slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
QUIMIOTERAPIA ABORDAGEM GERAL PowerPoint Presentation
Download Presentation
QUIMIOTERAPIA ABORDAGEM GERAL

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 47

QUIMIOTERAPIA ABORDAGEM GERAL - PowerPoint PPT Presentation


  • 97 Views
  • Uploaded on

2º CICLO DE ATUALIZAÇÕES DO GRUPON. QUIMIOTERAPIA ABORDAGEM GERAL. Maria Cristina Purini. O que é o Câncer?.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'QUIMIOTERAPIA ABORDAGEM GERAL' - traugott-nigel


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

2º CICLO DE ATUALIZAÇÕES DO GRUPON

QUIMIOTERAPIA ABORDAGEM GERAL

Maria Cristina Purini

slide2

O que é o Câncer?

Câncer é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo.

Formação de Tumores – acúmulo de células cancerosas ou neoplasias malignas. Multiplicação acelerada das células.

* Tumor benigno – massa localizada de células. Multiplicação vagarosa.

slide3

Como surge o Câncer?

Genes: arquivos que guardam e fornecem instruções para a organização das estruturas, formas e atividades das células no organismo;

DNA: informação genética; passam informações para o funcionamento da célula;

Mutação genética: alterações no DNA dos genes;

Protooncogenes: genes especiais, inativos em células normais;

Oncogenes: protooncogenes ativados, responsáveis pela “cancerização” das células normais.

slide4

Como se comportam as células cancerosas?

  • Multiplicam-se de maneira descontrolada;
  • Têm capacidade para formar novos vasos sanguíneos que as nutrirão e manterão as atividades de crescimento descontrolado;
  • O acúmulo dessas células forma os tumores malignos;
  • Adquirem a capacidade de se desprender do tumor e de migrar;
  • Chegam ao interior de um vaso sangüíneo ou linfático e, através desses, disseminam-se, chegando a órgãos distantes do local onde o tumor se iniciou, formando as metástases;
  • Menos especializadas nas suas funções do que as suas correspondentes normais.
slide5

Quimioterapia

A quimioterapia é o método que utiliza compostos químicos, chamados quimioterápicos, no tratamento de doenças causadas por agentes biológicos. Quando aplicada ao câncer, a quimioterapia é chamada de quimioterapia antineoplásica ou quimioterapia antiblástica.

slide6

Histórico

1946 -O primeiro quimioterápico antineoplásico foi desenvolvido a partir do gás mostarda, usado nas duas Guerras Mundiais como arma química. Após a exposição de soldados a este agente, observou-se que eles desenvolveram hipoplasia medular e linfóide, o que levou ao seu uso no tratamento dos linfomas malignos.

*mostardas nitrogenadas (metil-di(2-cloroetil)amina e tri(-2-cloroetil)amina) – efeitos sobre tecidos em estado de rápido crescimento.

Nas décadas de 60 e 70 inicia-se a era da quimioterapia científica, com o conhecimento da cinética celular e da ação farmacológica das drogas.

Introdução da poliquimioterapia.

slide7

Mecanismos de ação

  • afetam tanto as células normais como as neoplásicas;
  • maior dano às células malignas;
  • diferenças quantitativas entre os processos metabólicos dessas duas populações celulares;
  • crescimento das células malignas e os das células normais;
  • ação nas enzimas, que são responsáveis pela maioria das funções celulares;
  • afeta a função e a proliferação tanto das células normais como das neoplásicas.
slide11

Classificação das drogas antineoplásicas

• Ciclo-inespecíficos - Aqueles que atuam nas células que estão ou não no ciclo proliferativo, como, por exemplo, a mostarda nitrogenada.

• Ciclo-específicos - atuam somente nas células que se encontram em proliferação, como é o caso da ciclofosfamida.

• Fase-específicos - Aqueles que atuam em determinadas fases do ciclo celular

slide12

Tipos e finalidades da quimioterapia

• Curativa - quando é usada com o objetivo de se conseguir o controle completo do tumor

• Adjuvante - quando se segue à cirurgia curativa, tendo o objetivo de esterilizar células residuais locais ou circulantes, diminuindo a incidência de metástases à distância.

• Neoadjuvante ou prévia - quando indicada para se obter a redução parcial do tumor, visando a permitir uma complementação terapêutica com a cirurgia e/ou radioterapia.

• Paliativa - não tem finalidade curativa. Usada com a finalidade de melhorar a qualidade da sobrevida do paciente.

slide13

Como a quimioterapia pode ser aplicada?

  • Das seguintes maneiras:
  • Intramuscular:Injeção no músculo.
  • Subcutânea: Injeção sob a pele.
  • Intralesional:Injeção diretamente na área cancerosa.
  • Intratecal: Injeção dentro do canal espinhal.
  • Intravenosa:Injeção na veia.
  • Uso tópico:Aplicada na pele.
  • Via oral:Pílulas, cápsulas ou líquidos.
slide14

Toxicidade dos quimioterápicos

Afetam estruturas normais que se renovam constantemente, como a medula óssea, os pêlos e a mucosa do tubo digestivo.

As células normais apresentam um tempo de recuperação previsível, sendo possível que a quimioterapia seja aplicada repetidamente, desde que observado o intervalo de tempo necessário para a recuperação da medula óssea e da mucosa do tubo digestivo. (ciclos periódicos)

A toxicidade é variável para os diversos tecidos e depende da droga utilizada.

slide15

Toxicidade dos quimioterápicos

Efeitos tóxicos dos quimioterápicos, conforme a época em que se manifestam após a aplicação.

slide16

Níveis

Critérios

ECOG

KARNOFSKY

0

100-90%

Paciente assintomático ou com sintomas mínimos

1

89-70%

Paciente sintomático, mas com capacidade para o atendimento ambulatorial

2

69-50%

Paciente permanece no leito menos da metade do dia

3

49-30%

Paciente permanece no leito mais da metade do dia

4

29-10%

Paciente acamado, necessitando de cuidados constantes

Critérios para aplicação da quimioterapia

Condições gerais do paciente:

• menos de 10% de perda do peso corporal desde o início da doença;

• ausência de contra-indicações clínicas para as drogas selecionadas;

• ausência de infecção ou infecção presente, mas sob controle;

• capacidade funcional correspondente aos três primeiros níveis, segundo os índices propostos por ECOG e Karnofsky.

Avaliação da capacidade funcional

slide17

Critérios para aplicação da quimioterapia

Contagem das células do sangue e dosagem de hemoglobina. (Os valores exigidos para aplicação da quimioterapia em crianças são menores.):

Leucócitos > 4.000/mm³ Neutrófilos > 2.000/mm³ Plaquetas > 150.000/mm³ Hemoglobina > 10 g/dl

Dosagens séricas:

Uréia < 50 mg/dl Creatinina < 1,5 mg/dl Bilirrubina total < 3,0 mg/dl Ácido Úrico < 5,0 mg/dl Transferasses (transaminases) < 50 Ul/ml

slide18

Resistência aos quimioterápicos

  • populações celulares desenvolvem nova codificação genética (mutação);
  • são estimuladas a desenvolver tipos celulares resistentes ao serem expostas às drogas, enveredando por vias metabólicas alternativas, através da síntese de novas enzimas;
  • o tratamento é descontinuado, quando a população tumoral é ainda sensível às drogas;
  • é aplicada a intervalos irregulares;
  • doses inadequadas são administradas;
  • "resistência a múltiplas drogas“, está relacionado à diminuição da concentração intracelular do quimioterápico e a presença da glicoproteína 170-P.

Deve-se iniciar a quimioterapia quando a população tumoral é pequena, a fração de crescimento é grande e a probabilidade de resistência por parte das células com potencial mutagênico é mínima.

slide19

Principais drogas utilizadas no tratamento do câncer

Alquilantes

Capazes de substituir em outra molécula um átomo de hidrogênio por um radical alquil. Eles se ligam ao ADN de modo a impedir a separação dos dois filamentos do ADN na dupla hélice espiralar, fenômeno este indispensável para a replicação. Os alquilantes afetam as células em todas as fases do ciclo celular de modo inespecífico.

Ex.: mostarda nitrogenada, a mostarda fenil-alanina, a ciclofosfamida, o bussulfam, as nitrosuréias, a cisplatina e o seu análago carboplatina, e a ifosfamida.

Antimetabólitos

Afetam as células inibindo abiossíntese dos componentes essenciais do DNA e do RNA. Deste modo, impedem a multiplicação e função normais da célula.

slide20

Principais drogas utilizadas no tratamento do câncer

Antibióticos

Estrutura química variada, possuem em comum anéis insaturados que permitem a incorporação de excesso de elétrons e a conseqüente produção de radicais livres reativos. Podem apresentar outro grupo funcional que lhes acrescenta novos mecanismos de ação, como alquilação, inibição enzimática, ou inibição da função do ADN por intercalação.

Inibidores mitóticos

Podem paralisar a mitose na metáfase. Os cromossomos, durante a metáfase, ficam impedidos de migrar, ocorrendo a interrupção da divisão celular. Devem ser associados a outros agentes para maior efetividade da quimioterapia.

slide21

Principais drogas utilizadas no tratamento do câncer

Outros agentes

Algumas drogas não podem ser agrupadas em uma determinada classe de ação farmacológica.

Ex.: dacarbazina - melanoma avançado, sarcomas de partes moles e linfomas; procarbazina - doença de Hodgkin; L-asparaginase, que hidrolisa a L-asparagina e impede a síntese protéica, utilizada no tratamento da leucemia linfocítica aguda.

agentes anti neopl sicos modificadores da resposta biol gica
Agentes anti-neoplásicos modificadores da resposta biológica
  • Interleucina 2
  • Interferon
  • Anticorpos Monoclonais
slide23

PRODUÇÃO DE ANTICORPOS MONOCLONAIS

Imunização

Células tumorais

Células formadoras

de anticorpos

Fusão

Cultura de tecido

Hibridomas

Os hibridomas são

“varridos” para a

produção de

anticorpos

Clonagem dos hibridomas produtores de anticorpos

Anticorpos monoclonais são isolados da cultura

a nticorpo

Sítios de ligação ao antígeno

Cadeia leve

Junta

Cadeia Pesada

Anticorpo
slide25

TOXICIDADE

Medula Óssea

Intestino Delgado

  • Morte Celular
  • Composição Quimíca da Droga
slide27

O

C

CH3O

(e-)

O

ANTRACICLINAS

RADICAISLIVRES

CARDIOTOXICIDADE

slide28

CÉLULAS ENTEROCROMAFINS- TGI

NEUROTRANSMISSORES

QUIMIOTERÁPICO

Vômitos

RADICAIS LIVRES

Fisiopatologia

n useas e v mitos

NEURO TRANSMISSORES

Nâuseas e vômitos

Sistema nervoso central

CV

ZQR

slide30

Núcleo do Nervo Vago

  • Zona Quimioreceptora
  • Núcleo do Trato Solitário
  • Centro do Vômito

NEUROCININA

SEROTONINA

Fonte: Educational Book ASCO-2004; 573-578.

slide31

Núcleo do Nervo Vago

  • Zona Quimioreceptora
  • Núcleo do Trato Solitário
  • Centro do Vômito

SEROTONINA

NEUROCININA

Fonte: Educational Book ASCO-2004; 573-578.

slide32

Tempo de Aparecimento e Duração dos Vômitos

QT

7 dias

  • Emese aguda ( 24 horas )
  • Emese tardia ( 7 dias )
slide33

Tratamento da Emese

SEROTONINA

NEUROCININA

Aguda

BULBO

slide34

Emese Aguda

Tratamento

  • Antagonistas dos receptores da serotonina (5HT3)
  • ondansetron
  • granisetron
  • dolasetron
  • tropisetron

Proceedings of ASCO 2004 vol 22 # 6037

slide35

EMESE TARDIA

Tratamento

  • Antagonistas dos receptores de neurocinina (NK-1)
  • Apreptant - via oral- 1o ao 3o dia
slide36

Tratamento da Emese

SEROTONINA

NEUROCININA

Tardia

slide37

4 semanas após a administracão do quimioterápico

REVERSÍVEL

Alopécia

Inibição da divisão das células do bulbo capilar

slide38

Inibição da divisão das células da camada basal das mucosas

Mucosite

+

Germes oportunista

Infecção

slide39

Depressão da medulaÓssea

leucopenia

14 dias

recuperação

21 dias

QT

7 dias

slide40

INFECÇÃO

  • Critérios de Alto Risco x Complicações Graves
  • Idade > 60 anos
  • Granulócitos < 100/mm3
  • Plaquetas < 75/mm3
  • Tempo de recuperação maior que 21 dias

Fonte: Clin Infect Diseases, 2002; 34:730.

slide41

Tratamento da Granulocitopenia

  • Fatores deCrescimento

TOTIPOTENTE

PLURIPOTENTE

GM-CSF

MACRÓFAGO

G-CSF

TOTIPOTENTE MIELÓIDE

GRANULÓCITO

Abreviaturas: GM-CSF fator de estímulo de crescimento de granulócitos e de macrófagos

G-CSF fator de estímulo de crescimento de granulócitos

slide43

AMENORRÉIA

Folículos primordiais

>>> idade

Folículos em maturação

amenorréia

QT

tempo

  • Temporária
  • Permanente
slide44

AMENORRÉIA PERMANENTE

- Perda da densidade óssea

  • Efeitos Negativos
  • Depressão psíquica pelo estadode senilidade
  • Sintomas secundários ao hipoestrogenismo
slide45

Tratamento -

  • Reposição hormonal
  • Congelamento de espermatozóides
slide47

Referências

  • http://www.inca.gov.br/
  • http://www.nacc.org.br/infantil
  • http://www.quimioterapia.com.sapo.pt
  • http://www.caccdurvalpaiva.org.br/informacoes/quimioterapia.htm
  • Greenstein, J.P. – BIOQUIMICA DEL CANCER. Revista de Occidente. Madrid. 1959.