Diagn stico das leucemias na inf ncia
Sponsored Links
This presentation is the property of its rightful owner.
1 / 62

Diagnóstico das Leucemias na Infância PowerPoint PPT Presentation


  • 201 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Instituto de Oncologia Pediátrica – UNIFESP/EPM. Diagnóstico das Leucemias na Infância. Dra. Maria Lúcia de Martino Lee. EHRLICH - 1877. NEUTRÓFILOS. Desenvolvimento das Técnicas de Coloração. . . BASÓFILOS. . ACIDÓFILOS ( Eo). Descrição morfológica das leucemias.

Download Presentation

Diagnóstico das Leucemias na Infância

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Instituto de Oncologia Pediátrica – UNIFESP/EPM

Diagnóstico das Leucemias na Infância

Dra. Maria Lúcia de Martino Lee


EHRLICH - 1877

NEUTRÓFILOS

Desenvolvimento das Técnicas de Coloração

BASÓFILOS

ACIDÓFILOS ( Eo)

Descrição morfológica das leucemias


AVANÇOS TECNOLÓGICOS

Técnicas convencionais: morfologia e citoquímica

Imunofenótipo

Citogenética convencional

Genética molecular.

Expressão genética/proteica.

SÉCULO XX

Reconhecimento

da heterogenecidade das leucemias


Reconhecimento subgrupos biologicamente homogeneos

Identificação fatores prognósticos

Delineamento de tratamentos mais específicos

SECULO XXI


Diagnóstico e Classificação

  • Diagnóstico + classificação precisos= Essenciais para o estudo biológico e o sucesso terapêutico das leucemias infantis;

  • Sistema de classificação ideal deve ser biologicamente relevante;

  • Deve ser útil tanto ao onco-hematologista clínico, quanto ao pesquisador;

  • Deve ser reproduzível e amplamente utilizável.


Sangue Periférico

Mielograma

Morfológico

Citoquímica

Imunofenotipagem

Citogenética/

Genética Molecular

POX/SB

FAB

Linhagem

Sub-linhagem

PAS

Alterações:

- estruturais

- numéricas

Esterases

Diagnóstico das Leucemias


Infiltração MO Tu

Aplasia Medular

Anemia

Meg

Leucemias

SMD

PTI

SHF

HIV

S.ChediakHigashi

Calazar

Diagnóstico das LeucemiasAvaliação morfológica


Diagnóstico das LeucemiasAvaliação morfológica

  • Aspiração seca: a avaliação será enfocada apenas no SP e no estudo histológico da BIÓPSIA de MO.

  • Cerca de 20 % dos pacientes com leucemia não apresentam blastos circulantes ao diagnóstico.


Diagnóstico e Classificação das Leucemias

AGUDAS

  • Representam 95 % das leucemias infantis

  • Proliferação de células imaturas: BLASTOS.

  • Sua enumeração na MO é fundamental para a definição diagnóstica de leucemia aguda.

CRÔNICAS

  • Representam 3 a 5 % casos das leucemias infantis.

  • Proliferação de células relativamente bem diferenciadas.


Avaliação Morfológica/Citoquímica

  • Introduzidas na década de 60, algumas colorações citoquímicas (MPO, SBB, NSE) auxiliam na definição da linhagem e no diagnóstico de alguns subtipos de LMA.


Mieloperoxidase (MPO)

  • Cora os grânulos primários dos precurssores granulocíticos e menos intensivamente dos monócitos.

  • Ainda é considerada a reação “gold standard” para a diferenciação morfológica entre blastos linfóides (negativos) e mielóides (positivos).


MPO


Negro de Sudan (SBB)

  • Coloração não enzimática dos fosfolipídeos das membranas dos grânulos. Interpretação de positividade paralela a MPO, porém mais intensa.


Esterases não Específicas (NSE):

Esterases não específicas (NSE):

  • alfa naftil acetato ( ANA ) esterase

  • alfa naftil butirato (ANB) esterase

  • Cruciais para a determinação de monoblastos/monócitos. É descrita em escala de 0 a + 4, e somente em níveis +3 ou +4 é caracterizado o blasto como monocítico.

  • Monócitos maduros reagem menos intensamente que monoblastos.


ANB esterase


PAS

  • Demais (PAS, Esterase Específica - CAE), Fosfatase Ácida, Ferro Medular): são atualmente de limitado valor diagnóstico.


Diagnóstico e Classificação Morfológica / Citoquímica

Linfóides:

  • Representam 80 % das leucemias infantis.

  • Caracterizam -se pela presença na MO de >25 % de blastos de características linfóides.

    MIelóides:

  • Representam 20% das leucemias infantis.

  • Blastos constituem no mínimo 30% do total das cels nucleadas ou não eritróides da MO ou mais de 20% de acordo OMS.


Diagnóstico e Classificação Morfológica / Citoquímica

Classificação FAB (1976):

  • Primeira a unificar a classificação das leucemias

  • Permitiu a comparação entre diferentes protocolos terapêuticos

  • Atualmente,ainda é a base citomorfológica para a classificação das LMA e SMD.


(L1, L2, L3)

(M1 – M6)

1985

(M7)

(RA, RARS, AREB, AREBt, LMMC)

Diagnóstico e Classificação Morfológica / Citoquímica

FAB

LLA

LMA

SMD


Outras classificações

Classificação MIC (1986):

  • Classificação das LLA e posteriormente das LMA.

  • Baseia-se em critérios morfológicos, imunológicos e citogenéticos.

    Classificação da OMS (2001):

  • Inclui achados morfológicos/citoquímicos, além de características imunofenotípicas, genéticas e clínicas específicas.


L1

L2

L3

Classificação Morfológica FAB LLA


Classificação Morfológica FAB - LLA


a/b

M4Eo

M3v

Classificação Morfológica FAB - LMA


LMA - M0


LMA – M1


LMA – M2


LMA - M2


LMA - M3v


LMA – M4Eo


LMA – M5


LMA – M6


LMA – M7


2

4

2

10

22

25

25

10

Proporção aproximada de casos LMA na infância por subtipos


Instituto de Oncologia Pediátrica – UNIFESP/EPM

Imunofenotipagem das Leucemias Agudas

Dra. Maria Lúcia de Martino Lee


Diagnóstico das LA

Definir linhagem/ sublinhagem celular (mieloides,linfoidesB, linfoides T, NK)

Definir estágio maturativo do blasto

Detecção DRM

Futuro

Desenvolver e monitorar novas terapias alvo(enzimas de superfície, moléculas de adesão, receptores de citocinas

Imunofenotipagem das leucemias agudas (LA)Principais finalidades


Citometria de Fluxo Metodologia

Fred Behm. Laboratory Studies of Acute Leukemia. In: www.cure4kids.org.


Citometria de Fluxo Metodologia

Fred Behm. Laboratory Studies of Acute Leukemia. In: www.cure4kids.org.


Citometria de Fluxo

Vantagens do método

  • Mede múltiplos parametros em células individuais

  • Grande número de células analisadas com rapidez

  • Disponibilidade de amplo perfil de anticorpos específicos

  • Análise de antígenos de superfície, intracitoplasmáticos e intranucleares


Rocha, Maria Hsu. Imunofenotipagem em Leucemia Aguda. Instituto Fleury de Ensino e Pesquisa.


Imunofenótipo da LLA

Fred Behm. Laboratory Studies of Acute Leukemia. In: www.cure4kids.org.


Desenvolvimento da linhagem mielóide

Fred Behm. Laboratory Studies of Acute Leukemia. In: www.cure4kids.org.


ImunofenotipagemTriagem Inicial – Painel de Marcadores


Classificação Imunológica das LLA Infantis

MLL,t(4;11)

TEL-AML,

Hiperdiploidia

t(1;19)

t(8;14)

Rocha, Maria Hsu. Imunofenotipagem em Leucemia Aguda. Instituto Fleury de Ensino e Pesquisa.


Classificação Imunológica da LLA T

Fred Behm. Laboratory Studies of Acute Leukemia. In: www.cure4kids.org.


Marcadores positivos

CD 3c, CD 7

CD5, CD2, tdt

CD10 (45 %)

CD45

Marcadores positivos/negativos

CD19, CD 13, CD33

Marcadores negativos

CD79a

MPO

CD1a, CD3, CD4, CD8 <45 % casos

Subdividida 3 estágios maturativos: Dificíl correlação prognóstica

Classificação Imunológica da LLA T


CD10

CD19

CD22cy

tdt

CD79

LLA com co-expressão de antígenos mielóides

  • Crianças: 4 -35 %

  • Sem valor prognóstico independente

CD33 (25%)

CD13 (23%)

CD15 (16%)

CD14 (16%)


Imunofenotipagem na LMA

Essencial:

  • LMA -MO

  • LMA - M7

    Auxiliar:

  • LMA -M6

  • LMA - M3

  • LMA - 2 v

  • LMA -M4Eo

  • LMA - M5


Marcadores negativos

MPO

CD3c

CD 79a c

CD 22 c

---------------------------

CD34,38,HLA-dr,

tdt 1/3 dos casos

----------------------

CD 11b,15, as vezes

CD2,7,19 fracos

Imunofenotipagem das LMAs

LMA minimamente diferenciada

Marcadores positivos

CD 13

CD 33

CD 117


Leucemia Megacarioblástica Aguda

Marcadores Positivos

  • Plaquetários:

    • CD 41, CD 42,CD 61

      Marcadores Negativos ou Positivos:

  • Mielóides:

    • CD13 +, CD 33+,CD 117+

      Marcadores Negativos:

    • anti MPO, CD 34, CD 45,HLA - DR


Eritroleucemia

Marcadores positivos

  • Mielóides:

    • CD117, CD13

  • Eritróides:

    • Glicoforina A

      Marcadores negativos

  • anti MPO


Rocha, Maria Hsu. Imunofenotipagem em Leucemia Aguda. Instituto Fleury de Ensino e Pesquisa.


Leucemia Aguda de Linhagem Ambígua

  • Leucemias agudas indiferenciadas

  • Leucemias agudas bifenotípicas

  • Leucemias agudas bi-linhagem


Leucemias Agudas Indiferenciadas

  • 1 - 3% leucemias agudas

  • Amplo painel de marcadores negativos

  • Em geral: CD34+, HLA-DR+, CD38+, CD7+, tdt+.


CD19

MPO

MPO

CD22

CD19

Leucemias Agudas Bifenotípicas

  • Concomitância de marcadores imunológicos no mesmo blasto

    • Mielóide + B

    • Mielóide + T

    • T + B

  • 4-6% das leucemias agudas


Rocha, Maria Hsu. Imunofenotipagem em Leucemia Aguda. Instituto Fleury de Ensino e Pesquisa.


CD22

CD33

MPO

CD19

CD33

CD19

CD79a

MPO

CD13

CD22

CD13

MPO

CD19

MPO

CD33

CD79a

CD33

CD19

Leucemia aguda bi-linhagem

  • Duas populações distintas de blastos expressando marcadores diferentes


Doença Residual Mínima

  • Técnicas moleculares (FISH, RT-PCR)

  • Citometria de fluxo:

    • fenótipos anômalos

    • Assincronismo maturativo

    • Infidelidade linhagem

    • Anormalidades quantitativas

    • Ausência de antígenos


Rowe JM. Clinical Harmatology. Harcourt Çublishers, London, 2002.

DRM em LLA - SLE


Rowe JM. Clinical Harmatology. Harcourt Çublishers, London, 2002.

Recidiva LLA vs DRM


  • Login