UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAR Á INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE LABORATÓRIO DE TOXICOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCI - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAR Á INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE LABORATÓRIO DE TOXICOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCI PowerPoint Presentation
Download Presentation
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAR Á INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE LABORATÓRIO DE TOXICOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCI

play fullscreen
1 / 161
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAR Á INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE LABORATÓRIO DE TOXICOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCI
151 Views
Download Presentation
senalda
Download Presentation

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAR Á INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE LABORATÓRIO DE TOXICOLOGIA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCI

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. INTRODUÇÃO A BIOESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁINSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDELABORATÓRIO DE TOXICOLOGIACURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS LATOX

  2. BIOESTATÍSTICA • Conteúdo Aula 1: Introdução Aula 2: População, amostras, variáveis (categorais e escalas), estudos amostrais Aula 3: Amostras probabilisticas, viés e representação de dados Aula 4: Estatística descritiva: medidas de tendência central e dispersão, curva normal Aula 5: Distribuição de probabilidades Aula 6: Inferência estatística ( teste de hipóteses- 01 amostra) Aula 7: Teste de hipóteses: 02 amostras independentes e pareadas Aula 8: Teste de hipóteses: K amostras independentes e pareadas • Software Excell Bioestat 4.0 ou 5.0 (www.mamiraua.org.br) LATOX

  3. BIOESTATÍSTICA • Avaliação • Presença: 25% (>75%) • Apresentação dos seminários: 50% • Resolução dos exercícios: 25% LATOX

  4. INTRODUÇÃO ESTATÍSTICA A Ciência e método de planejar, coletar, organizar, resumir e analisar dados, tirando conclusões para tomada de decisões, seja pelo exame de todas as unidades de um universo- estudo censitário- quer através de amostras representativas da população objeto de estudo- inferência estatística- LATOX

  5. INTRODUÇÃO Bioestatística Aplicação da estatística às ciências biomédicas. LATOX

  6. INTRODUÇÃO • Divisão • Estatística matemática • Estatística aplicada • Descritiva • Inferencial LATOX

  7. INTRODUÇÃO Estatística descritiva Coleta, organização e classificação dos dados numéricos das características dos indivíduos (variáveis) de um universo, apresentando-os através de gráficos ou tabelas, calculando a média, mediana, moda, desvio padrão etc, capazes de descrever de maneira resumida e numérica as variáveis em questão LATOX

  8. INTRODUÇÃO Inferência estatística Obtenção de medidas amostrais- estatísticas- objetivando a generalização para a população, inferindo-se, desta maneira, os valores do universo, isto é, os parâmetros, permitindo predições ou tomada de decisões, quer através de estimação, ou pelos testes de hipótese. LATOX

  9. INTRODUÇÃO ESTATÍSTICA DESCRITIVA INCERTEZAS PROBABILIDADE INFERÊNCIA ESTATÍSTICA LATOX

  10. INTRODUÇÃO • Conhecimento específico • Conhecimento geral • Universal • Estatística - incertezas LATOX

  11. INTRODUÇÃO Por que a familiaridade com os métodos estatísticos é importante • Profissionais: • Leitura crítica de artigos e interpretação dos resultadospublicados. • Pesquisadores: • Apresentação dos resultados com base emrigorososcritérioscientíficos. LATOX

  12. INTRODUÇÃO escolha das situações experimentais determinação da quantidade de indivíduos a serem examinados Técnicas para resumir Apresentar as informações Comparar os experimentos LATOX

  13. INTRODUÇÃO Para o desenvolvimento de uma pesquisa científica com qualidade é necessário: • um bom planejamento; • obtenção dos dados com precisão; • correta exploração dos resultados. LATOX

  14. INTRODUÇÃO • DELINEAMENTO EXPERIMETAL • 1) Expressar uma teoria (hipótese); • 2) Delinear, cuidadosamente, o experimento; • 3) Execução do plano delineado; • 4) Análise dos dados • Aceitar ou rejeitar a hipótese LATOX

  15. INTRODUÇÃO • ANALISE INADEQUADA Pode comprometer seriamente a validade do trabalho, levando o leitor a acreditar em conclusões não verdadeiras. • os métodos estatísticos são COMPONENTES FUNDAMENTAIS dos trabalhos científicos LATOX

  16. INTRODUÇÃO • Avaliados 690 artigos (1990 a 2000), em 7 periódicos da área de Odontologia: • Journal of the American Dental Association, • Journal of Dental Research, • Caries Research, • Journal of Periodontology, • Revista de Odontologia da Universidade de São Paulo, • Brazilian Dental Journal, • Revista de Odontologia da UNESP LATOX

  17. INTRODUÇÃO • Dos artigos que UTILIZARAM metodologia estatística 97% dos nacionais; 98% dos internacionais; • INFORMAM A TÉCNICA UTILIZADA. LATOX

  18. INTRODUÇÃO • MORRIS (1988) • 57,3% dos artigos (Journal of Bone and Joint Sugery) • dadosclaramente apresentados; • 64% deveriam apresentar análise estatística; • 23% deles apresentaram; • Desses 23%, 66,7% descrevem a técnica utilizada; • Em 60% dos artigos as conclusões apresentadas não parecem ser justificada pelos resultados. MORRIS R W A statistical study of papers in the Journal of Bone and Joint Surgery 1984. J Bone Joint Surg. 70(2):242-6, 1988. LATOX

  19. INTRODUÇÃO CRUESS (1989) em periódico da área MÉDICA 29% dos artigos não utilizaram estatística; afirmam que estes seriam beneficiados se tivessem utilizado alguma metodologia. CRUESS D F. Review of use of statistics in The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene for January-December 1988. Am J Trop Med Hyg41(6):619-26, 1989 LATOX

  20. INTRODUÇÃO Por serem mais precisos do que as palavras, os números são particularmente mais adequados para transmitir as conclusões científicas.” PAGANO e GAUVRE 2004 4) LATOX

  21. INTRODUÇÃO • No entanto tal como se pode mentir com palavras, pode-se fazer o mesmo com números. Existem 3 tipos de mentiras: mentiras, mentiras condenáveis e estatísticas.” Benjamin Dissaeli LATOX

  22. INTRODUÇÃO • “É fácil mentir com a estatística, mas é mais fácil mentir sem ela.” LATOX

  23. BIOESTATÍSTICA- AULA 2 AMOSTRA GENERALIZAÇÕES POPULAÇÃO LATOX

  24. BIOESTATÍSTICA PARÂMETROS São os valores verdadeiros que descrevem uma população ou universo e serão sempre os mesmos para dada população LATOX

  25. BIOESTATÍSTICA ESTATÍSTICAS São medidas obtidas dos dados da amostra, como média e desvio padrão amostrais. Não são as mesmas para todas as amostras de uma mesma população. LATOX

  26. BIOESTATÍSTICA • Obtenção dos parâmetros • Diretamente: estudos censitários • Indiretamente: estudo de uma parcela da população e se faz inferência para o todo • Caracterização: • Localização: média, mediana, percentil Escala: desvio- padrão Distribuição: curvas Z, T, Variância LATOX

  27. BIOESTATÍSTICA Dados São as informações numéricas coletadas em um experimento ou levantamento, obtidas diretamente pelo investigador ou indiretamente de outros autores, os quais constituem os elementos primários das investigações científicas. LATOX

  28. BIOESTATÍSTICA POPULAÇÃO OU UNIVERSO Conjunto de todos os indivíduos circunscritos no tempo e no espaço que apresentam determinadas características comuns- variáveis- capazes de ser mensuradas ou enumeradas LATOX

  29. BIOESTATÍSTICA POPULAÇÃO AMOSTRA AMOSTRA AMOSTRA LATOX

  30. BIOESTATÍSTICA • Unidades estatísticas: indivíduos • Unidade simples • Unidades coletivas • As unidades apresentam características comuns(variáveis) • Estado civil de operários metalúrgicos • População: operários metalúrgicos • Variável: estado civil LATOX

  31. BIOESTATÍSTICA VARIÁVEIS Características das unidades populacionais capazes de serem mensuradas ou enumeradas (contadas), que apresentam diferenças ou variações que permitem distinguir os indivíduos no mesmo universo e se expressam em diferentes modalidades LATOX

  32. BIOESTATÍSTICA Características comuns: As características das unidades populacionais possuem DIFERENÇAS OU VARIAÇÕES, que permitem distinguir os indivíduos no universo. LATOX

  33. BIOESTATÍSTICA CATEGORIAS DE VARIÁVEIS Variáveis qualitativas Nominais:recebem designação que exprime uma qualidade, de ordem alfabética, permitindo a distinção entre unidades da população: Grupo étnico: ameríndia, caucasóide, negróide; Sexo: masculino, feminino; Estado civil: casado, solteiro; Achado: presença ou ausência LATOX

  34. BIOESTATÍSTICA Ordinais:características cujas modalidades recebem designação ordenativa, em termos, de ordem ou magnitude, crescente ou decrescente, proporcionando a distinção entre os elementos da população. Depressão: leve, moderada, grave Série escolar: 1, 2 , 3, 4......... LATOX

  35. BIOESTATÍSTICA • Em determinado lote de fitoterápicos, observou-se a presença de algumas cápsulas, com coloração diferente daquela normalmente presente: • Escala nominal: presença ou ausência de cápsulas com coloração diferente • Escala ordinal • Raras cápsulas com coloração diferente • Ocasionais com coloração diferente • Cápsulas com coloração diferente freqüentes LATOX

  36. BIOESTATÍSTICA • Variáveis quantitativas • São aquelas cujas modalidades significam valores, quantidade, que se expressam sob a forma de números • Discretas ou descontínuas • Número de pessoas por domicílio • Contínuas • Altura, peso: que podem alcançar valores infinitos. LATOX

  37. BIOESTATÍSTICA ESCALAS • Destinam-se a mensurar ou enumerar as variáveis • Escala nominal • Escala ordinal ou por postos • Escala intervalar • Escala de razão LATOX

  38. BIOESTATÍSTICA • Amostra • Parte da população, isto é, um número limitado de elementos constituintes do universo. • Através de suas estatísticas chega-se ao verdadeiros valores dos parâmetros da população. • Há várias medidas de tendência central e de dispersão nas amostras. LATOX

  39. BIOESTATÍSTICA • Vantagens das amostras • As populações são infinitas • Destruição dos elementos amostrais • Indisponibilidade de indivíduos • Economia de custo, tempo e trabalho • Maior exatidão dos resultados. LATOX

  40. BIOESTATÍSTICA QUESTÃO FUNDAMENTAL REPRESENTAVIDADE DAS AMOSTRAS LATOX

  41. BIOESTATÍSTICA AMOSTRA POPULAÇÃO LATOX

  42. BIOESTATÍSTICA • Estudos Amostrais • Analíticos • Relacionam causa X efeito • Efetua-se comparações ou associações, através de levantamentos ou experimentos • Descritivos • Descreve amostras para obtenção das estatísticas • Não controla fatores causais • Combinados LATOX

  43. BIOESTATÍSTICA • Experimento • São pesquisas onde são controlados fatores causais, registrando-se os respectivos efeitos, • Levantamentos (Surveys) • Resultante da coleta de dados, que descrevem as amostras • Não se controla fatores causais, • Pode-se fazer estudos analíticos e descritivos. LATOX

  44. BIOESTATÍSTICA • Classificação das amostras • Probabilisticas • Não Probabilisticas LATOX

  45. BIOESTATÍSTICA • AMOSTRAS PROBABILISTICAS • Cada unidade tem uma chance, isto é, uma probabilidade, diferente de zero, de ser incluída na amostragem. • A retirada das amostras deve ser compatível com a probabilidade de participação de cada unidade: • Amostras com reposição de unidade • Amostras sem reposição de unidade LATOX

  46. BIOESTATÍSTICA • AMOSTRAS PROBABILISTICAS • Aleatória simples: retirada ao acaso da população, sem interferência da vontade do observador, todas as unidades da população tem as mesmas chances de serem selecionadas • Sorteio • Números aleatórios LATOX

  47. BIOESTATÍSTICA • Sistemática: a primeira unidade é retirada ao acaso e as demais de maneira sistemática, a partir de um fator (k) aleatório. • Facilidade de obtenção • A representatividade é melhor que a anterior, pois abrange a população distribuída de maneira uniforme • Avaliar a distribuição dos indivíduos na população LATOX

  48. BIOESTATÍSTICA • Amostras aleatórias estratificadas • Obtidas de um sub-conjunto do universo, denominados estratos; • De cada um são retiradas amostras aleatórias simples; • Estratos ou grupos: são independentes não havendo superposição de unidades entre eles; • Há maior homogeneidade dos indivíduos em cada estrato, o que leva a um menor erro amostral; • Maximizar as infomações sobre a população; • Dificuldades: número de estratos e de variáveis a avaliar, limites de cada grupo; • Os estratos devem obedecer a divisão natural da população; • Preferência aos estudos de apenas uma variável; • Precisão na definição dos estratos; • Proporcionalidade no tamanho da amostra estratificada LATOX

  49. BIOESTATÍSTICA • Amostras por conglomerados ou “Clusters” • As unidades amostrais são obtidas das unidades coletivas; • Na estratificação a população é dividida em segmentos que apresentam peculiaridades, capazes de as diferenciar; • Nos conglomerados, o universo é constituído naturalmente de unidades coletivas semelhantes; • Os estratos apresentam maior diversidade LATOX

  50. BIOESTATÍSTICA AMOSTRAS NÃO PROBABILISTICAS A escolha é ao acaso, entretanto se desconhece a probabilidade de cada elemento ser incluído na mesma; A seleção é realizada de maneira não aleatória; A critério do pesquisador. LATOX