PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Medicina UFSCAR - PowerPoint PPT Presentation

projeto pedag gico curso de medicina ufscar n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Medicina UFSCAR PowerPoint Presentation
Download Presentation
PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Medicina UFSCAR

play fullscreen
1 / 11
PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Medicina UFSCAR
86 Views
Download Presentation
teagan-gaines
Download Presentation

PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Medicina UFSCAR

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. PROJETO PEDAGÓGICOCurso de Medicina UFSCAR BOTUCATU, 2006.

  2. I - INTRODUÇÃO Curso Médico UFSCar resposta demanda da sociedade; formação – processo inovador e transformador; compromisso social; NOVO MODELO POLÍTICO PEDAGÓGICO Educação permanente; Aliança trabalho-formação; Redes de cooperação; Produção conhecimentos técnicos e políticos DESAFIOS Gestores e educadores Pressupostos Norteadores - Educacional - Social - Cultural / Científico

  3. II – JUSTIFICATIVA Marcos Teóricos Referenciais Modelo Biomédico insuficiente; Incorporação ao sistema de saúde e das características e saberes das comunidades; ENFOQUE FORMAÇÃO Curiosidade científica; Interesse permanente pela aprendizagem - transitoriedade; Espírito Critico e compreensão dos processos relacionados a prática médica; Incorporação Compreensão - características das comunidades de possível inserção de trabalho; Participação de programas que visem educar para promoção, prevenção e auto-cuidado na saúde;

  4. II – JUSTIFICATIVA Marcos Teóricos Referenciais Trabalho em equipe; Engajamento nos processos decisórios para os princípios constitucionais; Ética e responsabilidade e sensibilidade humana; Memorização e transferência, unidirecional e fragmentada de informações e habilidades Construção e Significação de saberes- situações reais ou simuladas. De acordo com Diretrizes Curriculares Nacionais de Graduação Médica Estimulação capacidade crítico-reflexiva; Aprender a aprender. Desenvolvimento e mobilização capacidades- ação e contexto; Tomada de decisão e ações específicas – saúde/doença.

  5. II – JUSTIFICATIVA Marcos Teóricos Referenciais Orientado por competência; Metodologias voltadas a aprendizagem de adultos; Abordagem construtivista dos saberes; Criação de vínculo – universidade, comunidades, profissionais de saúde; Conteúdo de crescente dificuldade; Ampliação de autonomia; Gerenciamento situações / problemas de saúde – individual ou coletivo;

  6. III CURRÍCULO PRESCRITO Perfil pactuado e ancorado Diretrizes Curriculares Nacionais Direcionamento para problemas prevalentes de saúde Eixo Norteador – diálogo universidade e sociedade, objetivando explicitação e reconhecimento de diferentes perspectivas; Co-responsabilidade com sistema de saúde local e equipamentos sociais - cenários de atividades educacionais; Academia transformação das práticas - Educação permanente; - Construção das práticas; - Ampliar relevância das linhas pesquisa; Serviços de saúde e equipamentos – desconcentração da formação: DIVERSAS MODALIDADES DE CUIDADO - INTEGRALIDADE Integração teoria-prática - elementos disparadores – situações-problema saúde/doença; - aprendizagem significativa; - domínios cognitivos, psicomotores e afetivos.

  7. III CURRÍCULO PRESCRITO SITUAÇÕES SIMULADAS proteção das pessoas – erros são importante / sem produção de danos; ambientes protegidos - situações- problema de papel, filmes, dramatizações, atendimentos simulados, uso manequins; SITUAÇÕES REAIS formação vínculo, co-responsabilização com familiares, equipe e serviços de saúde; professores inseridos nos serviços, realizando ações a serem desenvolvidas pelos alunos; reflexão e teorização da prática; Professores – formação em carreiras vinculadas ao cuidado de pacientes AVALIAÇÃO – determinante para melhoria do processo Auto-avaliação; Avaliação entre pares; Avaliação somativa – análise capacidades construídas em ação; Avaliações de processo e progresso sistematizadas - portifólio.

  8. III CURRÍCULO ORGANIZADO UNIDADES EDUCACIONAIS enfrentamento de situações em contexto; ciclos educacionais – progressão dos desempenhos - longitudinais UES - Unidades Educacionais Sistematizadas cenários protegidos e controlados; pequenos grupos – 6 horas semanais; avaliação UEPP – Unid. Educacionais de Prática Profissional confronto com a realidade; crescente ao longo do curso; USF - geográfico; - domicílos; - equipamentos sociais; pequenos grupos – 12 horas semanais avaliação Docentes UES – Universidade UEPP – Serv. Saúde

  9. III CURRÍCULO ORGANIZADO CENÁRIOS PACTUAÇÃO SMS - UNIVERSIDADE ambulatórios; policlínicas; serviços pré-hospitalares; hospital dia; internação domiciliar; outros; Atenção hospitalar - último ciclo da formação; - articulado com ciclos anteriores; Docentes – permanência semestral – função e grupo - visão ampliada do processo - diferentes alunos - educação permanente semanal - demandas individuais do aluno e portfólio Estudantes – redistribuição semestral

  10. IV PERCURSO METODOLÓGICO Para implementação : PACTUAÇÃO POLÍTICA E CONSTRUÇÃO COLETIVA DO PERFIL PROFISSIONAL E PADRÃO DE EXCÊLÊNCIA Identificação dos sujeitos ativamente envolvidos e interessados em uma determinada área e que representam profissionais; gestores; usuários dos serviços; Conjunto de profissionais com competências que representam padrão de excelência Conjunto de pessoas - câmara de validação - Of. 1 - Construção de competências – exame clínico (ex) - Of. 2 - Desenvolvimento de capacidades – cognitivos, psicomotores e afetivos

  11. V IMPACTOS ESPERADOS CONSTRUÇÃO DE NOVOS MODELOS EDUCACIONAIS DE PESQUISA E DE CUIDADO – melhor prestação de serviços para a população; PARCERIA UNIVERSIDADE SERVIÇOS – articulação sistematizada e reflexiva – trabalho / aprendizagem / sociedade; CONTRAPARTIDAS INTERISNTITUCIONAIS – legitimidade e continuidade da construção co-responsável; INTIMA ARTICULAÇÃO TEORIA- PRÁTICA – sem subordinações; CONSTRUÇÃO DE ESCOLA CRÍTICA E REFLEXIVA – produzir conhecimento orientado às necessidades prevalentes dos cidadãos brasileiros;