, flor e arcanjo. O emprego de vocabulário científico em várias passagens sugere a visão técnica da criação do artefato de destruição:“Oh energia, eu te amo, igual à massa/ Pelo quadrado da velocidade/ Da luz!.”São ainda empregados termos ligados à poética parnasiana, que se misturam ao tom coloquial e momentos de lirismo quase infantil: “Vem caindo devagar / Tão devagar vem caindo / Que dá tempo a um passarinho / De pousar nela e voar...”O uso das reticências no final desse verso sugere o voo do passarinho. A construção heterogênea do poema pelo emprego de versos fixos em partes diversas, linguagens variadas, intertextualidades, soma-se aos recursos sonoros variados, tais como assonâncias (“Pomba tonta, bomba atômica”) e aliterações (“Radiosa rosa radical”)

sonetos
Sonetos
  • O soneto, forma literária clássica fechada, é uma composição de quatorze versos, dispostos em dois quartetos e dois tercetos, seguindo variavelmente os seguintes esquemas de rima: abab / abab / ccd / ccd; abba / abba / cde / cde ou abba / abba / cdc / dcd., sendo que o metro mais utilizado tem sido o decassílabo (com acento na 4ª, 7ª e 10ª). Por encerrar o conceito fundamental do poema, o último verso constitui o que chamamos de "fecho de ouro" ou a "chave de ouro".
slide14

Com o soneto, o poeta mantém a expressão de um lirismo controlado, ou seja, o sentimento e a emoção líricos contêm-se nos limites do equilíbrio e da harmonia. O poeta procura atenuar os impulsos do "eu", isto é, de sua subjetividade particular, em favor de uma visão impessoal ou objetiva. Daí dizer que nos sonetos existe a luta de um "eu" que ama e um "eu" que raciocina.

soneto de separa o
Soneto de separação

De repente do riso fez-se o prantoSilencioso e branco como a bruma E das bocas unidas fez-se a espumaE das mãos espalmadas fez-se o espanto.De repente da calma fez-se o ventoQue dos olhos desfez a última chamaE da paixão fez-se o pressentimentoE do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repenteFez-se de triste o que se fez amanteE de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distanteFez-se da vida uma aventura erranteDe repente, não mais que de repente.

  • Oceano Atlântico, a bordo do Highland Patriot, a caminho daInglaterra, 09.1938
slide16

Este soneto, um dos mais populares de Vinícius, é quase todo composto num jogo antitético, tais como: riso X pranto; calma X vento; triste X contente e próximo X distante. O emprego dessa figura de linguagem, ao longo do poema, revela as mudanças na relação amorosa que se processam de uma forma abrupta e inesperada. O poeta utiliza um outro recurso, num belíssimo arranjo de antíteses, para acentuar o dinamismo que caracteriza o poema: o emprego da forma verbal "Fez-se" e de sua forma contrária "desfez". Esse dinamismo expresso no soneto revela, sob certo aspecto, a própria inconstância na vida amorosa de Vinicius.

soneto da mulher in til
Soneto da mulher inútil

De tanta graça e de leveza tanta

Que quando sobre mim, como a teu jeito

Eu tão de leve sinto-me no peito

Que o meu próprio suspiro te levanta.

Tu, contra quem me esbato liquefeito

Rocha branca! Brancura que me espanta

Brancos seios azuis, nívea garganta

Branco pássaro fiel com que me deito.

slide18

Mulher inútil, quando nas noturnas

Celebrações, náufrago em teus delírios

Tenho-te toda, branca, envolta em brumas.

São teus seios tão tristes como urnas

São teus braços tão frios como lírios

É teu corpo tão leve como plumas.

slide19

Soneto com versos decassílabos com rimas opostas. É um lirismo amoroso, no qual o eu lírico idealiza e concretiza a mulher amada na ideia de inutilidade do título. Entretanto, não há dúvida quanto à necessidade de concretização do amor físico pela ideia de posse completa sugerida pelo verbo TER no presente do indicativo: “Tenho-a toda” . Interessante destacar a sonoridade agradável do soneto pela presença de aliterações e assonâncias.

poema enjoadinho
Poema enjoadinho

Filhos...filhos?

Melhor não tê-los!

Mas se não os temos

Como sabê-los?

Se não os temos

Que de consulta

Quanto silêncio

Como os queremos!

Banho de mar

Diz que é um porrete...

Cônjuge voa

Transpõe o espaço

Engole água

Fica salgada

slide21

O poema é de um lirismo quase pueril, mostra a preocupação dos pais com os filhos, sugerindo que se soubessem o trabalho que dariam melhor seria não tê-los, mas como o poeta conclui:

“Mas se não os temos / Como sabê-los?”

epit fio
Epitáfio

Aqui jaz o Sol

O andrógino meigo

E violento, que

Possui a forma

De todas as mulheres

E morreu no mar.

Aqui jaz o Sol

Que criou a aurora

E deu a luz ao dia

E apascentou a tarde

O mágico pastor

De mãos luminosas

Que fecundou as rosas

E as despetalou

slide23

É um soneto em versos curtos e brancos, marcado por intenso lirismo ligado à natureza.

O título sugere a inscrição tumular do pôr do sol. Uma imagem surpreendente é obtida pela expressão “andrógino meigo” atribuindo ao sol um papel tanto masculino quanto feminino, acentuando este último pelo adjetivo e pelo fato de possuir a forma de todas as mulheres, como afirma a estrofe seguinte. Em diferentes civilizações antigas o sol era visto ora como masculino, ora como feminino, daí talvez a imagem ambíqua captada pelo poeta.