bases anat micas e funcionais da mem ria l.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Bases Anatômicas e Funcionais da Memória PowerPoint Presentation
Download Presentation
Bases Anatômicas e Funcionais da Memória

play fullscreen
1 / 44
Download Presentation

Bases Anatômicas e Funcionais da Memória - PowerPoint PPT Presentation

gin
460 Views
Download Presentation

Bases Anatômicas e Funcionais da Memória

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Bases Anatômicas e Funcionais da Memória Rogério Gomes Beato Ambulatório de Neurologia Cognitiva Hospital das Clínicas - UFMG

  2. Neurologia Cognitiva • Especialidade da Neurologia que estuda a relação entre o cérebro, a cognição e o comportamento nos pacientes que apresentam doenças neurológias diversas: • - Demências • - Lesões Focais (Vasculares, Tumorais) • - Traumatismo Cranioencefálico • - Epilepsia • - Distúrbios do Movimento (Síndromes Parkinsonianas, • outros distúrbios do movimento)

  3. Neurologia Cognitiva • Importância • - Permite a correlação clínico-radiológica: relação de determinada lesão e comprometimento cognitivo observado em um dado paciente • - Rastreamento de déficits cognitivos: • Teste de figuras (Nitrini), CERAD (Bertolucci), • Fluência Verbal, Mini-Mental (Brucki) - Avaliação de alterações comportamentais: • Inventário Neuropsiquiátrico (Cummings) • - Diagnósticos: MCI (Petersen), DFT (Neary, Snowden), • APP (Mesulam), DS (Hodges), Demência subcortical • (Albert)

  4. Neurologia Cognitiva Ambulatório de Neurologia Cognitiva Perfil cognitivo-comportamental Diagnóstico e tratamento

  5. Memória • - Definição: Termo geral para o processo mental que permite ao indivíduo registrar, armazenar e evocar uma informação posteriormente. • - Memória não é “uma” “coisa” ou • “estrutura” • - Processo • - Não é única

  6. Memória • Histórico: • - 1º fase (fim do século XIX) – primeiras • observações de casos clínicos, descrição de • casos: Theodule Ribot, Hermann Ebbinghaus, • Korsakoff; • - 2º fase (anos sessenta): dissociações, • estudos de lesões; • - 3º fase (anos noventa): visão de conjunto da • memória, estudos utilizando imagem • funcional.

  7. Memória • .Memória de curto prazo • (imediata)/MT(MO) • .Memória de longo prazo • - Declarativa ou Explícita • - Não declarativa ou Implícita

  8. Memória de Longo Prazo • .Memória Explícita (Declarativa) • - Episódica - refere-se às informações adquiridas em um contexto espacial e temporal • - Semântica - refere-se ao conhecimento do indivíduo isento de qualquer referência espaço-temporal

  9. Memória de Longo Prazo • .Memória Implícita (Não Declarativa) • - Procedural - aquisição de habilidades motoras ou cognitivas • - Priming (acionamento por repetição) - descreve uma melhora da reprodução ou reconhecimento da informação que já foi apresentada.

  10. Memória de Curta Duração Processos de memória que retém a informação apenas temporariamente, até que seja esquecida ou incorporada em armazenamento de longa duração. - Memória imediata – aquilo que pode ser mantido de forma ativa na mente, começando no momento em que a informação é recebida; capacidade limitada, normalmente persiste até 30 segundos

  11. Memória de Curta Duração - Memória de trabalho – responsável pela manutenção temporária e da manipulação de informações durante a realização de tarefas cognitivas complexas como a compreensão de textos, a aprendizagem, o raciocínio.

  12. Memória de Longo DuraçãoDeclarativa ou Explícita - Memória para eventos, fatos, palavras, faces, músicas – todos os fragmentos do conhecimento que fomos adquirindo durante a vida de experiência e aprendizado - Pode ser declarada, trazida à mente de uma forma verbal ou como uma imagem mental. - Também denominada memória explícita ou consciente.

  13. Memória de Longo DuraçãoDeclarativa ou Explícita Processos básicos: - Codificação – modo pelo qual o material que encontramos recebe atenção, é processado e preparado para ser armazenado na memória. - Armazenamento – conjunto de estruturas encefálicas que estão envolvidas na percepção inicial e no processamento daquilo que será lembrado. - Evocação (recuperação) – córtex pré-frontal - Período de consolidação – tempo para que o traço de memória alcance uma forma estável de longa duração.

  14. Memória de Longo DuraçãoDeclarativa ou Explícita • - Permite a conservação durável das informações graças à codificação e armazenamento das mesmas. • - Permite a aprendizagem e as informações armazenadas são objeto de uma consolidação variável em função da importância emocional e da repetição.

  15. Memória Declarativa ou Explícita Memória Episódica • - Permite ao sujeito registrar e lembrar-se de informações referenciadas numcontexto espacial e temporal; portanto, permite que ele se recorde de fatos da sua história pessoal, familiar ou social • - Memória de acontecimentos, que permite ao sujeito trazer para o presente lembranças que ele reconhece como suas e passadas.

  16. Distúrbios da Memória • - Amnésia - designa as amnésias anterógradas comumente por lesão bilateral do circuito de Papez; são acompanhadas de uma lacuna retrógrada de intensidade variável. Novas memórias Amnésia Anterógrada Evento Memórias Antigas Amnésia Retrógrada

  17. Neuroanatomia Geral

  18. Neuroanatomia Geral

  19. Circuito de Papez • -Hipocampo -Fórnix -Corpos mamilares -Feixe mamilo-talâmico (Vicq d`Azyr) -Núcleos anteriores do tálamo -Radiações tálamo-corticais -Giro do cíngulo

  20. Circuito de Papez

  21. Circuito de Papez

  22. Circuito de Papez

  23. Circuito de Papez

  24. Hipocampo - Anatomia

  25. Síndrome Amnésica • Etiologia • - Tumores intracranianos • - AVE, Ruptura de Aneurismas • - Traumatismo Craniano Fechado • - Infecções Virais • - Distúrbios Nutricionais • - Epilepsia

  26. Síndrome Amnésica • - Doenças Degenerativas (DA) • - Anóxia ou hipóxia (pós-PCR ou • afogamento) • - Drogas • - Eletroconvulsoterapia

  27. Síndrome Amnésica - Amnésia retrógrada – ocorre após lesões do hipocampo ou de estruturas relacionadas - A formação hipocampal parece ser essencial apenas durante um período limitado de tempo que pode variar de dias a anos, dependendo daquilo que estiver sendo lembrado.

  28. Amnésias Hipocampais • - Scoville e Milner, 1957 - paciente HM: submetido à ressecção dos 2/3 anteriores do córtex do hipocampo e giro para-hipocampal bilateralmente, uncus, amígdala e poupando o córtex lateral. • - Amnésia anterógrada do período pós-operatório e retrógrada (três anos anteriores à cirurgia) • - Etiologia: vascular, pós-PCR, traumáticas, infecciosas (encefalite herpética), paraneoplásicas (encefalite límbica)

  29. Amnésias Diencefálicas • - Síndrome de Korsakoff: amnésia anterógrada e retrógrada, desorientação temporal, fabulações. Ocorre lesão dos corpos mamilares, núcleo dorso-medial do tálamo • - Amnésia talâmica - amnésia anterógrada e retrógrada (problemas com a organização cronológica)

  30. Tálamo - Anatomia

  31. Amnésia Pós-traumática - Definição: Período que segue o traumatismo craniano fechado no qual o paciente é confuso, desorientado, sofre de amnésia retrógrada e é incapaz de registrar novas informações. - Alguns autores calculam a duração da APT a partir do trauma (incluem o coma) enquanto outros a calculam a partir do despertar - A duração da APT tende a variar com a duração do coma

  32. Neuroimagem Funcional e Memória Estudo do Sujeito são - PET (Tomografia por Emissão de Pósitrons) - IRMf (Ressonância Magnética Funcional) *Permite a avaliação da atividade cerebral durante a codificação e evocação

  33. Neuroimagem Funcional e Memória - Codificação – ativação pré-frontal esquerda - Evocação – ativação pré-frontal direita Assimetria hemisférica - Evocação (Schacter): - evocação difícil:ativação do lobo frontal - evocação fácil: ativação do hipocampo *Dados iniciais são compatíveis com a clínica

  34. Memória de Longo PrazoMemória Semântica • - Tulving (1972) – termo para descrever o tipo de memória declarativa para o conhecimento organizado do mundo. É a memória das palavras, dos conceitos, do conhecimento geral. • - Recuperada conscientemente (Declarativa) • - Ausência de marcos temporais e espaciais. • - Acumulada em sítios corticais de armazenamento. • - Doenças associadas: Demência Semântica, Encefalite Herpética, Doença de Alzheimer.

  35. Informações Análise cortical sensorial (visual, auditiva, tátil, cinestésica) Necessita da integridade das áreas cerebrais específicas Memória de curto prazo/MT Importância do lobo frontal Memória de longo prazo Episódica Semântica Papel essencial do Circuito de Papez Atkinson e Shiffrin, 1968

  36. Armazenamento da Memória Declarativa - Papel do hipocampo – serve para modular a representação inicial que é estabelecida em áreas corticais quando a informação é processada pela primeira vez: função de ligação. - Une os sítios de armazenamento corticais de tal forma que fiquem conectados fortemente um ao outro - Período de tempo longo, mas limitado - Acredita-se que o sítio de armazenamento final para a memória de longa duração esteja distribuído nas áreas do córtex cerebral que processam inicialmente a informação sobre pessoas, lugares e objetos.

  37. Armazenamento da Memória Declarativa - Potenciação ou facilitação de longa duração (1973) – período curto de atividade elétrica de alta freqüência (tétano) aplicado artificialmente a uma via hipocampal produz aumento na efetividade sináptica, que pode durar horas e se for repetida pode durar dias e até semanas. - Ocorre nas principais vias do hipocampo, é induzida rapidamente, é estável por algumas horas e mesmo dias.

  38. Memória de Longo PrazoPriming - Aperfeiçoamento da capacidade de detectar ou identificar palavras ou objetos após uma experiência recente com eles. - Fenômeno distinto de memória, inconsciente - Função: melhorar a percepção de estímulos encontrados recentemente, mas não precisamos estar conscientes de que a velocidade ou a eficiência da percepção foi melhorada.

  39. Memória de Longo PrazoPriming - Natureza perceptiva - Pode persistir por tempo longo - Fenômeno diferente da memória declarativa - Pode ser demonstrado para qualquer estímulo perceptível: palavras sem pronúncia, seqüências de letras sem sentido, objetos visuais estranhos, padrões novos de linhas, material apresentado oralmente.

  40. Aprendizado Perceptual - Refere-se à melhora na capacidade de discriminar atributos perceptuais simples, tais como tons, orientação de linhas, como resultado da realização repetida dessa discriminação. - O indivíduo se torna um perito em discriminar uma determinada característica de um estímulo; - Ocorre além da percepção consciente e não nos fornece lembranças conscientes do passado.

  41. Memória para Habilidades Motoras - Aprendizado sem consciência daquilo que está sendo aprendido - Ocorre mesmo em pacientes amnésicos (HM) - Ex: Aprendizado de seqüências - Áreas envolvidas: córtex sensitivo e motor, núcleo caudado, putamen.

  42. Memória para Habilidades

  43. Neuroimagem Funcional e Memória - Início da aprendizagem procedural- ativação frontal - Habilidade dominada pelo sujeito – núcleos da base e cerebelo

  44. Bibliografia - Memória – Da Mente às Moléculas Larry R. Squire, Eric R. Kandel, 2003. - Pourquoi notre mémoire est-elle si fragile? Francis Eustache, 2003. - The Handbook Of Memory Disorders. Allan Baddeley, 2002. - The Oxford Handbook of Memory. Endel Tulving, Fergus Craik, 2000.