hist ria oral i setembro 2009 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
HISTÓRIA ORAL I –Setembro/2009 PowerPoint Presentation
Download Presentation
HISTÓRIA ORAL I –Setembro/2009

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 35

HISTÓRIA ORAL I –Setembro/2009 - PowerPoint PPT Presentation


  • 67 Views
  • Uploaded on

HISTÓRIA ORAL I –Setembro/2009. JOSÉ MIGUEL ARIAS NETO DH- UEL/NEE-UNICAMP/LEI-USP. AULA III – ANÁLISE DA ENTREVISTA. Entrevista produzida pelo pesquisador Entrevista produzida por outros pesquisadores. Entrevista produzida pelo pesquisador.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'HISTÓRIA ORAL I –Setembro/2009' - tanek


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
hist ria oral i setembro 2009

HISTÓRIA ORAL I –Setembro/2009

JOSÉ MIGUEL ARIAS NETO

DH- UEL/NEE-UNICAMP/LEI-USP

aula iii an lise da entrevista
AULA III – ANÁLISE DA ENTREVISTA
  • Entrevista produzida pelo pesquisador
  • Entrevista produzida por outros pesquisadores
entrevista produzida pelo pesquisador
Entrevista produzida pelo pesquisador
  • Primeira leitura: elaboração da trajetória de vida do entrevistado
  • Delimitar o “tema” trabalhado na narrativa ( unidade em um conjunto de depoimentos – particularidades de cada depoimento)
  • Episódios, referências e motivos delitimitadores
  • Trama da narrativa – intenção do entrevistado
a marcha para oeste e o nascimento do eldorado
A Marcha para Oeste e o nascimento do Eldorado
  • “Eu nasci em Jau...depois vim para Pederneira. Depois vim para cá [...] E, sabe, lá a terra ficou meio velha e a família era grande. Meu pai tinha sete filhos e não dava para todo mundo. Eu via que aquilo, ao invés de melhorar ia piorar. Precisava trabalhar que nem louco. Na roça não tinha futuro, era terra velha e cansada, não é? Ai eu arrisquei a vida, não tinha dinheiro não! Ai aquela fama, vinha corretor. Ia daqui para lá, não é? E que lá é bom e tudo[...]”

Sr. Antonio Menolli, carroceiro aposentado, ex-sitiante, 83 anos

slide5

“Bom, eu vim para Londrina porque a minha região, ao tempo que eu me formei no Rio de Janeiro [...] era decadente. E pode-se dizer que todo o estado de Minas Gerais passava por um período de depressão e era [...] naquele momento, um estado pobre. E a mocidade, as gerações novas, tinham pouca oportunidade [...] Aí veio a crise em trinta e que prolongou-se[...] Até 1940 todo Brasil estava em crise [...] E a gente então em face da notícia: o Paraná tem uma zona muito boa, muita produção, é fácil adquirir terra, todo mundo pode adquirir terra sem ter dinheiro, a crédito – isso aqui encheu em pouco tempo, não é?”

Sr. José Hosken de Novais, advogado, ex-prefeito, 75 anos.

slide6

“E: A Sra. Já tinha ouvido falar do Norte do Paraná quando veio para cá?

D: Já, porque o Norte do Paraná fez propaganda como a galinha quando bota ovo, não é? Que cocoreca bastante! Não tinha um pedaço do Brasil que não tivesse propaganda do Norte do Paraná! Toda parte tinha. Inclusive eles iam buscar gente no norte do Brasil para vir trabalhar em Londrina.[...]

E: E o que se falava do Norte do Paraná nesta época?

D: Ah! Que tinha muito dinheiro. Corria muito dinheiro. Que o povo todo era rico.”

D. Mária Angélica de Lima, pequena proprietária, 79 anos.

a corrida do ouro o eldorado e o pioneirismo
A corrida do Ouro, o Eldorado e o Pioneirismo
  • “O crescimento da cidade espantava todo mundo. Aqui, por volta de 44, 45, esta Avenida Paraná era um passar de caminhões, um atrás do outro. Caminhões de mudança! Sabe como é? Um atrás do outro: passando, passando, não é [...] Quer dizer, essa vertigem, não é?[...] Deixava a gente assim, de fato, perplexo, sabe como é? Onde vai tanta gente? Para onde vai tanta gente? O que vai fazer tanta gente aqui nesta região? Era uma coisa...um fato extraordinário, um fato extraordinário. Nunca tinha visto”

Sr. Milton Menezes, ex-prefeito, advogado, 78 anos.

slide8

“Eu me lembro... Quando chegava aquele trem, mas descarregava tanta gente...tanta gente naquele trem. Aí subia aquele bando, tudo com aqueles sacos, aquelas coisaradas. Tudo para se instalar aqui pelo Paraná. Demais naquela época!”

D. Hilária Lopes, dona de casa, 69 anos.

slide9

“As vezes o sujeito vinha na minha oficina: - ‘como é, tem carroça aí, pronta?’ – ‘Não, eu tenho, mas não dá, para hoje não dá, não posso’. – ‘Quanto é a carroça?’ – ‘Um conto e cinquenta!’ – ‘Bom se me entregar hoje eu pago dois contos’. Eu não dava conta. Cheguei a fazer quinze carroças por mês, mas a tabela era dez carroças e quatro charretes. Eu não dava conta.”

Sr. Jacinto Tosetti, oficial mecânico aposentado, 84 anos.

slide10

“Todo mundo ficava doido, era a corrida do ouro! O Eldorado: era o oeste, você tinha tudo! E os sitiantes...quando chegava no sábado vinham fazer as compras para a semana. Então eles vinham com os carrinhos, os que tinham caminhonetes traziam as caminhonetes, os que não tinham, eram as carroças, não é? Você encontrava nos açougues todas as qualidades de carnes que você queria...as mercearias superlotadas de tudo...”

D. Severina Alho, dentista aposentada, 76 anos.

slide11

“ Era um Eldorado mesmo! Era como...o oeste americano. A conquista do oeste nos Estados Unidos foi uma coisa extraordinária para os Estados Unidos. Então o Norte do Paraná, era como...foi o oeste para os Estados Unidos...”

Sr. Hamil Adum, jornalista e advogado aposentado, 78 anos.

slide12

“Pioneirismo são aqueles homens que chegaram aqui em primeiro lugar, marcaram sua presença por ações em benefício da coletividade. A atuação em favor da coletividade e uma liderança pela sua inteligência, pela sua correção e pelo seu espírito de servir. É como o líder político, não?

Sr. José Hosken de Novais, advogado, ex-prefeito, 75 anos.

slide13

“E aí então surgiu aquele ideal de conquista do Norte do Paraná [..] mas isto eles demonstraram: que a riqueza do Paraná estava aqui e que Curitiba estava começando a crescer em virtude do trabalho dos homens do Norte do Paraná[...] E formou-se então, não uma casta, mas formou-se líderes incontestes...e prestaram serviço de liderança político-social à nova formação de 1946 em diante.”

Sr. Alcyone P. F. Alvez, ex-vereador, advogado e comerciante de café aposentado, 72 anos.

slide14

“Olhe, isso aí está na cara, porque uma cidade, uma região como essa, rica, terra boa, fértil, de produzir bastante...É como eu disse no começo: o principal do Norte do Paraná, principalmente de Londrina, foi o café. Isso eu acredito que se procurar pessoas que está aqui do começo, que viu como é, vai dizer a mesma coisa.”

Sr. Antonio Lima Sobrinho, operário da construção civil aposentado, 79 anos.

slide15

“ O Eldorado... é porque as pessoas que vinha se implantava e conseguia viver bem. Por isso que eles falava que é o Eldorado. Mas não era também o Eldorado para todo mundo, não é? O Eldorado foi para aquelas pessoas que conseguiram é...ficar com a posse da terra. Então para eles era Eldorado, não é? Por exemplo, os trabalhadores do nordeste, vieram muita gente para cá e ficava morrendo à míngua aí, não é? Levado como objeto para as fazenda, para prestar serviço para os grandes fazendeiros e depois, quando não servia mais por qualquer circunstância, eles despejavam aqui sem nenhuma responsabilidade, não é? Pioneiro é aquele elemento que veio para desbravar a terra ai, não é? Agora esses eram pioneiros com dignidade, agora têm outros pioneiros com indignidade, com malandragem... As vezes fizeram muita arbitrariedade! Que tem gente aí que matou índio, que matou posseiro, fez muito sangue para poder ser o que é hoje e a história, infelizmente, tapa isso ai, não é?”

Sr. Genecy Guimarães, operário torneiro, ex-vereador, 70 anos.

slide16

“Porque vinha nordestino para cá, mas geralmente era peão.Vinha aquela manada do nordeste[...] Eles vinham colher café, sabe? Era bom, mão-de-obra, não é?[...] Você vai no serviço sujo, é tudo nordestino! Quem é que ia fazer esse serviço se não fosse eles? Tinha que vir de qualquer lugar. Só se trouxesse negro da África...tinha que trazer uns escravos da África que nem fizeram os portugueses aqui no começo, não é? [...] Acabaram com as matas do Paraná inteiro[...]Terminou a guerra em 45? Eu acho que em vinte, trinta anos eles varreram a mata do Paraná inteiro.”

Sr. Luiz Juliani, fotógrafo ambulante, 68 anos

slide17

“Vida no sertão, rapaz! É dura, é dura! Tem que cortar lenha, carregar água na cabeça, lavar a roupa muito longe. Se não tem lenha picada, tem que picar lenha para fazer o café [...] fogão de lenha, nem de ferro era...era de terra socada com a chapa em cima.”

D. Mária Angélica de Lima, pequena proprietária, 79 anos.

o fim do eldorado
O fim do Eldorado
  • “[...]depois que o café desapareceu, voltou-se para a lavoura de soja, cereais, principalmente a soja, que substituiu mais o café, mas aí tiraram a mão-de-obra do pessoal. Foi onde veio a miséria quando procuraram erradicar o café...eu conheço a fazenda Maragogipe e outras, e era como uma cidade. O povo tudo ganhava dinheiro, todo mundo vivia contente, tinha aquela harmonia e depois que acabou o café, acabou! Todo mundo saiu, acabou, estão tudo desesperado, que é onde criou esses bóia-fria e criou as grandes favelas na cidade. Mas tudo isso é ganância do capitalista.”

Sr. Antonio Lima Sobrinho, operário da construção civil aposentado, 79 anos.

slide19

“Mas eu culparia o sindicato...Naquele tempo era patronal, era uma caderneta...tinha a obrigação do colono e a obrigação do patrão...Hoje criaram esse negócio de horário de trabalho. É lógico, tem que ter um limite para trabalhar, certo, eu concordo. Mas naquele tempo não tinha... e o que venceu muito foi o trabalhar mais para produzir mais e ganhar, não é? Eu acho! Mas esse entusiasmo não existe, o povo não tem...Não existe porque...sei lá, acho que todo mundo tem o mesmo direito.”

Sr. Arlindo Codato, ex-fazendeiro e comerciante de café, 76 anos.

slide20

“O trabalhador fazia quase parte da família[...] E acho que eles tinham uma vida de mais segurança, porque o patrão atendia. E hoje não. Hoje como você, para ter o trabalhador dentro de sua fazenda, você tem que assumir mil encargos sociais, não tem mais condições. Então, não dão mais a terra, não dão mais a casa, não querem mais ninguém morando lá e vai ficando esse povo...esses bóias-frias que você está cansado de ver por ai...na miséria, sem ter o que comer...sem condições de vida, não é?

D. Vera Câmara, dona de casa, fazendeira, 73 anos.

slide21

“Porque o café...sempre teve um acordo com os Estados Unidos...o mercado europeu...e sempre foi difícil lutar com o café. Por causa da produção: começou a produzir muito e os países vizinhos que produz café...eles avançavam... Não sei se a mão-de-obra mais barata...Então houve a superprodução, tanto que foi queimado muito café.”

Sr. Arlindo Codato, ex-fazendeiro e comerciante de café, 76 anos.

slide22

“Depois que os generais entraram a cidade perdeu tudo. Tudo! Não é mais a Londrina que era. Tudo alegria, tudo era maravilha. Nós não pensávamos que Londrina ficasse uma cidade triste – uma pena, acabou! Entristeceu a cidade mesmo, ficou uma cidade cosmopolita, como uma cidade qualquer.”

D. Severina Alho, dentista aposentada, 76 anos

entrevista produzida por outros pesquisadores
Entrevista produzida por outros pesquisadores
  • Intenções do pesquisador: lugar e conjuntura histórica da produção da entrevista
  • Condução: universo ideológico de entrevistador e entrevistado, seus conflitos e superposições
  • Resultados obtidos: hierarquia das idéias resultantes do processo e o seu lugar na historiografia que aborda a questão proposta
entrevista de jo o c ndido revolta dos marinheiros de 1910
Entrevista de João Cândido (Revolta dos Marinheiros de 1910)

Do lugar de produção e conjuntura: 1968 – MIS/RJ

  • Morte de Edson Luís – RJ
  • Guerrilha
  • Costa e Silva ( “linha dura”)
  • AI-5
  • Associação dos Marinheiros e Fuzileiros Navais do Brasil ( 4 anos extinção)
  • 2 anos rebelião dos marinheiros ( 1962)
  • MIS – Criado em 1965 – Carlos Lacerda – Claudia Mesquita- Três tempos da memória carioca em disputa: memória nacional, memória da cidade e memória militante.
  • Memória da cidade: Depoimentos para a posteridade/ Legitimar o museu/ Figuras históricas/ Centro cultural /espaço de abertura: o museu : lugar de conflito de memórias.
slide25

Condução da entrevista

  • Helio Silva, Dulce Alves, Sérgio Junqueira, Ricardo Cravo Albim, Adalberto Cândido.
  • Interrogatório.
  • Helio Silva: narrador principal
  • Definição apriori sobre o entrevistado
  • Reforçar imagem já existente sobre o marinheiro e a revolta de 1910
slide26

Helio Silva: tomada de consciência

consciência limitada ao aviltamento pessoal

X

João Cândido: consciência coletiva

Frente à narrativa de Hélio Silva

Eu x Nós

( entre o que o entrevistador deseja e o que o entrevistado quer dizer)

slide27

Eu x Nós

Poder Coletivo – Evento Novo

“Confusão” de João Cândido

Visões e versões sobrepostas

Revolta x Revolução

slide28

Intenções de João Cândido

Imagem pacificada- jamais bombardear o Rio de Janeiro – Cidade amada

Coincidência de interesses:

entrevistadores - entrevistado

slide29

Liderança de João Cândido

X

A pacificação da história exigiu ocultamentos:

Rebaixamento

Participação na repressão

à Revolta do Batalhão Naval

slide30

Debate posterior ilumina depoimento:

Revolta Popular ( Herói)

X

Insubordinação (Degenerados)

Hélio Silva – Edmar Morel

dos resultados do processo
Dos resultados do processo
  • Entrevista conflituosa: expectativas do museu x João Cândido
  • Museu: confirmar o que se sabe sobre 1910
  • João Cândido: ser reconhecido, depoimento para a posteridade, não decepcionar o entrevistador
slide32

Conflito: ausência de comunicação

  • Hiato entre perguntas e respostas preenchido pelos desvios da fala de João Cândido – revela seu militarismo e nacionalismo ufanista.
  • Revoltoso 1910
  • Integralista
  • Condena revolta dos marinheiros de 1962
  • Apóia o golpe militar de 1964
slide33

Descompasso entre o que se desejava e o que foi: fortuna do depoimento

  • Nem à esquerda, nem à direita
  • Nenhum modelo historiográfico
  • Censura dos conservadores e desilusão dos progressistas
slide34

João Candido e a Revolta de 1910

Desafia o esquecimento, o silêncio, o esquecimento e a historiografia

Herói: referencial para movimentos negro e dos marinheiros em busca da anistia

Imagem do Herói: evoca polêmica/ João Cândido é um ser humano

Entrevista: o ser humano que a imagem do herói não suporta

bibliografia
BIBLIOGRAFIA
  • SANTOS, Antonio César de A. Fontes orais: testemunhos, trajetórias de vida e história.

( www.uel.br/cch/his - DH – UEL)

  • ARIAS NETO, José Miguel. Pioneirismo: discurso político e identidade regional. In Revista Brasileira de História. São Paulo, v 14, n 28, 1994.
  • ________________________. João Cândido 1910-1968: arqueologia de um depoimento sobre a Revolta dos Marinheiros. História Oral, v.6, 2003.
  • ALBERTI, Verena. Fontes orais: histórias dentro da história. In PINSKY, Carla B. (Org.). Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2005.
  • LUCA, Tania Regina de. O trabalho e suas representações em famílias negras de São Paulo. ( texto mimeo ).