slide1 l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DOS ALIMENTOS CURSO DE BACHARELADO EM QUÍ PowerPoint Presentation
Download Presentation
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DOS ALIMENTOS CURSO DE BACHARELADO EM QUÍ

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 72

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DOS ALIMENTOS CURSO DE BACHARELADO EM QUÍ - PowerPoint PPT Presentation


  • 163 Views
  • Uploaded on

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DOS ALIMENTOS CURSO DE BACHARELADO EM QUÍMICA DOS ALIMENTOS. CONTROLE DE QUALIDADE EM LEITE, DERIVADOS E EMBALAGENS TETRA PACK. Thays Pereira Oliveira. Realização do Estágio. Cooperativa Sul-Riograndense Ltda.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DOS ALIMENTOS CURSO DE BACHARELADO EM QUÍ' - paul


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DOS ALIMENTOS

CURSO DE BACHARELADO EM QUÍMICA DOS ALIMENTOS

CONTROLE DE QUALIDADE EM LEITE, DERIVADOS

E EMBALAGENS TETRA PACK

Thays Pereira Oliveira

slide2

Realização do Estágio

Cooperativa Sul-Riograndense Ltda.

Cosulati (unidade de laticínios)

  • 14/07/2008 01/10/2008 – 510 horas
  • Área de atuação Controle de qualidade
slide3

Introdução

Caracterização da empresa

Cosulati

21 de setembro de 1973

Coolapel + Coolati

  • Laticínios (Capão do Leão)
  • Avicultura (Morro Redondo)
  • Grãos (Canguçu)

550 funcionários

slide4

Introdução

Caracterização da empresa

Laticínios

- Creme de leite pasteurizado

- Bebida Láctea

- Doce de leite

- Queijos

- Produtos terceirizados

- Prestação de serviços

- Manteiga

- Manteiga light

- Leite pasteurizado

- Leite UHT

- Leite em pó

- Soro de leite em pó

slide5

Introdução

Caracterização da empresa

  • 21 de setembro de 2008 = 35 anos + inauguração 2° torre de secagem

Ampliação do setor de produção – 450 mil litros

exportação

Fachada principal da Cosulati.

Fonte: COSULATI, 2008.

slide6

Introdução

O leite

  • Artigo 475 (RIISPOA)

Produto normal, fresco, integral, oriundo da ordenha completa e ininterrupta de vacas sadias.

  • Leite nutritivo desenvolvimentos de m.o

Qualidade = menor taxa de m.o existentes antes, durante e após as etapas de processamento.

slide7

Introdução

O leite

  • Consumo:
  • Pasteurizado
  • Em pó;
  • UHT;
  • Subprodutos.
slide8

Objetivo

Objetivo geral

- Aprimorar os conhecimentos teóricos com a prática dentro do âmbito de uma indústria de laticínios aprimorando os conhecimentos em controle de parâmetros de produção, processamento e qualidade do leite e derivados.

slide9

Objetivo

Objetivo específico

  • Processamento UHT; hermeticidade das embalagens;
  • Controle de qualidade (verificação diária de; produção e liberação UHT);
  • Relações humanas no trabalho;
  • Aprimorar os conhecimentos práticos.
slide10

Atividades desenvolvidas

Atividades estágio

  • 1° Reconhecimento dos setores (importância);
  • 2° Laboratório do controle de qualidade;
  • 3° Processamento do leite UHT e análise das embalagens.
slide11

Atividades desenvolvidas

Controle diário de produção

  • Análise detalhada:

Tempo (rotina)

Documentos (medidas corretivas)

  • Peso
  • Data de validade
  • Solda das embalagens
  • Aparência global

=

garantia

slide12

Atividades desenvolvidas

Controle diário de produção

  • Verificar as condições dos produtos padrões determinados

Aprovação do controle de qualidade

=

Liberação para o mercado consumidor

slide13

Atividades desenvolvidas

Controle diário de produção

15 minutos

  • Doce de leite

4 amostras, centralização do rótulo, selagem, validade e fabricação (3 meses), peso (364g – 371g), lote.

OBS: rotulagem depois de 48 horas

  • Creme de leite

4 amostras, selagem, validade e fabricação (1 mês), peso (315g – 323g), resíduos.

slide14

Atividades desenvolvidas

Controle diário de produção

  • Manteiga

4 amostras, centralização do rótulo, peso (203g – 208g), resíduos, lote, validade e fabricação (3 meses).

  • Manteiga light

4 amostras, selagem, validade e fabricação (3 meses), peso (203g – 218g), resíduos.

slide15

Atividades desenvolvidas

Controle diário de produção

  • Bebida láctea

Temperatura 3 amostras, centralização rótulo, uma amostra de cada dispensadora, peso 91006Kg – 1026Kg), validade e fabricação (35 dias), selagem.

  • Leite pasteurizado

Mesma forma da bebida láctea, peso (1036Kg – 1048Kg), validade e fabricação (5 dias).

slide16

Atividades desenvolvidas

Controle diário de produção

1 hora

  • Leite UHT

6 amostras, centralização e impressão, validade e fabricação (4 meses), vincos alinhados, n° paleti e amostras aleatórias.

OBS: C.Q conformidade – embalagem (setor UHT)

slide17

Atividades desenvolvidas

Controle diário de produção

  • Leite em pó

10 a 15 sacos (data de validade e fabricação – 6 meses), selagem embalagem primária.

OBS: embalagem primária= plástico, embalagem secundária= papel.

  • Leite em pó fracionado integral

6 amostras, centralização, validade e fabricação (1 ano), peso (203g – 206g), microfuros.

OBS: embalagens laminadas

slide18

Atividades desenvolvidas

Controle diário de produção

Importância do teste de solda no leite em pó

  • Absorção de umidade reação de Maillard (aglomeração e deterioração no sabor e odor)
  • Oxidação da gordura formação de peróxidos (sabor e odor a ranço)

Barreira à luz, oxigênio e vapor d’água

slide19

Atividades desenvolvidas

Processamento e controle de qualidade do leite UHT

Homogeneizado

2 a 4 segundos

130°C a 150°C

Resfriado 32°C

Envase asséptico

Leite UHT

slide20

Atividades desenvolvidas

Processamento e controle de qualidade do leite UHT

  • Bacillus Subtilis
  • Bacillus Stearothermophilus

10 10 a 1012

esporos

  • Padrão

Comercialmente estéril (esporos)

  • UHT

Condições normais (não desenvolvimento

slide21

Atividades desenvolvidas

Processamento do leite UHT

Cosulati

  • quantidade
  • laboratório
  • Recepção

silos

  • Padronização gordura
  • pasteurização
  • Tratamento

tanques

slide22

Atividades desenvolvidas

Processamento do leite UHT

  • Tanques
  • citrato de sódio

Citrato de sódio

Estabiliza proteína do leite (sedimentação) 0,1g/100mL

  • laboratório
  • tanque 8°C
  • Liberação
slide23

Atividades desenvolvidas

Processamento do leite UHT

  • Pré- aquecimento:
  • 73°C
  • Homogeneizador:
  • 78°C

Impedir a separação da gordura; 54°C, aumento da superfície, caseínas emulsionantes

slide24

Atividades desenvolvidas

Processamento do leite UHT

  • aquecimento 140°C/ 3 segundos
  • resfriamento 28°C
  • envase
  • Esterilização:
slide25

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Envase asséptico

Envase do leite ultrapasteurizado (atmosfera estéril)

Até 180 dias de validade

slide26

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Cosulati

  • Tetra Brick Asseptic/ TBA 8

Início e produto final = nenhum contato com o meio externo

- Assepsia da embalagem peróxido 30-35%

slide27

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

  • 600 L de leite por hora;
  • Complexo (automático);
  • Funcionário = conhecimento teórico.
  • TBA 8

Curso Tetra Pack

Medidas de segurança, produtos para assepsia, descrição geral da TBA 8

slide28

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Tetra Brick Asseptic (TBA 8)

Fonte: Tetra Pack, 2001.

slide29

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

  • Início da operação de envase
  • Esterilização Tetra Brick Asseptic;
  • Pré- aquecimento 280°C;
  • Fechamento do tubo;
  • Spray de peróxido 68°C/ 30 minutos;
  • Resfriamento 5 minutos;
  • Água estéril.

Entrada do produto

slide30

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Percurso da banda do material de embalagem

  • Rolo do material de embalagem
  • Bobinas;
  • 8 mil litros;
  • Cuidados;
  • Transporte até a máquina;
  • Informações sobre a bobina.
slide31

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Percurso da banda do material de embalagem

  • Unidade datadora
  • Impressão;
  • Fabricação;
  • Validade;
  • Lote/hora.
  • Vincos
  • formato
slide32

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Percurso da banda do material de embalagem

  • apoio para a emenda
  • não saia for dos vincos
  • Rolos de acionamento, oscilante e de encurvamento
  • Fita polietileno;
  • Lado interno;
  • Rolos de compressão + calor.
  • Selagem SA

OBS: embalagem = lado SA e LS (data)

slide33

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Percurso da banda do material de embalagem

  • Embalagem submersa;
  • 80°C.
  • Banho de peróxido
  • Baixa toxicidade;
  • Baixo efeito residual;
  • Não enxaguagem;
  • Bactericida concentração;
  • Esporocida 30% concentração e T°C
slide34

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Percurso da banda do material de embalagem

  • Rolos espremedores
  • 2 rolos (pressão líquido);
  • Lâminas de ar.

ranhuras ar quente = afasta os restos de peróxido

slide35

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Percurso da banda do material de embalagem

  • Anel de formação superior
  • - Forma cilíndrica;
  • Ambiente aquecido com vapor de peróxido;
  • Esterilização face interna + leite estéril.

Ambiente livre de contaminação

slide36

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Percurso da banda do material de embalagem

  • Selagem longitudinal

- Sobreposição LS a AS;

- AS sem se aderir = união dos lados;

- Pressão e calor.

- Indução eletromagnética;

- Contínuo enchimento e solda;

- Embalagem de 1 L.

  • Selagem horizontal
slide37

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Percurso da banda do material de embalagem

- Formato L / contato polietileno + calor = selagem aba.

  • Selagem aba
  • Esteira transportadora
slide38

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Percurso da banda do material de embalagem

Percurso da banda do material de embalagem pela máquina.

Fonte: Tetra Pack, 2001.

slide39

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Final da produção = limpeza diária CIP

- Circulação de água 15 min. / T°C ambiente;

- Aquecimento equipamento 141°C;

- Hidróxido de sódio 2,5% /141°C /60 min. (gordura e proteínas);

- Água 6 min./ T°C ambiente;

- Ácido nítrico 1,5% /95°C /30 min. acúmulo de minerais;

- Água / T°C ambiente/ 4 min.

slide40

Atividades desenvolvidas

Envase asséptico do leite UHT

Limpeza semanal CIP

- Igual a diária;

- EDTA 1,2% solubilização das proteínas.

slide41

Atividades desenvolvidas

Embalagens Tetra Brick

UHT

Tetra Brick

Complementação da películas (polietileno, alumínio, papel)

  • Segurança;
  • Maior vida de prateleira;
  • Asséptico;
  • Raios UV.
slide42

Atividades desenvolvidas

Embalagens Tetra Brick

  • polietileno
  • alumínio
  • polietileno
  • papel
  • polietileno

Embalagem Tetra Brik

Fonte: ABVL, 2008.

slide43

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens do leite UHT

Análise no setor do UHT

Análise da hermeticidade

30 min., início da produção, troca do material de embalagem;

Tetra Pack

15 min. peso, impressão e formação de vincos;

slide44

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens do leite UHT

  • Teste eletrolítico

- Verificação dos microfuros

alumínio = corrente fluirá através do circuito

Leitura

- Sal + água = íons livres (hidratados)

Capacidade de conduzir eletricidade

slide45

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Teste eletrolítico

OA maior

=

teste de tinta

Procedimentos da avaliação do teste eletrolítico

Fonte: Tetra Pack, 2001.

slide46

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Teste de tinta

- Confirmação e localização do microfuro

feito somente

se eletrolítico for +

slide47

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Teste de tinta

Procedimentos da avaliação do teste de tinta.

Fonte: Tetra Pack, 2001.

Penetração da tinta no papel = não hermético

slide48

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Teste de tinta

- Interpretação

Resultados do teste de tinta.

Fonte: Tetra Pack, 2001.

slide49

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Zonas de calor e “arranhões” na parte interna da embalagem

- Zona de calor = zoonoscópio

Caloria aplicada na selagem

Forte ou fraco e alinhamento da mesma

- Arranhões Calor (alumínio);

Pressão dos rolos.

slide50

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Zonas de calor e “arranhões” na parte interna da embalagem

Procedimento de desdobramento das abas, corte de 1mm e caixa aberta.

Fonte: Tetra Pack, 2001.

slide51

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Análise de grumos (cristalização)

- Verificar a existência de grumos

transversal

- Indução eletromagnética

Impacto sobre o polietileno (cristais) =

Selagem frágil

slide52

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Análise de grumos (cristalização)

Análise de grumos

Fonte: Tetra Pack, 2001.

slide53

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Selagem transversal

- Verificar a qualidade da selagem transversal

2 embalagens

- Ruptura nas camadas (hermética)

- Alumínio fosco nos 2 lados

Temperatura;

Funcionário UHT.

slide54

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Selagem transversal

Análise da selagem transversal.

Fonte: Tetra Pack, 2001.

slide55

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Selagem longitudinal

- Verificar a qualidade da selagem longitudinal

1 embalagem

- Ruptura nas camadas (hermética)

Temperatura

Funcionário UHT

- Somente a fita

slide56

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Selagem longitudinal

Análise da selagem longitudinal.

Fonte: Tetra Pack, 2001.

slide57

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Teste de tinta no canal de ar

- Verificar a existência de microcanais na selagem longitudinal

1 embalagem

- Linha retilínea e uniforme (hermética)

Temperatura

Funcionário UHT

- Ramificações ou vazamentos

slide58

Atividades desenvolvidas

Hermeticidade das embalagens Tetra Pack

  • Teste de tinta no canal de ar

Teste de tinta no canal de ar .

Fonte: Tetra Pack, 2001.

slide59

Atividades desenvolvidas

Liberação do leite UHT

  • Processamento

Análise m.o, físico-química e sensoriais

Amostragem

Liberação

=

Riscos ao consumidor

Funcionários C.Q e estagiário

slide60

Atividades desenvolvidas

Liberação do leite UHT

  • Amostragem

Pequena parte de um conjunto

estimativa

Conclusões sobre o leite inspecionado

Dirigida (estagiário);

  • Amostragem

Aleatória.

slide61

Atividades desenvolvidas

Liberação do leite UHT

  • Amostragem dirigida

ordem para que sejam retiradas

Duas amostras por lote ( 10 minutos)

Acidez, precipitação, homogeneização e sensorial (C.Q)

slide62

Atividades desenvolvidas

Liberação do leite UHT

  • Liberação

Armazenamento estufa 38°C/ 6 dias

Efeitos: - tratamento térmico inadequado;

- enzimas termoresistentes (m.o psicotróficos).

  • Armazenamento

T°C

reações biológicas

38°C mesófilos maiores problemas para a segurança dos alimentos

slide63

Atividades desenvolvidas

Liberação do leite UHT

  • Análise de acidez (Dornic) do leite UHT

- Estado de conservação

Leite 14- 18°D , 1,4 a 1,8g de ác. Lático por L de leite

- Acidez

= acidificação pelo desdobramento da lactose em ác. lático

m.o

slide64

Atividades desenvolvidas

Liberação do leite UHT

  • Análise de acidez (Dornic) do leite UHT

- Transferir 10 mL de leite (béquer);

  • 3 gotas indicador fenolftaleína;
  • Titular com NaOH;
  • Béquer sob agitação;
  • Coloração rósea.

Verificar o quanto gastou

slide65

Atividades desenvolvidas

Liberação do leite UHT

  • Análise de homogeneização do leite UHT

- Homogeneização eficiente

(homogeneizador – glóbulos pequenos de gordura)

Gordura

Gravidade (repouso)

Densidade

slide66

Atividades desenvolvidas

Liberação do leite UHT

  • Análise de homogeneização do leite UHT
  • Abrir a parte superior da caixa;
  • Verificar as laterais internas.

Presença de nata

Desempenho do homogeneizador

slide67

Atividades desenvolvidas

Liberação do leite UHT

  • Análise de precipitação do leite UHT
  • Leite com boa aparência
  • Aplicação de medidas higiênicas obtenção, manipulação e transporte.

Bactérias psicotróficas

slide68

Atividades desenvolvidas

Liberação do leite UHT

  • Análise de precipitação do leite UHT
  • Bactérias psicotróficas (pseudomonas)

enzimas extracelulares (lipases e proteases)

leite cru sob refrigeração

extremamente termoestáveis 100X + do que os esporos B. Stearothermophilus

  • Enzimas produzidas

ativas após tratamento UHT

slide69

Atividades desenvolvidas

Liberação do leite UHT

  • Análise de precipitação do leite UHT
  • Descarta-se o leite;
  • Verifica-se no interior da embalagem e existência de grumos (gel esbranquiçado).

OBS: Análise

Leite em pó

Funcionário setor C.Q – responsável técnico

slide70

Conclusão

  • Vivência e rotina da indústria, associando a teoria com prática (aplicação de conhecimentos);
  • Convivência diária com profissionais (relações humanas no ambiente de trabalho);
  • Crescimento profissional.
slide71

Referências

BRASIL, Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Portaria n° 370, de 04 de setembro de 1997. Regulamento técnico de identidade e qualidade do leite UAT (UHT). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Seção I, p. 19700.

BRAZIL, E. V. Leite Natural: Aspectos tecnológicos do leite UHT. Salvador: Centro editorial e didático da UFBA, 1979. 57, 468p.

COSULATI: Disponível no site: http://www.cosulati.com.br acesso em 24 de setembro de 2008.

MOREIRA, J. M. B. Controle de Qualidade na Indústria alimentar/ A concepção moderna. A concepção Moderna. Brasília: SAS Q. 2, 1985. 25, 111p.

ORDÓÑEZ, J. A. Tecnologia de Alimentos, Alimentos de Origem Animal. Vol. 2. Porto Alegre: Artmed, 2005. 49-50, 53-54p.

TETRA PACK. Manual de Operação: Tetra Brick Aseptic TBA 8. Edição 2001-2002.