slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
África PowerPoint Presentation
Download Presentation
África

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 20

África - PowerPoint PPT Presentation


  • 124 Views
  • Uploaded on

África. (Entre a Enxada e a Lança). A Lei 10.639 - Obrigatoriedade do ensino de História da África. “O presidente da República. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'África' - bazyli


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide2

África

(Entre a Enxada e a Lança)

slide3

A Lei 10.639 - Obrigatoriedade do ensino de História da África

“O presidente da República. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

        Art. 1o A Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passa a vigorar acrescida dos seguintes arts. 26-A, 79-A e 79-B:

Nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares, torna-se obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira.

§ 1o O conteúdo programático a que se refere o caput deste artigo incluirá o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil.

§ 2o Os conteúdos referentes à História e Cultura Afro-Brasileira serão ministrados no âmbito de todo o currículo escolar, em especial nas áreas de Educação Artística e de Literatura e História Brasileiras.”

(FONTE:http://www.planalto.gov.br/)

vis es sobre a frica
Visões sobre a África
  • A visão tradicional sobre a África: pré conceitos sobre a História da África e suas sociedades → uma visão a partir do olhar externo – a do colonizador europeu – a África selvagem, primitiva, bárbara e sem História.
  • Mudança de perspectiva: novos estudos africanistas (décadas de 50 -70) → Contexto da descolonização dos países africanos.
  • Metodologia empregada: História das tradições orais (A figura do Griot e a diferença da sociedade Ocidental) e a utilização do métodos arqueológicos.
slide5

Mapa físico da África

(FONTE: África e Brasil africano. Marina de Mello e Souza)

as sociedades africanas
As sociedades africanas
  • Perspectiva continental VS. Diversidade regional → A dimensão da África como um bloco único foi construída a partir de uma visão em que prevalece a descrição geográfica e busca homogenizar e simplificar as relações sociais dos povos africanos.
  • Região mais antiga de ocupação humana: Surgimento do Homo Sapiens (± 190 mil anos a.C. – Período Paleolítico) → África Oriental (Região do Sahel)
  • ±10 mil a.C. – Período Neolítico – desenvolvimento das técnicas de metalurgia e agricultura → Constituição dos primeiros agrupamentos humanos sedentários e formação de sociedades mais complexas.
  • Importante: Nem todos os grupos humanos passaram pelo processo de sedentarização (Ex: os povos do Saara e das regiões das florestas tropicais)
slide7

Organização básica das sociedades africanas: Os laços de parentesco (concepção de família estendida, incluindo agregados e dependentes) e as relações de fidelidade em relação à figura do chefe de família.

  • Constituição dos primeiros núcleos urbanos: Aldeias (estruturados a partir da união das famílias, subordinadas a um chefe) → Base para formas mais complexas de organização políticas
  • Formação de formas mais complexas de organização: Impérios, reinos, cidades-Estado e confederações de Aldeias.
slide8

As sociedades africanas no decorrer da História

(FONTE: Explorando a África. Isimene Ibazebo)

slide9

Gravura de uma cidade do Sahel africano (séc XVII)

(FONTE: África e Brasil africano. Marina de Mello e Souza)

slide10

Cidade de Tombuctu atualmente

(FONTE: África e Brasil africano. Marina de Mello e Souza)

diversidade religiosa
Diversidade Religiosa
  • Cristianismo – Norte da África – cristãos coptas – Egito e Etiópia (Expansão do império Romano – sec.II a.C.)
  • Islamismo – Norte da África, deserto do Saara e região do Sahel (Expansão Árabe – séc. VIII e trocas comerciais)
  • Religiões Animistas (África subsaariana e central) → Culto aos ancestrais e as forças da natureza (profunda relação com a tradição/ história e com a natureza)
a diversidade cultural
A diversidade cultural
  • Papel da música e da dança nestas sociedades (espaços de comunhão entre os membros da comunidade e destes com os antepassados)
  • Elementos centrais: reverência à ancestralidade espiritualizada, a sacralidade dos tambores e o poder atribuído à fala de mobilizar forças vitais
  • Exemplos de manifestações musicais de origem africana: Candomblé Queto: Canto pra Oxum; Candomblé Angola: Zuela para Matulembê; Tambor de Mina: Doutrina para Ogum; Jongo de Cunha)

Fonte: Grupo Cachuera!

http://www.cachuera.org.br/cachuerav02/index.php?option=com_content&view=article&id=297:diasporasmusicaisafricanasnobrasil&catid=80:escritos&Itemid=89

slide13

Produção artística africana

(FONTE:África e Brasil africano. Marina de Mello e Souza)

as rotas de com rcio africanas
As rotas de comércio africanas
  • As rotais regionais: Trocas do excedente agrícola das aldeias e cidades (complementação da dieta alimentar e produtos manufaturados – feito principalmente pelas mulheres nos espaços destinados a isso – mercados)
  • As grades rotas mercantis: Ligado a troca de especiarias africanas como sal, marfim, noz de cola, ouro e escravos. (Feito em geral por homens através das caravanas que cruzavam a África e as feitorias no litoral do oriental (Oceano Índico) e ocidental (Oceano Atlântico).
  • As rotas de comércio transaarianas (Com os reinos muçulmanos do Norte da África – papel central das populações nômades do Saara)
  • O comércio com as rotas do Oceano Índico (Com mercadores árabes e indianos)
  • O comércio Atlântico (a partir do século XV com os portugueses e demais europeus)
a escravid o na frica
A escravidão na África
  • Origens: conflitos entre pequenas comunidades e linhagens
  • A Guerra como instrumento de transformação de um indivíduo livre em escravo
  • Outras possibilidades: Escravidão como castigo penal – escravidão por processo de marginalização
  • A Escravidão se transforma e acompanha as mudanças das organizações políticas e econômica – A escravidão se integra plenamente a estrutura social dessa regiões (como modo de produção)
o papel do escravo nas sociedades africanas
O papel do escravo nas sociedades africanas
  • Aumento da produção (mão de obra mobilizada para produção agrícola e artesanal)
  • Integração ao aparato de Estado (Funcionários e soldados - provável influencia dos povos islâmicos do Norte da África e da Arábia
  • O escravo como símbolo de riqueza e status (fator de produção e sinônimo de poder)
  • A condição de escravo e a possibilidade de assimilação (debate sobre as matizas dessa integração e da hereditariedade)

Importante: A constituição de um mercado ligado ao tráfico de escravos transformou a escravidão na África (Tanto no que diz respeito ao tráfico para o Norte da África, quanto o tráfico para as colônias europeias). Imposição de uma lógica mercantil no processo de escravização.

slide19

A dimensão política de História da África

“As comunidades de origem africana nas Américas, sobretudo na América Latina, sofrem, até hoje, de lacunas nas referência histórica que dificultam a construção de uma auto-imagem digna de respeito e estima. A ancestralidade africana milenar nos é ocultada em sala de aula, nos livros didáticos e no dia-a-dia de nossas vidas. Nada conhecemos sobre a África e o pouco que nos contam é sempre motivo de deboche.”

(FONTE:Eduardo Mondlane e seus Ideais. Dilma de Melo da Silva e Nilce da Silva, Jornal da USP, 03 a 09/03/08)

slide20

A Abolição e o preconceito

Neste 13 de maio em que comemoramos 115 anos da Abolição do Regime Escravocrata no País - o Brasil foi o último dos países Escravocratas a aboli-lo - e que manuseamos os números oficiais do mapa da exclusão do negro no Brasil, a informação de que somente 2,2% dos jovens negros compõem o universo discente do ensino superior público - na Universidade de São Paulo - são tão somente 1,3% -; (...) e que são totalmente invisíveis na comunicação social e nos cargos de comando e de chefia público ou privado, em todos os escalões, é impossível outra constatação senão a de que os brasileiros negros continuam onde sempre estiveram: no porão, separados e desiguais.

(Carta Capital, 13/05/2010, José Vicente, presidente da ONG Afrobrás)