slide1
Download
Skip this Video
Download Presentation
POR ONDE VAI A ECONOMIA PORTUGUESA … E DE ONDE VEM

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 27

POR ONDE VAI A ECONOMIA PORTUGUESA … E DE ONDE VEM - PowerPoint PPT Presentation


  • 101 Views
  • Uploaded on

POR ONDE VAI A ECONOMIA PORTUGUESA … E DE ONDE VEM. JOAQUIM AGUIAR 18 DE JUNHO DE 2013. POR ONDE VAI A ECONOMIA PORTUGUESA… Só pode ir para os espaços regionais e globais … Para uma Europa mais competitiva e menos distributiva…

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'POR ONDE VAI A ECONOMIA PORTUGUESA … E DE ONDE VEM' - lael


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1
POR ONDE VAI A ECONOMIA

PORTUGUESA … E DE ONDE VEM

  • JOAQUIM AGUIAR
  • 18 DE JUNHO DE 2013
slide2
POR ONDE VAI A ECONOMIA

PORTUGUESA…

Só pode ir para os espaços regionais e globais…

Para uma Europa mais competitiva e menos distributiva…

Para uma integração global nos fluxos entre o Ocidente e Oriente…

… E DE ONDE VEM:

De dispositivos de regulação “internos” destruidores do crescimento sustentável

De uma integração europeia divergente em salários e políticas orçamentais…

slide5
DOMÍNIO DO ESTADO SOBRE A ECONOMIA
  • VALORIZAÇÃO DA ESTRATÉGIA DISTRIBUTIVA
  • ALTERAÇÃO DA ESCALA ESTRATÉGICA
  • FIXAÇÃO DA ESCALA EUROPEIA
  • PRIVATIZAÇÕES: FORMAÇÃO DE ÁREAS DE INFLUÊNCIA EMPRESARIAL SEM ESTRATÉGIA DE MODERNIZAÇÃO
  • PERDA DE COMPETITIVIDADE
  • POLÍTICAS SOCIAIS SEM FINANCIAMENTO
  • CRISE DA DÍVIDA
  • CRISE DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA

As mudanças falhadas

  • MERCADO INTERNO E COLONIAL
  • ESTRATÉGIA DO ATLÂNTICO SUL: A ESCALA QUE GERAVA O MODELO DE DESENVOLVIMENTO
  • ORGANIZAÇÃO DE CAPITAIS E DE COMPETÊNCIAS PARA ESPECIALIZAÇÕES DIRIGIDAS AO MERCADO EXTERNO

50

40

60

70

80

90

2000

10

GLOBALIZAÇÃO COMPETITIVA

ECONOMIA NACIONAL COM EXTENSÃO COLONIAL

INTEGRAÇÃO EUROPEIA

slide7
A alteração da escala dos espaços
  • MOBILIDADE DOS FACTORES E DOS CENTROS DE DECISÃO
  • CAPACIDADE COMPETITIVA, CONQUISTA DE QUOTAS DE MERCADO E CIRCULAÇÃO DE CAPITAIS
  • ESTRUTURAS DE PODER SEM QUADROS INSTITUCIONAIS REGULADORES

BLOCOSREGIONAIS

ESPAÇOSGLOBAIS

ESTADO NACIONAL

  • ESPAÇO DELIMITADO POR FRONTEIRAS E DOTADO DE UMA CONDIÇÃO DE LEGITIMIDADE DO PODER POLÍTICO
  • ESPAÇO DE CONTROLO DA MOBILIDADE DOS FACTORES
  • ESPAÇO DE CONTROLO DO EFEITO DO TEMPO
  • ALIANÇAS ENTRE ESTADOS
  • ACORDOS MULTILATERAIS
  • ESPAÇOS DE LIVRE CIRCULAÇÃO
slide8
FLUXOS
  • CARTOGRAFIA “ATMOSFÉRICA” DE ATRACÇÃO E DE REPULSÃO
  • DIFERENCIAÇÃO POR COMPETITIVIDADE E FUNCIONALIDADE

BLOCOS REGIONAIS

ESPAÇOS GLOBAIS

ESTADO NACIONAL

  • TERRITÓRIO
  • CARTOGRAFIA TRADICIONAL
  • DIFERENCIAÇÃO POR CORES
  • MACRO-TERRITÓRIOS
  • CARTOGRAFIA POLÍTICA E ECONÓMICA
  • DIFERENCIAÇÃO POR ESPECIALIZAÇÕES

As novas cartografias – dos espaços para os fluxos

slide10
O modelo das três esferas

P

CONDUÇÃO DA ESTRATÉGIA DE MODERNIZAÇÃO

COMPARAÇÃO COM O EXTERIOR

  • E

DISPOSITIVOS DE REGULAÇÃO

S

VIABILIDADE COMPETITIVA DE EMPRESAS E SECTORES

VALORES E COMPORTAMENTOS DE MODERNIZAÇÃO

slide11
A distorção do modelo das três esferas

P

SUBORDINAÇÃO DA ESTRATÉGIA POLÍTICA ÀS PRESSÕES DAS REDES DE INTERESSES

ISOLAMENTO DA ECONOMIA, REGRESSÃO E ACUMULAÇÃO DE DÉFICES

A COMPARAÇÃO COM O EXTERIOR IMPLICA PERDA DE ATRACTIVIDADE

DISPOSITIVOS DE REGULAÇÃO

REFÚGIO NOS SECTORES PROTEGIDOS DOS BENS NÃO TRANSACCIONÁVEIS

PREFERÊNCIA POR RENDAS DISTRIBUTIVAS OBTIDAS POR PROTECÇÃO POLÍTICA

S

S

  • E
slide13
Os campos de possibilidades
  • SEGURANÇA
  • PROTECÇÃO
  • EQUILÍBRIOS
  • DISTRIBUIÇÃO

QUANTIDADES

  • RISCO
  • DOMINAÇÃO
  • CAPITALIZAÇÃO
  • COMPETIÇÃO

CAMPO DE POSSIBILIDADES B

TEMPO

CAMPO DE POSSIBILIDADES A

slide14
Os indicadores do ponto de viragem
  • SEGURANÇA
  • PROTECÇÃO
  • EQUILÍBRIOS
  • DISTRIBUIÇÃO

QUANTIDADES

  • RISCO
  • DOMINAÇÃO
  • CAPITALIZAÇÃO
  • COMPETIÇÃO
  • MUDANÇA DE PARADIGMA
    • PERDA DE EFICÁCIA DOS DISPOSITIVOS DE CRESCIMENTO RÁPIDO
    • ALTERAÇÃO DO PADRÃO DEMOGRÁFICO
    • PASSAGEM DA CAPITALIZAÇÃO PARA O ENDIVIDAMENTO POR PERDA DE SUSTENTABILIDADE DOS SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO
    • RECURSO À FISCALIDADE EXTRACTIVA E GERAÇÃO DE ESPIRAIS RECESSIVAS

TEMPO

taxas de crescimento e a dobra do tempo
Taxas de crescimento e a dobra do tempo

ANGUS MADDISON, THE WORLD ECONOMY, A MILLENNIAL PERSPECTIVE, OECD, 2001

IMF, WORLD ECONOMIC OUTLOOK, APRIL, 2013

Bolt, J. and J. L. van Zanden (2013). The First Update of the Maddison Project; Re-Estimating Growth Before 1820. Maddison Project Working Paper 4.

produto interno bruto per capita 1890 2010
Produto interno bruto per capita 1890-2010

Bolt, J. and J. L. van Zanden (2013). The First Update of the Maddison Project; Re-Estimating Growth Before 1820. Maddison Project Working Paper 4.

slide18
A dinâmica dos fluxos e a inovação financeira

OPORTUNIDADE DE PROJECÇÃO DE PODER PARA A CHINA

  • EXCEDENTES DE BALANÇA COMERCIAL
  • POUPANÇA DOS PARTICULARES

MERCADO

PRODUTOS

CAPITAIS

OCIDENTE

ORIENTE

TÍTULOS DE DÍVIDA

DEVEDOR

CREDOR

NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DOS ESTADOS UNIDOS E DA EUROPA

  • DÉFICES ORÇAMENTAIS
  • DÉFICES DE BALANÇA COMERCIAL
  • ENDIVIDAMENTO DAS EMPRESAS E DOS PARTICULARES
slide19
As assimetrias europeias: integrar ou fragmentar
  • CONDICIONALIDADE DA AUSTERIDADE COMPETITIVA PARA ACESSO A FINANCIAMENTO
  • IMPOSIÇÃO DA UNIÃO BANCÁRIA E FISCAL PARA CORRIGIR OS ERROS DE CONCEPÇÃO DA UNIÃO MONETÁRIA IMPERFEITA

MERCADO

PRODUTOS

EUROPA COMPETITIVA

EUROPA DISTRIBUTIVA

CAPITAIS

TÍTULOS DE DÍVIDA

DEVEDOR

CREDOR

  • A CONDICIONALIDADE DA AUSTERIDADE COMPETITIVA É NECESSÁRIA PARA NEUTRALIZAR A DÍVIDA FUTURA
  • SEM A UNIÃO BANCÁRIA E FISCAL HAVERÁ O COLAPSO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS SEM RECUPERAÇÃO DE COMPETITIVIDADE
slide24
A integração europeia … se houver tempo

AUTORIDADE ORÇAMENTAL COMUM

Limites nos défices e na dívida

Títulos de dívida europeus e união de transferências

CONVERGÊNCIA DOS CUSTOS UNITÁRIOS DO TRABALHO

HARMONIZAÇÃO FISCAL

Especializações no espaço económico europeu

Constrangimentosaosmovimentosespeculativos de capitais

AFECTAÇÃO RICARDIANA DOS RECURSOS

slide26
Ver o presente reflectindo sobre o que se viu no passado

A sociedade portuguesa parece um bando de escravos que, indiferentes, inertes e seminus, assistem a discussões do preço por que devem ser vendidos, pouco lhes importando ser propriedade deste ou daquele senhor, esperando apenas humildemente que lhes seja garantida a minguada subsistência.

Augusto Fuschini, O Presente e o Futuro de Portugal, Lisboa, 1899, reedição por Fronteira do Caos, Lisboa, 2005.

SISTEMA POLÍTICO

A verdade é que estendemos cobardemente o colo ao jugo estranho, porque a nação estava degenerada. Onde quer que Filipe II encontrava uma resistência, acudia aí com ouro ou com promessas, e quase que tinha a certeza de superar a dificuldade: a questão estava, não na compra e venda, mas só no quanto do preço.

SISTEMA SOCIAL

SISTEMA ECONÓMICO

AlexandreHerculano, “Poucaluzemmuitastrevas, 1579-1580” emOpúsculos IV, organização, introdução e notas de Jorge Custódio e José Manuel Garcia, Lisboa, Editorial Presença, 1985

slide27
Em resumo:

POR ONDE VAI A ECONOMIA

PORTUGUESA…

Só pode ir para os espaços regionais e globais…

Para uma Europa mais competitiva e menos distributiva…

Para uma integração global nos fluxos entre o Ocidente e Oriente…

… E DE ONDE VEM:

De dispositivos de regulação “internos” destruidores do crescimento sustentável

De uma integração europeia divergente em salários e políticas orçamentais…

ad