modelagem de um sistema multiagente para gera o autom tica de est rias em jogos de computadores n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Modelagem de um Sistema Multiagente para Geração Automática de Estórias em Jogos de Computadores PowerPoint Presentation
Download Presentation
Modelagem de um Sistema Multiagente para Geração Automática de Estórias em Jogos de Computadores

play fullscreen
1 / 25
Download Presentation

Modelagem de um Sistema Multiagente para Geração Automática de Estórias em Jogos de Computadores - PowerPoint PPT Presentation

yuri
88 Views
Download Presentation

Modelagem de um Sistema Multiagente para Geração Automática de Estórias em Jogos de Computadores

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. UFF / IC / PPGC Modelagem de um Sistema Multiagente para Geração Automática de Estórias em Jogos de Computadores Sildenir Alves Ribeiro Priscila Pereira de Camargo

  2. Propósito • Modelar um sistema multi-agente para geração automática de estórias utilizando: • Estrutura da Engenharia de Estórias e Narratologia • Metodologia GAIA • Ferramentas de modelagem: AUML e MAS-ML

  3. Por que usar agentes? • Storytelling requer dinamismo e interatividade • Os agentes oferem • Dinamismo • Flexibilidade • Autonomia • Capacidade de Interação com outros agentes / módulos do SMA • Aumentar a interação com o jogador

  4. Interactive Storytelling Definição: Termo em inglês comumente usado em textos sobre jogos digitais que pode ser traduzido para geração de estórias, e serve principalmente para aumentar a imersão dos jogadores no mundo virtual. Problema: Gerar estórias semanticamente e lexicamente estruturadas para a representação de um papel por um ator em um ambiente onde se estabelece o enredo.

  5. Narrativa: Esquema de Freytag • No ponto de vista da narrativa, a geração de estória deve obedecer a um conjunto de três restrições: • Início, Meio e Fim.

  6. Arquitetura de um Sistema Gerador de Estória Automático • Arquitetura Geral de um Sistema Gerador de Estória Automático.

  7. Gerador de Estórias Narrador Diretor Dramatizador Núcleo Gerador de Estórias • Modelo Geral de Um Gerador de Estórias

  8. Cenário Enredo Base de Conhecimentos Ator Interface Usuário Script Gerador Léxico/Semântico Gerador de Estórias Narrador Diretor Dramatizador Arquitetura Proposta • Arquitetura do SMA

  9. Modelo Conceitual

  10. Modelo de Objetivos

  11. Modelo Objetivos

  12. Modelo Objetivos (cont...)

  13. Modelo Interação entre Papeis

  14. Modelagem do SMA • Diagrama Classe do SMA

  15. Modelagem do SMA Diagrama de Seqüência dos Agentes

  16. Modelagem do SMA • Diagrama de estados do Agente Apresentador

  17. Diagrama de estados do Agente Ator Modelagem do SMA

  18. Diagrama de estados do Agente Diretor Modelagem do SMA

  19. Diagrama de estados do Agente Dramatizador Modelagem do SMA

  20. Diagrama de estados do Agente Narrador Modelagem do SMA

  21. Base de Conhecimentos • A Base de Conhecimentos é uma estrutura que permite armazenar as características iniciais desejáveis que servirão como fonte de alimentação para que os agentes do sistema possam produzir a estória a partir da informações previamente inseridas na base. • O ideal é que a base de conhecimentos possua: • Mecanismo de inferência • Regras de produção. • MidleWares

  22. Trabalhos Futuros • Melhorar a Comunicação entre os agentes; • Melhorar o Gerador Léxico/Semântico para que possa gerar o script bem estruturado e funcional; • Inserir Agentes Controladores, Gerentes • Implementar um agente Killer para eliminar os agentes que não produzindo conhecimento ou respostas relevantes. • Construir uma base de conhecimentos com inferência. • Inserir agentes na base de conhecimento para melhorar a troca a comunicação entre os agentes externos à base. • Integrar o sistema ou desenvolver uma aplicação gráfica com atores, eventos e ambientes bem definidos para melhorar as respostas.

  23. Considerações Finais • A geração automáticas de estórias é um processo complexo, pois implica várias questões que envolve desde arranjos lingüísticos e literários até a construção de algoritmos computacionais complexos. • A grande dificuldade está em encontrar meio de desenvolver eventos que represente as ações e maneira de pensar do homem. • A inteligência artificial através do emprego de agentes inteligentes e outras técnicas não apresentadas neste trabalho vêm surgindo como uma frente de pesquisa bastante promissora, mas que ainda tem muito a evoluir para que este tipo de tarefa possa gerar resultados realmente relevantes.

  24. Referências • [01] CARMO, M. B.; CLAUDIO, A. P.; CUNHA, J. D.; COELHO, H.; SILVESTRE, M. - Plataforma de Suporte à Geração de Cenas Animadas com Agentes Inteligentes; DCTI; Universidade de Lisboa; Lisboa; 2005. • [02] CORREIA, J.S.S.; GIRARDI, M.R; Análise e Projeto de um Sistema Multiagente para a Geração Automática de Histórias; DCC, UFMA – São Luiz – MA; 2007. • [03] GUERRA, F. W.; FURTADO, A. L.; Engenharia de Estórias: Um estudo sobre a geração e narração automática de estórias; Dissertação de Mestrado; Programa de Pós-graduação em Informática; Departamento de Informática da PUC–RJ; Rio de Janeiro-RJ, 2008. • [04] HORLING, B.; LESSER, V.; A Survey of Multi-Agent Organizational Paradigms. Multi-Agent Systems Lab, Departament of Computer Science, University of Massachusetts, Amherst, USA; 2001. • [05] JENNINGS, N. R.; WOOLDRIDGE M. A.; Intelligent Agents: Theory and Practice. The Knowledge Engineering Review; 1995. • [06] LIRA, M.; Gerador de Personagens para o RPG Tagmar 2; UFPE – Recife - PE; 2008. • <http://code.google.com/p/taggen/downloads/list> • [07] MATEAS, M.; SENGERS, P.; Narrative Intelligence; Carnegie Mellon,University, Pittsburgh, PA; Cornell University, Ithaca, NY. 1999. • [08] PASSOS, E. B., CLUA, E. W. G., APOLINARO, V. AZEVEDO, V. MONTENEGRO, A. POZZER, C.; Neuronal Editor Agent for Scene Cutting in Game Cinematography, proceedings in SBGAMES, 2007. • [09] RUSSEL, S., NORVIG, P.; Inteligência Artificial, Ed. Campus–Elsevier, 2ª. Ed. Rio de Janeiro – RJ, 2004. • [10] THEUNE, Mariet; FASS, Sander. NIJHOLT, Anton. HEYLEN, Dirk. The Virtual Storyteller: Story Creation by Intelligent Agents. Netherlands, p. 1-12, 2003. • [11] WOOLDRIDGE, M. J.; An Introduction to Multi-Agent Systems, John Wiley & Sons; 2002.

  25. Obrigado! Priscila Pereira de Camargo Sildenir Alves Ribeiro 2009 {pripereigo@gmail.com} {sildenir.ribeiro@gmail.com}