fundamentos do comportamento do grupo n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO DO GRUPO PowerPoint Presentation
Download Presentation
FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO DO GRUPO

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 25
deborah-house

FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO DO GRUPO - PowerPoint PPT Presentation

107 Views
Download Presentation
FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO DO GRUPO
An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author. While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. FUNDAMENTOS DO COMPORTAMENTO DO GRUPO

  2. DEFININDO GRUPOS • “...sistema organizado de dois ou mais indivíduos inter-relacionados, que se reúnem visando a obtenção de um determinado objetivo...

  3. O QUE UNE OS GRUPOS -Estão motivados para ingressar nele; • Percebem o grupo como uma unidade integrada de pessoas em interação; • Contribuem (de modos diversos) para os processos grupais; - Concordam e discordam através de várias formas de interação.

  4. DEFININDO GRUPO EM UMA ORGANIZAÇÃO • “Grupo é um conjunto de dois ou mais funcionários que interagem entre si, de tal maneira que o comportamento e desempenho de cada um é influenciado pelo comportamento e desempenho do outro”. Em uma organização, existem grupos formais e informais.

  5. DIVISÃO DOS GRUPOS • Grupos formais são aqueles criados pela administração para desempenhar determinadas funções no âmbito da organização e podem ser:Grupos funcionais ;Grupos de administração;Grupos temporários e Comissões e comitês

  6. Os grupos informais São formados espontaneamente pela vontade dos seus membros. Geralmente, os grupos informais surgem “dentro” dos grupos formais e têm influência importante sobre o seu funcionamento. Os grupos informais podem ser de interesse ou de amizade; com freqüência, ambos os elementos estão presentes. Por vezes, um grupo informal “se formaliza”, como por exemplo, na formação de uma associação de funcionários, grêmio, etc.

  7. CARACTERÍSTICAS DOS GRUPOS • Estrutura grupal: geralmente, os grupos apresentam estruturas hierárquicas. Nos grupos formais, a estrutura é imposta pela organização. Nos grupos informais, cada membro avalia cada posição em termos de prestígio, status e importância.

  8. CARACTERÍSTICAS DOS GRUPOS • Status ou cargo: o status ligado a um determinado cargo normalmente é conseqüência de certas características que diferenciam um cargo do outro. • Papéis: corresponde a um “papel”, ou seja, um conjunto de comportamentos inerente ao cargo. O papel esperado é o conjunto de comportamentos que o grupo espera do ocupante do cargo. O papel percebido é o conjunto de comportamentos que o ocupante do cargo acredita ter que realizar.

  9. CARACTERÍSTICAS DOS GRUPOS • Normas: são padrões partilhados pelos membros do grupo. São formadas com relação a assuntos importantes para o grupo. Há diferenças quanto à aceitação e aplicabilidade das normas. Algumas normas são aceitas integralmente por todos os membros, outras têm aceitação parcial; algumas só se aplicam a alguns membros do grupo. A aceitação das normas depende em grande parte da personalidade de cada membro e de fatores situacionais diversos.

  10. DINÂMICA DO GRUPO • Analisando um grupo a partir de uma abordagem sistêmica, identificamos três componentes: • 1- Insumos (pessoas, liderança, tarefa, ambiente) são a “matéria-prima” da atuação do grupo. • 2- dinâmica do grupo é o conjunto de processos através dos quais o grupo gera • 3 - resultados. A dinâmica é constituída por (a) atividade (o que o grupo faz; a dimensão de conteúdo do grupo) e (b) processo (como o grupo faz; a dimensão de forma do grupo).

  11. ATIVIDADES DO GRUPO • As atividades podem ser individuais (não exigem cooperação ou interação entre os membros. Exemplo: caixas de um banco) ou em conjunto (exigem interação e comunicação; o objetivo pertence ao grupo. Exemplo: orquestra). As atividades podem exigir aptidões físicas e/ou conceituais; normalmente, o desempenho de uma atividade exige um conjunto de aptidões.

  12. O PROCESSO • É a forma como os integrantes do grupo trabalham e compreende os elementos da comunicação (interações entre os membros do grupo) • e dos sentimentos: podem se manifestar em relação aos membros do grupo e/ou a elementos da organização e do trabalho. • Sentimentos como interesse na tarefa e na continuidade do grupo, amizade, etc, podem favorecer o desempenho do grupo, assim como sentimentos negativos (causados por disputas internas, por exemplo) podem comprometê-lo.

  13. CONTEÚDO E PROCESSO • São definidos pelos recursos: • Pessoas: trazem para o grupo sua experiência, formação, valores e personalidade. • Liderança:contribui com as suas habilidades técnicas e interpessoais. • Objetivo:pode estar mais ou menos alinhado com os objetivos pessoais dos membros. • Ambiente:é formado pela organização e pelo ambiente externo: conjuntura econômica, social e política, outras organizações (fornecedores, clientes, etc) e a comunidade em geral.

  14. DESEMPENHO DO GRUPO • Pode ser avaliado em termos para atingir seus objetivos. Os grupos informais estabelecem seus objetivos espontaneamente e normalmente não existe avaliação do desempenho. • Os grupos formais devem realizar as suas tarefas, atingindo os objetivos organizacionais e obter a satisfação dos membros do grupo, com o trabalho e com o próprio grupo.

  15. GRUPOS DE ALTO DESEMPENHO • coesão: interesse dos membros na continuidade do grupo; • envolvimento psicológico: fatores motivacionais oferecidos pela tarefa; • afinidade e confiança: sintonia e sensação de conforto entre os membros; • compreensão das interdependências: percepção dos membros da necessidade de atividade conjunta para o atingir os objetivos; - auto-regulação: a capacidade do grupo de “cuidar de si mesmo”; na ausência de uma liderança formal, o grupo mantém sua iniciativa.

  16. FATORES CRÍTICOS DE DESEMPENHO Positivos Negativos • Objetivos claros Objetivos mal definidos • Tarefa desafiadora Recursos insuficientes • Realização pessoal Conflitos • Liderança competente Liderança incompetente • Colegas competentes Condições de trabalho insatisfatórias • Recompensas coerentes Insegurança, desconfiança

  17. ATMOSFERA E CONFLITOS DOS GRUPOS • A maneira de o grupo trabalhar cria a atmosfera do grupo. As pessoas diferem na aceitação da atmosfera de um grupo em que gostam de trabalhar. Alguns preferem uma atmosfera amiga, procurando suprimir conflitos ou sentimentos desagradáveis, enquanto outros parecem preferir uma atmosfera de conflito.

  18. Atmosfera dos grupos de alto desempenho • Ouvir e falar: Integrantes se exprimem e trocam informações livremente • Conhecimento mútuo: Integrantes se conhecem e assim formulam a missão coletiva do grupo • Identidade: O grupo cria uma identidade coletiva e um senso de participação nos integrantes • Abertura intelectual: O espírito crítico é estimulado e a conformidade evitada.

  19. Causas dos conflitos dentro do grupo ou entre grupos • Diferenças individuais: diferenças físicas, psicológicas e sociais podem levar a conflitos dentro dos grupos ou entre membros de grupos diferentes; Recursos limitados: a disputa por mais recursos para a execução das suas tarefas pode gerar conflitos entre indivíduos e/ou grupos; • Diferenciação de papel: conflitos podem ocorrem em razão da incompatibilidade de papéis de dois ou mais membros do grupo ou de grupos diferentes.

  20. DIAGNÓSTICOS • Os conflitos podem ser tratados de várias formas pelos líderes dos grupos. • Eles podem esperar que o conflito se resolva “com o tempo” (fuga). • Podem adotar a negociação, exigindo que os envolvidos adotem compromissos entre si • Podem tentar promover o confronto, estimulando a comunicação e compreensão entre os envolvidos no conflito, podendo utilizar reuniões formais de confronto para esta finalidade.

  21. SOCIOMETRIA • Busca descobrir de quem as pessoas gostam ou não, e com quem elas gostariam ou não de trabalhar, por meio de questionários e entrevistas. Por exemplo, pode-se perguntar aos funcionários. Essas informações, então, podem ser usadas para se criar um sociograma, isto é, um diagrama que mapeia as interações preferidas.

  22. O sociograma permite verificar como estão as relações sociais no ambiente de trabalho, reconhecer os líderes aceitos, identificar as pessoas que estão marginalizadas e reconhecer as redes sociais. • Pode-se dizer que um sociograma é, provavelmente, o melhor instrumento já planejado para revelar a estrutura social de um grupo. Apresenta as inter-relações entre os indivíduos, e as relações de cada indivíduo com o grupo todo.

  23. Apresenta as inter-relações entre os indivíduos, e as relações de cada indivíduo com o grupo todo: • -Escolhas mútuas ou recíprocas; • Subgrupos fechados ou coesos; (panelinhas) • Líderes que são aceitos por vários colegas; (estrelas) • “Isolados” que não pertencem a nenhum grupo e poucas relações mantém; • -“Pontes”, que servem de elemento de ligação entre dois ou mais grupos.

  24. TÉCNICAS DE TOMADA DE DECISÃO EM GRUPOS • GRUPO DE INTERAÇÕES: Interação verbal • BRAINSTORMING:Geração de idéias • GRUPO NOMINAL:Reunião formal • REUNIÃO ELETRÔNICA: Terminal de computador como ferramenta.

  25. REFERÊNCIAS • GIBSON, IVANCEVITCH E DONELLY – Organizações: Comportamento, Estrutura, Processos – São Paulo - Atlas, 1981. • MAXIMIANO, A.C.A. – Introdução à Administração – São Paulo, Atlas, 2000. • ROBBINS, Stephen P. – Comportamento Organizacional – São Paulo – Prentice Hall, 2002.