Atendimento pr hospitalar l.jpg
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 48

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR PowerPoint PPT Presentation


  • 284 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR. SUMÁRIO. 01. Apresentação 02. Definição do Termo 03. Síntese Histórica 04. Sistema Resgate-MG 05. Prioridades no Atendimento 06. Exame da Vítima 07. Parada Respiratória 08. Parada Cárdio-Respirátória 09. Obstrução Respiratória 10. Transporte de Acidentados

Download Presentation

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Atendimento pr hospitalar l.jpg

ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR


Sum rio l.jpg

SUMÁRIO

01. Apresentação

02. Definição do Termo

03. Síntese Histórica

04. Sistema Resgate-MG

05. Prioridades no Atendimento

06. Exame da Vítima

07. Parada Respiratória

08. Parada Cárdio-Respirátória

09. Obstrução Respiratória

10. Transporte de Acidentados

11. Feedback


1 apresenta o l.jpg

1. APRESENTAÇÃO

  • Cláudio Vinício Serra Teixeira

  • Major do Corpo de Bombeiros Militar


2 defini o do termo l.jpg

2. DEFINIÇÃO DO TERMO

Atendimento Pré Hospitalar: Assistência prestada a uma vítima no local do sinistro, visando a manutenção do suporte básico de vida (SBV) e estabilização para adequado transporte desta vítima a um centro hospitalar, se for o caso.


3 s ntese hist rica no mundo l.jpg

3. SÍNTESE HISTÓRICA no mundo

  • Parábola do Bom Samaritano ( Novo Testamento)

  • 900 D. C - Anglo Saxões utilizam Carruagem para conduzir enfermos

  • 1100 D.C - Normandos utilizam lateiras para transporte de enfermos

  • 1300 D.C - Ingleses utilizam carruagens pesadas para socorrer vítimas


3 1 s ntese hist rica no mundo l.jpg

3.1 SÍNTESE HISTÓRICA - no mundo

  • 1795 D.C - Médico Francês DOMINIQUE JEAN LARREY (Pai do Atendimento Pré-Hospitalar), cria um sistema de atendimento dos feridos nos locais de batalha, utilizando carruagens leves, tornando-se o cirurgião chefe das tropas napoleônicas.

  • Primeira Guerra Mundial

    “American Red Cross”


3 2 s ntese hist rica no mundo l.jpg

3.2 SÍNTESE HISTÓRICA no mundo

  • Guerra da Coréia - 1950

    Utilização de Helicópteros - transporte Aeromédico

  • Guerra do Vietnã - 1960

    Hospitais Móveis com apoio de helicópteros e atendimento por pessoal treinado não médico.


No brasil l.jpg

NO BRASIL

  • 1982 - Distrito Federal

  • 1986 - Rio de Janeiro

  • 1989 - Paraná

  • 1990 - São Paulo

  • 1994 (23Dez) - Minas Gerais


Principais modelos de atendimento pr hospitalar l.jpg

PRINCIPAIS MODELOS DE ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

a) Modelo francês

Figura central: Médico.

Filosofia: médico se desloca até o paciente.

b) Modelo americano

Figura central: paramédico

Filosofia: 1ª intervenção pelo paramédico.

Médico aguarda o paciente no hospital


Caracter sticas do povo brasileiro l.jpg

CARACTERÍSTICAS DO POVO BRASILEIRO

“Cultura do socorrer por socorrer”

“rapidez é mais importante que a qualidade”


4 sistema resgate minas gerais l.jpg

4. Sistema Resgate - Minas Gerais

a) Belo Horizonte (vídeo)

  • 11 Unidades de Resgate - UR nas bases do Corpo de Bombeiros;

  • 1 Unidade de Suporte Avançado (USA) no HOB;

  • Helicópteros (CORPAer)

  • 1 Médico no COBOM (Médico Controlador)


4 sistema resgate minas gerais12 l.jpg

4. Sistema Resgate - Minas Gerais

  • b) Juiz de Fora

    - 8 Unidades de Resgate centralizadas no 4º Batalhão de Bombeiros.

    - 1 Médico Controlador no COBOM

  • c) Divinópolis

    - 1 Unidade de Resgate


Slide13 l.jpg

  • d) Poços de Caldas

    - 1 Unidade de Resgate

  • e) Uberaba

    - 1 Unidade de Resgate

  • f) Uberlândia

    - 1 Unidade de Resgate

  • g) Montes Claros

    - 1 Unidade de Resgate


5 prioridades no atendimento l.jpg

5. PRIORIDADES NO ATENDIMENTO

a) Prioridades Principais

  • Parada Cárdio-Respiratória

  • Parada Respiratória

  • Obstrução Respiratória

  • Traumatismo Crâneo-Encefálico (TCE)

  • Trauma de Tórax

  • Trauma de Abdomen

  • Grandes Hemorragias


B prioridades secund rias l.jpg

b. Prioridades Secundárias

  • Trauma de Coluna

  • Trauma de Bacia

  • Grandes Queimados

  • Fratura de Fêmur


C prioridades terci rias l.jpg

c. Prioridades Terciárias

  • Ferimentos

  • Fraturas de Extremidades

  • Pequenos queimados


6 exame da v tima l.jpg

6. EXAME DA VÍTIMA

COMO SOCORRER CORRETAMENTE UMA VÍTIMA:


A an lise subjetiva prim ria l.jpg

a. Análise Subjetiva Primária

  • Verificar se local oferece risco para o socorrista ou para a vítima;

  • Relacionar a vítima ao acidente;

  • Queixa principal da vítima;

  • Observar o relato de testemunhas (triagem)

  • Histórico Médico da Vítima;

  • Solicitação de Apoio Técnico Adequado.


B an lise objetiva prim ria l.jpg

b. Análise Objetiva Primária

(Tempo destinado: 30 segundos)

  • Nível de Consciência;

  • Respiração

  • Circulação;

  • Grandes Hemorragias (perda de mais de 1 litro de sangue interna ou externamente).

  • Exposição do Corpo da Vítima (conflito cultural)


C an lise subjetiva secund ria l.jpg

c. Análise Subjetiva Secundária

S- Sinais e Sintomas

A - Alergias

M - Medicamentos Utilizados pela vítima

P - Passado médico (internações, cirurgias, etc)

U - Última alimentação via oral (tempo e características do alimento)

M - Mecanismo das lesões


D an lise objetiva secund ria l.jpg

d) Análise Objetiva Secundária

Exame da Cabeça

- Imobilização manual preservando a coluna cervical;

- Exame das pupilas;

- Saída de líquor ou sangue pelo nariz ou ouvido;

- Presença de objetivos estranhos ou secreções na boca;


D exame da cabe a continua o l.jpg

d) Exame da Cabeça - continuação

- Apalpar a cabeça tentando identificar hematomas ou deformações;

- Verificar alinhamento da traquéia e coluna cervical;

- Observar a presença de ferimentos.


Slide23 l.jpg

EXAME DE PUPILA

(FOTOREAÇÃO AO ESTÍMULO DE LUZ)

1. Pupilas Desiguais (ANISOCORIA)

2. Pupilas Contraídas ( MIOSE )

3. Pupilas Dilatadas (MIDRÍASE)


Slide24 l.jpg

SINAL DE PANDA

SINAL DE BATTLE


Exame do t rax l.jpg

Exame do Tórax

  • Observar a expansão torácica (movimento respiratório);

  • Exame do arco costal, tentando identificar fraturas ou segmentos soltos;

  • Observar a existência de pneumotórax;


Exame do abdomen l.jpg

Exame do Abdomen

  • Verificar a existência de nódulos, hematomas, ferimentos e deformações.


Exame da regi o p lvica l.jpg

Exame da Região Pélvica

  • Pressão sobre o osso ilíaco, verificando a existência de creptação ou rangido.


Exame dos membros inferiores l.jpg

Exame dos Membros Inferiores

  • Verificar a presença de deformidades, fraturas, ferimentos ou hematomas;

  • Verificar o pulso distal;

  • Verificar a perfusão capilar;

  • Se a vítima estiver consciente, devemos checar a resposta motora e a sensibilidade.


Exame dos membros superiores l.jpg

Exame dos Membros Superiores

  • Verificar a presença de deformidades, fraturas, ferimentos ou hematomas;

  • Verificar o pulso distal;

  • Verificar a perfusão capilar;

  • Se a vítima estiver consciente, devemos checar a resposta motora e a sensibilidade.


Exame da coluna l.jpg

Exame da Coluna

  • Deverá ser feito no momento de se realizar o rolamento da vítima para imoblização na prancha ou maca

  • Verificar a existência de deformação, ferimentos, fratura ou hematomas.


Monitoriza o dos sinais vitais l.jpg

Monitorização dos sinais vitais

  • Frequência respiratória;

  • Pulso;

  • Escala de Glasgow

  • Trauma Score


7 parada respirat ria l.jpg

7. Parada Respiratória

Conduta

  • Proceder a análise do paciente, verificar a ausência de respiração a conduta será:

    a) Adulto

    • 2 insuflações iniciais;

    • Checar pulso carotídeo;

    • 1 insuflação a cada 5 segundos, 12 vezes;

    • Checagem da respiração e pulso.


B crian a l.jpg

b) Criança

  • 2 insuflações iniciais;

  • Checar pulso carotídeo;

  • 1 insuflação a cada 5 segundos, 12 vezes;

  • Checagem da respiração e pulso.


C beb l.jpg

c) Bebê

  • 2 insuflações somente com o ar na bochecha;

  • Checar o pulso braquial;

  • 1 insuflação com o ar na bochecha a cada 3 segundos, 12 vezes;

  • Checagem da respiração e pulso.


8 parada c rdio respirat ria l.jpg

8. PARADA CÁRDIO-RESPIRATÓRIA

Conduta

  • Proceder a análise do paciente, checando o nível de consciência, respiração (2 insuflações) e pulso. Se o paciente não respira e não tem tem pulso:

    a. Adulto - 01 Socorrista

    • 2 insuflações iniciais;

    • Checar pulso carotídeo;


Rcp adulto continua o l.jpg

RCP Adulto - Continuação

- Localização do ponto da massagem cardíaca;

- 15 compressões por 02 insuflações, 4 vezes;

- Checagem da respiração e pulso;

02 socorristas

- 01 socorrista ventila e o outro massageia

- 15 compressões por 02 insuflações, 4 vezes

- Checagem da respiração e pulso


Slide37 l.jpg

MASSAGEM CARDÍACA EXTERNA

LOCALIZAÇÃO DO CORAÇÃO


B crian a 1 ou 2 socorristas l.jpg

b. Criança (1 ou 2 socorristas)

  • 2 insuflações iniciais;

  • Checar pulso carotídeo

  • Localização do ponto da massagem cardíaca;

  • Utilização de uma das mãos na massagem;

  • 5 compressões por 1 insuflação, 10 vêzes;

  • Checagem da respiração e pulso;


C beb 1 ou 2 socorristas l.jpg

c. Bebê (1 ou 2 socorristas)

  • 2 insuflações iniciais, somente com ar da bochecha;

  • Checar pulso braquial

  • Localização do ponto da massagem cardíaca (linha média dos mamilos);

  • Utilização dos dedos indicador e médio na massagem; 5 compressões por 1 insuflação, 10 vezes;

  • Checagem da respiração e pulso.


9 obstru o respirat ria l.jpg

9. OBSTRUÇÃO RESPIRATÓRIA

  • Conduta

  • Constatar a obstrução (exame do paciente)

  • Vítima consciente, pergunte se ela pode falar.

  • Vítima inconsciente:

  • - Abra as vias aéreas, posicione a cabeça e ventile;

    - Caso o ar não passe, reposicione a cabeça e ventile;


Constatada a obstru o l.jpg

Constatada a Obstrução

a) Adultos e Crianças

  • 6 a 10 compressões do abdomem;

  • Verifique se o objeto apareceu na boca;

  • Caso negativo, repita a manobra;

  • Desobstruindo ventile a vítima, se for o caso.


Constatada a obstru o42 l.jpg

Constatada a obstrução

b) Bebês

  • 4 pancadas entre as omoplatas;

  • 4 massagens cardíacas externas;

  • Verificar a apresentação do objeto;

  • Caso negativo, repita a manobra;

  • Desobstruindo ventile a vítima, se for o caso


Constatada a obstru o43 l.jpg

Constatada a obstrução

c) Obesos e Gestantes

6 a 10 compressões no esterno;

Verifique se o objeto apareceu na boca;

Caso negativo, repita a manobra;

Desobstruindo ventile a vítima, se for o caso


10 transporte de acidentados l.jpg

10. Transporte de Acidentados

Processos

  • a. Com 1 socorrista

  • b. Com 2 socorristas

  • c. Com 3 socorristas

  • d. Com mais de três socorristas


Segundo trauma l.jpg

SEGUNDO TRAUMA


Segundo trauma46 l.jpg

SEGUNDO TRAUMA

  • É o agravamento da lesão inicial da vítima ou o surgimento de novas lesões, em função de:

  • Transporte inadequado do acidentado;

  • Desconhecimento técnico;

  • Ausência de Equipamentos apropriados.


Resultado l.jpg

RESULTADO:

  • Aceleração do óbito

  • Lesões permanentes

  • CURIOSIDADE: No Brasil, cerca de 40% dos politraumatizados ficam com sequelas permanentes em razão do transporte inadequado.


Mexer um dedo salva mais que mexer no acidentado disque 193 l.jpg

“MEXER UM DEDO SALVA MAIS QUE MEXER NO ACIDENTADO. DISQUE 193”

CORPO DE BOMBEIROS - SISTEMA RESGATE

Tel. 193


  • Login