Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro e-mail: marco.aurelio@feg.unesp.br - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro e-mail: marco.aurelio@feg.unesp.br PowerPoint Presentation
Download Presentation
Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro e-mail: marco.aurelio@feg.unesp.br

play fullscreen
1 / 10
Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro e-mail: marco.aurelio@feg.unesp.br
155 Views
Download Presentation
baldwin
Download Presentation

Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro e-mail: marco.aurelio@feg.unesp.br

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. PROGRAMA REAÇÃO COMO A TERRA SE FORMOU 3ªSÉRIE Prof. Dr. Marco Aurélio A. Monteiro e-mail: marco.aurelio@feg.unesp.br 2008

  2. ROTEIRO • A teoria da formação da Terra e o meio ambiente • A teoria da formação da Terra e osseres vivos • A teoria da formação da Terra e os seres humanos • A teoria da formação da Terrae os recursos tecnológicos

  3. COMO A TERRA SE FORMOU ADAPTAÇÃO DO TEXTO DO LIVRO OS SERÕES DE DONA BENTA (MONTEIRO LOBATO) ciências

  4. No dia seguinte dona Benta falou da formação do nosso sistema solar. - Neste assunto, meus filhos, só temos hipóteses - disse ela - a certeza é impossível. Das hipóteses apresentadas pelos sábios a mais aceita hoje é a do planetesimal. De acordo com essa hipótese todos os corpos do nosso sistema solar, isto é, o Sol, os planetas, os satélites, os asteróides, os meteoros e meteoritos, sobre os quais já conversamos, faziam parte dum enorme astro - uma estrela. Essa estrela andava rodando pelo espaço infinito, como fazem todas as estrelas, até que um dia se aproximou demasiadamente de outra, também enorme, e sofreu a influência da sua atração. Tão violenta foi essa atração que se produziram em nossa estrela a divisão de dois blocos de matéria (gás e poeira). O primeiro bloco deu origem ao Sol e o segundo bloco aos planetas, asteróides, meteoros, meteoritos e cometas.

  5. Dona Benta continuou. - A nova hipótese diz que durante o tempo em que a nebulosa formada pelo derrame da estrela se fixou na forma dos planetas atuais, um dos pedaços passou a ser a nossa Terra - mas muito menor que hoje. A Terra foi crescendo à custa dos meteoritos que constantemente caíam sobre ela, como ainda hoje acontece, embora em menor quantidade. Naquele tempo a superfície da Terra não passava de massa porosa, solta. O que nela caía, espetava-se como pedrinhas que você joga de encontro a uma bola mole de barro. - Engraçado! A Terra foi crescendo à custa de pelotadas... - Sim. E no começo era pequena demais para ter a atmosfera que tem hoje.

  6. - Depois que a Terra adquiriu atmosfera, as partes mais altas começaram a ser desgastadas - esse desgaste é a tal gradação. O processo da gradação não passa da erosão e do transporte do material erodido de um ponto para outro, pela ação carregadora das águas, dos ventos e das geleiras. Desse modo a gradação foi desfazendo os montes, e abrindo os vales, trabalho que ainda hoje podemos observar. Grandes mudanças se operaram na superfície da Terra e continuam a operar-se.

  7. A Serra da Mantiqueira, por exemplo. Quem vai de S. Paulo ao Rio de Janeiro corta o imenso Vale do Paraíba, hoje coberto de lindos arrozais, e vê lá longe a muralha azul das montanhas. Essa cadeia de montanhas é a mãe: o vale é o filho. Quando a Mantiqueira surgiu devia ser altíssima, porque toda a terra que forma o grande aterro do atual Vale do Paraíba saiu dessa cadeia de montanhas. A primitiva Mantiqueira foi se desgastando pela erosão, foi minguando em altura e corpo, à proporção que o Vale ia se formando pelo aterro. Hoje nos parece uma grande cadeia de montanhas, mas na realidade não passa de uma pequena parte do que foi.

  8. Notei que só falamos da erosão causada pelas águas. - E há mais erodidores? - perguntou Narizinho. - Sim, muitos, embora mais fracos. Há, as plantas. Árvores, como a figueira brava do tio Barnabé, que nascem na fenda das pedras e acabam rachando-as, praticam a erosão. A gravidade também produz erosão, porque está sempre puxando as coisas para baixo, fazendo-as cair. O que cai quebra-se, facilitando o trabalho dos outros processos. - Na pedra do Barnabé - lembrou Pedrinho - a figueira começou a erosão rachando a pedra, e a gravidade continuou-a fazendo que metade da pedra caísse sobre a estrada e se partisse em três, fora o farelo. - Exatamente. E temos os animais, sobretudo o homem, que também erodem - deslocam as pedras daqui para ali, quebram-nas, moem-nas, furam o chão, etc. E temos os agentes químicos, como o oxigênio, que é um danado para combinar-se com as rochas e desagregá-las. E temos ainda a ação química das plantas que produzem dióxido de carbono e mais substâncias. O dióxido também ataca as rochas.

  9. -Coitadas! - exclamou Emília. Tudo se junta contra as pobres rochas, apesar de viverem quietinhas no seu canto, sem fazer mal a ninguém. São umas verdadeiras mártires... E Emília suspirou.