slide1 n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
FORMAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO PowerPoint Presentation
Download Presentation
FORMAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO

Loading in 2 Seconds...

  share
play fullscreen
1 / 34
Download Presentation

FORMAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO - PowerPoint PPT Presentation

kieu
73 Views
Download Presentation

FORMAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. FORMAS ALTERNATIVAS DE FINANCIAMENTO Madeira Tecnopólo 30/09/2009

  2. Índice • ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013 • APOIOS AO INVESTIMENTO PRODUTIVO • APOIOS AO FUNCIONAMENTO • APOIOS AO FINANCIAMENTO

  3. PROGRAMA INTERVIR + • Acção Integrada do IDE-RAM no período 2007-2013 Pelo DLR 22/2007/M, de 7 de Dezembro, a Vice-Presidência do Governo Regional, através do IDE-RAM, definiu as linhas orientadoras para a sua actuação no período de 2007-2013. Aposta numa gestão integrada dos instrumentos de apoio ao: • Investimento • Funcionamento • Financiamento Potenciando de forma efectiva o up-grade do tecido empresarial.

  4. Apoios ao Investimento Produtivo Sistemas Incentivos: EMPREENDINOV SIRE QUALIFICAR + + CONHECIMENTO SI-TURISMO

  5. Objectivos

  6. Beneficiários • Excepção: Sociedades Civis • Entende-se por recém constituídos, as entidades cujo inicio de actividade se tenha verificado nos 120 dias anteriores à data da candidatura (EMPREENDINOV). • Serão consideradas micro, pequenas e médias empresas aquelas que cumpram com os respectivos limiares definidos na Recomendação n.º 2003/361/CE, da Comissão, de 6 de Maio. As empresas deverão obter a certificação electrónica, através do sítio www.ideram.pt

  7. Âmbito Sectorial Classificação Portuguesa das Actividades Económicas - CAE, revista pelo Decreto-Lei n.º 381/2007, de 14 de Novembro

  8. Condições Gerais de elegibilidade do Promotor • Encontrar-se legalmente constituído; • Situação regularizada perante o Estado, Segurança Social e as Entidades pagadoras incentivo; • Dispor de contabilidade organizada de acordo com o Normativo Contabilístico vigente; • Possuir ou assegurar os recursos humanos e físicos necessários ao desenvolvimento do projecto.

  9. Condições Gerais de elegibilidade do Projecto • Localizar-se na RAM; • Situação regularizada em matéria de licenciamento; • Ser apresentado antes do inicio da sua execução; • Apresentar viabilidade económico-financeira.

  10. Condições Específicas de Acesso do Promotor Situação económico-financeira equilibrada • EMPREENDINOV • Não aplicável • SIRE • Especiais - AF ≥ 20% • Parques Empresariais - AF ≥ 15% • Integrados - AF ≥ 15% • QUALIFICAR + • Situação económico-financeira equilibrada: AF ≥ 25% • SI TURISMO • Situação económico-financeira equilibrada: AF ≥ 25% • Projectos Certificação Segurança Alimentar: AF ≥ 15%

  11. Condições Específicas de Acesso do Projecto

  12. Condições Específicas de Acesso do Projecto

  13. Condições Específicas de Acesso do Projecto

  14. Despesas Elegíveis • Investimentos Essenciais à Actividade • Investimentos em Factores Dinâmicos da Competitividade Exemplos de Iea: • Construção (limite); • Adaptação e remodelação de edifícios; • Aquisição de máquinas e equipamentos; • Acções de divulgação, promoção e marketing; • Elaboração da candidatura, diagnóstico estratégico, estudos e planos de negócios (limite); • Projectos de arquitectura e de engenharia (limite); • Despesas com o TOC/ROC (limite).

  15. Despesas Elegíveis Exemplos de Ifdc: • Investimentos em tecnologias de informação e comunicação; • Investimentos em eficiência energética; • Certificação dos sistemas de gestão da qualidade, ambiental, segurança e saúde no trabalho, segurança alimentar bem como certificação de sistemas integrados; • Investimentos em expansão empresarial para novos mercados visando a internacionalização.

  16. Despesas Não Elegíveis • Aquisição de terrenos e de edifícios; • Trespasses e direitos de utilização de espaços; • Juros durante a construção; • Custos internos de funcionamento da empresa; • Fundo de maneio; • Aquisição de bens em estado de uso; • Aquisição de veículos automóveis e outro material de transporte; • Aeronaves e outro material aeronáutico; • Trabalhos para a própria empresa; • Custos com Garantias Bancárias; • Investimentos no estrangeiro que visem a aquisição ou constituição de sociedades no estrangeiro ligadas à criação ou funcionamento de redes de distribuição ou funcionamento de redes de distribuição no exterior.

  17. Capital de Risco • Garantia Mútua Co-Intervenção: • Natureza do Incentivo • Incentivo Não Reembolsável – Investimento Elegível em Factores Dinâmicos da Competitividade • Incentivo Reembolsável – Investimentos Essenciais à Actividade • EMPREENDINOV / SIRE / SI TURISMO - Projectos Certificação Segurança Alimentar - Regra minimis - Regulamento (CE) n.º 1998/2006 da Comissão de 15 de Dezembro de 2006. • QUALIFICAR + / SI TURISMO - Regulamento Geral de Isenção -Regulamento (CE) n.º 800/2008 da Comissão de 6 de Agosto de 2008.

  18. Taxa de Incentivo – Natureza Incentivo • EMPREENDINOV - Incentivo Não Reembolsável • 50% • SIRE - Incentivo Não Reembolsável + Incentivo Reembolsável • Especiais – 35% + Majorações (Regional/Jovem Empresário – 5% - não cumuláveis) • Parques Empresariais – 45% • Integrados – 45% • QUALIFICAR + - Incentivo Não Reembolsável + Incentivo Reembolsável • 35% + Majorações (Regional/Tipo Empresa/Mais Valia Ambiental -Energias Renováveis – 5% - cumuláveis)

  19. Taxa de Incentivo – Natureza Incentivo • SI TURISMO - Incentivo Não Reembolsável + Incentivo Reembolsável • 35% + Majorações (Regional/Tipo Empresa/Património Classificado – 5% - cumuláveis) • Para Projectos de Certificação de Segurança Alimentar - Incentivo Não Reembolsável • 40%

  20. Valia do Projecto (VP) • Os projectos são analisados com base em critérios de selecção devidamente identificados em Regulamentação especifica. • Os projectos são considerados elegíveis com uma VP igual ou superior a 50 pontos.

  21. Apresentação das Candidaturas As candidaturas são formalizadas, através dos respectivos formulários, em suporte electrónico, disponíveis no site do IDE-RAM www.ideram.pt e através do Portal do Governo Electrónico da Madeira www.gov-madeira.pt.

  22. IDE-RAM Organismo Coordenador www.ideram.pt CONTAMOS CONVOSCO APRESENTEM OS VOSSOS PROJECTOS Dossier Candidatura Organizado Formulário de Candidatura Guia do Formulário de Candidatura

  23. Apoios ao Funcionamento – Sistemas de Incentivos ao funcionamento • Sistemas de Incentivos ao funcionamento; • Financiamento Complementar aos Sistemas de Incentivos ao Investimento. Apoios ao Financiamento • PEC; • Benefícios Fiscais; • Capital de Risco; • Garantia Mútua; • Linhas de Crédito.

  24. LINHA DE CRÉDITO BONIFICADO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DA MADEIRA

  25. Financiamento • Candidatura ao Programa INTERVIR+ (juros e Fundo de Contragarantia Mútuo) • 50% FEDER; • 50% Orçamento Regional. • Obrigações dos beneficiários e da entidade que concede o beneficio; • Dossier do projecto devidamente organizado relativo às operações elegíveis (Activo Fixo/Necessidades de Capitais Permanentes).

  26. Montante Global da Linha • 10.000.000 € • Beneficiários • Micro e Pequenas Empresas, nos termos da Recomendação 2003/361/CE da Comissão Europeia (certificação electrónica através do site www.ideram.pt ); Micro Empresa • PT < 10 trabalhadores; • Volume de negócios e balanço total < 2 milhões de euros. Pequena Empresa • PT < 50 trabalhadores; • Volume de negócios e balanço total < 10 milhões de euros.

  27. Condições Gerais de Elegibilidade • Localizar-se na Região Autónoma da Madeira; • Actividade enquadrável nas CAE’s do Programa INTERVIR + (indústria, comércio, serviços, turismo, construção, transportes, saúde); • Não ter incidentes não justificados junto da banca; • Apresentar uma declaração de compromisso de manutenção do volume de emprego;

  28. Condições Gerais de Elegibilidade • Não ter dívidas à Administração Fiscal ou à Segurança Social e entidades pagadoras de incentivos; • Dispor de contabilidade organizada; • Não ter beneficiado da Linha de Crédito PME Madeira; • Apresentar uma situação líquida positiva e resultados líquidos positivos em dois dos últimos três exercícios. • Possuir um exercício económico completo e contas fechadas.

  29. Montantes de Financiamento por Empresa • Micro empresas até 25 mil euros; • Pequenas empresas até 50 mil euros. • Incentivo Público • Bonificação total do spread e da comissão de garantia mútua; • Bonificação de 0,25% da taxa Euribor a 3 meses, com limite mínimo para o beneficiário 1,5%.

  30. Operações Elegíveis • Investimentos novos em activos fixos corpóreos e incorpóreos; • Necessidades de capitais permanentes • Sociedade de Garantia • Garantia a emitir pela SGM poderá cobrir até 75% do capital em divida em cada momento.

  31. Operações Não Elegíveis • Operações que se destinem a reestruturação financeira e/ou consolidação de crédito vivo; • Aquisição de terrenos, imóveis, viaturas e bens em estado de uso; • Operações em empresas em dificuldade, nos termos da Orientação Comunitária (2004/C 244/02); • Financiamento de projectos que tenham sido objecto de aprovação no âmbito do Programa INTERVIR+; • Operações destinadas a substituir de forma directa e indirecta financiamentos anteriormente acordados com o Banco; • Empresas dos sectores da construção naval, do carvão e do aço, actividades relacionadas com exportações para países terceiros.

  32. Entidades Responsáveis • IDE-RAM – Entidade Gestora; • Banca e SGM – Entidades que subscreveram o Protocolo

  33. Instituto Desenvolvimento Empresarial (IDE-RAM)

  34. OBRIGADO PELA VOSSA PRESENÇA José Jorge dos Santos F. Faria Presidente do Instituto de Desenvolvimento Empresarial da Região Autónoma da Madeira Avenida Arriaga, Edificio Golden Gate, nº 21, 3º andar 9004-528 Funchal Telefone: +351291202170 Fax: +351291202190 Email: ideram@netmadeira.com Web:http://www.ideram.pt