circuito internacional das miss es jesu tico guarani l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
CIRCUITO INTERNACIONAL DAS MISSÕES JESUÍTICO-GUARANI PowerPoint Presentation
Download Presentation
CIRCUITO INTERNACIONAL DAS MISSÕES JESUÍTICO-GUARANI

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 22

CIRCUITO INTERNACIONAL DAS MISSÕES JESUÍTICO-GUARANI - PowerPoint PPT Presentation


  • 140 Views
  • Uploaded on

CIRCUITO INTERNACIONAL DAS MISSÕES JESUÍTICO-GUARANI. Profª. Ms. Carmen Regina Dorneles Nogueira. CARACTERIZAÇÃO GERAL DA ÁREA DE ESTUDO. Territórios que hoje pertencem à Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai onde, no século XVII, foram implantadas as Reduções Jesuítico-Guarani.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

CIRCUITO INTERNACIONAL DAS MISSÕES JESUÍTICO-GUARANI


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
circuito internacional das miss es jesu tico guarani

CIRCUITO INTERNACIONAL DAS MISSÕES JESUÍTICO-GUARANI

Profª. Ms. Carmen Regina

Dorneles Nogueira

caracteriza o geral da rea de estudo
CARACTERIZAÇÃO GERAL DA ÁREA DE ESTUDO

Territórios que hoje pertencem à Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai onde, no século XVII, foram implantadas as Reduções Jesuítico-Guarani.

As reduções tiveram ascensão atingindo grande progresso o que chegou ameaçar as coroas ibéricas.    

Apesar do avanço as reduções foram exterminadas devido a disputa entre as coroas de Portugal e Espanha, ataques de bandeirantes, ataques de outras tribos indígenas, bem como, pela revolta dos Guarani.Após a derrocada das missões a região foi recolonizada, recebendo correntes imigratórias de italianos, alemães, poloneses, russos, espanhóis, entre outros.

Hoje, a população regional encontra-se extremamente empobrecida, dedicando-se, basicamente, à agricultura, pecuária e agroindústria.

caracteriza o geral da rea de estudo4
CARACTERIZAÇÃO GERAL DA ÁREA DE ESTUDO

Possui um valioso patrimônio histórico-cultural representado pelos remanescentes da cultura Jesuítico-Guarani, dentre os quais destacam-se vários sítios arqueológicos tombados pela UNESCO (São Miguel das Missões, São Ignácio, Santa Maria, Loreto, Jésus, Trinidad). Somente para o sítio de São Miguel das Missões, no Brasil, convergem em torno de 70 mil turistas/ano.

antecedentes
ANTECEDENTES

Na década de 70 foi realizada uma comissão tripartite, buscando elaborar um plano de desenvolvimento integrado para a região da Foz do Iguaçu e Missões.

No final dos anos 80 e início dos anos 90, atividades isoladas apontaram tendências de aproximação na busca de solução para problemas regionais comuns.Neste mesmo período os processos de emancipação trouxeram sérias conseqüências à economia de certos municípios, como o caso de Santo Ângelo que perdeu cerca de 70% de sua área produtiva.

A política agrícola ineficiente (inexistente), aliada a graves problemas climáticas, provocou a descapitalização dos produtores rurais e o empobrecimento da comunidade regional.

antecedentes6
ANTECEDENTES

Com isso a região passa a buscar, no turismo, alternativas para a dinamização da economia e do desenvolvimento regional.

Com a implantação do Mercosul, através das RETs, foram realizados estudos conjuntos visando implementar o turismo no âmbito do mercado comum. Nestas RETs tem-se discutido especialmente: Legislação sobre entrada e saída de veículos automotores; política aerocomercial; planos de marketing; facilitação de fronteiras; formatação de produtos turísticos (Polo Turístico Internacional do Iguaçu, Circuito Internacional das Missões Jesuíticas, Mundo Gaúcho, Aquífero Guarani, Ecoturismo, Turismo Religioso, Turismo de Terceira Idade e Turismo Rural).

circuito internacional das miss es jesu ticas
CIRCUITO INTERNACIONAL DAS MISSÕES JESUÍTICAS

Lançado (1995 - Santo Ângelo, 1997 – Havana, 1998 – Recife e Londres).

Primeiro Roteiro Turístico oficial do Mercosul.

Declarado pela UNESCO como um dos quatro roteiros históricos internacionais mais importantes do mundo.

Objetivos: divulgar a história dos Trinta Povos Missioneiros, resgatar as obras realizadas pela comunidade Jesuítico-Guarani, consolidar a região como pólo turístico internacional, resgatar e transmitir os valores culturais e regionais às futuras gerações, valorizar e preservar o patrimônio regional, constituir-se em uma alternativa para o desenvolvimento regional.

circuito internacional das miss es jesu ticas8
CIRCUITO INTERNACIONAL DAS MISSÕES JESUÍTICAS

Estratégias:

a) Acordo regional entre os países do bloco;

b) Criação de uma comissão regional dos países para estudos sobre a atual situação da área envolvida, tendo sido analisados os seguintes aspectos:

- inventário e promoção dos recursos turísticos existentes, tais como recursos naturais, culturais, históricos ;

- levantamento e melhoria da infra-estrutura básica existente quanto a transportes (acessos, pavimentação, rodoviário, aeroviário) saúde, segurança, iluminação, comunicações;

- levantamento dos serviços e equipamentos turísticos.

circuito internacional das miss es jesu ticas9
CIRCUITO INTERNACIONAL DAS MISSÕES JESUÍTICAS

  c) Fixação de medidas necessárias para promover a integração entre iniciativa privada e pública através de:

- informações e conhecimentos de linhas de crédito nacionais e internacionais para a infra-estrutura de equipamentos no setor;

- cursos de capacitação para pessoal de hotelaria, bares, restaurantes, comércio e transportes;

- cursos de capacitação de guias de turismo bilíngües;

- implantação de postos de informações regionais, internacionais e promoção de associações dos países integrantes do circuito;

  d) Promoção de estudos de mercado, campanhas a nível nacional e internacional e participação em eventos internacionais.

pol ticas e programas
POLÍTICAS E PROGRAMAS

  - PRODETUR SUL- MERCOSUL

- PROJETO MISSÕES – SETUR/RSDEMOCRATIZAÇÃO DO TURISMO INTERNO (PNT)

- PNMT – Santo Ângelo – Polo Turístico Prioritário (normativa 329-EMBRATUR)

(COMTUR – FUNTUR – FORUM DE TURISMO – CURSOS)

dificuldades
DIFICULDADES

- antiga hostilidade entre os habitantes da fronteira;

- contrabando;

- lavagem de dinheiro;

- tráfico de drogas;

- armas e abrigo a terroristas;

- dificuldade de acesso físico às localidades; - integrantes do circuito (não existência de uma ponte, burocracia nas aduanas, precariedade ou inexistências de asfalto no acesso aos sítios, não existência de linhas de transporte);

- grande dificuldade na realização de câmbio aceitação de cartões de crédito;

- inexistência de um plano de desenvolvimento turístico integrado;

dificuldades12
DIFICULDADES

- falta de recursos humanos e materiais, falta de segurança;

- salienta-se a dificuldade de obtenção de financiamento para a realização de novos empreendimentos e melhoria dos existentes;

- carência de profissionais qualificados;

- desconhecimento da História, por parte da comunidade regional, acarreta a desvalorização do patrimônio e descrédito no turismo como propulsor do desenvolvimento;

- distanciamento da região quanto a outros pontos turísticos e a ausência de uma maior diversidade de atrativos ou opções de lazer;

- desconhecimento da Língua Portuguesa (na Argentina, no Paraguai e no Uruguai) e da Língua Espanhola (no Brasil);

dificuldades13
DIFICULDADES

- a precariedade de sinalização e pontos de informações turísticas ;

- a falta de marketing turístico;

- apesar de existirem vários guias regionais, poucos são os que atuam efetivamente e têm plenas condições de dar bom atendimento aos turistas;

- a falta de entrosamento e trabalho cooperativo entre as instituições comunitárias;

- as rivalidades políticas-partidárias, as vaidades pessoais e a competição entre os setores público e privado , entre outros.

dificuldades14
DIFICULDADES

- iniciativa das Secretarias Municipais de Turismo e Educação de Santo Ângelo;

- o empenho da Associação do Brique da Praça e Associação dos Artistas Plásticos e Artesãos de Santo Ângelo;

- o trabalho profícuo da Secretaria Municipal de Turismo do Município de Santo Ângelo na coordenação nacional do Projeto Missões assim como na representação em Reuniões Especializadas de Turismo do MERCOSUL;

- a dedicação com que o IPHAN realiza o trabalho de recuperação e conservação do patrimônio regional, bem como, procede sua divulgação;

dificuldades15
DIFICULDADES

- a coragem de inovar e a de buscar melhorias demonstradas por alguns empresários que, fazendo investimentos e implantando programas de qualidade em seus estabelecimentos, colaborando para a melhoria do atendimento aos turistas e à comunidade regional;

- a preocupação constante em resgatar e divulgar a História e a cultura regional por parte do grupo de teatro santo-angelense “A Turma do Dionísio”;

- a angústia pela busca do “saber mais”, do “aprender” na área do turismo demonstrado por diversos segmentos da comunidade;

dificuldades16
DIFICULDADES

- a existência de importantes universidades na região, URI (mantém o Curso de Administração de Empresas com Habilitação em Projetos de Empreendimentos Turísticos), UNIJUÍ, UNICRUZ, que implantou o Curso de Turismo,(Brasil), UNAM (Argentina), que mantém um Curso de Turismo e a Universidad Católica Nuestra Señora de la Asunción (Paraguai);

- a excelente estrutura da URI-Campus Santo Ângelo que mantém o CCM, importante referência histórico-cultural da região;

- o esforço em prol da integração empreendido pelos integrantes da FEBAP;

- incentivos provenientes da Câmara Estadual de Turismo, da Secretaria Estadual de Turismo, bem como às diretrizes e intenções do CRD-Missões.

conclus o
CONCLUSÃO

Circuito Internacional da Missões Jesuíticas:

- É um produto que foi lançado mundialmente mas que o turista tem dificuldade de “consumi-lo” .

- Não é reconhecido pela comunidade regional.

Para que o turismo venha a colaborar efetivamente com o desenvolvimento regional é necessário:

  1. a fortificação do espírito integracionista;

2. conhecimento profundo da realidade regional, especialmente em relação à demanda, suas necessidades e anseios;

3. a implantação de uma política integrada;

4. efetiva formatação do produto “CIRCUITO INTERNACIONAL DAS MISSÕES JESUÍTICAS”, através:

conclus o18
CONCLUSÃO

- de diagnóstico das potencialidades e limitações do turismo regional, evidenciando os recursos reais e os potencialmente capazes de contribuir para o incremento do turismo na região;

- da sensibilização, participação e da qualificação da mão de obra local;

- da diversificação do artesanato com valorização dos temas regionais;

  - da melhoria nas condições de capitalização dos empresários locais;

- do resgate da identidade histórico-cultural da região;

- da melhoria dos serviços prestados;

- da articulação dos poderes públicos regionais para a realização de ações conjuntas com o setor privado;

conclus o19
CONCLUSÃO

- da implementação de um plano de marketing que valorize os atrativos regionais mas que não venda uma imagem irreal, para que o turista não se sinta frustrado ao realizar o circuito;

- da intensificação do processo de educação e esclarecimento da população em relação a importância do turismo e do bem receber ao turista;

- da conscientização de muitos comerciantes no sentido da não exploração econômica dos turistas;

- de oferecimento de novos atrativos e novas opções de lazer contemplando especialmente a clientela escolar, responsável, pelo maior fluxo turístico à região, no momento;

- da implantação de projetos que tenham sido discutidos com a comunidade;

- da transformação das potencialidades em produtos diferenciados e competitivos;

conclus o20
CONCLUSÃO

- do estabelecimento de linhas regulares de transportes coletivos entre as localidades integrantes do circuito;

- da melhoria da infra-estrutura básica receptiva tais como serviços de hospedagem, lazer, recreação e de apoio;

- do incentivo a outras modalidades de turismo ideais para serem desenvolvidas especialmente no período de baixa temporada, tais como: turismo em propriedades rurais, ecoturismo, turismo de eventos, turismo para a terceira idade, turismo religioso.

- do entendimento de que o turismo não seja visto somente como fonte de renda e sim como um dos fatores do desenvolvimento regional.

conclus o21
CONCLUSÃO

 Recomenda-se que sejam estabelecidas políticas estratégicas contemplando ações conjuntas relativas: 

- ao desenvolvimento de pesquisas integradas objetivando a análise e produção de novos conhecimentos sobre:

- a oferta e a demanda turística regional;

- a infra-estrutura receptiva;

- a educação patrimonial e educação para o turismo;

- à necessidade de articulação territorial especialmente no que diz respeito aos serviços de transporte, a facilitação de trânsito de turistas, ao sistema de promoção e comercialização do circuito;

- à elaboração de um plano de desenvolvimento turístico identificado com as especificidades regionais.

ficha t cnica
FICHA TÉCNICA:
  • Concepção:

Profª. Ms. Carmen Regina Dorneles Nogueira

e-mail: crdn@urisan.tche.br

Home Page: http://www.urisan.tche.br/~crdn

  • Apoio Técnico:
  • Fernando Neves dos Santos (estagiário)