slide1 l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Segunda aula Responsabilidade social e Sustentabilidade CCN-410.002 Dra. Elisete Dahmer Pfitscher PowerPoint Presentation
Download Presentation
Segunda aula Responsabilidade social e Sustentabilidade CCN-410.002 Dra. Elisete Dahmer Pfitscher

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 49

Segunda aula Responsabilidade social e Sustentabilidade CCN-410.002 Dra. Elisete Dahmer Pfitscher - PowerPoint PPT Presentation


  • 239 Views
  • Uploaded on

Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós Graduação em Contabilidade Centro Sócio-Econômico Campus Universitário Trindade Caixa Postal 476 Cep: 88.040-900 Florianópolis SC Brasil. Segunda aula Responsabilidade social e Sustentabilidade CCN-410.002

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Segunda aula Responsabilidade social e Sustentabilidade CCN-410.002 Dra. Elisete Dahmer Pfitscher' - Leo


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Universidade Federal de Santa Catarina

Programa de Pós Graduação em Contabilidade

Centro Sócio-Econômico

Campus Universitário Trindade Caixa Postal 476

Cep: 88.040-900 Florianópolis SC Brasil

Segunda aula

Responsabilidade social e Sustentabilidade

CCN-410.002

Dra. Elisete Dahmer Pfitscher 

elisete @cse.ufsc.br

3721-9383; 3721-6667;3721-6665

3364-2028;8817-2019

slide2

Indicação Pedagógica da Disciplina CRS

“Pedagogia diretiva”

Menor proporção

Não se trata somente de reprodução de conhecimento

O professor é um auxiliar

“Pedagogia não diretiva”

O acadêmico já vem com um conhecimento

Oportunizar a vivência de pesquisador

Levar o indivíduo a conhecer

slide3

Indicação Pedagógica da Disciplina CRS

Pedagogia relacional

  • Agir e problematizar a ação
  • Tudo aquilo que for construído pelo acadêmico
  • patamar para construção do conhecimento

Professor e aluno determinam-se mutuamente

Reciprocidade do conhecimento

slide4

Referências

ALVAREZ, Jesús Lizcano. La apuesta estrategica de la gestion contable medio ambiental. Diário Cinco Días, 29 jun. 1995.

AZEVEDO, T. C. Balanço Social das Entidades: Elaboração, Padronização

e Regulamentação. Material de apoio para o minicurso. In: V EBECIC, Vitória

da Conquista, Bahia, maio 2006. (Artigo completo).

BARBIERI, José Carlos. CAJAZEIRA, Jorge Emanuel Reis. Responsabilidade Social Empresarial e Empresa Sustentável: Da teoria à prática. São Paulo: Saraiva: 2009.

slide5

Referências

BEUREN, I. M. O papel da controladoria no processo de gestão. Contro-

ladoria – agregando valor para a empresa. São Paulo: Bookman Cia. Editora,

divisão Artmed Editora S.A., 2002.

CASAROTTO FILHO, N.; PIRES, L. H. Redes de pequenas e médias em-

presas e desenvolvimento local: estratégias para a conquista da competiti-

vidade global com base na experiência italiana. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

COLAUTO, Romoaldo Douglas. SANT’ANA, Luiz Ernesto. BEUREN, Ilse Maria. SANTOS, Neri dos. O benchmarking como suporte ao sistema de inteligência competitiva em pequenas empresas. Enfoque-Reflexão Contábil, Maringá, v. 23, n. 1, p. 5 – 15, jan/jun. 2004.

slide6

Referências

DALLABRIDA, V. R. Sustentabilidade e Endogenização como Princí-

pios Balizadores do Desenvolvimento Regional: Análise da Estratégia de

Desenvolvimento Proposta para a área da Bacia do rio Uruguai. Dissertação

(Mestrado) – Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 1998.

DOSSING et al.Agrupamentos de responsabilidade corporativa: alavan-

cando a responsabilidade corporativa para atingir benefícios competitivos nacionais. São Paulo: 232 Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, 2002.

FERREIRA, A. C. de S. Contabilidade ambiental in Controladoria: agre-

gando valor para a empresa. São Paulo: Bookman Cia. Editora, divisão Art-

med Editora S.A., 2002.

FLORES, M.; NASCIMENTO, J. Impactos ambientais e sustentabilidade

da agricultura brasileira: Uma visão da pesquisa. Trabalho apresentado no

Simpósio Internacional sobre Ecologia e Agricultura Sustentável nos Trópicos

– Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro, n. 3-6, fev. 1992.

slide7

Referências

GOUVEIA FILHO et al. Responsabilidade Social: Um Enfoque sobre o Ba-

lanço Social da.Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. 18o

Congresso Brasileiro de Contabilidade. Gramado: 18o Congresso Brasileiro de Contabilidade: 2008.

INSTITUTO ETHOS. Guia para elaboração de balanço social e relatório

de sustentabilidade. São Paulo. Disponível em: <http://www.ethos.org.br/_

Uniethos/Documents/ GuiaBalanco2007_PORTUGUES.pdf>. 2007.

LERÍPIO, A. de Á. GAIA – Um método de gerenciamento de aspectos e

impactos ambientais. 2001. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) –

Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

slide8

Referências

LITLLE, P. Agropolos e Meio Ambiente: A dimensão conceitual. In: Agro-

polos, uma proposta metodológica. Brasília: Abipti, 1999

MACHADO FILHO, C. P. M. Responsabilidade Social e Governança: O

Debate e as Implicações. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2006.

MARCHEZE, N. M. Benchmarking para cursos de nível superior: Uma

aplicação no curso de química industrial da Univille – Santa Catarina. 2004.

Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de San-

ta Catarina, Florianópolis, 2004.

MARION, J. C. Contabilidade e Controladoria em Agribusiness. São

Paulo: Atlas, 1996.

MEDEIROS, J. X. Inserção de políticas publicas no processo de desenvolvimento regional e do agronegócio. In: Agropolos, uma proposta metodológica. Brasília: Abipti, 1999. 

slide9

Referências

MIRANDA, L. C.; SILVA, J. D. G. da. Medidas de desempenho. In: Contro-

ladoria – agregando valor para a empresa. São Paulo: Bookman Cia. Editora,

divisão Artmed Editora S.A., 2002.

NAKAO, Silvio Hiroshi; VELLANI, Cássio Luiz. Investimentos ambientais

e redução de custos. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 3. Anais... São Paulo, 2003.

OLIVO, C. J. Sustentabilidade de condomínios rurais formados por

pequenos agricultores familiares: Análise e proposta de modelo de gestão.

2000. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal

de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

PAIVA, R. P. de. Contabilidade Ambiental. São Paulo: Atlas, 2003.

slide10

Referências

PFITSCHER, E. D. Gestão e sustentabilidade através da contabilidade

e controladoria ambiental: estudo de caso na cadeia produtiva de arroz eco-

lógico. 2004. 252 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Curso de

Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa

Catarina, Florianópolis, 2004.

______________Novas tendências de sustentabilidade das peque-

nas propriedades rurais com a Agricultura Biodinâmica. 151 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Curso de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2001.

PIMENTEL, Alessandra. O método da análise documental: seu uso numa pesquisa historiográfica. Departamento de Psicologia Social e Institucional da Universidade Estadual de Londrina – PR . Londrina, 2001

PORTER, Michael. The competitive advantage of nations. Oxford: Ox-

ford University Press, 1990.

slide11

Referências

QUARTANA, P. Economia de Comunhão. São Paulo: Cidade Nova, 1992.

QUARTANA, P. A. Economia de Comunhão do pensamento de Chiara Lubich. In: Economia de Comunhão: propostas e refexões para uma cultura da partilha, a cultura do dar. São Paulo: Cidade Nova, 1992. 207p. cap. 1, p. 11-22.

QUARTANA, P. et al. Economia de Comunhão. Trad. por Maria de Almei-

da e João Batista Florentino. São Paulo: Cidade Nova, 1992.

RAUPP, E. H. Desenvolvimento sustentável: a contabilidade num contexto

de responsabilidade social de cidadania e de meio ambiente. Revista de Con-

tabilidade, São Paulo, 2002.

slide12

Referências

RAUPP, Fabiano Maury; BEUREN, Ilse Maria; LONGARY, André Andrade; SOUZA, Marco Aurélio Batista de; COLAUTO, Romoaldo Douglas; PORTON, Rosimere Alves de Bona. Como Elaborar Trabalhos de Monografias em Contabilidade. In: BEUREN, Ilse Maria. (ORG.). Metodologia da Pesquisa Aplicável às Ciências Sociais: Raupp e Beuren. São Paulo: Atlas, 2003. (Cap. 3, p. 80 - 83).

RIBEIRO, Maisa de Souza. Custeio das atividades de natureza ambiental. 1998. 241 f. Tese (Doutorado em Contabilidade) – FEA/USP, 1998. 

SORGI, T. A cultura do dar. In: Economia de Comunhão: projeto, refe-

xões e propostas para uma cultura da partilha. 2. ed. São Paulo: Cidade nova,

1998.

slide13

Referências

SORGI, T.; GUI, B.; FERRUCCI, A. Economia de Comunhão: Projeto;

refexões e propostas para uma cultura da partilha. Trad. por José Maria de

Almeida, João Batista Florentino e Rui Costa. 2. ed. Vargem Grande Paulista:

Cidade Nova,1998.

SOUZA, M. F. Contabilidade Ambiental: Um estudo sobre sua importân-

cia e aplicabilidade em empresas brasileiras. Trabalho de iniciação científca, apresentado pelo Grupo de Estudos e pesquisas em contabilidade. Campinas: Pontifícia Universidade Católica, 2001.

TACHIZAWA, T. Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Corporati-

va: Estratégias de Negócios Focadas na Realidade Brasileira. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atlas, 2004.

slide14

Referências

TINOCO, J. E. P.; KRAEMER, M. E. P. Contabilidade e Gestão Ambiental.

São Paulo: Atlas, 2004.

TINOCO, J. E. P. Balanço Social: uma abordagem da transparência e da

responsabilidade pública das organizações. São Paulo: Atlas, 2001.

THOMPSON JR., A. A.; STRICKLAND, A. J. Planejamento estratégico:

elaboração, implementação e execução. São Paulo: Pioneira, 2000.

VIEIRA, P. M. Caracterização básica dos agropolos. In: Agropolos, uma

proposta metodológica. Brasília: Abipti, 1999. 

VIEIRA, P. M.; ROSA, D. S.; PEREIRA, J. R. Enfoque de Planejamento Participativo. In: Agropolos, uma proposta metodológica. Brasília: Abipti, 1999.

slide15

Referências

www.ibase.org.br

www.nemac.ufsc.br

Empirical Identification of Corporate Enviromental Strategies

Ökologische Modernisierung, Umweltmanagement und Organisationales Lernen

Umweltkennzahlen und ökologische Benchmarks als Erfolgsindikatoren für das Umweltmanagement in Unternehmen der baden-württembergischen Milchwirtschaft

slide16

Referências

INTERNACIONAIS

ANTHEAUME, N. Valuing external costs--from theory to practice: implications for full cost environmental accounting. European Accounting Review, v. 13, n. 3, p. 443-464, 2004.

BARTOLOMEO, M. et al. Environmental management accounting in Europe: current practice and future potential. European Accounting Review, v. 9, n. 1, p. 31-52, 2000.

BELKAOUI, Ahmed. The Impact of the Disclosure of the Environmental Effects of

Organizational Behavior on the Market. Financial Management, v. 5, n. 4. Winter, p. 26-31. 1976.

BLACCONIERE, W. G; PATTEN, D. M. Environmental disclosures, regulatory costs, and changes in firm value. Journal of Accounting and Economics, v. 18, n. 3, p. 357-377, nov. 1994.

slide17

Referências

BURRIT, R.; WELCH, S. Accountability for environmental performance of the Australian Commonwealth public sector.  Accounting, Auditing & Accountability Journa, v. 10, p. 532-561, 1997.

CHO, C. H.; PATTEN, D. M. The role of environmental disclosures as tools of legitimacy: a research note. Accounting Organizations and Society, v. 32, n. 7-8, p. 639-647,  2007.

DEEGAN, C., RANKING, M., TOBIN, J. An examination of the corporate social and environmental disclosures of BHP from 1983-1997: a  test of legitimacy theory, Accounting, Auditing and Accountability Journal, v. 15, p. 312-43, 2002.

GEIGER, M. A. Environmental Auditing and the Role of the Accounting Profession, Accounting Review, v. 69, n. 1, p. 309, 1994.

slide18

Referências

GRAY, R. et al. Social and Environmental Disclosure and Corporate Characteristics: A Research Note and Extension. Journal of Business Finance & Accounting, v. 28, n. 3/4, p. 327-356, 2001.

GRAY, R.; KOUHY, R.; LAVERS, S. Methodological themes: constructing a research database of social and environmental reporting by UK companies. Accounting, Auditing and Accountability Journal. v. 8, p.78-101, 1995.

GRAY, R; STONE, D. Environmental accounting and auditing in Europe. European Accounting Review, v. 3, n. 3, p. 581-590, 1994.

HASSEL, L.; NILSSON, H.; NYQUIST, S. The value relevance of environmental performance. European Accounting Review, v. 14, n. 1, p. 41-61, 2005.

HEALY, P. M.; PALEPU, K. G. Information asymmetry, corporate disclosure, and the capital markets: A review of the empirical disclosure literature. Journal of Accounting, Economics, v. 3, n. 1-3, p. 405-440, 2001. 

slide19

Referências

HERBOHN, K. A full cost environmental accounting experiment. Accounting, Organizations & Society, v. 30, n. 6, p. 519-536, 1994.

JONES III, A.; JONAS, G. Corporate Social Responsibility Reporting: The Growing Need for Input from the Accounting Profession. CPA Journal, v. 81, n. 2, p. 65-71, 2011.

JOSHI, S.; KRISHNAN, R.; LAVE, L. Estimating the Hidden Costs of Environmental Regulation. Accounting Review, v. 76, n. 2, p. 171, 2001.

LAMPRINIDI, S.; KUBO, N. Debate: The Global Reporting Initiative and Public Agencies', Public Money & Management, v. 28, n. 6, p. 326-329, 2008.

LEHMAN, G. Disclosing new worlds: a role for social and environmental accounting and auditing. Accounting, Organizations & Society, v. 24, n. 3, p. 217-241, 1999.

slide20

Referências

O'DWYER, B. Making Sustainability Work: Best Practices in Managing and Measuring Corporate Social, Environmental, and Economic Impacts. Accounting Review, v. 84, n. 3, p. 1001, 2009.

PATTEN, D. M. The relation between environmental performance and environmental disclosure: a research note. Accounting Organizations and Society, v. 27, n. 8, p. 763-773, 2002.

SIMNETT, R.; VANSTRAELEN, A.; WAI FONG, C. Assurance on Sustainability Reports: An International Comparison. Accounting Review, v. 84, n. 3, p. 937-367, 2009.

YUE, L.; RICHARDSON, G.; THORNTON, D. Corporate Disclosure of Environmental Liability Information: Theory and Evidence. Contemporary Accounting Research, v. 14, n. 3, p. 435-474, 1997.

slide21

Referências

NACIONAIS

COSTA, R. S.; MARION, J. C. A uniformidade na evidenciação das informações ambientais. Revista contabilidade e finanças, São Paulo,  v. 18,  n. 43, Abr.  2007.

KRAEMER, M.E.P. Contabilidade Ambiental como sistema de informações. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, n. 133,  p. 69-83, Fev. 2002.

MILANI FILHO, M. A. F. Responsabilidade social e investimento social privado: entre o discurso e a evidenciação. Revista contabilidade e finanças,  São Paulo,  v. 19,  n. 47, Ago.  2008.

REIS, C. N. A responsabilidade social das empresas: o contexto brasileiro em face da ação consciente ou do modernismo do mercado? Revista de economia contemporânea,  Rio de Janeiro,  v. 11,  n. 2, Ago.  2007.

RIBEIRO, Alex Mussoi; NASCIMENTO, Letícia Fátima; VAN BELLEN, Hans Michael. Evidenciação Ambiental: análise comparativa multissetorial entre Brasil, Estados Unidos e Inglaterra. Revista Contemporânea de Economia e Gestão – Contextus, v. 7, n. 1. 2009.

slide22

1 A responsabilidade Social e sustentabilidade empresarial.

1.1 Quatro dimensões da Responsabilidade Social

Empresarial

1.2 Modelo dos três domínios da RS

1.3 Estágios de Responsabilidade Social e Trajetórias convergentes

Barbieri e Cajazeira; 2009

slide23

1.1 Quatro dimensões da Responsabilidade Social Empresarial

A responsabilidade Social das empresas compreende as expectativas econômicas, legais, éticas e discricionárias que a sociedade tem em relação as organizações em dado período.

Essas dimensões podem ser visualizadas

como seções de uma pirâmide:

Filantrópicas; Éticas; Legais e Econômicas

Barbieri e Cajazeira; 2009

slide24

1.1 Quatro dimensões da Responsabilidade Social Empresarial

Pirâmide de Responsabilidade Social de Carroll

Responsabilidades Filantrópicas Empresa Cidadã

Responsabilidades Éticas Fazer o certo e evitar danos

Responsabilidades Legais Obedecer as leis

Responsabilidades Econômicas Ser lucrativa

Fonte: Adaptado de Carroll (1991, p.42) apud BARBIERI E CAJAZEIRA ( 2009)

slide25

1.1 Quatro dimensões da Responsabilidade Social Empresarial

RESPONSABILIDADES ECONÔMICAS Unidade Econômica básica, tem a responsabilidade de produzir bens e serviços que a sociedade deseja e vendê-los com lucro.

“Todos os demais papéis que ela vier

a desempenhar estão

condicionados por essas responsabilidades”

PRIMEIRA E PRINCIPAL

RESPONSABILIDADE DA EMPRESA

“SER LUCRATIVA”

Barbieri e Cajazeira; 2009

slide26

1.1 Quatro dimensões da Responsabilidade Social Empresarial

RESPONSABILIDADES LEGAIS Essa dimensão coloca as regras básicas, as leis sob as quais as empresas devem operar. A sociedade espera que se cumpra a missão econômica em uma estrutura legal.

Os gestores assumem seu papel na sociedade

“OBEDECER AS LEIS”

Barbieri e Cajazeira; 2009

slide27

1.1 Quatro dimensões da Responsabilidade Social Empresarial

RESPONSABILIDADES ÉTICAS Atender a situações (comportamentos e atividades) não cobertos por leis ou aspectos econômicos do negócio.

Atender as expectativas dos membros da sociedade

“FAZER O CERTO E EVITAR DANOS”

Barbieri e Cajazeira; 2009

slide28

1.1 Quatro dimensões da Responsabilidade Social Empresarial

RESPONSABILIDADES FILANTRÓPICAS Também denominada discricionária ou volitiva abrange ações em resposta as expectativas da sociedade no sentido de atuação como bons cidadãos. Comprometimento em ações e programas para promover o bem-estar humano.

Atende as escolhas e julgamentos individuais

“EMPRESA CIDADÔ

Barbieri e Cajazeira; 2009

slide29

1.1 Quatro dimensões da Responsabilidade Social Empresarial

“Ainda não existe um conceito plenamente aceito sobre responsabilidade social. Confunde-se, muitas vezes, responsabilidade social com “ações sociais”, reduzindo o seu escopo com atividades de cunho filantrópico”. Isto distorce a essência do que se espera em uma conduta socialmente responsável das empresas.

Qual a decisão dos gestores quanto a responsabilidade Social?

O que é ser uma empresa socialmente responsável?

Machado Filho (2006, p. 24-25)

slide30

1.2 Modelo dos três domínios da RS

Modelo surgiu com as críticas referente as quatro responsabilidades. A Filantropia deixa de existir no novo modelo, por ser difícil de identificar as atividades éticas e filantrópicas

A Filantropia pode estar

sendo praticada apenas

por interesses econômicos.

“Três campos”

Barbieri e Cajazeira; 2009

slide31

1.2 Modelo dos três domínios da RS

Exclusivamente ético

Legal e ético

Ético

e

econômico

Exclusivamente Legal

Econômico;

Legal

Ético

Exclusivamente econômico

Schwart e Carrol (2003, p. 509) apud

Barbieri e Cajazeira (2009, p. 57)

slide32

1.2 Modelo dos três domínios da RS

O domínio econômico refere-se às atividades

direcionadas para impactos econômicos positivos,

diretos e indiretos

Maximização de lucro ou do valor das ações

Impacto direto

Atividades para incrementar as vendas ou para evitar litígios (questões judiciais)

Barbieri e Cajazeira (2009, p. 57)

slide33

1.2 Modelo dos três domínios da RS

O domínio econômico refere-se às atividades

direcionadas para impactos econômicos positivos,

diretos e indiretos

Maximização de lucro ou do valor das ações

Impacto indireto

Ações para melhorar a imagem da empresa

Ações para elevar a motivação dos empregados

Barbieri e Cajazeira (2009, p. 57)

slide34

1.2 Modelo dos três domínios da RS

O domíniolegal refere-se a normas e princípios legais

Três grandes categorias

  • Conformidade Legal
  • Medidas para evitar litígios
  • Medidas antecipatórias às leis

Barbieri e Cajazeira (2009, p. 57)

slide35

1.2 Modelo dos três domínios da RS

O domíniolegal refere-se a normas e princípios legais

Conformidade Legal

  • Passiva ou acidental: a empresa faz o que deseja e
  • acidentalmente atende a lei.
  • Restrita: a empresa é legalmente compelida a fazer
  • alguma coisa em função da lei,
  • que de outro modo não faria.

Barbieri e Cajazeira (2009, p. 58)

slide36

1.2 Modelo dos três domínios da RS

O domínio legal refere-se a normas e princípios legais

Medidas para evitar litígios

  • Ações voltadas para evitar litígios e comportamentos negligentes.
  • Ex.: Encerrar a produção de produtos perigosos ou de
  • atividades prejudiciais ao meio ambiente.

Barbieri e Cajazeira (2009, p. 58)

slide37

1.2 Modelo dos três domínios da RS

O domínio legal refere-se a normas e princípios legais

Medidas antecipatórias às leis

  • Ações que antecipam as mudanças das leis.
  • Ex.: Retirar um produto de mercado, quando ele estiver
  • sendo sinalizado como prejudicial ao ser humano.

Barbieri e Cajazeira (2009, p. 58)

slide38

1.2 Modelo dos três domínios da RS

O domínio ético refere-se a responsabilidade

da empresa diante das expectativas da

população em geral.

Três padrões

Elaboração e aplicação de

Códigos formais de ética

na empresa

Padrão Convencional

O julgamento das ações por

suas conseqüências- Verificar os

Benefícios líquidos

Padrão Conseqüencialista

O estudo das noções de obrigação e

dever como motivos das ações

Sociais desenvolvidas

Padrão Deontológico

Barbieri e Cajazeira (2009, p. 57)

slide39

1.3 Estágios de Responsabilidade Social e Trajetórias convergentes

Referencial de excelência

para o mundo dos negócios

Estágios desde a fase embrionária

até a mais avançada

Tachizawa (2004)

slide40

1.3 Estágios de Responsabilidade Social e Trajetórias convergentes

Estágio 1:

A organização não assume

Responsabilidades perante a sociedade

Não há promoção

do

Comportamento ético

Não toma ações em

relação ao

exercício de cidadania

slide41

1.3 Estágios de Responsabilidade Social e Trajetórias convergentes

Estágio 2:

A organização reconhece os impactos causados por seus produtos, processos e instalações

Apresenta ações

isoladas a fim

de minimizar

Busca promover o comportamento ético

slide42

1.3 Estágios de Responsabilidade Social e Trajetórias convergentes

Estágio 3:

A organização está iniciando a sistematização de um processo de avaliação dos impactos-

Formar questões de

Lista de verificação

Exerce liderança em algumas questões

de interesse da comunidade

Envolvimento das pessoas em esforços de

Desenvolvimento social

slide43

1.3 Estágios de Responsabilidade Social e Trajetórias convergentes

Estágio 4:

A organização sistematiza os impactos sociais e ambientais-

Análise de sustentabilidade

Exerce liderança

de interesse da

Comunidade de diversas formas

Envolvimento das pessoas

em esforços de

Desenvolvimento social freqüente

slide44

1.3 Estágios de Responsabilidade Social e Trajetórias convergentes

Estágio 5:

A organização pensa na certificação- Ações

Participa de ações não lucrativas

Áreas como cultura, assistências social,

educação, saúde, ambientalismo

e defesa de direitos

slide45

1.3 Estágios de Responsabilidade Social e Trajetórias convergentes

A responsabilidade social corporativa enfatiza o impacto das atividades da empresa com os stakeholders. (TINOCO, 2001)

Questões sociais

E

ambientais

Governança corporativa,

gestão empresarial no campo ético,

cultural, político e comercial

slide46

1.3 Estágios de Responsabilidade Social e Trajetórias convergentes

A responsabilidade social deve expressar compromisso com os valores, conduta e procedimentos que estimulem o contínuo aperfeiçoamento dos processos empresariais

Resultem em preservação e melhoria da

Qualidade de vida da

sociedade, do ponto de vista ético, social e ambiental

Tachizawa, 2004

slide47

1.3 Estágios de Responsabilidade Social e Trajetórias convergentes

Argumentos favoráveis ao

engajamento das empresas

em Ações Sociais

[...] a firma deve se comportar de uma maneira socialmente responsável, porque é moralmente correto agir assim. Possuem um forte componente normativo

Argumento instrumental:

O comportamento socialmente responsável beneficiará a empresa como um todo, ao menos no longo prazo Oportunidades de diferenciação em relação ao mercado competitivo.

Machado Filho (2006)

Tachizawa, 2004

slide48

1.3 Estágios de Responsabilidade Social e Trajetórias convergentes

Argumentos contrários ao

engajamento das empresas

em Ações Sociais

Os responsáveis pela Responsabilidade Social não são gestores das empresas e sim governo; sindicatos e outras organizações civis, que devem trabalhar para o bom comum.

Direito de propriedade:

Aumentar o valor do acionista;

Incrementar lucros;

Beneficiar-se de um ambiente positivo de relacionamento social, por meio de melhoria de imagem ou reputação.

Machado Filho (2006)

slide49

1.3 Estágios de Responsabilidade Social e Trajetórias convergentes

E a empresa que você está pesquisando ...

Qual estágio que se encontra?