gest o de res duos s lidos da europa n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Gestão de resíduos sólidos da Europa PowerPoint Presentation
Download Presentation
Gestão de resíduos sólidos da Europa

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 48

Gestão de resíduos sólidos da Europa - PowerPoint PPT Presentation


  • 65 Views
  • Uploaded on

Gestão de resíduos sólidos da Europa. Mário Russo Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Portugal. Sumário Introdução Enquadramento legislativo Principais diplomas legislativos Gestão de resíduos na UE. Sumário Introdução Enquadramento legislativo Principais diplomas legislativos

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Gestão de resíduos sólidos da Europa' - stacia


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
gest o de res duos s lidos da europa
Gestão de resíduos sólidos da Europa

Mário Russo

Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Portugal

slide2

Sumário

  • Introdução
  • Enquadramento legislativo
  • Principais diplomas legislativos
  • Gestão de resíduos na UE
slide3

Sumário

  • Introdução
  • Enquadramento legislativo
  • Principais diplomas legislativos
  • Gestão de resíduos na UE
slide4

Princípios gerais orientadores da política de Resíduos da UE

  • Princípio da prevenção: é necessário minimizar e prevenir, sempre que possível, a produção de resíduos;
  • Responsabilidade do produtor e princípio do poluidor- pagador: quem produz os resíduos ou polui o ambiente deve pagar a totalidade dos custos das suas ações;
  • Princípio da precaução: é necessário prever potenciais problemas;
  • Princípio da proximidade: os resíduos devem ser eliminados o mais próximo possível do local onde são produzidos.
slide5

A prevenção dos resíduos

  • A preparação para a reutilização
  • A reciclagem
  • A valorização (inclusive a valorização energética)
  • O armazenamento seguro (como último recurso)

Hierarquia da Gestão de Resíduos

slide6

Reduziros transportes de resíduos e melhorar a regulamentação nessa matéria;

  • Introduzir novos e melhores instrumentos de gestão dos resíduos:
    • – Instrumentos regulamentares e económicos,
    • – Estatísticas fiáveis e comparáveis em matéria de resíduos,
    • – Planos de gestão dos resíduos,
    • – Aplicação adequada da legislação.

No contexto da sua estratégia global em matéria de gestão de resíduos, a Comissão Europeia definiu diversos fluxos específicos de resíduos que deverão ser alvo de especial atenção, a fim de reduzir o impacto ambiental global de cada um deles.

Estratégia da Gestão de Resíduos salienta:

slide7

Sumário

  • Introdução
  • Enquadramento legislativo
  • Principais diplomas legislativos
  • Gestão de resíduos na UE
slide8

Os Regulamentos comunitáriossão instrumentos de carácter geral e, aplicáveis direta e obrigatoriamente em todos os estados membros. Não carecem de transposição para o direito nacional como lei e são imperativos quanto aos fins e no que respeita aos meios a atingir.

  • As Diretivas requerem uma transposição para o direito nacional de cada país membro, deixando em aberto a escolha das formas e dos meios para a sua concretização, dispondo de um prazo para as por em prática. A maioria dos diplomas comunitários no domínio dos resíduos sólidos é apresentada sob a forma de Diretivas. As contravenções são submetidas ao Tribunal de Justiça da UE.

Enquadramento legislativo

Regulamentos, Diretivas, Decisões e Pareceres

slide9

As Decisões são atos individuais emanados da UE, não normativos, que vinculam apenas os destinatários, um estado membro ou uma empresa de um estado membro. Podem condenar ao pagamento de multas, por exemplo.

  • Os Pareceres e Recomendaçõesnão têm alcance obrigatório, tratando-se apenas de opiniões técnicas ou jurídicas fundadas mas não vinculativas.

Enquadramento legislativo

slide10

Sumário

  • Introdução
  • Enquadramento legislativo
  • Principais diplomas legislativos
  • Gestão de resíduos na UE
slide11

A Diretiva 75/442/CEE do Conselho, de 15 de Julho de 1975, relativa aos resíduos foi a primeira medida legal na UE a disciplinar a gestão dos resíduos. Tratou das questões de:

    • recolha,
    • eliminação,
    • reutilização e
    • tratamento dos resíduos.

Estabeleceu Definições o mais claras possíveis.

Foi sendo alterada com o tempo e descaracterizou-se

Nova DIRETIVA QUADRO: Diretiva 2006/12/CE de 5 de abril

Diretiva Quadro dos Resíduos

slide12

A Diretiva 75/442/CEE do Conselho, de 15 de Julho de 1975, relativa aos resíduos foi a primeira medida legal na UE a disciplinar a gestão dos resíduos. Tratou das questões de:

    • recolha,
    • eliminação,
    • reutilização e
    • tratamento dos resíduos.

Estabeleceu Definições o mais claras possíveis.

Foi sendo alterada com o tempo e descaracterizou-se

Nova DIRETIVA QUADRO: Diretiva 2006/12/CE de 5 de abril

Diretiva Quadro dos Resíduos

slide13

Define conceitos-chave, como os de resíduo, valorizaçãoe eliminação, e estabelece os requisitos essenciais para a gestão de resíduos, e a obrigação de os Estados-Membros elaborarem planos de gestão de resíduos.

  • Define igualmente princípios fundamentais, como a hierarquia da gestão dos resíduose, de acordo com o princípio do «poluidor-pagador», a exigência de que os custos da eliminaçãodos resíduos sejam suportados pelo seu detentoratual, pelos anteriores detentores dos resíduos ou pelos produtores do produto que deu origem aos resíduos.

Diretiva 2006/12/CE

slide14

Introdução da responsabilidade alargada do produtoré um dos meios para apoiar a conceção e produção de bens em moldes que tenham plenamente em conta e facilitem a utilização eficiente dos recursos durante todo o seu ciclo de vida.

  • DefineSubprodutose não resíduos: Uma substância ou objeto resultante de um processo de produção cujo principal objetivo não seja a produção desse item pode ser considerado um subproduto e não um resíduo se estiverem reunidas determinadas condições.
  • Fim do estatuto de resíduo: determinados resíduos específicos deixam de ser resíduos caso tenham sido submetidos a uma operação de valorização, incluindo a reciclagem, e satisfaçam critérios específicos.

Diretiva 2006/12/CE

slide16

Sumário

  • Introdução
  • Enquadramento legislativo
  • Principais diplomas legislativos
  • Gestão de resíduos na UE
    • Introdução
    • Dados gerais
    • Situação em Portugal
slide18

União Europeia

Brasil

População:493 M

Área: 4,32M km2

27 países

Londres: 7,5 M hab

RSU: 257.346.000 t

População:292 M

Área: 8,5M km2

26 estados

S. Paulo: 11,3 M hab

RSU: 87.600.000 t

slide25

275 Municípios

  • 5 Centrais de Compostagem
  • 13 aterros controlados
  • 341 lixeiras (lixões)
slide29

1996

2005

275 Municípios

30 Sistemas

8 Centrais de Compostagem

2Incineradoras

37aterrosSanitários

0lixeiras

5 Centrais de Compostagem

13 locais de disposição

controlada

341 lixeiras

novos objetivos de redu o de rub
Novos objetivosde redução de RUB

(Directiva 1999/31/CE)

(*) – Em peso (1995)

evolu o da produ o e capita o
Evolução da Produção e capitação

A produção anual per capita em 2009 foi de 511 kg/hab.ano, o que corresponde a uma capitação diária de RU de 1,4 kg, que é uma estabilização relativa face ao ano anterior .

resulima viana do castelo
RESULIMA (Viana do Castelo)
  • Um aterro sanitário;
  • Dois ecocentros;
  • Uma estação de triagem;
  • Duas plataformas para recepção de REEE;
  • Uma estação de transferência;
  • 912 ecopontos.
lipor porto
LIPOR (PORTO)

Integram os seguintes municípios: Espinho, Gondomar, Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Valongo e Vila do Conde.

População atendida: 968.400 habitantes

Produção anual de Resíduos Urbanos: 520.620 ton (2010).

Unidades tecnológicas: Central de Triagem para a reciclagem; Central de compostagem de resíduos orgânicos recolhidos seletivamente; Incineração com aproveitamento energético aterros sanitários; Ecocentros e ecopontos.

tratolixo
TRATOLIXO

População: 900.830 habitantes

Resíduos produzidos: 498.422 ton (2010)

Insfraestruturas: TMB e central de compostagem em Trajouce;

Central de Digestão Anaeróbia, compostagem, aterro e estações de transferência no município de Mafra, na localidade da Abrunheira.

tratolixo1
TRATOLIXO

População: 900.830 habitantes

Resíduos produzidos: 498.422 ton (2010)

Insfraestruturas: TMB e central de compostagem em Trajouce;

Central de Digestão Anaeróbia, compostagem, aterro e estações de transferência no município de Mafra, na localidade da Abrunheira.

tratolixo2
Tratolixo

A Tratolixo é uma empresa totalmente municipal, constituída pelo capital social dos municípios que integram a Associação de Municípios AMTRES.

Possui instalações em 2 municípios (Cascais e Mafra).

Em Cascais são recebidos os resíduos para tratamento mecânico e biológico.

Resíduos indiferenciados: 330.000 ton;

Recolhas seletivas: 41.000 ton;

Verdes: 22.800 ton;

Resíduos de limpezas públicas: 71.440 ton;

Monstros e outros volumosos: 11.780 ton.

amarsul lisboa
AMARSUL (LISBOA)
  • 7 Ecocentros (Almada, Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo, Seixal e Sesimbra);
  • 2 Estações de Triagem (Palmela e Seixal);
  • 2 Aterros Sanitários (Palmela e Seixal);
  • 1 Estação de Transferência (Sesimbra);
  • 1 Central de Compostagem (Setúbal);
  • 1 Sistema de Aproveitamento Energético de Biogás (Seixal);
slide48

OBRIGADO

O Meio Ambiente está acima de todas as convicções politicas ou religiosas, porque a NATUREZA não faz concessões à ignorância