Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva@svc ifmt edu br parte 3 2011 1
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 24

Reino Monera Prof. M.Sc. Fábio Henrique Oliveira Silva [email protected] Parte 3 2011.1 PowerPoint PPT Presentation


  • 69 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Reino Monera Prof. M.Sc. Fábio Henrique Oliveira Silva [email protected] Parte 3 2011.1. Fermentação. Processo realizado por células em condições de falta ou ausência total de oxigênio.

Download Presentation

Reino Monera Prof. M.Sc. Fábio Henrique Oliveira Silva [email protected] Parte 3 2011.1

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva@svc ifmt edu br parte 3 2011 1

Reino MoneraProf. M.Sc. Fábio Henrique Oliveira [email protected] 32011.1


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva svc ifmt br parte 3 2011 1

Fermentação

  • Processo realizado por células em condições de falta ou ausência total de oxigênio.

  • Neste processo a quantidade energia produzida é pequena, ou seja, a glicose não é totalmente degradada.

  • Saldo de apenas duas moléculas de ATP por molécula de glicose consumida.

  • Ocorre no hialoplasma


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva svc ifmt br parte 3 2011 1

Tipos de fermentações

Alcoólica

Lática

Acética


Fermenta o alco lica

Fermentação alcoólica

A glicose inicialmente sofre a glicólise, originando:

  • 2 moléculas de ácido pirúvico (piruvato)

  • 2 NADH (Nicotinamida Adenina Dinucleotidio)

  • saldo energético positivo de 2 ATP

    Em seguida o piruvato é descarboxilado, originando:

  • acetaldeído

  • 2 CO2

    Então, o aldeído acético atua como receptor de hidrogênios do NADH e se converte em duas moléculas de álcool etílico ou etanol.


Esquema geral das fermenta es

Esquema geral das fermentações


Curiosidades

Curiosidades

Na fermentação alcoólica o principal microrganismo responsável é o Saccharomyces cerevisae (fermento/leveduras), o qual consome o açúcar e excreta o álcool e o CO2.


Fermenta o l ctica

Fermentação láctica

  • Bactérias do gênero Lactobacillus

  • Empregadas na fabricação de coalhadas, iogurtes e queijos

  • Promovem o desdobramento do açúcar do leite (lactose) em ácido láctico

  • Torna o leite "azedo“, indicando uma redução do pH.

  • Esse fato provoca a precipitação das proteínas do leite, formado o coalho.


Esquema geral das fermenta es1

Esquema geral das fermentações


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva svc ifmt br parte 3 2011 1

  • Fermentação acética

  • Consiste na oxidação parcial, aeróbica, do álcool etílico, com produção de ácido acético.

  • Processo utilizado na produção de vinagre comum e do ácido acético industrial.

  • Desenvolve-se também na deterioração de bebidas de baixo teor alcoólico.

  • Realizada por um conjunto de bactérias do gênero Acetobacterou Gluconobacter.


Esquema geral das fermenta es2

Esquema geral das fermentações


Diferen as entre fermenta o e respira o celular aer bia

Fermentação

Pouco ou Ausência de oxigênio

Rendimento energético: 2 ATP

Produtos finais: moléculas orgânicas - muito energéticas

Ocorre somente glicólise

Respiração aeróbia

Presença de oxigênio

Rendimento energético: 30 ATP

Produtos finais: CO2 e H2O – pouco energéticos

Ocorre em três etapas: glicólise, ciclo de Krebs e cadeia respiratória

Diferenças entre fermentação e respiração celular aeróbia


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva svc ifmt br parte 3 2011 1

DIVISÃO BINÁRIA DA CÉLULA BACTERIANA


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva svc ifmt br parte 3 2011 1

Transformação

Conjugação

Transdução por fago


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva svc ifmt br parte 3 2011 1

Esporos

Endósporos: estruturas de resistência

* encontrados em algumas Gram positivas:

- Bacillus

- Clostridium

- Sporosarcina

- Sporolactobacillus

* resistentes ao calor, radiações, ácidos e produtos químicos.


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva svc ifmt br parte 3 2011 1

ESPORULAÇÃO BACTERIANA


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva svc ifmt br parte 3 2011 1

ESPORULAÇÃO BACTERIANA

Nucleóide


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva svc ifmt br parte 3 2011 1

ESPORULAÇÃO BACTERIANA

Nucleóide

Endósporo em formação


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva svc ifmt br parte 3 2011 1

ESPORULAÇÃO BACTERIANA

Nucleóide

Endósporo em formação

Conteúdo celular em degeneração


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva svc ifmt br parte 3 2011 1

ESPORULAÇÃO BACTERIANA

Nucleóide

Endósporo em formação

Conteúdo celular em degeneração


Reino monera prof m sc f bio henrique oliveira silva fabio silva svc ifmt br parte 3 2011 1

ESPORULAÇÃO BACTERIANA

Nucleóide

Endósporo em formação

Conteúdo celular em degeneração

Endósporo maduro

Parede bacteriana vazia


Rick ttsias e clam dias

Rickéttsias e Clamídias

  • São células procariontes incompletas.

  • São parasitas intracelulares obrigatórias.

  • Diferem dos vírus, pois podem ter RNA e DNA, possuem parte dos recursos necessários para se manter e possuem membrana semipermeável.


Actinomicetos

Actinomicetos

  • Formam colônias filamentosas semelhantes a fungos.

  • Maior parte no solo e o gênero mais comum é o Streptomyces.

  • Degradam amido e celulose no solo.

  • Produz o cheiro de terra molhada devido a liberação gás geosmin.

  • Síntese do antibiótico estreptomicina.


Mixobact rias

Mixobactérias

  • As mixobactérias (do grego myca, que significa muco) vivem em ambientes com muita matéria orgânica que está em decomposição (como por exemplo o solo).

  • Suas colônias secretam substâncias, que matam outras bactérias das quais as mixobactérias se alimentam.


  • Login