Neoplasias malignas dos queratin citos
Download
1 / 14

NEOPLASIAS MALIGNAS DOS QUERATINÓCITOS - PowerPoint PPT Presentation


  • 160 Views
  • Uploaded on

NEOPLASIAS MALIGNAS DOS QUERATINÓCITOS. Marcos Alexandre D. Carneiro. Carcinoma Espinocelular. 15% Mais maligno Mais diferenciado Mais queratina (eosinofílico - proteínas) Metástases. Carcinoma Basocelular. 65% Menos maligno Menos diferenciado

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' NEOPLASIAS MALIGNAS DOS QUERATINÓCITOS' - kaycee


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Neoplasias malignas dos queratin citos

NEOPLASIAS MALIGNAS DOS QUERATINÓCITOS

Marcos Alexandre D. Carneiro


Carcinoma

Espinocelular

  • 15%

  • Mais maligno

  • Mais diferenciado

  • Mais queratina (eosinofílico - proteínas)

  • Metástases

Carcinoma

Basocelular

  • 65%

  • Menos maligno

  • Menos diferenciado

  • Menos queratina (basofílico - cromatina)

  • Sem Metástases (invade tecidos contínuos)


Carcinoma basocelular
Carcinoma Basocelular

  • CBC, epitelioma basocelular ou basalioma.

  • Mais benigno dos tumores malignos da pele  Sem metástase, exceto em casos raros.

  • Invade tecidos adjacentes, destruindo-os, até mesmo ossos.

  • Células epiteliais (camada basal ou folículo piloso) pluripotentes que perderam sua capacidade de diferenciação e queratinização por fatores:

    • Ação crônica de UVB

    • Irradiação radioterápica

    • Absorção de compostos de arsênico

  • Fatores predisponentes (SIC):

    • Sexo masculino (Sexo)

    • > 40 anos (Idade)

    • Pele Clara (Cor)


Carcinoma basocelular1
Carcinoma Basocelular

  • Localização: 2/3 superiores da face, acima do lóbulo da orelha e da comissura labial. Não ocorre em plantas, palmas ou mucosas.

  • Telegianctasias, bordas peroladas, aspecto em folhas na dermatoscopia

  • Tipos clínicos – diagnóstico diferencial:

    • Nódulo – ulcerativo (+ comum) – queratoacantoma, CEC

    • Esclerosante - esclerodermia

    • Superficial – queratose actínica, psoríase, eczema seborréico, lúpus eritematoso, doença de Bowen ou Paget (mais em tronco)

    • Pigmentado – queratose seborreica, melanoma maligno

    • Apenas nodular – tumores benignos de anexos – tricoepitelioma, cilindroma, cistos epidérmicos

  • Diagnóstico: Clínico + Biópsia


Carcinoma espinocelular

Queratoacantoma

CBC nódulo - ulcerativo


CBC esclerosante

Esclerodermia


CBC Superficial

Queratose actínica

Lúpus discóide

Psoríase

Doença de Bowen

Doença de Paget


CBC Pigmentado

Melanoma

Queratose seborreica


Carcinoma basocelular2
Carcinoma Basocelular

  • Depende da localização, tamanho e profundidade do tumor

    • De até 1,5cm na face e tronco – curetagem e eletrocoagulação

    • Lesão de membros – excisão e sutura com margem de 0,5cm

    • Superficial e áreas de cartilagem – criocirurgia ou iquimod (creme)

    • Nódulo – ulcerado – nitrogênio líquido após curetagem

    • Recidivante e esclerosante – Cirurgia micrográfica de Mohs

    • Indivíduos idosos, em formas extensas, quando não se pode fazer cirurgia – radioterapia

  • Prognóstico bom. Apenas em casos de imunossupressão pode haver metástases. Em casos de recidiva e não tratamento pode haver invasão de tecidos adjacentes.


Carcinoma espinocelular
Carcinoma Espinocelular

  • Caráter invasivo podendo das metástases (mais comum de mucosas, dorso da mão e queimaduras.

  • Origem em pele normal, queratoseactínica, leucoplasias, radiodermite crônica, queratosearsenical, xerodermapigmentoso, líquen erosivo da mucosa oral, úlceras crônicas e cicatrizes de queimaduras.

  • Células epiteliais (camada espinhosa) com grande capacidade queratinizante:

    • Sol e fumo

    • Irradiação radioterápica

    • Absorção de compostos de arsênico

    • Imunodeprimidos (transplantes renais)

    • Infecções virais (HPV)

  • Fatores predisponentes (SIC):

    • Sexo masculino (Sexo)

    • > 50 anos (Idade)

    • Pele Clara (Cor)


Carcinoma espinocelular1
Carcinoma Espinocelular

  • Localização: Lábio inferior, orelhas, face, dorso das mãos, mucosa bucal e genitália externa.

  • Pele: Área queratósica infiltrada e dura ou nódulo, podendo ulcerar ou tornar-se vegentante ou córnea.

  • Mucosa: Placa de leucoplasia, evoluindo com área de infiltração ou vegetante, assim como nódulo.

  • Histopatologia: classificação de Broders, segundo malignidade - diferenciação (ordem progressiva) – Graus I, II, III, IV.

  • Diagnóstico: Clínico + Biópsia

  • Diagnóstico diferencial: Queratose actínica, queratoacantoma, CBC, doença de Bowen, queratose seborreica, melanoma amelanótico e tumores de células de Merkel, além de tumores malignos de anexos.


Líquen erosivo oral

Úlcera crônica

Xeroderma pigmentoso

Radiodermite crônica

Queimaduras

Leucoplasia



Carcinoma espinocelular2
Carcinoma Espinocelular

  • Menores que 1cm – curetagem e eletrocoagulação

  • Maiores que 1cm – excisão com margem de 0,5cm

  • Criocirurgia (nitrogênio líquido)

  • Tumores recidivantes ou com limites mal definidos – cirurgia micrográfica de Mohs

  • Quimioterapia em casos mais graves onde não é indicada cirurgia ou radioterapia: cisplatina, metotrexato, ciclofosfamida, 5-fluoracil e bleomicina.

  • Prognóstico bom em casos recentes e adequadamente tratados. Reservado em casos de longa duração ou metástases.


ad