slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Teologia Sistemática 3: Cristologia / Soteriologia PowerPoint Presentation
Download Presentation
Teologia Sistemática 3: Cristologia / Soteriologia

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 24

Teologia Sistemática 3: Cristologia / Soteriologia - PowerPoint PPT Presentation


  • 1182 Views
  • Uploaded on

Teologia Sistemática 3: Cristologia / Soteriologia. Teologia Sistemática 3. Objetivo:. Que ao final do curso os alunos sejam capazes de aplicar o conhecimento de Cristologia e Soteriologia à tarefa apologética e evangelística. Teologia Sistemática 3. Conteúdo 1:.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

Teologia Sistemática 3: Cristologia / Soteriologia


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
    Presentation Transcript
    1. Teologia Sistemática 3: Cristologia / Soteriologia

    2. Teologia Sistemática 3 Objetivo: Que ao final do curso os alunos sejam capazes de aplicar o conhecimento de Cristologia e Soteriologia à tarefa apologética e evangelística

    3. Teologia Sistemática 3 Conteúdo 1: 1.1 Cristologia: Definições 1.2 Análise Histórica da Cristologia 1.2.1 Arianismo 1.2.2 Pelagianismo 1.3 Humanidade de Cristo 1.4 Divindade de Cristo 1.5 Encarnação: Divindade e Humanidade 1.6 Expiação 1.7 Ressurreição e Ascenção 1.8 Ofícios de Cristo

    4. Teologia Sistemática 3 Conteúdo 2: 2.1 Soteriologia: Definições 2.2 Análise Histórica, Bíblica e Exegética 2.3 Calvinismo 2.4 Arminianismo 2.5 Eleição 2.6 Conversão 2.7 Regeneração 2.9 Justificação 2.10 Adoção 2.11 Santificação 2.12 Batismo 2.13 Perseverança dos Santos 2.14 Morte e estado intermediário 2.15 Glorificação 2.16 União com Cristo

    5. Teologia Sistemática 3 Critério de avaliação: 1. Trabalho (4) 2. Leitura: ERICKSON, Millard J. Introdução à Teologia Sistemática. São Paulo: Vida Nova, 1997, p. 275-340 / 369-433 (2) 3. Prova Dissertativa (4)

    6. Teologia Sistemática 3 Trabalho: Escolher um dos tópicos (conteúdo 1 ou 2) e comparar 3 autores diferentes somado com a conclusão do aluno.

    7. Teologia Sistemática 3 Bibliografia: BANCROFT, E. H. Teologia Elementar. 3.ª Ed. São Paulo: Editora Batista Regular, 1998 CABTREE, Asa R. Teologia do Antigo Testamento. Rio de Janeiro: Juerp, s/d ERICKSON, Millard J. Introdução à Teologia Sistemática. São Paulo: Vida Nova, 1997 GRUDEM, Wayne. Teologia Sistemática. São Paulo: Edições Vida Nova, 1999 KAISER, Walter. Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Ed. Vida Nova, s/d KELLY, J. N. D. Doutrinas Centrais da Fé Cristã: origem e desenvolvimento. São Paulo: Vida Nova, 1993

    8. Teologia Sistemática 3 Bibliografia: LANGSTON, A. B. Esboços de Teologia Sistemática. 3.ª Ed. Rio de Janeiro: JUERP, 2007 LADD, George E. Teologia do Novo Testamento. 2ª Ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1986 FERREIRA, Franklin. Teologia Sistemática. 2ª Ed. São Paulo, Vida Nova, 2008 BRAATEN, Carl E. Dogmática Cristã, Ed Sinodal VERMES, Geza. Jesus e o mundo do judaísmo. Ed Loyola CULLMAN, Oscar. Cristologia do N. T. E Liber

    9. Cristologia Definição: Estudo da pessoa e da obra de Cristo Jo 20.31. Estes (sinais), porém, foram escritos para que creiais que Jesus Cristo, o filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.

    10. Cristologia Definição: Seu alvo é construir uma interpretação e significado da pessoa de Jesus Cristo a partir do ponto de vista da fé.

    11. Cristologia Definição: ...logo há uma dimensão de mistério no processo da reflexão teológica Mt 16.16,17 ... é necessário uma revelação de Deus (Jo 6.44), o poder da fé (Mc 16.16) e o testemunho do Espírito (Jo 16.8).

    12. Cristologia Definição: É o Espírito que tira o Jesus histórico da distância da história passada e o situa, como o Cristo vivo, no contexto existencial do momento presente. (CarlsBraaten – Dogmática Cristã, pg 463).

    13. Cristologia Definição: Cristologia é a explicação do Cristo vivo corporificado no Jesus de Nazaré. Cujo retrato autêntico se dá na Bíblia que o revela como Senhor e Rei.

    14. Cristologia Ponto de partida: Jesus histórico x Cristo ressurreto

    15. Cristologia Ponto de partida: 1. PREEXISTÊNCIA DE CRISTO SE DÁ ANTES DA FORMAÇÃO DO MUNDO Jo.1.1. no princípio era o verbo, e o verbo estava com Deus, e o verbo era Deus. 2. Ele estava no princípio com Deus 3. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez.

    16. Cristologia Ponto de partida: 2. JÁ HAVIA NA QUEDA UMA PROMESSA DA VINDA DE CRISTO Gn.3.15. Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar ESTE TEXTO É UMA EXPLICAÇÃO REMIDORA SERIA SOLUÇÃO DE DEUS PARA O PROBLEMA CAUSADO O RESULTADO DA CRUZ É A SALVAÇÃO POR MEIO DO MESSIAS E SUA MISSÃO .

    17. Cristologia Ponto de partida: 3. CONSIDEREMOS NO A. T. SUA TIPOLOGIA COM VÁRIOS SINAIS 1. TÚNICAS DE PELE GN.3.21 2. CORDEIRO SUBSTITUINDO ISAQUE GN.22.13 3. CODEIRO PASCAL EX.12 4. OS SACRIFÍCIOS LEVÍTICOS LV.1-7 5. A ORDENANÇA DO NOVILHO NU 19 6. O SACRIFICIO DO DIA DA EXPIAÇÃO LV.16 7. A ARCA GN.6 / I PD.3.18-22 8. A PASSAGEM ATRAVÉS DO AMR VERMELHO I CO.10.1-2 9. OS 2 MEMORIAIS JS.3-4 10. O RAMO LANÇADO NAS ÁGUAS DE MARA EX.15.23-26 11. A ROCHA FERIDA EX.17.6 // I CO.10.4 12. O FIO DE ESCARLATE JS. 6 13. SERPENTE DE BRONZE NM 21.5-9

    18. Cristologia Ponto de partida: 4. COMPARAÇÕES DO NOVO E O VELHO LUZ E GLÓRIA IS 60.19 ........................AP.2.32 PEDRA DE TROPEÇO IS 8.13-14.............I PD.2.7-8 PASTOR SL.23.1.......................................JO 10.11 SENHOR IMUTÁVEL SL.102.24-27...........HB.1.10-12

    19. Cristologia Ponto de partida: 5. JESUS HISTÓRICO X CRISTO DIVINO PRIMEIRAMENTE JESUS FOI JUDEU E POSTERIORMENTE CRISTÃO ISSO EM TERMOS DE SUA MISSÃO Mc.6.3. Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, José, Judas e Simão ? E não vivem aqui entre nós suas irmãs ? E escandalizavam-se nele.

    20. Cristologia Ponto de partida: • 5. JESUS HISTÓRICO X CRISTO DIVINO • ERA UM GALILEU E NO ASPÉCTO MINISTERIAL ERA: • MESTRE CARISMÁTICO • AGENTE DE CURA • EXORCISTA • O QUE ERA COMUM: • At.5.36. Porque, antes destes dias, se levantou Teudas, insinuando ser ele alguma coisa, ao qual se agregaram cerca de 400 homens; mas ele foi morto, e todos quantos lhe prestavam obediência se dispersaram e deram em nada. • 37. Depois desse, levantou-se Judas, o Galileu, nos dias do recenseamento, e levou muitos consigo; também este pereceu, e todos quantos lhe obedeciam foram dispersos.

    21. Cristologia Ponto de partida: • 6. JESUS NÃO ERA INTERPRETADO DE MANEIRA CORRETA COM SUAS ATITUDES • Is 61 /// Lc.4.21. ...Hoje se cumpriu as escrituras que acabais de ouvir; • JESUS ERA UM ELEMENTOS COMUM DO SEU TEMPO • CONTINHA TRAÇOS FORTES DE SUA CULTURA • ERA UM SER CONTEMPORÂNEO DA ÉPOCA • DAÍ A DÚVIDA COM RELAÇÃO A MESSIANIDADE

    22. Cristologia Ponto de partida: • 7. REPÚDIO DE UM LADO • QUANDO AGIA COMO DEUS • Mc.2.5. Vendo-lhes a fé, Jesus disse ao paralítico: Filho, os teus pecados estão perdoados. • 6. Mas alguns dos escribas estavam assentados ali e arrazoavam em seu coração. • 7. Porque fala ele deste modo? Isto é blasfêmia! Quem pode perdoar pecado, senão um, que é Deus?

    23. Cristologia Ponto de partida: • 8. CRÉDITO DO OUTRO • NO MUNDO DO JUDAÍSMO ERA VISTO COMO UM MESTRE • POR ALGUNS ERA VISTO COMO UM GRANDE HOMEM • ATRAIA O RESPEITO DE ALGUNS • NICODEMUS • Jo3.2.....Rabi, sabemos que és mestre vindo da parte de Deus...

    24. Cristologia Ponto de partida: • 9. MÉTODO ERA APLICADO COM EXOUXIA = AUTORIDADE • Mt.7.29.porque ele as ensinava como quem tem autoridade e não como os escribas