classifica o internacional das cefal ias 2 edi o ichd ii n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Classificação Internacional das Cefaléias 2ª Edição ICHD-II PowerPoint Presentation
Download Presentation
Classificação Internacional das Cefaléias 2ª Edição ICHD-II

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 77

Classificação Internacional das Cefaléias 2ª Edição ICHD-II - PowerPoint PPT Presentation


  • 133 Views
  • Uploaded on

Classificação Internacional das Cefaléias 2ª Edição ICHD-II. Tradução da Sociedade Brasileira de Cefaléia com autorização da Sociedade Internacional de Cefaléia. Histórico. Primeira edição publicada como:

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Classificação Internacional das Cefaléias 2ª Edição ICHD-II' - sandra_john


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
classifica o internacional das cefal ias 2 edi o ichd ii

Classificação Internacional das Cefaléias2ª EdiçãoICHD-II

Tradução da

Sociedade Brasileira de Cefaléia

com autorização da

Sociedade Internacional de Cefaléia

slide2

Histórico

Primeira edição publicada como:

Classificações e critérios diagnósticos das cefaléias, neuralgias cranianas e dores faciais. Cephalalgia 1988; 8 (Suppl 7): 1-96

slide3

Histórico

  • Revisão antecipada após 5 anos, mas:
    • - Relativamente poucas críticas à primeira versão
    • - Pesquisa nosográfica surgiu vagarosamente
    • - A divulgação eletrônica e a tradução para aproximadamente 20 línguas levou mais tempo que o esperado
  • A segunda edição surgiu após aproximadamente 10 anos de acúmulo de conhecimento epidemiológico e nosográfico
  • Processo de revisão começou em 1999
slide4

Bases

  • Classificação única para todos os propósitos
  • Compreensível
  • Baseada em evidências tanto quanto possível
  • Baseada em sintomas, no caso das cefaléias primárias; baseada em etiologiapara as cefaléias secundárias
  • Sem ambigüidade
    • termos tais quais “às vezes”, “com freqüência” e
    • “usualmente” são evitados
  • Especificidade prevalece sobre sensibilidade
  • Códigos separados para casos “prováveis”
slide5

Sistema

  • Hierárquico (da 1ª edição)
    • Grupo principal (1º dígito)
      • tipos (2º dígito)
        • subtipos (3º dígito)
          • subformas (4º dígito)
  • Fenomenológico
    • Cada cefaléia presente no paciente (durante o último ano)
    • está codificada separadamente
slide6

Regras Gerais

  • 1. Cada tipo distinto de cefaléia que o paciente relata deve ser, separadamente, diagnosticado e codificado
    • Ex.: Um paciente gravemente acometido pode receber vários diagnósticos diferentes: 1.1 Migrânea sem aura 2.2 Cefaléia tipo tensional episódica freqüente
    • 8.2 Cefaléia por uso excessivo de medicação

2. Quando um paciente recebe mais de um diagnóstico, eles devem ser listados de acordo com a importância relatada pelo paciente

slide7

Regras Gerais

  • 3. Se um tipo de cefaléia em um paciente preenche igualmente dois critérios diagnósticos explícitos, então todas as outras informações disponíveis precisarão ser usadas para decidir qual alternativa é a correta ou a que mais se aproxima daquele diagnóstico.
    • Isso pode incluir a história da cefaléia ao longo da vida do paciente (como a cefaléia começou?), a história familiar, o efeito das medicações, relação com menstruação, idade, sexo e uma gama de outros fatores.
slide8

Regras Gerais

4. Para que qualquer diagnóstico particular seja dado,

TODOS os critérios listados devem ser preenchidos

Categorias de diagnósticos prováveis existem para várias doenças para serem usados quando um único critério não é preenchido

  • 5. O preenchimento dos critérios diagnósticos para
  • Migrânea, Cefaléia do tipo tensional ou Cefaléia em salvas e outras cefaléias trigêmino-autonômicas, ou qualquer outro desses subtipos, sempre prevalece sobre o preenchimento de critérios para as categorias de diagnósticos prováveisde uma delas.
    • Ex.: um paciente que preencha critérios tanto para: 1.6 Migrânea provável e
    • 2.1 Cefaléia do tipo tensional episódica infreqüente, deve ser
    • codificado pela última.
slide9

Regras Gerais

6. Considerações devem sempre ser feitas devido à possibilidade de algumas crises de cefaléia preencherem um conjunto de critérios e outras crises preencherem outro conjunto de critérios

Nesses casos, dois diagnósticos existem e os dois devem ser anotados.

7. Quando há suspeita de que um paciente possui mais de um tipo de cefaléia, é altamente recomendado que se preencha o diário de dor, no qual, para cada episódio de cefaléia, as principais características da crise sejam anotadas

O diário permite um diagnóstico mais apurado, um julgamento mais preciso do consumo de medicação e ensina o paciente a melhor distinguir os tipos ou subtipos de cefaléia.

slide10

Estrutura

  • Um capítulo (1-13) por grupo principal:
  • Introdução
  • Tipos de cefaléia, subtipos, subformas com:
    • Termos usados previamente
    • Doenças relatadas porém codificadas em outro lugar
    • Descrições curtas
    • Critérios explícitos de diagnósticos
    • Notas e comentários
  • Bibliografia selecionada
slide11

Estrutura

  • Capítulo final (14) para:
  • Cefaléia não classificada em outro local
    • Entidades de cefaléia a serem descritas
  • Cefaléia não especificada
    • Cefaléias presentes mas não há informações disponíveis para classificação
slide12

Estrutura

Apêndice para:

Critérios de pesquisa para uma série de novas entidades que ainda não foram validadas por estudos científicos

Critérios alternativos de diagnósticos que podem ser preferíveis mas para os quais não existam evidências suficientes

Um primeiro passo para a eliminação de transtornos incluídos na 1ª edição para os quais não foram publicadas evidências suficientes

slide13

Classificação

Parte 1:Cefaléias Primárias

Parte 2:Cefaléias Secundárias

Parte 3: Neuralgias cranianas, dor facial primária ou central e outras cefaléias

slide14

Cefaléia Primária ou Secundária?

Primária:

Nenhum outro transtorno como causa

Secundária:(isto é, causada por outro transtorno):

Uma cefaléia nova em estreita relação temporal com outro transtorno passível de causar cefaléia.

Codificar como atribuído àquele transtorno(que substitui o termo anterior associado a)

slide15

Classificação

Parte 1: Cefaléias Primárias

1. Migrânea

2. Cefaléia do tipo tensional

3. Cefaléia em salvas e outras cefaléias

trigêmino-autonômicas

4. Outras cefaléias primárias

slide16

Classificação

  • Parte 2: Cefaléias Secundárias
    • 5. Cefaléia atribuída a trauma cefálico e/ou cervical
    • 6. Cefaléia atribuída a doença vascular craniana ou
    • cervical
    • 7. Cefaléia atribuída a transtorno intracraniano
    • não-vascular
    • 8. Cefaléia atribuída a uma substância ou a sua
    • retirada
    • 9. Cefaléia atribuída à infecção
slide17

Classificação

  • Parte 2: Cefaléias Secundárias
    • 10. Cefaléia atribuída a transtorno da homeostase
    • 11. Cefaléia ou dor facial atribuída a transtorno do
    • crânio, pescoço, olhos, ouvidos, nariz, seios da
    • face, dentes, boca ou outras estruturas faciais
    • ou cranianas
    • 12. Cefaléia atribuída a transtorno psiquiátrico
slide18

Classificação

  • Parte 3: Neuralgias cranianas, dor facial
  • primária e central e outras cefaléias
    • 13. Neuralgias cranianas e causas centrais de dor
    • facial
    • 14. Outras cefaléias, neuralgias cranianas e dor facial
    • primária ou central
slide19

Parte 1Cefaléias Primárias

1. Migrânea

2. Cefaléia do tipo tensional

3. Cefaléia em salvas e outras cefaléias

trigêmino-autonômicas

4. Outras cefaléias primárias

slide20

1. Migrânea

1.1 Migrânea sem aura

1.2 Migrânea com aura

1.3 Síndromes periódicas da infância

comumente precursoras de migrânea

1.4 Migrânea retiniana

1.5 Complicações da migrânea

1.6 Provável migrânea

slide21

1. MigrâneaReclassificação 1988-2004

1988

  • 1.1 Migrânea sem aura
  • 1.2 Migrânea com aura
  • 1.3 Síndromes periódicas da infância comumente precursoras de migrânea
  • 1.4 Migrânea retiniana
  • 1.5 Complicações da migrânea
  • 1.6 Transtorno migrânea-símile

2004

  • 1.1 Migrânea sem aura
  • 1.2 Migrânea com aura
  • 1.3 Síndromes periódicas da infância comumente precursoras de migrânea
  • 1.4 Migrânea retiniana
  • 1.5 Complicações da migrânea
  • 1.6 Provável migrânea
slide22

1.1 Migrânea sem aura

Critérios diagnósticos

A. Pelo menos 5 crises preenchendo os critérios de B a D

B. Cefaléia durando de 4 a 72 horas (sem tratamento ou com tratamento ineficaz)

C. A cefaléia preenche ao menos 2 das seguintes características:

1. localização unilateral

2. caráter pulsátil

3. intensidade moderada ou forte

4. exacerbada por ou levando o indivíduo a evitar atividades físicas rotineiras (por exemplo: caminhar ou subir escada)

D. Durante a cefaléia, pelo menos 1 dos seguintes:

1. náusea e/ou vômitos

2. fotofobia e fonofobia

E. Não atribuída a outro transtorno.

slide23

1.1 Migrânea sem auraNotas

  • Indivíduos que preenchem os critérios para a 1.1 Migrânea sem aura, mas tiveram menos do que cinco crises devem ser codificados como 1.6.1 Provável migrânea sem aura
  • Quando as crises ocorrem em 15 dias/mês durante mais de três meses, codificar como 1.1. Migrânea sem aura e como 1.5.1 Migrânea crônica.
  • Pulsátil significa latejante ou variando com os batimentos cardíacos.
  • Em crianças:
    • As crises podem durar de 1-72 horas
    • Cefaléia occipital é rara e exige maior cautela no diagnóstico
    • Em crianças menores, a fotofobia e a fonofobia devem ser inferidas através do
    • comportamento das mesmas.
slide24

“Não atribuída a outro transtorno”Nota

Para todas as cefaléias primárias, esse critério significa:

A história e os exames físico e neurológico não sugerem nenhum transtorno dentre os listados nos grupos de cinco a 12, ou a história e/ou os exames físico e/ou neurológico sugerem tal transtorno, mas este é excluído através de investigação apropriada, ou tal transtorno está presente, mas as crises não ocorrem pela primeira vez em estreita relação temporal com o transtorno.

slide25

1.2 Migrânea com aura

1.2.1 Aura típica com cefaléia migranosa

1.2.2 Aura típica com cefaléia não-migranosa

1.2.3 Aura típica sem cefaléia

1.2.4 Migrânea hemiplégica familiar (MHF)

1.2.5 Migrânea hemiplégica esporádica

1.2.6 Migrânea do tipo basilar

slide26

1.2 Migrânea com aura

Critérios diagnósticos

A. Pelo menos duas crises preenchendo o critério B

B. Aura de migrânea preenchendo os critérios B e C

para uma das subformas 1.2.1 a 1.2.6

C. Não atribuída a outro transtorno

slide27

1.2 Migrânea com aura

Sub-tipos recém-entrados na classificação

1.2.1 Aura típica com cefaléia migranosa

A maioria das auras migranosas associa-se à cefaléia que preenche os critérios para 1.1 Migrânea sem aura

1.2.2 Aura típica com cefaléia não-migranosa

Porém, ocasionalmente associa-se à cefaléia que não preenche os critérios para 1.1 Migrânea sem aura

1.2.3 Aura típica sem cefaléia ou mesmo, ocorre sem

cefaléia

slide28

1.2.1 Aura típica com cefaléia migranosa

Critérios diagnósticos

A. Pelo menos duas crises preenchendo os critérios de B a D

B. Aura consistindo em pelo menos um dos seguintes, mas sem nenhuma paresia:

1. Sintomas visuais completamente reversíveis, incluindo características positivas e/ou negativas

2. Sintomas sensitivos completamente reversíveis, incluindo características positivas e/ou negativas

3. Disfasia completamente reversível

slide29

1.2.1 Aura típica com cefaléia migranosa

C. Pelo menos dois dos seguintes:

1. Sintomas visuais homônimos e/ou sintomas sensitivos unilaterais

2. Pelo menos um sintoma de aura desenvolve-se gradualmente em ≥ 5 minutos e/ou diferentes sintomas de aura ocorrem em sucessão em ≥ 5 minutos

3. Cada sintoma dura ≥ 5 minutos e ≤ 60 minutos

D. Cefaléia preenchendo os critérios de B a D para 1.1 Migrânea sem aura começa durante a aura ou a sucede com intervalo de até 60 minutos

E. Não atribuída a outro transtorno

slide30

1.2.2 Aura típica com cefaléia não-migranosa

Critérios diagnósticos

O mesmo que 1.2.1, exceto:

D. Uma cefaléia que não preenche os critérios de B a D para 1.1 Migrânea sem aura começa durante a aura ou a sucede dentro de 60 minutos

slide31

1.2.3 Aura típica sem cefaléia

Critérios diagnósticos

O mesmo que 1.2.1, exceto:

D. Não ocorre cefaléia nem durante a aura nem dentro de 60 minutos após a mesma

slide32

1.2.4 Migrânea hemiplégica familiar (MHF)

Critérios diagnósticos

A. Pelo menos duas crises preenchendo os critérios de B e C

B. Aura consistindo em paresia totalmente reversível e ao menos um dos seguintes:

1. Sintomas visuais completamente reversíveis, incluindo

características positivas e/ou negativas

2. Sintomas sensitivos completamente reversíveis, incluindo

características positivas e/ou negativas

3. Disfasia completamente reversível

slide33

1.2.4 Migrânea hemiplégica familiar (MHF)

C. Pelo menos dois dos seguintes:

1. Pelo menos um sintoma de aura desenvolve-se gradualmente em ≥ 5 minutos e/ou diferentes sintomas de aura ocorrem em sucessão em ≥ 5 minutos

2. Cada sintoma de aura dura ≥ 5 minutos e ≤ 24 horas

3. Uma cefaléia que preenche os critérios de B a D para 1.1 Migrânea sem aura, inicia-se durante a aura ou dentro de 60 minutos do início da mesma

D. Ao menos um parente de primeiro ou segundo grau teve crises que preenchem os critérios de A a E

E. Não atribuída a outro transtorno

slide34

1.2.6 Migrânea do tipo basilar

Critérios diagnósticos

O mesmo que 1.2.1., exceto:

B. Aura consistindo em pelo menos dois dos seguintes sintomas totalmente reversíveis, mas sem paresia:

1. disartria; 2. vertigem; 3. zumbido; 4. hipoacusia

5. diplopia; 6. sintomas visuais ocorrendo simultaneamente nos campos temporal e nasal dos dois olhos; 7. ataxia; 8. diminuição no nível de consciência; 9. parestesias bilaterais simultâneas

C. Pelo menos um dos seguintes:

1. Pelo menos um sintoma de aura desenvolve-se gradualmente em ≥ 5 minutos e/ou diferentes sintomas de aura ocorrem em sucessão em ≥ 5 minutos

2. Cada sintoma de aura dura ≥ 5 minutos e ≤ 60 minutos

slide35

1.2.6 Migrânea do tipo basilar

Mudança de terminologia 1988-2004

1.2.6 Migrânea do tipo basilar foi previamente classificada como 1.2.4 migrânea basilar

A terminologia foi modificada pois há muito pouca evidência de que a artéria basilar ou, necessariamente, o território da artéria basilar, esteja envolvido

slide36

1.3 Síndromes periódicas da infância comumente precursoras de migrânea

1.3.1 Vômitos cíclicos

1.3.2 Migrânea abdominal

1.3.3 Vertigem paroxística benigna da infância

slide37

1.3.1 Vômitos cíclicos

Critérios diagnósticos

A. Pelo menos duas crises preenchendo os critérios de B e C

B. Crises estereotipadas para um mesmo paciente, de náusea intensa e/ou vômito durando de uma hora a cinco dias

C. Durante as crises, os vômitos ocorrem pelo menos quatro vezes por hora por pelo menos uma hora

D. Sem sintomas entre os ataques

E. Não atribuído a outro transtorno

slide38

1.3.2 Migrânea abdominal

Critérios diagnósticos

A. No mínimo cinco crises preenchendo os critérios de B a D

B. Crises de dor abdominal durando de 1 a 72 horas (se não tratadas ou tratadas sem sucesso)

C. A dor abdominal tem todas as seguintes características:

1. localização na linha média, periumbilical ou mal localizada

2. caráter em peso ou simplesmente dor

3. intensidade moderada ou forte

D. Durante a dor abdominal, ao menos dois dos seguintes:

1. anorexia

2. náusea

3. vômito

4. palidez

E. Não atribuída a outro transtorno

slide39

1.5 Complicações da migrânea

1.5.1 Migrânea crônica

1.5.2 Estado migranoso

1.5.3 Aura persistente sem infarto

1.5.4 Infarto migranoso

1.5.5 Crise epiléptica desencadeada por migrânea

slide40

1.5 Complicações da migrânea

Reclassificação 1988-2004

1988

1.6.1 Estado migranoso

1.6.2 Infarto migranoso

2004

1.5.1 Migrânea crônica

1.5.2 Estado migranoso

1.5.3 Aura persistente sem

infarto

1.5.4 Infarto migranoso

1.5.5 Crise epiléptica

desencadeada por

migrânea

slide41

1.5.1 Migrânea crônicaNova entrada para classificação

  • Critérios diagnósticos
  • Cefaléia preenchendo os critérios C e D para a 1.1 Migrânea sem aura em ≥ 15 dias por mês por > 3 meses
  • B. Não atribuída a outro transtorno
slide42

1.5.1 Migrânea crônicaNotas

  • Quando há uso excessivo de medicamento (i.e., preenchendo o critério B para qualquer uma das subformas de 8.2 Cefaléia por uso excessivo demedicação) esta é a causa mais provável dos sintomas crônicos
  • A regra é codificar tais pacientes de acordo com o subtipo de migrânea precedente mais 1.6.5 Provável migrânea crônica mais 8.2.7 Provável cefaléia por uso excessivo de medicação.
  • Quando estes critérios permanecem preenchidos dois meses após ter cessado o uso excessivo de medicamento, deve-se diagnosticar
  • 1.5.1 Migrânea crônica mais o subtipo de migrânea precedente e excluir 8.2.7
  • Provável cefaléia por uso excessivo de medicação.
  • Se, em qualquer momento, eles não forem mais preenchidos, por ter ocorrido uma melhora do quadro, codificar como 8.2 Cefaléia por uso excessivo de medicação mais o subtipo de migrânea precedente e excluir a 1.6.5 Provável migrânea crônica.
slide43

“Crônica”Notas

  • Na terminologia de dor, crônica refere-se à persistência por período superior a três meses.
  • Na terminologia das cefaléias, tal significado persiste para as cefaléias secundárias.
  • Para as cefaléias primárias, que mais freqüentemente são episódicas, (por exemplo, a migrânea), crônica refere-se quando a cefaléia esta presente em mais da metade dos dias em período superior a três meses.
    • as cefaléias trigêmino-autonômicas são exceção.
slide44

1.6 Provável Migrânea

1.6.1 Provável migrânea sem aura

1.6.2 Provável migrânea com aura

1.6.5 Provável migrânea crônica

slide45

1.6 Provável Migrânea

1.6.1 Provável migrânea sem aura

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo todos menos um dos critérios de A a D para 1.1 Migrânea sem aura

B. Não atribuível a outro transtorno

1.6.2 Provável migrânea com aura

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo todos menos um dos critérios de A a D para 1.2 Migrânea com aura ou suas subformas

B. Não atribuível a outros transtornos

slide46

1.6 Provável Migrânea

  • 1.6.5 Provável MigrâneaCrônica
    • Critérios diagnósticos
    • A. Cefaléia preenchendo os critérios C e D para 1.1 Migrânea sem aura em ≥ 15 dias por mês por > 3 meses
    • B. Não atribuída a outros transtornos, mas há, ou houve, nos últimos dois meses o uso excessivo de medicação que preenche o critério B para qualquer das subformas de 8.2 Cefaléia por uso excessivo de medicação
slide47

2. Cefaléia do tipo tensional (CTT)

2.1 Cefaléia do tipo tensional episódica infreqüente

2.2 Cefaléia do tipo tensional episódica freqüente

2.3 Cefaléia do tipo tensional crônica

2.4 Provável cefaléia do tipo tensional

slide48

CTT episódica infreqüente/freqüente Nova subdivisão 1988-2004

Por que esta nova subdivisão?

CTT episódica infreqüente acarreta pequeno impacto ao paciente e recebe pouca atenção da classe médica.

CTT episódica freqüente pode acarretar considerável diminuição das capacidades, por vezes demandando medicamentos caros e profilaxia.

slide49

2.1 Cefaléia do tipo tensional episódica infreqüente

Critérios diagnósticos

A. Pelo menos 10 crises ocorrendo em < 1 dia/mês em média (< 12 dias/ano) e preenchendo os critérios de B a D

B. Cefaléia durando de 30 minutos a sete dias

C. A cefaléia tem pelo menos duas das seguintes características:

1. localização bilateral

2. caráter em pressão/aperto (não pulsátil)

3. intensidade fraca ou moderada

4. não é agravada por atividade física rotineira como caminhar ou subir escadas

D. Ambos os seguintes:

1. ausência de náusea ou vômito (anorexia pode ocorrer)

2. fotofobia ou fonofobia (apenas uma delas pode estar presente)

E. Não atribuída a outro transtorno

slide50

2.1 Cefaléia do tipo tensional episódica infreqüente

2.1.1 Cefaléia do tipo tensional episódica infreqüente associada a

dolorimento pericraniano

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo os critérios de A a E para 2.1 Cefaléia do tipo tensional episódica infreqüente

B. Aumento da sensibilidade dolorosa pericraniana à palpação manual

2.1.2 Cefaléia do tipo tensional episódica infreqüente não-associada a

dolorimento pericraniano

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo os critérios de A a E para 2.1 Cefaléia do tipo tensional episódica infreqüente

B. Sem aumento da sensibilidade dolorosa pericraniana

slide51

2.2 Cefaléia do tipo tensional episódica freqüente

Critérios diagnósticos

O mesmo que 2.1., exceto:

A. Pelo menos dez crises que ocorrem em ≥ 1 dia, porém < 15 dias por mês durante pelo menos 3 meses (≥ 12 dias e <180 dias por ano) preenchendo os critérios de B a D

slide52

2.2 Cefaléia do tipo tensional episódica freqüente

2.2.1 Cefaléia do tipo tensional episódica freqüente associada a

dolorimento pericraniano

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo os critérios de A a E para 2.2 Cefaléia do tipo tensional episódica freqüente

B. Aumento da sensibilidade dolorosa pericraniana à palpação manual

2.2.2 Cefaléia do tipo tensional episódica freqüente não-associada

a dolorimento pericraniano

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo os critérios de A a E para 2.2 Cefaléia do tipo tensional episódica freqüente

B. Sem aumento da sensibilidade dolorosa pericraniana à palpação manual

slide53

2.3 Cefaléia do tipo tensional crônica

Critérios diagnósticos

A. Cefaléia que ocorre em ≥ 15 dias por mês, em média, por > três meses (≥ 180 dias por ano)1, e preenchendo os critérios de B a D

B. A cefaléia dura horas ou pode ser contínua

C. A cefaléia tem pelo menos duas das seguintes características:

1. localização bilateral

2. caráter em pressão/aperto (não pulsátil)

3. intensidade fraca ou moderada

4. não é agravada por atividade física rotineira como caminhar ou subir

escadas

D. Ambos os seguintes:

1. não mais do que um dos seguintes sintomas: fotofobia, fonofobia ou

náusea leve

2. nem náusea moderada ou intensa, nem vômitos

E. Não atribuída a outro transtorno

slide54

2.3 Cefaléia do tipo tensional crônica

2.3.1 Cefaléia do tipo tensional crônica associada a

dolorimento pericraniano

Critérios diagnósticos

A. Cefaléia preenchendo os critérios de A a E para 2.3. Cefaléia do tipo tensional crônica

B. Aumento da sensibilidade dolorosa pericraniana à palpação manual

2.3.2 Cefaléia do tipo tensional crônica não-associada a

dolorimento pericraniano

Critérios diagnósticos

A. Cefaléia preenchendo os critérios de A a E para 2.3. Cefaléia do tipo tensional crônica

B. Sem aumento da sensibilidade dolorosa pericraniana à palpação manual

slide55

2.4 Provável cefaléia do tipo tensional

2.4.1 Provável cefaléia do tipo tensional episódica

infreqüente

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo todos os critérios, exceto um, de A a D para 2.1 Cefaléia do tipo tensional episódica infreqüente

B. As crises não preenchem os critérios para 1.1 Migrânea sem aura.

C. Não atribuída a outro transtorno

slide56

2.4 Provável cefaléia do tipo tensional

2.4.2 Provável cefaléia do tipo tensional episódica freqüente

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo todos os critérios, exceto um, de A a D para 2.2

Cefaléia do tipo tensional episódica freqüente

B. As crises não preenchem os critérios para 1.1 Migrânea sem aura

C. Não atribuída a outro transtorno

2.4.3 Provável cefaléia do tipo tensional crônica

Critérios diagnósticos

O mesmo que 2.3., exceto:

E. Não atribuída a outro transtorno, mas há ou houve nos últimos dois meses o uso excessivo de medicação preenchendo o critério B para qualquer das subformas de 8.2 Cefaléia por uso excessivo de medicação.

slide57

3. Cefaléia em salvas e outras cefaléias trigêminoautonômicas

3.1 Cefaléia em salvas

3.2 Hemicrania paroxística

3.3 Cefaléia de curta duração, unilateral,

neuralgiforme com hiperemia

conjuntival e lacrimejamento (SUNCT)

3.4 Provável cefaléia trigêmino-autonômica

slide58

3.1 Cefaléia em salvas

Critérios diagnósticos

A. Pelo menos cinco crises preenchendo os critérios de B a D

B. Dor forte e muito forte unilateral, orbitária, supra-orbitária e/ou temporal, durando de 15 a 180 minutos, se não tratada

C. A cefaléia acompanha-se de pelo menos um dos seguintes:

1. hiperemia conjuntival e/ou lacrimejamento ipsilaterais

2. congestão nasal e/ou rinorréia ipsilaterais

3. edema palpebral ipsilateral

4. sudorese frontal e facial ipsilateral

5. miose e/ou ptose ipsilateral

6. sensação de inquietude ou agitação

D. As crises têm uma freqüência de uma a cada dois dias a 8/dia

E. Não atribuída a outro transtorno

slide59

3.1 Cefaléia em salvas

3.1.1 Cefaléia em salvas episódica

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo os critérios de A a E para 3.1 Cefaléia em salvas

B. Pelo menos dois períodos de salva durando de sete a 365 dias e separados por períodos de remissão ≥ 1 mês

3.1.2 Cefaléia em salvas crônica

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo os critérios de A a E para 3.1 Cefaléia em salvas

B. As crises recorrem por mais de um ano sem períodos de remissão ou com períodos de remissão durando < 1 mês

slide60

“Crônica”Notas

  • Na terminologia de dor, crônica refere-se à persistência por período superior a três meses.
  • Na terminologia das cefaléias, tal significado é mantido para as cefaléias secundárias.
  • Para as cefaléias primárias, que mais freqüentemente são episódicas, (por exemplo, a migrânea), crônica refere-se quando a cefaléia esta presente em mais da metade dos dias em período superior a três meses.
  • as cefaléias trigêmino-autonômicas são exceção.
    • Nestes transtornos, crônica não deve ser usada até que a condição tenha ocorrido, sem remitir, por mais de um ano.
slide61

Cefaléia em Salvas Episódica/crônicaReclassificação 1988-2004

1988

3.1.1 Cefaléia em salvas de periodicidade indeterminada

3.1.2 Cefaléia em salvas

episódica

3.1.3 Cefaléia em salvas

crônica

2004

3.1.2 Cefaléia em salvas

episódica

3.1.3 Cefaléia em salvas

crônica

Diagnóstico automático até que se determine a periodicidade ou transcorra um ano é 3.1.1. Cefaléia em salvas episódica

slide62

Cefaléia em Salvas Episódica/crônicaAlteração de definição 1988-2004

A definição de período de remissão distinguindo

3.1.2 Cefaléia em salvas episódica de

3.1.3 Cefaléia em salvas crônica

foi alterada: a duração aumentou de um mínimo de 14 dias

para um mínimo de um mês.

slide63

3.1.2 Cefaléia em Salvas CrônicaSubclassificação abandonada 1988-2004

Pacientes podem mudar de 3.1.2 Cefaléia em salvas crônicapara 3.1.1 Cefaléia em salvas episódica, evice versa

De tal forma que

Cefaléia em salvas crônicasem remissão desde seu início e cefaléia em salvas crônicaevoluída a partir da forma episódica foi abandonada

slide64

3.2 Hemicrania paroxística

Critérios diagnósticos

A. Pelo menos 20 crises preenchendo os critérios de B a D

B. Crises de dor forte unilateral, orbitária, supra-orbitária e/ou temporal durando de dois a 30 minutos

C. A cefaléia acompanha-se de pelo menos um dos seguintes:

1. hiperemia conjuntival ipsilateral e/ou lacrimejamento

2. congestão nasal ipsilateral e/ou rinorréia

3. edema palpebral ipsilateral

4. sudorese frontal e facial ipsilateral

5. miose e/ou ptose ipsilateral

D. As crises têm uma freqüência superior a cinco por dia em mais da metade do tempo, ainda que períodos de menor freqüência possam ocorrer

E. As crises são completamente evitadas por doses terapêuticas de indometacina

F. Não atribuída a outro transtorno

slide65

3.2 Hemicrania paroxísticaNova subdivisão 1988-2004

3.2.1 Hemicrania paroxística episódica

A. Crises preenchendo os critérios de A a F para 3.2 Hemicrania

paroxística

B. Pelo menos dois períodos de crises durando de sete a 365 dias e separados por períodos de remissão sem dor ≥ 1 mês

3.2.2 Hemicrania paroxística crônica (HPC)

A. Crises preenchendo os critérios de A a F para 3.2 Hemicrania

paroxística

B. As crises recorrem por > 1 ano sem períodos de remissão ou

com períodos de remissão durando < 1 mês

slide66

Hemicrania paroxística episódica/crônicaNova subdivisão 1988-2004

Por que esta nova subdivisão?

Somente hemicrania paroxística crônica havia sido reconhecida e classificada

Acumularam-se suficientes evidências clínicas para o subtipo episódico para que se subdividissem as hemicranias paroxísticas de maneira análoga à cefaléia em salvas

slide67

3.3 Cefaléia de curta duração, unilateral, neuralgiforme com hiperemia conjuntival e lacrimejamento (SUNCT) Transtorno recém-entrado na classificação

Critérios diagnósticos

A. Pelo menos 20 crises preenchendo os critérios de B a D

B. Crises de dor unilateral, orbitária, supra-orbitária ou temporal, em pontada ou pulsátil durando de cinco a 240 segundos

C. A dor se acompanha de hiperemia conjuntival ipsilateral e lacrimejamento

D. As crises ocorrem com freqüência de três a 200 por dia

E. Não atribuída outro transtorno

slide68

3.4 Provável cefaléia trigêmino-autonômica

3.4.1 Provável cefaléia em salvas

3.4.2 Provável hemicrania paroxística

3.4.3 Provável cefaléia de curta duração, unilateral,

neuralgiforme com hiperemia conjuntival e

lacrimejamento

slide69

3.4 Provável cefaléia trigêmino-autonômica

3.4.1 Provável cefaléia em salvas

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo todos menos um dos critérios de A a D para 3.1 Cefaléia em salvas

B. Não atribuída a outro transtorno

3.4.2 Provável hemicrania paroxística

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo todos menos um dos critérios de A a E para 3.2 Hemicrania paroxística

B. Não atribuída a outro transtorno

3.4.3 Provável cefaléia de curta duração, unilateral, neuralgiforme com

hiperemia conjuntival e lacrimejamento

Critérios diagnósticos

A. Crises preenchendo todos menos um dos critérios de A a D para 3.3 Cefaléia de curta duração, unilateral, neuralgiforme com hiperemia conjuntival e lacrimejamento (SUNCT)

B. Não atribuída a outro transtorno

slide70

4. Outras cefaléias primárias

4.1 Cefaléia primária em facada

4.2 Cefaléia primária da tosse

4.3 Cefaléia primária do esforço físico

4.4 Cefaléia primária associada à atividade sexual

4.4.1 Cefaléia pré-orgástica

4.4.2 Cefaléia orgástica

4.5 Cefaléia hípnica

4.6 Cefaléia trovoada primária

4.7 Hemicrania contínua

4.8 Cefaléia persistente e diária desde o início (CPDI)

slide71

4. Outras cefaléias primáriasMudança de terminologia 1988-2004

  • Previamente esta secção era:
    • 4. Miscelânea e cefaléias não associadas a lesão estrutural
slide72

4.4 Cefaléia primária associada à atividade sexual

4.4.1 Cefaléia pré-orgástica

Critérios diagnósticos

A. Dor em peso na cabeça e pescoço associada à sensação de contração da musculatura do pescoço e/ou mandíbula e preenchendo o critério B

B. Ocorre durante a atividade sexual e aumenta com a excitação sexual

C. Não atribuída a outro transtorno

4.4.2 Cefaléia orgástica

Critérios diagnósticos

A. Cefaléia súbita e intensa (“explosiva”) preenchendo o critério B

B. Ocorre no orgasmo

C. Não atribuída a outro transtorno

slide73

4.5 Cefaléia hípnicaTranstorno recém-entrado na classificação

Critérios diagnósticos

A. Cefaléia em peso preenchendo os critérios de B a D

B. Aparece somente durante o sono e acorda o paciente

C. Presença de pelo menos duas das características abaixo:

1. ocorre > 15 vezes por mês

2. dura ≥15 minutos após acordar

3. ocorre pela primeira vez após os 50 anos de idade

D. Ausência de sinais autonômicos e presença de não mais do que um dos sintomas a seguir: náusea, fotofobia ou fonofobia

E. Não atribuída a outro transtorno

slide74

4.6 Cefaléia trovoada primária

Critérios diagnósticos

A. Dor de cabeça de forte intensidade que preenche os critérios B e C

B. Ambas as seguintes características:

1. início súbito, atingindo a intensidade máxima em < 1 minuto

2. duração de uma hora a dez dias

C. Não recorre regularmente ao longo das semanas ou meses subseqüentes

D. Não atribuída a outro transtorno

slide75

4.7 Hemicrania contínuaTranstorno recém-entrado na classificação

Critérios diagnósticos

A. Cefaléia por > 3 meses preenchendo os critérios de B a D

B. Todas as características seguintes:

1. dor unilateral sem mudança de lado

2. diária e contínua, sem intervalos livres de dor

3. intensidade moderada, porém com exacerbações para dor intensa

C. Pelo menos uma das características autonômicas seguintes, ocorrendo durante as exacerbações e ipsilaterais à dor:

1. hiperemia conjuntival e/ou lacrimejamento

2. congestão nasal e/ou rinorréia

3. ptose e/ou miose

D. Resposta completa a doses terapêuticas de indometacina

E. Não atribuída a outro transtorno

slide76

4.8 Cefaléia persistente e diária desde o início (CPDI)Transtorno recém-entrado na classificação

Critérios diagnósticos

A. Cefaléia por > 3 meses que preenche os critérios de B a D.

B. A cefaléia é diária e sem remissão desde o início ou desde no máximo

três dias após o início

C. Dor com pelo menos duas das seguintes características:

1. localização bilateral

2. caráter em aperto ou pressão

3. intensidade fraca a moderada

4. não agravada por atividades físicas de rotina, tais como andar ou subir

escadas

D. Ambas as seguintes:

1. não mais do que um dos sintomas dentre fotofobia, fonofobia ou náusea

leve

2. ausência de náusea moderada a forte ou de vômitos

E. Não atribuída a outro transtorno

slide77

4.8 Cefaléia persistente e diária desde o início (CPDI)Notas

Cefaléia persistente e diária desde o início (CPDI) tem muitas similaridades com 2.3 Cefaléia do tipo tensional crônica

É única pelo fato da cefaléia ser diária e sem remissão desde o momento do surgimento ou quase desde esse momento, tipicamente em pessoas sem uma história anterior de cefaléia

A clara recordação deste início é necessária para o diagnóstico de 4.8

Se há ou houve, nos últimos dois meses, abuso de medicação que preenche o critério B para quaisquer das subformas da 8.2 Cefaléia por uso excessivo de medicação, a regra é codificar para qualquer cefaléia preexistente mais 8.2.7 Provável cefaléia por uso excessivo de medicamento, mas não para 4.8 Cefaléia persistente e diária desde o início