coordena o geral de observa o da terra avalia o anual 2004 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Coordenação Geral de Observação da Terra – Avaliação Anual 2004 PowerPoint Presentation
Download Presentation
Coordenação Geral de Observação da Terra – Avaliação Anual 2004

Loading in 2 Seconds...

  share
play fullscreen
1 / 86
cain-flores

Coordenação Geral de Observação da Terra – Avaliação Anual 2004 - PowerPoint PPT Presentation

73 Views
Download Presentation
Coordenação Geral de Observação da Terra – Avaliação Anual 2004
An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author. While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. Coordenação Geral de Observação da Terra – Avaliação Anual 2004 Reunião de Planejamento e Avaliação OBT 2004 Campos do Jordão, dezembro 2004

  2. Em Busca do Essencial • “Quando se trava uma luta prolongada, tenaz e apaixonada começam a delinear-se, geralmente ao fim de certo tempo, os pontos de divergência centrais, essenciais, de cuja solução depende o resultado definitivo da campanha, e em comparação com os quais os episódios menores e insignificantes da luta passam cada vez mais para o segundo plano.” V. I. Lênin

  3. Algumas Perguntas • O que torna a OBT singular no INPE e no Brasil? • Como está organizada a OBT hoje? • Qual foi o desempenho da OBT em 2004? • Como evoluiu a OBT de 1995 para 2005? • Como será a OBT de 2015?

  4. Competência Essencial • Conceber, projetar, avaliar e utilizar dados de sensores remotos • Dominar tecnologia de sistemas de Geoinformação, Processamento de Imagens e Modelagem Ambiental • Atuação interdisciplinar em projetos de aplicação e uso de geoinformação • Excelência na formação de RH em Sensoriamento Remoto e Geoinformação

  5. O que torna a OBT singular? • OBT = Dados Geográficos + Tecnologia Geoinformação + Ciências da Terra • Dados Geográficos • Fundamento de estudos científicos sobre a Terra • Tecnologia • Instrumentos para lidar com dados geográficos • Ciências da Terra • Conhecimento multidisciplinar

  6. O que torna a OBT singular? • A OBT reúne • Infraestrutura de coleta e produção de dados ambientais • Competência em desenvolvimento de sistemas • Capacidade de organizar equipes multidisciplinares • Quantos grupos semelhantes existem no mundo?

  7. Como está organizada a OBT hoje? • Compromisso de gestão • Instrumento básico de gerência • Estabelece metas e indicadores (fixados no início do ano) • Decisões estratégicas • Conselho (inclui Coordenadores de Programa) • Ações imediatas • Chefias + coordenadores de programa

  8. Compromisso de Gestão 2004 • Meta 1. Realizar uma produção científica internacional de 26 artigos • Resultado: Produção de 23 artigos internacionais

  9. Concentração da Produção Indexada • Alta Concentração em Poucos Pesquisadores • 3 Pesquisadores - 50% da produção indexada internacional • Como fazer para melhorar este índice?

  10. Produção Indexada Internacional e Teses

  11. Produção Científica Jovens Pesquisadores

  12. Compromisso de Gestão 2004 • Meta 2. Realizar a avaliação do desmatamento da Amazônia, divulgar os dados do PRODES Digital de 2003 e fazer uma revisão dos anos anteriores (2000-2003). • Resultados • Desmatamento 2001-2002 – 23.260 km2 • Desmatamento 2002-2003 – 23.750 km2

  13. Desmatamento 2003 Desmatamento 2002/2003 Desmatamento até 2002 Fonte: INPE PRODES Digital, 2004.

  14. Taxas de Desmatamento Amazônia (km2)

  15. Diferenças entre Estimativa e Taxa Efetiva: 2001-2002 • Estimativa original : 25476 km2 • Baseada em 50 cenas (18165 km2) • Histórico do PRODES: 50 cenas correspondiam a 75% do desmatamento total • Dinâmica do desmatamento a partir de 2000 • Maior concentração em áreas críticas (extensificação do uso) • Em 2002, 50 cenas críticas corresponderam a 82% do desmatamento total • Estimativa deveria ter sido de 23500 km2

  16. Desmatamento Acumulado 75 cenas 50 cenas

  17. Estimativa do Desmatamento 2002-2003 • Baseada em 75 cenas • Correspondem a 92% do desmatamento total • Estimativa das 75 cenas = 21852 km2 • Projeção para total (2003) = 23750 km2

  18. Avanços no PRODES em 2004 • Consolidação da metodologia do PRODES Digital • Autonomia no cálculo da taxa • Até 2003, taxa era calculada por pessoa de fora do INPE • Ampla divulgação da metodologia empregada

  19. clientes Ambiente Cliente-Servidor servidor Avanços no PRODES em 2005 • Melhoria na estimativa • Uso de 90 imagens para cálculo da taxa 2003/2004 • Aumento da confiabilidade (95%) • Implantação Inicial do SISPRODES • Gerenciamento centralizado

  20. Compromisso de Gestão 2004 • Meta 3. Implantar um sistema de detecção do desmatamento em tempo real com dados MODIS e WFI e distribuir o resultado para o IBAMA • Resultados • Sistema DETER implantado • Website lançado em Novembro 2004

  21. DETER: estrutura Base do Desmatamento anos anteriores Imagem MODIS mais atual possível Projeto PRODES Estação recepção Cuiabá/MT Processamento INPE: detecção dos novos desmatamentos Disseminação Internet Fiscalização: sala situação IBAMA e outras instituições

  22. Internet: www.obt.inpe.br/deter

  23. Desmatamentos verificados em 21/Mai/2004 Mapa temático do desmatamento em 13/Ago/2003 (amarelo) + desmatamento de 13/Ago/2003 até 07/Mai/2004 (vermelho) + desmatamento de 21/Mai/2004 (laranja) Mosaico Modis de 21/Mai/2004

  24. Gráficos totalizando desmatamento por municípios ou estado

  25. Municípios Críticos

  26. Impacto do Sistema DETER • Cumprimento de missão do INPE no Plano de Combate ao Desmatamento da Amazônia • Nova forma de combate ao desmatamento • Permite à sociedade acompanhamento em tempo quase real da evolução do desmatamento

  27. Compromisso de Gestão 2004 • Meta 4. Produzir os primeiros resultados dos projetos da rede GEOMA. • Resultados • Caracterização da Dinâmica de Ocupação na região do Xinguri (Terra do Meio) • Relatório de Avaliação das Políticas Públicas na região • Modelos computacionais de Dinâmica de Uso da Terra (CLUE, TerraME)

  28. Áreas de Atuação da Rede GEOMA • Modelos de mudanças do uso e cobertura da terra na Amazônia. • Modelos de distribuição da biodiversidade na Amazônia. • Modelos hidrológicos • Modelos acoplados bioma-clima • Modelos integrados multi-escala

  29. Fluxo dos rios Xingu Oeste – Sazonalidade (Inverno) Altamira SFX

  30. Fluxo das Estradas Xingu Oeste – Sazonalidade (Inverno) Uruará Altamira Maribel Trairão SFX

  31. GEOMA: Modelos de Ocupação da Amazônia – Foco 1: MacroRegional

  32. Como Modelar Fenômenos Sociais? • Análise de regressão • Baseada em dados indiretos (e.g. censo) • Caracteriza a distribuição, mas não o processo • Automatos celulares • Interações locais gerando efeitos globais • Transições discretas (são realistas?) • Sistemas adaptativos complexos • Agentes que interagem no espaço • Aprendem com e adaptam-se aos competidores

  33. Análise de Regressão: Desmatamento • Sete fatores estão relacionados à variação de 83% das taxas de desmatamento na Amazônia nos últimos anos: (a) Estrutura Agrária (2 fatores): percental de área ocupada por grandes fazendas e número de pequenas propriedades. (b) Ocupação Populacional (1 fatores): densidade de população. (c) Condições do Meio Físico (2 fatores): Precipitação média e percentual de solos férteis. (d) Infraestrutura (1 fator): distância a estradas. (e) Presença do Estado (1 fator): percentagem de áreas indígenas

  34. Espaços celulares • Componentes • conjunto de células georeferenciadas • identificador único • vários atributos por células • matriz genérica de proximidade - GPM Modelagem em Espaços Celulares superfície discreta de células retangulares multivaloradas possivelmente não contíguas

  35. 62° 00’ W 62° 30’ W Rondônia 9° 00’ S 9° 00’ S 9° 30’ S 9° 30’ S 10° 00’ S 10° 00’ S 0 4 Km 10° 30’ S 10° 30’ S 62° 30’ W 62° 00’ W Small Medium Large 30 km 0 Diferentes Atores, Diferentes Padrões Fonte (Escada 2003)

  36. Allocation Module: different resolution, variables and neighborhoods 1985 • Small farms environments: • 500 m resolution • Categorical variable: deforested or forest • One neighborhood relation: • connection through roads • Large farm environments: • 2500 m resolution • Continuous variable: • % deforested • Two alternative neighborhood • relations: • connection through roads • farm limits proximity 1997 1997

  37. Compromisso de Gestão 2004 • Meta 5. Implantar um programa de Estatísticas Agrícolas com Sensoriamento Remoto, em parceria com a CONAB • Resultados: Para a safra 2004, já foram implantados sistemas para previsão das culturas soja, milho, cana e café para as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste.

  38. Projeto GeoSafras GEOSAFRAS

  39. GEOSAFRAS Sistema de informação geográfica Imagens de satélite Banco de dados

  40. GeoSafras: 1o ano soja café milho cana-de-açúcar

  41. Identificação das culturas

  42. Compromisso de Gestão 2004 • Meta 6. Instalar uma nova estação de gravação de imagens CBERS em Cuiabá e geração de produtos MODIS. • Resultados: • Até o final de 2004, toda o processo de ingestão do CBERS em Cuiabá será feito com software nacional • Produtos MODIS para o DETER serão gerados em Cuiabá em 2005

  43. Estação de Recepção e Processamento CBERS Gerenciamento Pedidos Planejamento Aquisição Ingestão e Gravação Catálogo Controle de Qualidade Geração Produtos

  44. Princípios de Design da Estação CBERS • Hardware de baixo custo • PCs padrão • Padrões abertos • Linux, GCC, Apache, PHP, MySQL, HDF, GeoTIFF, XML • Escalabilidade e Automação • Módulos, Processamento Distribuído • Uso da Internet • Interface baseada em navegadores comuns

  45. A Importância da Tecnologia Nacional • Sistema CBERS-1 (MATRA) • Contrato de desenvolvimento – R$ 24 milhões (US$ 8 milhões) • Sistema CBERS-2 (GISPLAN/INPE)

  46. Estações – Metas para 2005 • Melhoria dos produtos CBERS • Geração de imagem georeferenciada ao Mosaico NASA • Geração de um produto para exportação • Instalação de estações CBERS fora do Brasil • Produção de LANDSAT e SPOT com sistema GISPLAN • Substituição completa da tecnologia importada (Sistema da MDA custou US$ 25 milhões)

  47. Compromisso de Gestão 2004 • Meta 7. Inaugurar o Centro de Dados, com 100% do acervo de dados MSS com acesso livre on-line. • Resultados • Todo o acervo MSS (1973-1984) está convertido • Metade das imagens já está on-line • Acervo on-line estará completo em Março/2005

  48. Centro de Dados MSS em fitas HDDT, ~ 2600 fitas 10 TB CBERS em DLT, ~700 DLT’s 28 TB TM e ETM+ em DLT, ~700 DLT’s 28 TB TM em fitas HDDT, ~6500 fitas 58 TB ERS em fitas HDDT, ~680 fitas 6 TB Spot em fitas HDDT, ~190 fitas 2 TB* Radarsat em DLT, ~60 DLT’s 2 TB TOTAL 134 TB

  49. MSS - Landsat 1 WRS1 248/62 07/07/1973

  50. Imagens MSS – Landsat 3 – São Paulo (1977)