diagn stico das leucemias na inf ncia
Download
Skip this Video
Download Presentation
Diagnóstico das Leucemias na Infância

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 62

Diagnóstico das Leucemias na Infância - PowerPoint PPT Presentation


  • 272 Views
  • Uploaded on

Instituto de Oncologia Pediátrica – UNIFESP/EPM. Diagnóstico das Leucemias na Infância. Dra. Maria Lúcia de Martino Lee. EHRLICH - 1877. NEUTRÓFILOS. Desenvolvimento das Técnicas de Coloração. . . BASÓFILOS. . ACIDÓFILOS ( Eo). Descrição morfológica das leucemias.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Diagnóstico das Leucemias na Infância' - paloma


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
desenvolvimento das t cnicas de colora o
EHRLICH - 1877

NEUTRÓFILOS

Desenvolvimento das Técnicas de Coloração

BASÓFILOS

ACIDÓFILOS ( Eo)

Descrição morfológica das leucemias

s culo xx
AVANÇOS TECNOLÓGICOS

Técnicas convencionais: morfologia e citoquímica

Imunofenótipo

Citogenética convencional

Genética molecular.

Expressão genética/proteica.

SÉCULO XX

Reconhecimento

da heterogenecidade das leucemias

seculo xxi
Reconhecimento subgrupos biologicamente homogeneos

Identificação fatores prognósticos

Delineamento de tratamentos mais específicos

SECULO XXI
diagn stico e classifica o
Diagnóstico e Classificação
  • Diagnóstico + classificação precisos= Essenciais para o estudo biológico e o sucesso terapêutico das leucemias infantis;
  • Sistema de classificação ideal deve ser biologicamente relevante;
  • Deve ser útil tanto ao onco-hematologista clínico, quanto ao pesquisador;
  • Deve ser reproduzível e amplamente utilizável.
diagn stico das leucemias

Sangue Periférico

Mielograma

Morfológico

Citoquímica

Imunofenotipagem

Citogenética/

Genética Molecular

POX/SB

FAB

Linhagem

Sub-linhagem

PAS

Alterações:

- estruturais

- numéricas

Esterases

Diagnóstico das Leucemias
diagn stico das leucemias avalia o morfol gica

Infiltração MO Tu

Aplasia Medular

Anemia

Meg

Leucemias

SMD

PTI

SHF

HIV

S.ChediakHigashi

Calazar

Diagnóstico das LeucemiasAvaliação morfológica
diagn stico das leucemias avalia o morfol gica1
Diagnóstico das LeucemiasAvaliação morfológica
  • Aspiração seca: a avaliação será enfocada apenas no SP e no estudo histológico da BIÓPSIA de MO.
  • Cerca de 20 % dos pacientes com leucemia não apresentam blastos circulantes ao diagnóstico.
diagn stico e classifica o das leucemias
Diagnóstico e Classificação das Leucemias

AGUDAS

  • Representam 95 % das leucemias infantis
  • Proliferação de células imaturas: BLASTOS.
  • Sua enumeração na MO é fundamental para a definição diagnóstica de leucemia aguda.

CRÔNICAS

  • Representam 3 a 5 % casos das leucemias infantis.
  • Proliferação de células relativamente bem diferenciadas.
avalia o morfol gica citoqu mica
Avaliação Morfológica/Citoquímica
  • Introduzidas na década de 60, algumas colorações citoquímicas (MPO, SBB, NSE) auxiliam na definição da linhagem e no diagnóstico de alguns subtipos de LMA.
slide12
Mieloperoxidase (MPO)
  • Cora os grânulos primários dos precurssores granulocíticos e menos intensivamente dos monócitos.
  • Ainda é considerada a reação “gold standard” para a diferenciação morfológica entre blastos linfóides (negativos) e mielóides (positivos).
slide14
Negro de Sudan (SBB)
  • Coloração não enzimática dos fosfolipídeos das membranas dos grânulos. Interpretação de positividade paralela a MPO, porém mais intensa.
slide15
Esterases não Específicas (NSE):

Esterases não específicas (NSE):

  • alfa naftil acetato ( ANA ) esterase
  • alfa naftil butirato (ANB) esterase
  • Cruciais para a determinação de monoblastos/monócitos. É descrita em escala de 0 a + 4, e somente em níveis +3 ou +4 é caracterizado o blasto como monocítico.
  • Monócitos maduros reagem menos intensamente que monoblastos.
slide17

PAS

  • Demais (PAS, Esterase Específica - CAE), Fosfatase Ácida, Ferro Medular): são atualmente de limitado valor diagnóstico.
diagn stico e classifica o morfol gica citoqu mica
Diagnóstico e Classificação Morfológica / Citoquímica

Linfóides:

  • Representam 80 % das leucemias infantis.
  • Caracterizam -se pela presença na MO de >25 % de blastos de características linfóides.

MIelóides:

  • Representam 20% das leucemias infantis.
  • Blastos constituem no mínimo 30% do total das cels nucleadas ou não eritróides da MO ou mais de 20% de acordo OMS.
diagn stico e classifica o morfol gica citoqu mica1
Diagnóstico e Classificação Morfológica / Citoquímica

Classificação FAB (1976):

  • Primeira a unificar a classificação das leucemias
  • Permitiu a comparação entre diferentes protocolos terapêuticos
  • Atualmente,ainda é a base citomorfológica para a classificação das LMA e SMD.
slide20

(L1, L2, L3)

(M1 – M6)

1985

(M7)

(RA, RARS, AREB, AREBt, LMMC)

Diagnóstico e Classificação Morfológica / Citoquímica

FAB

LLA

LMA

SMD

outras classifica es
Outras classificações

Classificação MIC (1986):

  • Classificação das LLA e posteriormente das LMA.
  • Baseia-se em critérios morfológicos, imunológicos e citogenéticos.

Classificação da OMS (2001):

  • Inclui achados morfológicos/citoquímicos, além de características imunofenotípicas, genéticas e clínicas específicas.
slide24

a/b

M4Eo

M3v

Classificação Morfológica FAB - LMA

slide34

2

4

2

10

22

25

25

10

Proporção aproximada de casos LMA na infância por subtipos

imunofenotipagem das leucemias agudas la principais finalidades
Diagnóstico das LA

Definir linhagem/ sublinhagem celular (mieloides,linfoidesB, linfoides T, NK)

Definir estágio maturativo do blasto

Detecção DRM

Futuro

Desenvolver e monitorar novas terapias alvo(enzimas de superfície, moléculas de adesão, receptores de citocinas

Imunofenotipagem das leucemias agudas (LA)Principais finalidades
citometria de fluxo metodologia
Citometria de Fluxo Metodologia

Fred Behm. Laboratory Studies of Acute Leukemia. In: www.cure4kids.org.

slide38

Citometria de Fluxo Metodologia

Fred Behm. Laboratory Studies of Acute Leukemia. In: www.cure4kids.org.

citometria de fluxo
Citometria de Fluxo

Vantagens do método

  • Mede múltiplos parametros em células individuais
  • Grande número de células analisadas com rapidez
  • Disponibilidade de amplo perfil de anticorpos específicos
  • Análise de antígenos de superfície, intracitoplasmáticos e intranucleares
slide40

Rocha, Maria Hsu. Imunofenotipagem em Leucemia Aguda. Instituto Fleury de Ensino e Pesquisa.

imunofen tipo da lla
Imunofenótipo da LLA

Fred Behm. Laboratory Studies of Acute Leukemia. In: www.cure4kids.org.

desenvolvimento da linhagem miel ide
Desenvolvimento da linhagem mielóide

Fred Behm. Laboratory Studies of Acute Leukemia. In: www.cure4kids.org.

classifica o imunol gica das lla infantis
Classificação Imunológica das LLA Infantis

MLL,t(4;11)

TEL-AML,

Hiperdiploidia

t(1;19)

t(8;14)

Rocha, Maria Hsu. Imunofenotipagem em Leucemia Aguda. Instituto Fleury de Ensino e Pesquisa.

classifica o imunol gica da lla t
Classificação Imunológica da LLA T

Fred Behm. Laboratory Studies of Acute Leukemia. In: www.cure4kids.org.

classifica o imunol gica da lla t1
Marcadores positivos

CD 3c, CD 7

CD5, CD2, tdt

CD10 (45 %)

CD45

Marcadores positivos/negativos

CD19, CD 13, CD33

Marcadores negativos

CD79a

MPO

CD1a, CD3, CD4, CD8 <45 % casos

Subdividida 3 estágios maturativos: Dificíl correlação prognóstica

Classificação Imunológica da LLA T
lla com co express o de ant genos miel ides

CD10

CD19

CD22cy

tdt

CD79

LLA com co-expressão de antígenos mielóides
  • Crianças: 4 -35 %
  • Sem valor prognóstico independente

CD33 (25%)

CD13 (23%)

CD15 (16%)

CD14 (16%)

imunofenotipagem na lma
Imunofenotipagem na LMA

Essencial:

  • LMA -MO
  • LMA - M7

Auxiliar:

  • LMA -M6
  • LMA - M3
  • LMA - 2 v
  • LMA -M4Eo
  • LMA - M5
imunofenotipagem das lmas
Marcadores negativos

MPO

CD3c

CD 79a c

CD 22 c

---------------------------

CD34,38,HLA-dr,

tdt 1/3 dos casos

----------------------

CD 11b,15, as vezes

CD2,7,19 fracos

Imunofenotipagem das LMAs

LMA minimamente diferenciada

Marcadores positivos

CD 13

CD 33

CD 117

leucemia megacariobl stica aguda
Leucemia Megacarioblástica Aguda

Marcadores Positivos

  • Plaquetários:
    • CD 41, CD 42,CD 61

Marcadores Negativos ou Positivos:

  • Mielóides:
    • CD13 +, CD 33+,CD 117+

Marcadores Negativos:

    • anti MPO, CD 34, CD 45,HLA - DR
eritroleucemia
Eritroleucemia

Marcadores positivos

  • Mielóides:
    • CD117, CD13
  • Eritróides:
    • Glicoforina A

Marcadores negativos

  • anti MPO
slide52

Rocha, Maria Hsu. Imunofenotipagem em Leucemia Aguda. Instituto Fleury de Ensino e Pesquisa.

leucemia aguda de linhagem amb gua
Leucemia Aguda de Linhagem Ambígua
  • Leucemias agudas indiferenciadas
  • Leucemias agudas bifenotípicas
  • Leucemias agudas bi-linhagem
leucemias agudas indiferenciadas
Leucemias Agudas Indiferenciadas
  • 1 - 3% leucemias agudas
  • Amplo painel de marcadores negativos
  • Em geral: CD34+, HLA-DR+, CD38+, CD7+, tdt+.
leucemias agudas bifenot picas

CD19

MPO

MPO

CD22

CD19

Leucemias Agudas Bifenotípicas
  • Concomitância de marcadores imunológicos no mesmo blasto
    • Mielóide + B
    • Mielóide + T
    • T + B
  • 4-6% das leucemias agudas
slide56

Rocha, Maria Hsu. Imunofenotipagem em Leucemia Aguda. Instituto Fleury de Ensino e Pesquisa.

leucemia aguda bi linhagem

CD22

CD33

MPO

CD19

CD33

CD19

CD79a

MPO

CD13

CD22

CD13

MPO

CD19

MPO

CD33

CD79a

CD33

CD19

Leucemia aguda bi-linhagem
  • Duas populações distintas de blastos expressando marcadores diferentes
doen a residual m nima
Doença Residual Mínima
  • Técnicas moleculares (FISH, RT-PCR)
  • Citometria de fluxo:
    • fenótipos anômalos
    • Assincronismo maturativo
    • Infidelidade linhagem
    • Anormalidades quantitativas
    • Ausência de antígenos
ad