slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Gravidez na ADOLESCÊNCIA Rita de Cássia Barroso 30/04/2008 PowerPoint Presentation
Download Presentation
Gravidez na ADOLESCÊNCIA Rita de Cássia Barroso 30/04/2008

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 40

Gravidez na ADOLESCÊNCIA Rita de Cássia Barroso 30/04/2008 - PowerPoint PPT Presentation


  • 138 Views
  • Uploaded on

Gravidez na ADOLESCÊNCIA Rita de Cássia Barroso 30/04/2008. ADOLESCÊNCIA. “ Os Jovens são a fonte da criatividade, energia e iniciativa, do dinamismo e revolução social. Eles aprendem e se adaptam rapidamente.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Gravidez na ADOLESCÊNCIA Rita de Cássia Barroso 30/04/2008' - jeri


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Gravidez na

ADOLESCÊNCIA

Rita de Cássia Barroso

30/04/2008

slide2

ADOLESCÊNCIA

“ Os Jovens são a fonte da criatividade, energia e iniciativa, do dinamismo e revolução social. Eles aprendem e se adaptam rapidamente.

Tendo a chance de freqüentar uma escola e encontrar trabalho, eles podem contribuir muito para o desenvolvimento econômico e progresso social.

Quando fracassamos em oferecer-lhes estas oportunidades, na melhor das hipóteses seremos cúmplices no desperdício de potencial humano. Na pior delas, estaremos contribuíndo para o desenvolvimento de uma juventude sem esperença, sem moral e cujas vidas serão socialmente improdutivas, prejudicando a vida dos próprios jovens, de suas comunidades e até de frágeis democracias”.

(Kofi Annan – Secretário Geral da ONU)

slide3

ADOLESCÊNCIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE

INTRODUÇÃO: Uma política de juventude constitui um conjunto coerente de intenções do estado, para que, em parceria com a sociedade civil, sejam estabelecidos objetivos, diretrizes e estratégias destinados a fomentar e coordenar as atitudes em favor dos jovens, de modo que façam parte de uma dinâmica de desenvolvimento.

O Projeto de Políticas Públicas Municipais para Adolescentes idealizado pela SBP em parceria com o UNICEF, foi desenvolvido com a finalidade de mobilizar municípios para elaborar agendas de políticas públicas municipais visando melhorar a qualidade de vida dos adolescentes.

slide4

ADOLESCÊNCIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE

INDICADORES NACIONAIS PREOCUPANTES

  • No Brasil, os adolescentes somam quase 36,8 milhões de habitantes e constituem cerca de 21% da população. (IBGE – censo 2000)
  • 65% dos alunos do ensino médio e fundamental já ingeriram álcool e 24% fumaram maconha. (CEBRID, 1997)
  • Grande parte dos adolescentes se torna sexualmente ativo antes de 20 anos de idade.
  • Enquanto a fecundidade vem caindo em outras faixas etárias, na adolescência está aumentando – 20 – 25%. (M. Saúde, 1999)
slide5

ADOLESCÊNCIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE

INDICADORES NACIONAIS PREOCUPANTES

  • Estima-se que a metade da população infectada pelo HIV contraiu a infecção entre os 15 e 24 anos. (Relatório AIDS no Mundo II)
  • Segundo o dossiê “Situação da Adolescência Brasileira”publicado pelo UNICEF (2002), 5,2% dos adolescentes brasileiros são analfabetos.
  • Apesar de já poderem votar, apenas 44% dos adolescentes entre 16 e 17 anos têm Titulo de Eleitor.
slide6

ADOLESCÊNCIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE

METAS DO PROJETO DE POLÍTICAS MUNICIPAIS

PARA O ADOLESCENTE

  • Fortalecer a participação dos adolescentes nas políticas públicas municipais.
  • Incentivar o desenvolvimento de políticas públicas voltadas ao adolescente.
  • Construir uma rede integrada de serviços que atendam às necessidades dos jovens, capacitando-os para desenvolver cidadania.
slide7

ADOLESCÊNCIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE

TEMAS DO FÓRUM DE ADOLESCENTES

  • Sugeridos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA – Lei 8060 – 13/07/1990). Poderão ser acrescentados novos temas, conforme as necessidades locais.
slide8

ADOLESCÊNCIA

Direito à Vida e à Saúde:

Saúde: - Sexualidade e Saúde reprodutiva

- Drogas lícitas e ilícitas

- Acesso aos serviços

- Humanização nos atendimentos

- Gravidez precoce, DST/AIDS e promoção da saúde.

Violência: - Social

- Doméstica

- Gangues

- Violência entre adolescentes (sofridas e exercidas)

- Óbitos por causas externas

Meio Ambiente.

slide9

ADOLESCÊNCIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE

Direito à Liberdade e Respeito:

- Homossexualidade

- Racismo

- Discriminação

- Minorias

Direito à Convivência Familiar e Comunitária:

- Relações Familiares

- Iniciativas de apoio à família

- Relação família-comunidade

- Valorização do adolescente na família e comunidade

slide10

ADOLESCÊNCIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE

Direito à Educação, Cultura, Esporte e Lazer:

- Qualidade de ensino

- Relação adolescente-escola

- Diversidade cultural

- Inclusão dos excluídos

- Saúde e sexualidade na escola

- Esporte, Lazer e Atividades Culturais

- Ocupação do Tempo Livre

- Avaliação das Políticas Existentes

slide11

ADOLESCÊNCIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE

RESULTADOS ESPERADOS

Redução do nº de casos de gravidez na adolescência.

Redução do índice de mortalidade na adolescência.

Diminuição das disparidades desagregadas por gênero, classe e raça.

Redução do nº de adolescentes chefes de família.

Redução do nº de adolescentes privados da convivência familiar.

slide12

ADOLESCÊNCIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE

RESULTADOS ESPERADOS

Aumento do nº de adolescentes matriculados e concluintes do ensino fundamental e médio.

Inclusão de temas transversais como Ética e Cidadania nos currículos escolares

Maior nº de adolescentes participantes de grupos em espaços de cultura e lazer.

Redução do nº de adolescentes de 12 a 15 anos trabalhando.

Redução do nº de adolescentes que abandonam a escola para trabalhar.

slide13

ORGANIZAÇÃO DOS SERVIÇOS

DE ATENÇÃO BÁSICA

À SAÚDE DO ADOLESCENTE

MINISTÉRIO DA SAÚDE – JUNHO 2002

slide14

ADOLESCÊNCIA

ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE

OBJETIVO PRINCIPAL

Garantir o acesso dos adolescentes e jovens a

ações de PROMOÇÃO à Saúde, PREVENÇÃO e

ATENÇÃO a agravos, respeitando os princípios

organizativos e operacionais do sistema de saúde.

slide15

ADOLESCÊNCIA

ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE

DIAGNÓSTICO E PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO E ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE

A Identificação dos principais problemas, a seleção de prioridades e a definição de estratégias de atuação deve ser um processo participativo, envolvendo: Adolescente, Familiares e Profissionais de vários setores.

slide16

ADOLESCÊNCIA

ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE

Específicos:

- Cartão de vacina.

- Ficha de atendimento ao adolescente.

- Gráficos de Peso, Altura, Velocidade de Crescimento e

Índice de Massa Corporal (IMC).

- Pranchas de Tanner para avaliação do estadiamento

puberal.

- Tabela de verificação da pressão arterial.

slide17

ADOLESCÊNCIA

ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE

Gerais:

- Prontuário Familiar / Cartão SUS.

- Caderneta da gestante

- Agenda para marcação de consultas

- Receituários

- Formulários de solicitação de exames

- Fichas de encaminhamento (Referência)

- Mapas de Registro diário de consultas e procedimentos

- Mapas para registro de atividades de grupo e educativas

- Relatório mensal das atividades.

slide18

ADOLESCÊNCIA

ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE

Material Educativo Sugerido:

- Folhetos explicativos e ilustrativos

- Kit educativo dos anticoncepcionais

- Material audiovisual

- Albuns seriados

- Videos educativos

- Cartazes

- Modelos pélvicos masculinos e femininos

- Jogos educativos.

slide19

ADOLESCÊNCIA

ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE

*A ESCOLA é um espaço privilegiado para a captação dos adolescentes porque:

- Agrega grande parte dos adolescentes da comunidade.

- É um espaço de socialização, formação e informação.

- É na escola onde eles passam a maior parte do tempo.

Recepção

É um momento de garantia ao acesso aos Serviços e Ações de Saúde. Quanto mais os serviços se tornarem eficazes e acolhedores, mais provável que os adolescentes os procurem.

slide20

ADOLESCÊNCIA

ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE

AÇÕES EDUCATIVAS

- Saúde sexual e reprodutiva

- Crescimento e desenvolvimento

- Cidadania: Direitos e Deveres

- Relacionamentos sociais: Família, Escola, Namoro, “Ficar”

- Corpo, Autocuidado e Autoconhecimento

- Comportamento de risco: Drogas, Sexo sem proteção,

Violência e Distúrbios alimentares.

- Projetos de vida, sonhos, auto-estima.

- Protagonismo Juvenil

- Voluntariado

slide21

ADOLESCÊNCIA

ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE

“Nenhuma organização é capaz, isoladamente, de realizar todas as ações necessárias para assegurar saúde e desenvolvimento para os adolescentes e jovens. Alianças e parcerias são essenciais para a criação das condições do bem-estar e a maximização dos potenciais de todos eles”.

(Brasil, MA. 1999)

slide22

ATENÇÃO INTEGRAL

À SAÚDE

DO ADOLESCENTE

slide23

Atenção ao AdolescenteMODELOS DE ATENDIMENTO

  • Baseiam-se na atenção global que considera o adolescente como ser humano indivisível, com suas necessidades, problemas de saúde e relações com o meio ambiente.
  • Estabelecem-se freqüentemente ligados as universidades, atualmente, utilizando equipes multiprofissionais e também parcerias fora da área da saúde, como educação, justiça, trabalho...
  • Desdobram-se em níveis primário, secundário e terciário, sendo o enfoque principal: prevenção de agravos e promoção da saúde.
aten o do adolescente rela o m dico adolescente aspectos fundamentais
Atenção do AdolescenteRELAÇÃO MÉDICO - ADOLESCENTEASPECTOS FUNDAMENTAIS
  • Respeito a individualidade do jovem, que deve ser tratado como pessoa e não como objeto de pratica científica.
  • O Adolescente deve identificar-se como o cliente, mas ao mesmo tempo os pais e/ou responsáveis não poderão permanecer a margem do atendimento, pois poderão se beneficiar com informações e esclarecimentos.
  • Os Adolescente estão aptos a falar sobre si mesmo e emitir julgamentos que poderão inclusive incomodar o profissional, devendo existir abertura para enfrentamento conjunto de eventuais dificuldades.
aten o do adolescente a consulta do adolescente 1 consulta s o realizadas 2 anamneses
Atenção do AdolescenteA CONSULTA DO ADOLESCENTE1ª CONSULTA - SÃO REALIZADAS 2 ANAMNESES:
  • Exame Físico
  • Diagnostico global:
    • Crescimento e desenvolvimento
    • Estado Nutricional
    • Desenvolvimento Neuropsicomotor
    • Alimentação
    • Vacinação
  • O 6º diagnóstico será a queixa principal.
slide26
Atenção do AdolescenteLOCAL: Unidades Básicas de Saúde ( PSF, Posto de Saúde/ Centro de Saúde, Hospital local).ATIVIDADES

Vacinação; – Tratamento das DST’s

– Planejamento familiar para adolescente >16 anos; - Crescimento e desenvolvimento;

– Orientações educativas para manutenção e promoção da saúde e prevenção de doenças;

- Articulação com outras instituições.

aten o do adolescente exames complementares que poder o ser solicitados
Atenção do AdolescenteExames Complementares que poderãoser solicitados
  • Imagens:
    • Ultra-som
    • Radiologia
  • Endoscopia
  • ECG
  • EEG
  • Audiometria
  • Outros
aten o do adolescente principais problemas e ou agravos de sa de dos adolescentes
Atenção do AdolescentePrincipais Problemas e/ou Agravos de Saúde dos Adolescentes
  • Sexualidade / Saúde Reprodutiva
    • Falta de Conhecimento sobre métodos contraceptivos e de prevenção das DST’s e AIDS
    • Gravidez Precoce
    • Vida Sexual Precoce
    • Aborto
    • Violência Sexual
    • DST’s
aten o do adolescente e quem s o os adolescentes
Atenção do AdolescenteE QUEM SÃO OS ADOLESCENTES?

“São seres especiais que nos ensinam a vivenciar as mudanças do presente, plenos de fé no futuro. Para eles o futuro é agora e o presente para sempre, sendo o tempo uma variável ilógica entre o poder e a escolha, entre o sonho e a realidade”.

slide30

CRESCIMENTO

E

DESENVOLVIMENTO

PUBERAL

adolesc ncia puberdade
Adolescência / Puberdade
  • Fenômeno que não pode ser estudado dissociadamente;
  • Tendência Universal:
    • Adolescência:

Caracterizada por crescimento e desenvolvimento biopsicossocial marcante.

      • Início – Indeterminado, podendo preceder ou suceder a puberdade.
      • Término – Difícil também de determinar. Obedece a fatores socioculturais. No Brasil, a média é 25 anos.
    • Puberdade:

Caracterizada pelo componente biológico das transformações próprias da adolescência.

      • Início – Sexo Feminino – Geralmente entre 9 e 13 anos
      • Início – Sexo Masculino – Geralmente entre 10 e 14 anos
adolesc ncia puberdade1
Adolescência / Puberdade
  • Término

- Geralmente em torno de 18 anos

- Parada do crescimento físico (soldadura das cartilagens de conjugação das epífises dos ossos longos)

- Amadurecimento gonadal

slide33
Adolescência / PuberdadeClassificação Simplificada Do Estado Nutricional e do Índice de Massa Corporal (IMC)
adolesc ncia puberdade desenvolvimento do aparelho reprodutor
Adolescência / PuberdadeDesenvolvimento do Aparelho Reprodutor
  • A capacidade reprodutora, com ciclos ovulatórios só é adquirida geralmente 2-3 anos após a menarca.
  • Idade média da menarca-> 12,2 anos
adolesc ncia puberdade desenvolvimento do aparelho reprodutor1
Adolescência / PuberdadeDesenvolvimento do Aparelho Reprodutor
  • Ginecomastia Puberal-> ocorre em 1/3 dos adolescentes – pode ocorrer em curto espaço de tempo (1-6 meses), com regressão espontânea em 6-18 meses na maioria dos casos.
adolesc ncia sexualidade
ADOLESCÊNCIA / SEXUALIDADE
  • Deve ser entendida como parte inerente do processo de desenvolvimento da personalidade e não como sinônimo de sexo ou relação sexual.
  • Apresenta-se de forma singular a cada momento da vida, desde sua concepção até a morte, mas á na adolescência que o indivíduo define sua conduta na área genital e emergem as funções sexuais do adulto.
  • Não pode ser considerada isoladamente, mas dentro de um contexto global da vida do adolescente, onde se inclui seu relacionamento com os companheiros, sua vida familiar, trabalho ou atividade escolar.
  • Deve ser enfatizada a diferença significativa entre

GENITALIDADE e SEXUALIDADE

adolesc ncia sexualidade1
ADOLESCÊNCIA / SEXUALIDADE
  • GENITALIDADE: Refere-se apenas aos órgãos genitais e ao ato sexual, localização final das satisfações eróticas na adolescência e na vida adulta.
  • SEXUALIDADE: Inclui também aspectos afetivos, eróticos, amorosos, dentre outros aspectos relacionados à história de vida e valores culturais, constituindo os 3 componentes da Identidade Sexual.
      • Identidade de Gênero
      • Papel de Gênero ou Papel Sexual
      • Orientação Sexual
  • A Identidade Sexual: É delineada desde os primeiros momentos da vida e definida na adolescência, compreendendo a interação com os pais, fatores morais, culturais, religiosos, dentre outros.
adolesc ncia sexualidade2
ADOLESCÊNCIA / SEXUALIDADE

IDENTIDADE SEXUAL

COMPONENTES

  • Identidade de Gênero: É a convicção íntima de cada um quanto ao sexo a que pertence (masculino – feminino), independente da forma do corpo.
  • Papelde Gênero: É a expressão da feminilidade ou masculinidade de cada um, de acordo com as normas sociais estabelecidas. Refere-se ao desempenho do comportamento de acordo com o sexo biológico.
  • Orientação Sexual: É a preferência da pessoa para estabelecer vínculos eróticos. Por longo tempo, a conduta sexual foi vinculada a natureza biológica.
adolesc ncia sexualidade3
ADOLESCÊNCIA / SEXUALIDADE

DESENVOLVIMENTO DA SEXUALIDADE

  • PRÉ-ADOLESCÊNCIA:
  • A aparência física é caracterizada pelo aumento de peso, sem outras grandes modificações.
  • A obtenção das informações e mitos provém dos amigos, escola, família.
  • ETAPA PRECOCE DA ADOLESCÊNCIA: (10 – 14 anos)
  • Extremo interesse e curiosidade sobre o próprio corpo.
  • Fantasias sexuais freqüentes.
  • Início da masturbação (auto-erotismo), podendo ser acompanhada por sentimentos de culpa.
  • Relações “Platônicas”, sem contacto físico (intermináveis telefonemas).