psican lise 1876 sigmund freud 1856 1939 l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Psicanálise (1876) Sigmund Freud (1856-1939) PowerPoint Presentation
Download Presentation
Psicanálise (1876) Sigmund Freud (1856-1939)

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 28

Psicanálise (1876) Sigmund Freud (1856-1939) - PowerPoint PPT Presentation


  • 148 Views
  • Uploaded on

Psicanálise (1876) Sigmund Freud (1856-1939) .

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Psicanálise (1876) Sigmund Freud (1856-1939)' - chun


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide2

Psiquiatra de origem austríaca, Freud (1856-1939) é o fundador da psicanálise, que é um método de investigação usado no tratamento das neuroses através da compreensão e integração das determinações inconscientes da experiência humana pelo processo de análise. Nasceu: 6 de maio de 1856Morreu:23 de setembro de 1939

slide3

MENTEHUMANA

ICEBERG

CONSCIÊNCIA

IMPULSOS, SENTIMENTOS, PAIXÕES, SENTIMENTOS REPRIMIDOS QUE EXERCEM PRESSÃO SOBRE AS PERCEPÇÕES E PENSAMENTOS

Bettina Steren

slide4

INCONSCIENTE

Bettina Steren

slide5

É inseparável da descoberta do inconsciente e dos processos que dependem dele. Representa uma série de excitações e atividades presentes desde a infância que proporcionam prazer e satisfação de necessidade como: a respiração, a fome, o contato com outra pessoa, colocando em jogo zonas corporais (zona erógena), que não são apenas as genitais. Neste sentido, a psicanálise tratou da sexualidade oral, anal, fálica, latência e genital.

Sexualidade infantil

Bettina Steren

slide6

Primeiros anos de vidaCentrado no cuidado do bebê Mais adianteObservam-se as conquistas de independência e começam as manifestações de dominação e submissão que são ajustadas pelo meio externo.

Bettina Steren

id instinto regido pelo princ pio de prazer lugar do inconsciente

Id: instinto, regido pelo princípio de prazer, lugar do inconsciente

Ego: aprendido, cognitivo, influência do mundo externo, regido pelo principio da realidade

Superego: dimensão psíquica da moral, estrutura-se pelas identificações com os progenitores, tem a função de censura

Bettina Steren

complexo de dipo

Complexo de Édipo

Bettina Steren

slide9

Freud inicia seu pensamento teórico assumindo que não há nenhuma descontinuidade na vida mental. Ele afirmou que nada ocorre ao acaso e muito menos os processos mentais. Há uma causa para cada pensamento, para cada memória revivida, sentimento ou ação.

Cada evento mental é causado pela intenção consciente ou inconsciente e é determinado pelos fatos que o precederam.

Bettina Steren

personalidade

Personalidade

Etapas:

oral, anal, fálica, latência e genital

Bettina Steren

slide12

Fase Oral

Período de 0 a 1 ano aproximadamente.

Características: a região do corpo que proporciona maior prazer à criança e a boca. É pela boca que a criança entra em contato com o mundo, é por esta razão que a criança pequena tende a levar tudo o que pega à boca. O principal objeto de desejo nesta fase é o seio da mãe, que além de alimentar proporciona satisfação ao bebê.

Bettina Steren

slide13

Fase Anal

Período de 2 a 4 anos aproximadamente

Características: Neste período a criança passa a adquirir o controle dos esfíncteres a zona de maior satisfação é a região do anus.

Ambivalência (impulsos contraditórios)

A criança descobre que pode controlar as fezes que sai de seu interior, oferecendo-o à mãe ora como um presente, ora como algo agressivo.

É nesta etapa que a criança começa a ter noção de higiene.

Fases de birras.

Bettina Steren

slide14

Fase fálica

Período de de 4 a 6 anos aproximadamente.

Características: Nesta etapa do desenvolvimento a atenção da criança volta-se para a região genital.

Inicialmente a criança imagina que tanto os meninos quanto as meninas possuem um pênis. Ao serem defrontadas com as diferenças anatômicas entre os sexos, as crianças criam as chamadas "teorias sexuais infantis", imaginando que as meninas não tem pênis porque este órgão lhe foi arrancado (complexo de castração). É neste momento que a menina tem medo de perder o seu pênis.

Neste período surge também o complexo de Édipo, no qual o menino passa a apresentar uma atração pela mãe e se rivalizar com o pai, e na menina ocorre o inverso.

Bettina Steren

slide15

Fase Latência

Período dos 6 anos até os 11, aproximadamente.

Características: Nesta etapa do desenvolvimento a criança se caracteriza por uma diminuição das atividades sexuais, isto é, há um “intervalo” na evolução da sexualidade. Os interesses das crianças estão mais voltados para as atividades escolares. Sublimação

Bettina Steren

slide16

Fase Genital

Período a partir de 11 anos.

Características: neste período, que tem início com a adolescência, há uma retomada dos impulsos sexuais, o adolescente passa a buscar, em pessoas fora de seu grupo familiar, um objeto de amor.

A adolescência é um período de mudanças no qual o jovem tem que elaborar a perda da identidade infantil e dos pais da infância para que pouco a pouco possa assumir uma identidade adulta.

Bettina Steren

slide17
Consciente: é somente uma pequena parte da mente, incluindo tudo do que estamos cientes num dado momento.

Inconsciente: A premissa inicial de Freud era de que há conexões entre todos os eventos mentais e quando um pensamento ou sentimento parece não estar relacionado aos pensamentos e sentimentos que o precedem, as conexões estariam no inconsciente. Uma vez que estes elos inconscientes são descobertos, a aparente descontinuidade está resolvida.

Bettina Steren

slide18

Pré-consciente:

Bettina Steren

slide19

Pulsões

São pressões que dirigem um organismo para determinados fins particulares. Quando Freud usa o termo, ele não se refere aos complexos padrões de comportamento herdados dos animais inferiores, mas aos seus equivalentes humanos. Tais pulsões são "a suprema causa de toda atividade".

Bettina Steren

slide20

Mecanismos de defesa:

Buscam uma proteção contra as exigências pulsionais.

São eles:

Repressão, formação reativa, projeção, introjeção, reparação, negação, isolamento e sublimação.

Bettina Steren

slide21

Repressão:

Retirada de idéias, afetos ou desejos perturbadores da consciência, pressionando-os para o inconsciente

Bettina Steren

slide22

Formação Reativa:

Fixação de uma idéia , afeto ou desejo na consciência, oposto ao impulso inconsciente temido.

Ex:a limpeza contra o desejo de sujar.

Bettina Steren

slide23

Projeção:

Sentimentos próprios indesejáveis ou indesejáveis são atribuídos a outras pessoas.

Bettina Steren

slide24

Introjeção:

Características valorizadas em pessoas significativas para um sujeito podem ser introjetadas. O processo de introjeção ou internalização destes aspectos de pensamento ou comportamento produz identificação ou subjetivação.

Bettina Steren

slide25

Reparação:

Consiste em tentar compensar o que foi vivido/sentido, para cancelar suas conseqüências. A tentaviva de reparação de algo que gerou culpa através de uma mudança de atitude é um exemplo.

Bettina Steren

slide26

Negação:

É mais arcaica que a repressão.. A pessoa nega parte da realidade indesejável, bloqueia as impressões que se recusa a encarar.

Bettina Steren

slide27

Isolamento:

Tenta impedir a relação angustiante de uma representação incômoda de afeto, não suportada pelo sujeito.Ao isolar um sentimento, procura evitar a possibilidade do sujeito se deparar, de conectar com este.

Bettina Steren

slide28

Sublimação:

Expressa um funcionamento normal do Ego, representa a canalização dos impulsos, através de atividades compatíveis com as limitações impostas pelo ambiente.

Bettina Steren