A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO . - PowerPoint PPT Presentation

nydia
a sociedade da informa o n.
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO . PowerPoint Presentation
Download Presentation
A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO .

play fullscreen
1 / 64
Download Presentation
A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO .
87 Views
Download Presentation

A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO .

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. A SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. A SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

  2. NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. # As informações são o principal patrimônio de uma Organização. # As informações estão sob constante risco. # Uma Estrutura de Segurança deve ser criada e implementada de acordo com as condições da Organização. # Todos na Organização devem estar compromissados e fazendo parte da Estrutura de Segurança.

  3. POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES. # ANTES RESPONDER ÀS SEGUINTES QUESTÕES: • O que se quer proteger? • Contra que ou quem? • Quais são as ameaças mais prováveis? • Qual a importância de cada recurso? • Qual o grau de proteção desejado? • Quanto tempo se pretende gastar com esse sistema de segurança a ser criado e implementado? • Quais as expectativas dos usuários e clientes em relação à segurança de informações? • Quais as conseqüências para a Organização se houver falha de segurança de informação?

  4. OBJETIVOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. • Confidencialidade ou Privacidade: proteger as informações contra acesso de qualquer pessoa de lê-las ou copiá-las, que não seja explicitamente autorizada pela Organização. • Integridade de Dados: proteger as informações(dados,programas,documentação,registros,trabalhos,campanhas,planejamentos,criações,comerciais,catálogos,produção gráfica,vídeos,etc.) de serem apagadas ou alteradas sem a permissão da Organização.

  5. OBJETIVOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. • Disponibilidade:proteger os serviços de informática de tal forma que não sejam degradados ou tornados indisponíveis,ou seja quando um usuário autorizado quer acessar a informação e não está disponível por algum motivo (manutenção,sistema de telecomunicações sobrecarregado,falhas no sistema a ser acessado,etc.) • Consistência: proteger – se(percebendo) de que software ou hardware passam a se comportar de maneira diferente da usual,avise imediatamente o responsável.Isso acontece após alteração de software ou hardware.Certifique-se de que o sistema atua de acordo com as expectativas dos usuários autorizados.

  6. OBJETIVOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. • Isolamento ou uso legítimo – regular o acesso ao sistema:proteger do acesso não autorizado é necessário identificar quem acessou e certificar-se de que nada de importante do sistema foi adulterado ou apagado.As medidas corretivas após uma invasão provavelmente vão envolver tempo e muito recurso financeiro para a análise do sistema e sua reconstrução ou recuperação,se for o caso. • Confiabilidade: proteger mesmo em condições adversas que o sistema atuará conforme o esperado.Exemplos:sistema de controle de tráfego aéreo, de trens, atracamento de embarcações no porto, de energia elétrica ou nuclear,etc.,pois envolve vidas.

  7. OBJETIVOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. • Auditoria: proteger os sistemas contra erros e atos maliciosos cometidos por usuários autorizados.A identificação dos autores e suas ações se verifica pela utilização de trilhas de auditorias e logs, que registram tudo que foi executado por quem ou que no sistema e quando aconteceu.

  8. Exemplos. P: Para um sistema militar de segurança nacional o que é prioritário ter no sistema de segurança de informação? R: A Confiabilidade ou Privacidade pois as informações são confidenciais,sendo a Disponibilidade o objetivo menos importante. P: Para um sistema bancário que é prioritário ter no sistema de segurança de informação? R: No sistema bancário a Integridade e Auditoria são os aspectos mais importantes seguidos da Privacidade e Disponibilidade. Assim,um sistema que não contém dados confidencias,mas precisa estar disponível 24 horas por dia, não requer privacidade de dados, mas sim alta disponibilidade. Na maioria dos sistemas é dada maior ênfase a Disponibilidade e Integridade.

  9. COMPROMENTIMENTO DA GERÊNCIA SUPERIOR. • A Política de Segurança de Informações, deve ter total apoio da alta gerência, a qual deve se comprometer a implantá-la. Esse comprometimento é normalmente expresso em documento formal onde constam: # As Políticas de Segurança da Informação ; # Como os Objetivos da PSI se encaixam ao contexto dos objetivos estratégicos e de negócios da organização como um todo. Notas: 1) Como toda política,deve ser clara e objetiva, concentrando em princípios, deixando os detalhes para outros documentos mais específicos, os quais deverão ser formalizados. 2) A política é o primeiro documento de muitos outros documentos com informações cada vez mais detalhadas sobre procedimentos e padrões a serem aplicados em cada organização.

  10. LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E INSTIT. PADRONIZADORAS. • Projetos Legislativos visam tratar do assunto sob o aspecto legal, protegendo os direitos da sociedade em relação a suas informações e prevendo sanções legais aos infratores. • Os Padrões de Segurança são estudados, pesquisados por empresas especializadas e convidadas a participar de grupos de trabalho a serviço da ABNT – Associação Brasileiras de Normas Técnicas que procuram seguir os padrões internacionais, para que possa haver similaridades entre as legislações de países diferentes.

  11. LEGISLAÇÃO BRASILEIRA.(algumas leis e decreto) Visando a Segurança da Informação,a LEGISLAÇÃO BRASILEIRA crioualguns dispositivos legais: # Projeto de lei do Senador Renan Calheiros, de 2000 – define e tipifica os delitos informáticos. # Lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998 – altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais. # Lei nº 9.296, de 24 de julho de 1996 – regulamenta o inciso XII, parte final, do art. 5º, da Constituição Federal. O disposto nessa lei aplica-se a interceptação do fluxo de comunicações em sistemas de informática e telemática. # Projeto de Lei da Câmara dos Deputados nº 1.713, de 1966 – dispõe sobre o acesso, a responsabilidade e os crimes cometidos nas redes integradas de computadores. # Decreto nº 79.099, de 06 de janeiro de 1977 – aprova o regulamento para salvaguarda de assuntos sigilosos.

  12. INSTITUIÇÃO PADRONIZADA NACIONAL. • Nacional: ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Padrõesa serem seguidospor produtos e serviços de várias áreas, inclusive segurança de informações. Essas padronizações abragem: algoritmos de criptografia, técnicas de criptográficas, gerência de senhas, controle de acesso para segurança física de instalações de processamento de dados, critérios de segurança física relativos ao armazenamento de dados, a microcomputadores e terminais, além de normas de segurança física e ambiental (inclusive de combate a incêndios ) .

  13. INSTITUIÇÃO PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL. • INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION ( ISO ). • INTERNATIONAL ELECTROTECHNICAL COMISSION ( IEC ). • INTERNAT. TELECOMMUNICATIONS UNION ( ITU ). • COMITÉ EUROPÉEN DE NORMALISATION (CEN ). • E .... OUTROS.

  14. ORANGE BOOK DO NCSC (NAT. COMPUT. SECURITY CENTER). • O OBJETIVO É A CLASSIFICAÇÃO BASEADA NAS CARACTERÍSTICAS DE SEGURANÇA DEFINIDAS NO PROJETO DOS SISTEMAS COMPUTACIONAIS OU SEJA, CADA NÍVEL SUPERIOR DE SEGURANÇA DEVE IMPLEMENTAR TODOS OS REQUESITOS ESPECIFICADOS PARA OS NÍVEIS INFERIORES E DIVIDÍ-LOS PORCLASSES.

  15. CLASSES QUE ESTÃO NO LIVRO ‘’ORANGE BOOK’’. • CLASSE A: PROCESSOS RÍGIDOS DE PROJETO,CONTROLE E VERIFICAÇÃO. • CLASSE B3: NÍVEL DE DOMÍNIO DE SEGURANÇA. • CLASSE B2: PROTEÇ. ESTRUTURADA. • CLASSE B1: RÓTULOS DE SEGURANÇA ( USUÁRIO, PROCESSO, ARQUIVO OU DISPOSITIVO).

  16. CLASSES QUE ESTÃO NO LIVRO ‘’ORANGE BOOK’’. • CLASSE C2: PROTEÇ. COM CONTROLE DE ACESSO ( LISTAS DE CONTROLE DE ACESSO E MÓDULOS ELEMENTARES DE AUDITORIA). • CLASSE C1: PROT. DISCRICIONÁRIA (AUTENTICAÇÃO DE USUÁRIOS POR MEIO DE SENHAS E PERMISSÕES DE ACESSO A ARQUIVOS E DIRETÓRIOS). • CLASSE D1: PROT. MÍNIMA (OS SOFTWARES NÃO SÃO CONSIDERADOS SEGUROS).

  17. RED BOOK DA NCSC. • INTERPRETA O “ORANGE BOOK” CRIANDO OUTROS PADRÕES PARA O AMBIENTE CLIENTE - SERVIDOR. • A SEGURANÇA DE INFORMAÇÕES ESTÁ ASSOCIADA A AUDITORIA. NO BRASIL É O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO - TCU , NOS ESTADOS UNIDOS É O GENERAL AUDIT OFFICE – GAO, NO REINO UNIDO É O NATIONAL AUDIT OFFICE – NAO, ETC. • TREINAMENTOS E CERTIFICAÇÃO DE AUDITORES: SUPERIOR AUDIT INSTITUTIONS – SAI OU ENTIDADES FISCALIZADORAS SUPERIORES – EFS.

  18. PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DA POLÍTICA DE SEGURANÇA. AS PRINCIPAIS FASES DO LEVANTAMENTO DE DADOS DO PROCESSO: # IDENTIFICAÇÃO DOS RECURSOS. QUAIS DELES SÃO CRÍTICOS? # AS INFORMAÇÕES ESTÃO CLASSIFICADAS? A CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO SE FAZ POR VAI MANUSEÁ-LA: a) de uso público; b) de uso interno; c) de uso confidencial; d) de uso secreto. # DEFINIR QUAIS OBJETIVOS DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO ( SÃO 7 ) SE QUER ATINGIR? # QUAIS AS PRINCIPAIS AMEAÇAS, RISCOS, IMPACTOS SE QUALQUER DOS OBJETIVOS DE SEGURANÇA FOR ATINGIDO?

  19. CONTINUAÇÃO PROC. DE IMPLANT. DA POLÍT. DE SEGUR. # ELABORAÇÃO DE PROPOSTA POLÍTICA. # DISCUSSÕES ABERTAS COM OS ENVOLVIDOS. # APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTO FORMAL À GERÊNCIA SUPERIOR. # APROVAÇÃO. # ASSINATURA DO CONTRATO DE PREST. SERV # IMPLEMENTAÇÃO. # AVALIAÇÃO DA POLÍTICA E IDENTIFICAÇÃO DAS MUDANÇAS NECESSÁRIAS. # REVISÕES.

  20. IDENTIFICANDO OS RECURSOS SOB RISCO. • HARDWARE – As MáquinasProcessadores,placas,teclados, terminais,estações de trabalho, computadores pessoais,impressoras, unidades de disco, linhas de comunicação, servidores, roteadores. * SOFTWARE– Os Programas Programas de comunicação,programas diagnóstico,sistemas operacionais, aplicativos ( “Coral Draw ,Page Maker, etc.”), utilitários. * DADOS– O que está digitando,o que vai armazenar Em processamento, em trânsito nos dispositivos e linhas de comunicação, armazenados “on line e off line, backups “,logaritmos de auditoria, base de dados.

  21. IDENTIFICANDO OS RECURSOS SOB RISCO ( CONTINUAÇÃO). * PESSOAS – Usuários e funcionários necessários para funcionamento operacional dos sistemas. * DOCUMENTAÇÃO – A respeito da doc. dos programas(softwares), máquinas( hardwares), sistemas, normas, procedimentos administrativos. * SUPRIMENTOS( SUPORTE) - Papel,formulários,fitas,disquetes,CD – ROMs,Pens Drives e outras tecnologias.

  22. CLASSIFICAÇÃO DAS INFORMAÇÕES. Diferentes tipos de informação devem ser protegidos de diferentes maneiras. Como toda informação tem um dono (proprietário), nada mais acertado do que ele ser o responsável pela classificação da informação. A classificação mais comum da info. divide-se em 4(quatro) níveis.

  23. OS 4 NÍVEIS DA CLASSIFIC. DAS INFORMAÇÕES. * PÚBLICAS OU DE USO IRRESTRITO – As informações e os sistemas assim classificados podem ser divulgados a qualquer um sem que haja implicações para a Instituição. Exemplos: serviços públicos em geral,informações divulgadas à imprensa ou a Internet. * INTERNAS OU DE USO INTERNO – As informações e os sistemas assim classificados não devem sair da Instituição.Porém, se isso ocorrer, as conseqüências não serão críticas.Exemplos: serviços de informação interna ou documentos de trabalho corriqueiros que só interressam aos funcionários.

  24. OS 4 NÍVEIS DA CLASSIFIC. DAS INFORMAÇÕES (CONT.). * CONFIDENCIAIS – As informações e os sistemas são tratados como confidenciais dentro da Instituição e protegidos contra o acesso externo.Os usuários só podem acessá-los se os dados e os sistemas forem fundamentais para a execução de suas funções na Instituição.O acesso não autorizado a esses dados e sistemas pode comprometer o funcionamento da Instituição,causar danos financeiros ou perdas de fatias de mercado para a concorrência.Exemplos: dados pessoais de clientes e funcionários,senhas,informações sobre a vulnerabilidade de segurança dos sistemas institucionais,contratos, ,balanços,etc.

  25. OS 4 NÍVEIS DA CLASSIFIC. DAS INFORMAÇÕES (CONT.). • SECRETAS – O acesso interno ou externo de pessoas não autorizadas a esse tipo de informação é extremamente crítico para a Instituição. É imprescindível que o número de pessoas autorizadas seja muito restrito e o controle sobre o uso dessas info seja total.Exemplos:dados militares e de segurança nacional.

  26. CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Os sistemas de informação são divididas em 4 camadas cada uma com controle de níveis diferentes. APLICATIVOS – Programas aplicativos projetados para atender a necessidades específicas do usuário. SERVIÇOS – Utilizados pelos aplicativos.Exemplo: os serviços prestados por um SGBD(Sistema Gerenciador de Banco de Dados). SISTEMA OPERACIONAL – Presta serviços de mais baixo nível.Exemplo: GIA(Gerenciamento de Impressoras e Arquivos). HARDWARE – O processador e a memória que suportam o sistema operacional. Nota: Cada camada deve ser analisada individualmente em termos de segurança, configurada e monitorada de forma compatível com o nível de segurança definido.Com isso,será mais fácil estabelecer medidas de segurança mais efetivas.

  27. ANALISANDO RISCOS. PERDAS DE RECURSOS E/OU PROBABILIDADES DE: AMEAÇAS,ATAQUES,VULNERABILIDADESE/OU IMPACTOS=====> RISCOS. OBS. Os RISCOS podem ser minimizados(reduzidos), pois na prática é impossível eliminá-los totalmente.

  28. ALGUMAS DEFINIÇÕES TÉCNICAS Recurso computacional – hardware,software e banco de dados(informação). Ameaça – evento ou atitude indesejável (roubo,incêndio,vírus,etc)que potencialmente remove, desabilita, danifica ou destrói um recurso. Vulnerabilidade– fraqueza ou deficiência que pode ser explorada por uma ameaça.Pode ser associada à probabilidade da ameaça ocorrer.

  29. ALGUMAS DEFINIÇÕES TÉCNICAS. Ataque - ameaça concretizada. Impacto - conseqüência de uma vulnerabilidade. do sistema ter sido explorada por uma ameaça.É o resultado da concretização de uma ameaça. Probabilidade – chance de uma ameaça atacar com sucesso o sistema computacional. Risco- medida de exposição a qual o sistema computacional está sujeito.Depende da probabilidade de uma ameaça atacar o sistema e do impacto resultante deste ataque.Nesse contexto,o risco envolve três componentes: ameaças,vulnerabilidades associadas e impactos.

  30. ANALISANDO RISCOS. • OBJETIVOS: Procurar medir o quanto de probabilidade existe de uma ameaçaocorrer, identificando-a e analisando-a; Procurar medir quais e quantas são as possíveis vulnerabilidades do sistema de informação, identificando-as e analisando-as; Procuraravaliar os impactos causados em determinado ambiente,de forma adotar medidas apropriadas,eficazes e rápidas,tanto às necessidades de negócio da instituição,ao proteger seus recursos de informação, quanto aos usuários que precisam utilizar esses recursos, levando em consideração justificativas de custos,nível de proteção e facilidade de uso. Nota: a ANÁLISE DERISCOS : traduzida em termos qualitat.,atendendo às necessidades de negócios e dos usuários,e quantitativos,garantindo que as medidas preventivas e corretivas não custem mais do que o próprio recurso protegido,no contexto patrimonial e de continuidade dos negócios.

  31. AMEAÇAS FUNDAMENTAIS. # VAZAMENTO DE INFORMAÇÕES: Involutário– falha de hardware,desastre naturais, mensagem enviada a endereço incorreto, erros de programação, erros do usuário(desconhecimentos: hierarquia, procedimentos,valores,etc.), bugs de software,etc. Voluntário – roubo, espionagem, fraude, sabotagem,invasão de hackers,etc.

  32. AMEAÇAS FUNDAMENTAIS. # VIOLAÇÃO DE INTEGRIDADE: Comprometimento da consistência dos dados ou do sistema. # INDISPONIBILIDADE DE SERVIÇOS DE INFORMÁTICA: Impedimento deliberado de acesso aos recursos computacionais por usuários autorizados. # ACESSO E USO NÃO AUTORIZADO: Um recurso computac. é utilizado por pessoa não autorizada ou de forma não autorizada.

  33. OUTROS TIPOS DE AMEAÇAS. Existem outros tipos de ameaças que,ao se efetivarem em um ataque, permitem a realização de uma ou mais das AMEAÇAS FUNDAMENTAIS. # MASCARAMENTO: Uma entidade (pessoa ou programa) se faz passar por outra entidade. # DESVIO DE CONTROLES(BYPASS): Um hacker, por exemplo, explora falhas do sistema e vulnerabilidades de segurança burlando os controles para obter direitos de acesso não autorizados. # VIOLAÇÃO AUTORIZADA: Um usuário ou programa autorizado usa o sistema com propósitos não autorizados. # AMEAÇAS PROGRAMADAS: Códigos de software que se alojam no sistema com o intuito de comprometer sua segurança, alterando ou destruindo dados ou sistemas.

  34. LEMBRETES: a combinação das duas análises compõe a A.R. # AMEAÇApode ser uma pessoa,uma coisa, um evento ou uma idéia capaz de causar dano a um recurso, atingindo um ou mais dos sete objetivos (ética,confiabilidade, integridade,disponibilidade, ... ). # As AMEAÇAS exploram as vulnerabilidades ou fragilidades do sistema de informações para causar impactos. # A ANÁLISE DE AMEAÇAS E VUNERABILIDADES tenta definir a PROBABILIDADE de ocorrência de cada evento adverso e as conseqüências da quebra da segurança da informação. # A ANÁLISE DE IMPACTOS identifica os recursos críticos do sistema,aqueles que mais sofrerão impactos na ocorrência de quebra de segurança.

  35. BUGS DE SOFTWARE. # Os computadores são projetados para executar instruções.Algumas vezes essas instruções podem causar danos acidentais ou não, quando isso ocorre temos o código BUG de Software acionado.O BUG de Software é talvez a causa mais comum de comportamento imprevisível dos programas. # A maioria dos BUGS são causados por: - erros de projeto; - erros de programação; - falha de segurança. Conseqüências mais comum: - o computador para; - o aplicativo entra em “loop”; - o arquivo foi corrompido,etc.

  36. OUTROS BUGS DE SOFTWARE (MAIS PREOCUPANTES). # Aqueles propositalmente codificados pelos projetistas para facilitar a depuração do programa.Esses BUGS projetados são conhecidos como “BACKS DOORS”. # “BACK DOOR” é uma AMEAÇAprogramada que permite acesso não autorizado ao sistema ou aplicativo,sem ter que passar pelo processo normal de autenticar.

  37. AMEAÇAS PROGRAMADAS. # Os programas passam a rodar diferente do esperado,não por acidente,mas pela execução de códigos gerados com o intuito de danificar ou adulterar o comportamento normal dos softwares. Esses códigos são chamados de AMEAÇAS PROGRAMADAS, hoje mais conhecidos por VÍRUS,WORMS, BACTÉRIAS, BACK DOORS E BOMBAS LÓGICAS, publicamente todos são chamados de VÍRUS.

  38. DIFERENTES NOMES PARA AMEAÇAS PROGRAMADAS #Virus – pequenos programas projetados para se replicarem e se espalharem de um computador para outro,atacando programas ou setor de boot de um disco rígido. Quando um programa é executado, devido as suas seqüências de códigos, os programas de vírus também o são. Os mais comuns mecanismo de ativação de programas de vírus são: * evento ou data; * enviar dados ; * apagar arquivo ; * anexar arquivo, etc Enfim, funções básicas comuns do dia a dia.

  39. DIFERENTES NOMES PARA AMEAÇAS PROGRAMADAS #Worms– programas que se propagamde um computador para outro em uma rede, sem necessariamente modificar programas nas máquinas destino. São programas que podem rodar independentemente e trafegam de uma máquina a outra por meio das conexões de rede, podendo ter pedaços de si mesmos rodando em várias máquinas.

  40. DIFERENTES NOMES PARA AMEAÇAS PROGRAMADAS # Bactéria(coelhos) –programa que gera cópia de si mesmo com o intuito de sobrecarregar um sistema de um computador. As bactérias são programas que não causam explicitamente danos aos arquivos. Seu único propósito é a sua replicação. Essa reprodução de bactérias é exponencial, provavelmente vai assumir toda a capacidade do processador, da memória ou do espaço em disco, impedindo o acesso de usuários autorizados a esses recursos.

  41. DIFERENTES NOMES PARA AMEAÇAS PROGRAMADAS. # Bomba Lógica – Ameaça programada, camuflada em programas, é ativada quando certas condições são satisfeitas. As bombas lógicas permanecem dormentes, ou inativas, em softwares de uso comum por longo período de tempo até que sejam ativadas.Quando isso ocorre,executam funções que alteram o comportamento do software do “hospedeiro”. As condições ativadoras de bombas relógios mais comuns são: * um dia da semana ou do ano; * presença ou ausência de certos arquivos: rodando em determinados aplicativos, etc. Uma vez ativada, a bomba lógica pode destruir ou alterar dados ,arquivos,travar o computador ou danificar o sistema.

  42. DIFERENTES NOMES PARA AMEAÇAS PROGRAMADAS. # Cavalo de Tróia – programa que parece ter uma função mas que na realidade,executa outras funções. Enquanto o programa parece estar rodando um jogo,uma planilha eletrônica, um editor de texto,etc.,está também apagando arquivos reformatando discos ou alterando dados. Tudo que o usuário vê é apenas a interface adulterada do programa que ele queria utilizar.Normalmente os cavalos de Tróia são utilizados como veículos para vírus,worms e outras ameaças programadas.

  43. TIPOS DE VÍRUS. # Vírus de setor de boot. – O setor de boot de um disco, seja disquete, disco rígido ou pen-drive, contém todos os dados que o computador precisa para dar boot e carregar o sistema operacional, isto é : a parte do disco utilizada para ativar o computador.Se um disquete infectado(códigos que ativam outros códigos que executam funções indesejadas) estiver no drive A quando o computador for ligado,o setor de boot do disquete é automaticamente acessado, já que o computador espera encontrar nele as informações necessárias para sua ativação consequentemente ficará com algum programa infectado.

  44. TIPOS DE VÍRUS. #VírusParasitas:utilizam arquivos executáveis como hospedeiros, inserindo, logo no início desses arquivos, instruções de desvio para o código de vírus. Após infectar outros arquivos no disco rígido, o vírus retorna o controle para o programa hospedeiro, o qual é executado como se nada de errado estivesse acontecendo. A cada vez que o hospedeiro é executado, há uma nova replicação do vírus.

  45. TIPOS DE VÍRUS. # Vírus camuflados – Os projetistas de vírus, com o intuito de garantir que suas criações não fossem detectadas antes se espalharem pelo computador, criaram uma nova categoria: os vírus camuflados.Esse tipo de vírus suprime as mensagens de erro que normalmente aparecem quando ocorrem tentativas de execução de atividades não autorizadas.Para não serem detectados facilmente pelos softwares anti-vírus, os softwares mais sofisticados utilizam ainda criptografia para não serem identificados.

  46. TIPOS DE VÍRUS. # Vírus poli - mórficos – são vírus mais poderosos, pois são projetados para enganar os softwares anti-vírus, alterando seu tamanho e aparência cada vez que infectam um novo programa. A aparência desses vírus pode ser modificada por sub- divisão em varias partes ou armazenamento sob a forma criptografada. Já existem programas que podem ser adicionados ou anexados a um vírus para torná-lo poli -mórfico, habilitando-o a uma mutação a cada reprodução.

  47. TIPOS DE VÍRUS. # Vírus de macro – Com a inserção de macros com as mesmas funções de um vírus, a simples carga de um documento infectado é suficiente para ativar o vírus. Documentos que não são executáveis (arquivos de dados que não contém vírus), quando são inseridos macros ficam vulneráveis, mesmo com pequenos programas. Só não são infectados os arquivos sem macros ou outro programa qualquer.

  48. SOFTWARES ANTI-VÍRUS. # Softwares anti-vírus: são um tipo de ferramenta de controle de integridade dos sistemas,com o objetivo de protegê-los contra ameaças programadas mais conhecidas como vírus.Sua estratégia envolve 3(três) etapas,nessa ordem: * prevenção,impedindo a atuação do vírus. * detecção,identificando a presença do vírus. * reação,removendo o vírus.

  49. ANALISANDO IMPACTOS E CALCULANDO RISCOS. # A curto e longo prazo: função do tempo em que o impacto, causado por uma ameaça, permanece afetando os negócios da instituição. Assim, podemos classificar de 0 à 5. 0 - Impacto irrelevante. 1 - Efeito pouco significativo,sem afetar a maioria dos processos de negócios da instituição. 2 – Sistemas não disponíveis por um determinado período de tempo, podendo causar perda de credibilidade junto aos clientes e pequenas perdas financeiras

  50. ANALISANDO IMPACTOS E CALCULANDO RISCOS(CONT.) 3 – Perdas financeiras de maior vulto e perda de clientes para a concorrência. 4 – Efeitos desastrosos, porém sem comprometer a sobrevivência da instituição. 5 – Efeitos desastrosos, comprometendo a sobrevivência da instituição. Além do nível de impacto,podem ser definidos vários tipos de impactos intrinsecamente relacionados aos negócios da instituição que por isso mesmo, devem ser definidos pelas pessoas que mais os conhecem.