Prof. Marcelo Tomás de OLIVEIRA MsC,Dr.; Ac. Henrique Vieira CONSTANTINO - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Prof. Marcelo Tomás de OLIVEIRA MsC,Dr.; Ac. Henrique Vieira CONSTANTINO PowerPoint Presentation
Download Presentation
Prof. Marcelo Tomás de OLIVEIRA MsC,Dr.; Ac. Henrique Vieira CONSTANTINO

play fullscreen
1 / 1
Prof. Marcelo Tomás de OLIVEIRA MsC,Dr.; Ac. Henrique Vieira CONSTANTINO
151 Views
Download Presentation
cosima
Download Presentation

Prof. Marcelo Tomás de OLIVEIRA MsC,Dr.; Ac. Henrique Vieira CONSTANTINO

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. AVALIAÇÃO LONGITUDINAL DOS NÍVEIS DE MERCÚRIO PROVENIENTES DO AMÁLGAMA DENTAL, EM ESTUDANTES DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA UNISUL Prof. Marcelo Tomás de OLIVEIRA MsC,Dr.; Ac. Henrique Vieira CONSTANTINO Grupo de Pesquisa em Odontológia (GRUPO) Universidade Do Sul de Santa Catarina Resumo Resultados Proposta: O propósito deste estudo foi avaliar o teor de mercúrio em acadêmicos do curso de odontologia da Unisul. Materiais e métodos: A amostra total foi de 10 acadêmicos matriculados no curso de Odontologia da Unisul, de ambos os sexos. Estes pacientes foram distribuídos em três grupos amostrais dependentes: GR1 (n=10) – acadêmicos no inicio do curso, antes da 1ª exposição ocupacional; GR2 (n=10) – os mesmos acadêmicos imediatamente após a 1ª exposição (48 horas depois). GR3 (n=10) – os mesmos acadêmicos a final do curso de graduação após de 3 anos e meio. O método de avaliação laboratorial realizado para determinação do mercúrio foi a espectrofotometria de absorção atômica a vapor frio (CV-AAS). Resultados: Os resultados foram comparados estatisticamente utilizando-se o teste ANOVA one way, para comparação entre os grupos dependentes 1 e 2 ao nível de significância de 1%. Conclusões: existe um risco potencial de se aumentar os níveis sistêmicos de mercúrio ocupacionalmente, em função da manipulação do amálgama dental. Apesar disto, os níveis ficaram aquém do limite de tolerância biológico (LTB) preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Abstract Tabela 1. Representativa dos resultados por amostra e média. Médias seguidas De letras diferentes apresentam diferença estatística entre si. Purpose: The purpose of this study was to measure the systemic mercury exposure levels on under graduating dental students, after occupational contact with silver amalgam. Materials and method: Total sample was compared of 20 urine tests distributed into two dependent sampling groups: G1 (n=10) - students before their first contact with silver amalgam; G2 (n=10) the same graduates after their first occupational contact with silver amalgam. The method used on this study was the Cold Vapor Atomic Absorption Spectroscopy (CV-AAS) Results: There was a significant statistical difference (p=0,005012 e p=0,009747, respectivelly) between dependents groups 1 and 2. The mercury levels were increased in all samples. Conclusion: There is an eminent potential risk from occupational contact with dental amalgam in increasing the urinary mercury levels, although all subjects showed mercury levels lower than biological tolerance limit. Conclusões Após a avaliação dos resultados obtidos no estudo, conclui-se que: Os níveis urinários de mercúrio aumentaram em função da exposição ocupacional ao amálgama dental. Com a análise dos questionários e juntamente com a análise dos níveis de mercúrio nos acadêmicos, foi observado que houve um aumento significante no nível de mercúrio sistêmico no momento em que os acadêmicos tiveram o 1º contato ocupacional com o amálgama dental, e posteriormente o nível diminuiu, pelo fato de que os alunos diminuíram o contanto com o amálgama dental. A revisão de literatura e os resultados apresentados sugerem que existe o risco de intoxicação, mesmo todos os participantes da amostra tendo níveis de mercúrio na urina dentro do limite preconizado pela OMS. Palavras-chave amálgama dental; mercúrio; restauração direta CORRESPONDÊNCIA: Marcelo Tomás de Oliveira DDS, MS Universidade do Sul de Santa Catarina, Curso de Odontologia Rua Recife nº 455 Vila Moema Tubarão SC 88701 - 270 Fone: 48 84264754 E-mail: marcelo.oliveira@unisul.br