slide1 l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional Heloisa Cristina Figueiredo Frizzo heloisa.frizzo@to.uftm.br PowerPoint Presentation
Download Presentation
Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional Heloisa Cristina Figueiredo Frizzo heloisa.frizzo@to.uftm.br

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 30

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional Heloisa Cristina Figueiredo Frizzo heloisa.frizzo@to.uftm.br - PowerPoint PPT Presentation


  • 426 Views
  • Uploaded on

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional Heloisa Cristina Figueiredo Frizzo heloisa.frizzo@to.uftm.edu.br. Curso de Terapia Ocupacional. Cuidados Paliativos. Organização Mundial de Saúde (1990) ‏

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional Heloisa Cristina Figueiredo Frizzo heloisa.frizzo@to.uftm.br' - arleen


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

Heloisa Cristina Figueiredo Frizzo

heloisa.frizzo@to.uftm.edu.br

Curso de Terapia Ocupacional

cuidados paliativos
Cuidados Paliativos

Organização Mundial de Saúde (1990)‏

O cuidado ativo e total aos pacientes cuja (doença) enfermidade não responde mais aos tratamentos curativos.

Controle da dor.

cuidados paliativos3
Cuidados Paliativos

Organização Mundial de Saúde (1990)‏

Relaciona-se à outros sintomas:

Psicológica;

Social;

Espiritual.

cuidados paliativos perspectiva do profissional de sa de
Cuidados PaliativosPerspectiva do profissional de saúde

Domínios de excelência dos cuidados de final de vida sob a perspectiva do profissional de saúde.

1) qualidade geral de vida;

2) o bem-estar e o funcionamento físico;

3) o bem-estar e o funcionamento psicossocial;

4) o bem-estar espiritual;

5) a percepção que tem o paciente dos cuidados que lhe são dispensados;

6) o bem-estar e o funcionamento familiares.

cuidados paliativos p erspectiva do paciente
Cuidados PaliativosPerspectiva do paciente

Domínios dos cuidados da qualidade de fim de vida da perspectiva do paciente.

1) o controle adequado de dores e sintomas;

2) evitar o prolongamento impróprio do processo de morrer;

3) alcançar um sentido de paz espiritual;

4) alívio da angústia;

e 5) fortalecimento dos relacionamentos com os entes queridos.

slide6

Cuidados Paliativos Abordagem Multiprofissional

  • Avaliação Multiprofissional:

Detecção do sofrimento global e específico do paciente, dos familiares e da equipe de assistência;

  • Medição do Impacto do Processo de Adoecimento na qualidade de vida do doente;
slide7

Cuidados Paliativos Abordagem Multiprofissional

  • Avaliação do Prognóstico (atenção curativa ou paliativa);
  • Diagnóstico etiológico ou fisiopatológico de cada sintomas;
  • Explicação e discussão do planejamento das ações com o paciente e/ou o cuidador
slide8

Cuidados Paliativos

Terapia Ocupacional

Papel do Terapeuta Ocupacional

  • Considerar as características particulares de cada etapa do desenvolvimento e dos diferentes contextos em que o indivíduo está inserido
  • Envelhecimento
          • Relacionados à pessoa
          • Relacionados ao ambiente
          • Relacionados ao cuidador
slide9

Que função ela melhora?

Desempenho em Áreas

de Ocupação

  • Brincar
  • Lazer
  • Participação Social
  • Educação
  • AVD/AIVD
  • Trabalho

Habilidades de

Desempenho

Padrões de

Desempenho

Habilidades Motoras

Habilidades de Processo

Habilidades de Comunicação/

Interação

Hábitos

Rotinas

Papéis

Contexto

Demandas da

Atividade

Fatores do Cliente

(Occupational therapy practice framework:domain and process. AJOT, 56, p.609-639, 2002)‏

slide10

Função e Incapacidade

Parte 1

Condição de Saúde

Participação

Funções e Estruturas do Corpo

Atividades

Parte 2

Fatores

Pessoais

Fatores Ambientais

Fatores Contextuais

(OPAS/OMS, 2001)‏

Modelo Filosófico

slide11

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

Assistência aos pacientes e seus cuidadores:

  • no alívio e enfrentamento das dificuldades oriundas de perda do controle;
  • perda da função
  • e perda da dignidade,
  • sentimentos de isolamento, retraimento, abandono e “menos valia”
slide12

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

Avaliação, Diagnóstico e Modificação de condições:

  • Físicas;
  • Psicológicas;
  • Socioculturais.
slide13

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

OBJETIVOS DE INTERVENÇÃO

Aspectos clínicos decorrente da enfermidade:

  • Dor; Náusea; Abstinência; Fadiga;
  • Alteração de sono e de alimentação;
  • Mudanças Funcionais;
  • Baixa Concentração;
  • Ansiedade, Pânico, Fobia/Medo, Irritabilidade;
  • Mudanças de humor, obsessão/compulsão;
  • Desejo de morte, Pensamento suicida
slide14

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

OBJETIVOS DE INTERVENÇÃO

Fatores psicossociais e problemas práticos

  • Adaptação à enfermidade;
  • Menor interesse em atividades;
  • Conflito/isolamento familiar;
  • Decisões de tratamento/transição de assistência;
  • Qualidade de vida;
  • Abuso/negligência;
  • Alterações na sexualidade e na imagem corporal;
slide15

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

OBJETIVOS DE INTERVENÇÃO

Fatores psicossociais e problemas práticos

  • Preocupações culturais e existenciais
  • Necessidades concretas (casa, comida, transporte dinheiro)‏
  • Preocupação com emprego/escola
  • Dificuldade de comunicação e linguagem
  • Disponibilidade da família e cuidador
slide16

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

OBJETIVOS DE INTERVENÇÃO

Apoio espiritual

  • Final da vida/luto
  • Conflito entre crenças religiosa e tratamentos recomendados
  • Culpa; Perda de fé
  • Preocupação com significado/propósito da vida
  • Preocupação acerca da morte e da vida após a morte
  • Necessidade de realizar rituais
slide17

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

Papel do Terapeuta Ocupacional

  • Promoção de atividades e/ou exercícios terapêuticos para o restabelecimetno da funcionalidade;
  • Treino de funções cognitivas e perceptivas;
slide18

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

Papel do Terapeuta Ocupacional

  • Confecção ou prescrição de equipamentos adaptativos (Tecnologia Assistiva), para prevenção de deformidades e controle de dor
slide19

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

Papel do Terapeuta Ocupacional

  • Treino de atividade atividades da vida diária no autocuidado e no ambiente domésticos;
  • Prescrição de cadeiras de rodas e orientação;
slide20

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

  • Orientação domiciliar
  • com apoio,
  • Orientação,
  • e treino de cuidadores (formais e informais)

Para aproveitamento do tempo livre (lazer) e inserção na comunidade;

slide21

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

Papel do Terapeuta Ocupacional

  • Orientação para adaptação e um novo estilo de vida e mudança de hábitos;
    • com orientação para manejo do tempo,
    • simplicação do trabalho,
    • proteção articular.
    • e conservação de energia;
slide22

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

Papel do Terapeuta Ocupacional

  • Treino de relaxamento e manejo de estresse;
  • Utilização de recursos complementares, como meios físicos:
    • calor, frio, massagem, relaxamento, acupuntura
slide23

Cuidados Paliativos em Terapia Ocupacional

Papel do Terapeuta Ocupacional

  • Orientação sobre as atividades do desempenho ocupacional sobre o posicionamento no leito e o treinamento de mudanças posturais.
    • AVDs.;
    • AIVDs.
    • Trabalho e Produtividade;
    • Lazer e Recreação.
slide24

Cuidados Paliativos e Saúde Mental

Necessidades de pacientes gravemente enfermos:

  • Ter o controle da dor e de outros sintomas;
  • Ter controle sobre a própria vida;
  • Não ter o seu sofrimento prolongado;
  • Não ser sobrecarga para a família;
  • Estreitar laços familiares c com pessoas significativas;
slide25

Cuidados Paliativos e Saúde Mental

  • Não poder se despedir dos familiares.
  • Estresse em relação à vida das pessoas próximas.
  • Não ser perdoado.
  • Não poder se reconciliar com pessoas significativas.
  • Preocupações constantes em pacientes gravemente enfermos.
  • Não poder alcançar e falar com seu médico.
  • Dúvidas e questionamentos religiosos.
  • Sofrimento emocional intenso.
slide26

Madrugada e crepúsculo, alegria e tristeza, chegada e despedida. Tudo é parte da vida, tudo precisa ser cuidado. A gente prepara com alegria, a chegada de quem a gente ama. É preciso preparar também, com carinho e tristeza, a despedida de quem a gente ama. Sobre isso sabem melhor que nós os orientais. Sabem que os opostos não são inimigos: são irmãos. Noite e dia, silêncio e música, repouso e movimento, riso e choro, calor e frio, sol e chuva, abraço e separação, chegada e partida: são os opostos que dão vida à vida. Vida e morte não são inimigas. São irmãs. Chegada e despedida... Sem a frase que a encerra a canção não existiria. Sem a Morte, a Vida também não existiria, pois a vida é, precisamente, uma permanente despedida...

Rubem Alves

“Concerto para Corpo e Alma”

Hugo Simberg, Death Listening ( Der Tod hört zu), 1897, watercolor.

sites interessantes
SITES INTERESSANTES

http://www.cuidadospaliativos.com.br/

www.praticahospitalar.com.br/

www.paliativo.com.br/

http://www.portalmedico.org.br/revista/

www.scamilo.edu.br/index.php?pag=publi_mundo_saude

www.crm-ms.org.br/revista

refer ncias bibliogr ficas
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANGELOTTI, G.; SARDÁ JÚNIOR, J. Avaliação psicológica da dor. IN: FIGUEIRÓ, J. A . B; ANGELOTTI, G.; PIMENTA, C. A . M. In: Dor e Saúde Mental. São Paulo: Editora Atheneu, 2005.

ARAÚJO, C . O . Brasil celebra o Dia Mundial de Cuidados Paliativos e Hospice e é um dos países mais atuantes nas comemorações. Prática Hospitalar 2005; 42. http://www.praticahospitalar.com.br/ pratica%2042/pgs/materia%2010-42.html (acessado em 18/Abr/2006).

BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Cuidados paliativos oncológicos: controle da dor. - Rio de Janeiro: INCA, 2001.

BREITBART, W. Espiritualidade e sentido nos cuidados paliativos. O mundo da saúde. São Paulo, ano 27, v. 27, n.1 jan/mar. 2003. p. 45.

CARLO, M. et al Terapia Ocupacional em dor e dos cuidados paliativos – Constituição do campo e formação profissional. Revista DOR 2005 – Abr/Mai/jun – 6(2): 560-566

FRANÇA, G. V. Eutanásia: um enfoque ético-político. Revista Bioética. v. 7, n. 1, 1999.

HOLLAND, J. C. Psycological issues in the care of terminal III. Directions in psichyatry. Nova York: Hather-leigh, 1982.

KOVÁCS, M. J. Autonomia e o direito de morrer com dignidade. Simpósio: Os limites da autonomia do paciente. Revista: Bioética. v. 6, n. 1, 1998.

refer ncias bibliogr ficas29
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

KOVÁCS, M. J. Morte e desenvolvimento humano. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1992.

KÜBLER-ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. São Paulo, Martins Fontes, 1992.

MCCOUGHLAN, M. A necessidade de cuidados paliativos. O mundo da saúde. São Paulo, ano 27, v. 27, n.1 jan/mar. 2003. p. 6-14.

MINAYO, M. C. S. ; HARTZ, Z. M. A .; BUSS, P. M. Qualidade de vida em saúde: um debate necessário 2000. Ciênc. Saúde Coletiva 2000;5:7-18.

MITRE, R. M. de A . e G, R. A promoção do brincar no contexto da hospitalização infantil como ação de saúde. Ciênc. saúde coletiva. [online]. 2004, vol.9, no.1 [citado 02 Abril 2006], p.147-154. Disponível na World Wide Web: <http://www.scielo.br/scielo.

MOTA, J. A . C. Quando um tratamento torna-se fútil. In: Simpósio: Eutanásia. Revista Bioética. v. 7, n. 1, 1999.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. (WHOQOL GROUP, 1994). Disponível em:<http:// www.ufrgs.br/psiq>. Acesso em: 25 ago.2000.

PESSINI, L. A filosofia dos cuidados paliativos: uma resposta diante da obstinação terapêutica. O mundo da saúde. São Paulo, ano 27, v. 27, n.1 jan/mar. 2003. p. 15-30.

PESSINI, L.; CAPONERO, P.; MELO, A . G. C. Cuidados Paliativos: uma necessidade urgente na área de saúde. O mundo da saúde. São Paulo, ano 27, v. 27, n.1 jan/mar. 2003. p. 3-5.

refer ncias bibliogr ficas30
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

REGO, S; PALÁCIOS, M. A finitude humana e a saúde pública. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 22(8):1755-1760, ago, 2006

SEIDL, E. M. F; ZANNON, C. M. L. C. Qualidade de vida e saúde:aspectos conceituais e metodológicos. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 20(2):580-588, mar- abr, 2004

SILVA D. M. G. V. ; SOUZA, S. S;FRANCIONI, F. F.;MEIRELLES, B. H. S. Qualidade de vida na perspectiva de pessoas com problemas respiratórios crônicos: a contribuição de um grupo de convivência. Rev Latino-am Enfermagem 2005. janeiro-fevereiro; 13(1):7-14.

SINGER, P. A ., BOWMAN K. W. Quality end-of-life care: a global perspective. BMC Palliat Care 2002; 1. http://www.biomedcentral.com/1472-684X/1/4 (acessado em 08/Abr/2006).

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Home based and longterm care. Home care Issues at the Approach of th 21 st. Century from a World Health Organization Perspectiva: a literature serview. Geneva: WHO, 1999.

YENG, L. T. ; TEXEIRA, M. J. Tratamento Multidisciplinar dos Doentes com Dor Crônica, Pratica hospitalar ano VI, numero 35, set - out./2004.