slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
LEO CLUBE e o Terceiro Setor O que é? Onde estamos? Qual nosso papel? PowerPoint Presentation
Download Presentation
LEO CLUBE e o Terceiro Setor O que é? Onde estamos? Qual nosso papel?

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 20

LEO CLUBE e o Terceiro Setor O que é? Onde estamos? Qual nosso papel? - PowerPoint PPT Presentation


  • 92 Views
  • Uploaded on

LEO CLUBE e o Terceiro Setor O que é? Onde estamos? Qual nosso papel?. Antes de tudo. “Toda ordem social é criada por nós. O agir ou não agir de cada um, contribui para a formação e consolidação da ordem que vivemos.” Bernando Touro. Voluntariado é Caridade ???.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'LEO CLUBE e o Terceiro Setor O que é? Onde estamos? Qual nosso papel?' - ulfah


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

LEO CLUBE e o Terceiro Setor

  • O que é?
  • Onde estamos?
  • Qual nosso papel?
antes de tudo
Antes de tudo....

“Toda ordem social é criada por nós.O agir ou não agir de cada um, contribui para a formação e consolidação da ordem que vivemos.”Bernando Touro

slide3

Voluntariado é Caridade ???

A caridade, do latim caritas e do grego charis, significava entre os romanos e os gregos alto preço ou valor.

É considerada por aquelas religiões  que compartilham os ensinamentos de Jesus, Moisés, Alá e Buda (contidos na Bíblia, no Velho Testamento, no Alcorão, nos Dez Mandamentos, na Torah, na Doutrina Espírita), como a maior das virtudes

no brasil
No Brasil

Durante a colonização "a caridade e a beneficência se baseavam no sentimento religioso (cristão) de amor ao próximo, característica que perdurou por séculos".

A Igreja tinha um papel relevante e monopolizador pois tinha em suas mãos a educação das pessoas, "o controle das almas"  na vida diária (...) O ingresso na comunidade, o enquadramento nos padrões de uma vida decente.

3 momentos
3 Momentos

1º - Século XIX: A Igreja – trabalho voluntário assistencialista e caritivo com foco no indivíduo carente, pobre e desamparado.

2º - Século XX – O Estado: instaurou-se o Estado paternalista, provedor único do bem estar social.

3º - Décadas de 60/70 – A Sociedade Civil, Movimentos Sociais, as organizações sociais e ONGs

slide6
1970 - Surgimento de ONGs

Nesta década, buscando parceiros mundo a fora, as

ONG’s européias promovem projetos de

desenvolvimento no Terceiro Mundo e acabam por

fomentar o surgimento das ONG’s nos continentes do

Hemisfério Sul, incluindo o Brasil.

De origem atribuída a um discurso de esquerda hoje as ONGs definidas como um conjunto de organizações da sociedade civil que distinguem-se do Estado e do Mercado.

slide7
1983 - Criação da Pastoral da Criança

1990 - Começa a busca por parcerias

1993 - Ação da Cidadania Contra a Fome e a Miséria e pela vida

1995 - Criação do Conselho da Comunidade Solidária

1996 - Lançamento do Programa Voluntários

1997 - Criação dos primeiros Centros de Voluntariado do Brasil

1998 - Promulgada a Lei do Voluntariado

1999 - Promulgada a Lei das OSCIPs

2000 – “BOOM” de Sites sobre Voluntariado

2001 - Ano internacional do voluntário

2001/2002- Pastoral da Criança é indicada ao Prêmio Nobel

dados do voluntariado
Dados do Voluntariado
  • Somente 7% dos jovens brasileiros são voluntários, contra 62% nos USA*.* http://www.voluntarios.com.br/estatisticas
  • No Brasil, 50% dos voluntários afirmam ser motivados pela satisfação em ajudar ao próximo, 38% pelo sentimento de obrigação em ajudar aos menos privilegiados e 31% por motivo religioso ou de estudo. (Fonte: Lions Club International, 1998)
o que o 3 setor
O que é o 3º Setor?
  • O Terceiro Setor é constituído por organizações privadas sem fins lucrativos que geram bens, serviços públicos e privados. Todas elas têm como objetivo o desenvolvimento político, econômico, social e cultural no meio em que atuam.

Crescimento

  • 250 mil ONGs no país,
  • R$ 12 bilhões/ano1, oriundos da prestação de serviços, do comércio de produtos e da arrecadação de doações. 
  • Corresponde a 1,2% do PIB brasileiro
  • Em 1995, entre as pessoas físicas, no Brasil, havia 15 milhões de doadores2, número que em 1998 já havia triplicado, chegando a 44,2 milhões de pessoas, ou 50% da população adulta brasileira
  • 1 — Johns Hopkins/Ibope/Iser, 1998 2 — Comunidade Solidária/Ipea, 1998
o que terceiro setor

Estado

Mercado

Terceiro

Setor

O que é Terceiro Setor ?

Assistência Social ?

Cidadania Empresarial ?

ONGs ?

Filantropia ?

Público ou Privado ?

Organizações Sociais ?

Voluntariado ?

Sociedade Civil ?

o que terceiro setor1
O que é Terceiro Setor ?

Meios Privados

x

Fins Privados

Meios Públicos

x

Fins Públicos

Estado

Mercado

Terceiro

Setor

Meios Privados

x

Fins Públicos

o que terceiro setor2
O que é Terceiro Setor ?

Organizações

do

Terceiro Setor

Privadas

1

Voluntárias

5

Sem fins

Lucrativos

2

Autônomas

4

Formais

3

terceiro setor no brasil
Terceiro Setor no Brasil
  • Entre Terceiro Setor e Mercado:
  • Fundações de Empresas
  • Projetos sociais operados diretamente

por empresas

  • Câmaras de comércio
  • Entidades de benefício privado
  • Sindicatos
  • Cooperativas

Estado

Mercado

Terceiro

Setor

  • Entre Terceiro Setor e Estado:
  • Fundações de Apoio
  • Sindicatos
  • Organizações Sociais
  • Sistema “S” - SENAI, SENAC, SESI, etc.
  • Outras entidades privadas, sem fins

lucrativos, estabelecidas pelo poder público

  • Terceiro Setor:
  • Associações culturais ,educacionais

assistenciais,esportivas, etc.

  • Fundações Privadas
  • Movimentos Sociais Organizados
  • ONGs
slide14

Revolução Associativa Global

Configura-se pelo crescimento de organizações sem fins lucrativos e pelo aumento de sua importância em todo mundo (Salamon)

Qualidades atribuídas: eficiência, flexibilidade, inovação; participação, fortalecimento democrático

Desafios: competência de gestão, profissionalização, consolidação da identidade organizacional

fontes de recursos do terceiro setor
Fontes de Recursos do Terceiro Setor
  • Recursos Próprios

ganhos de capital, investimentos, alugueis

  • Filantropia

doações, “grants” (de Indivíduos, Empresas, Fundações)

  • Recursos Públicos

subvenções, contratos, convênios

  • Receita Comercial

venda direta a população de serviços

slide16

Sustentabilidade

Accountability

Desafiosde Gestão do Terceiro Setor

Qualidadede Serviço

ArticulaçãoInstitucional

Desafios para o Terceiro Setor

slide17

Expansão OSCs

Profissionalização e Fortalecimento

Ampliação da atuação

Alianças Intersetoriais

Conscientização:

Globalização Econômica

Visão Estratégica

Imagem

Entrada em mercados restritos

Alianças Intersetoriais

A Emergência da Responsabilidade Social

Responsabilidade Social

Corporativa

3º SETOR

ESTADO

Democratização

Estado de Direito

Privatização

Descentralização

Parcerias

MERCADO

slide18

Dimensões da Responsabilidade Social

  • Ações voluntárias de extensão à comunidade
  • Comportamento segundo princípios éticos e morais
  • Obediência e cumprimento das leis
  • Sobrevivência, crescimento

Resp.

Discricionária

Responsabilidade

Ética

Responsabilidade Legal

Responsabilidade Econômica

Carroll, 1977

austin 7 c s da colabora o estrat gica
Austin – 7 C´s da Colaboração Estratégica
  • CLAREZA de objetivos
  • CONEXÃO com pessoas e objetivos
  • CONGRUÊNCIA de missão, estratégia e valores
  • CRIAÇÃO de valor
  • COMUNICAÇÃO entre parceiros
  • CONTÍNUA aprendizagem
  • COMPROMISSO com a aliança
slide20
Contrate e promova primeiro com base na integridade; segundo, na motivação; terceiro, na capacidade; quarto, na compreensão; quinto, no conhecimento; e, por último, como fator menos importante, na experiência.
  • Sem integridade, a motivação é perigosa; sem motivação, a capacidade é impotente; sem capacidade, a compreensão é limitada; sem compreensão, o conhecimento é insignificante; sem conhecimento, a experiência é cega.
  • Uma pessoa com todas as outras qualidades, adquire facilmente e coloca rapidamente em prática a experiência. (Dee Hock)