Aula 13 enuncia o e discurso ii coes o e coer ncia
Download
1 / 42

- PowerPoint PPT Presentation


  • 134 Views
  • Uploaded on

AULA 13: ENUNCIAÇÃO E DISCURSO II: COESÃO E COERÊNCIA. DATA: 03-11-2005. PROFA. KYLDES BATISTA VICENTE PROFA. MARISTELA DE SOUZA BORBA. WEB-TUTORA: SIBELE LETÍCIA BIAZOTTO. 1. COESÃO TEXTUAL 2. COERÊNCIA TEXTUAL 3. COESÃO NO DISCURSO JURÍDICO. ENUNCIAÇÃO E DISCURSO II.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about '' - kaveri


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
Aula 13 enuncia o e discurso ii coes o e coer ncia
AULA 13:ENUNCIAÇÃO E DISCURSO II:COESÃO E COERÊNCIA

DATA: 03-11-2005

PROFA. KYLDES BATISTA VICENTE

PROFA. MARISTELA DE SOUZA BORBA

WEB-TUTORA: SIBELE LETÍCIA BIAZOTTO


Enuncia o e discurso ii

1. COESÃO TEXTUAL

2. COERÊNCIA TEXTUAL

3. COESÃO NO DISCURSO

JURÍDICO

ENUNCIAÇÃO E DISCURSO II



Aula 13 enuncia o e discurso ii coes o e coer ncia

É A LIGAÇÃO, A RELAÇÃO, A CONEXÃO ENTRE AS PALAVRAS, EXPRESSÕES OU FRASES DO TEXTO. A COESÃO TEXTUAL É MANIFESTADA POR ELEMENTOS FORMAIS, QUE ASSINALAM O VÍNCULO ENTRE OS COMPONENTES DO TEXTO. (KOCH, 1989)


Principais mecanismos de coes o

RETOMADA EXPRESSÕES OU FRASES DO TEXTO. A COESÃO TEXTUAL É MANIFESTADA POR ELEMENTOS FORMAIS, QUE ASSINALAM O VÍNCULO ENTRE OS COMPONENTES DO TEXTO. (KOCH, 1989) DE TERMOS, EXPRESSÕES OU FRASES JÁ DITOS OU SUA ANTECIPAÇÃO;

ENCADEAMENTO DE SEGMENTOS DO TEXTO.

PRINCIPAIS MECANISMOS DE COESÃO


Retomada de termos express es ou frases j ditos ou sua antecipa o

PRONOMINALIZAÇÃO; EXPRESSÕES OU FRASES DO TEXTO. A COESÃO TEXTUAL É MANIFESTADA POR ELEMENTOS FORMAIS, QUE ASSINALAM O VÍNCULO ENTRE OS COMPONENTES DO TEXTO. (KOCH, 1989)

ELIPSE;

SUBSTITUIÇÃO VOCABULAR.

RETOMADA DE TERMOS, EXPRESSÕES OU FRASES JÁ DITOS OU SUA ANTECIPAÇÃO:


Pronominaliza o

O ADVOGADO DEFENDEU A CAUSA. ELE ERA MUITO COMPETENTE. EXPRESSÕES OU FRASES DO TEXTO. A COESÃO TEXTUAL É MANIFESTADA POR ELEMENTOS FORMAIS, QUE ASSINALAM O VÍNCULO ENTRE OS COMPONENTES DO TEXTO. (KOCH, 1989)

ELE CHEGOU. EL NINHO FOI IMPIEDOSO: DERRUBOU ÁRVORES, DESTRUIU CASAS...

PRONOMINALIZAÇÃO


Elipse

HÁ CÃES BONS PARA A PROTEÇÃO DO LAR. ENFRENTAM TUDO PARA NOS DEFENDER.

SEGUNDO OS MÉDICOS DO PALHAÇO CAREQUINHA, ELE JÁ ESTÁ RECUPERADO DA DESIDRATAÇÃO, PNEUMONIA E ANEMIA. MAS AFIRMARAM QUE ELE DEVERÁ CONTINUAR INTERNADO.

ELIPSE


Substitui o vocabular

SINÔNIMO; NOS DEFENDER.

HIPERÔNIMO;

HIPÔNIMO;

ANTONOMÁSIA.

SUBSTITUIÇÃO VOCABULAR


Sin nimo

O RAPAZ OUVIU COM ATENÇÃO, CALMA E TRANQÜILIDADE. DEPOIS, O JOVEM PERDEU A PACIÊNCIA E ESBRAVEJOU.

O PROFESSOR ERA BOM, MAS INDISCIPLINA O MESTRE NÃO TOLERAVA.

SINÔNIMO


Hiper nimo

RELAÇÃO TODO-PARTE: O JOVEM PERDEU A PACIÊNCIA E ESBRAVEJOU.

COMO FRUTAS. DE MELANCIA, EU NÃO GOSTO.

SEMPRE MANDAVA FLORES PARA A NAMORADA, ROSAS DE TODAS AS CORES.

HIPERÔNIMO


Hip nimo

RELAÇÃO PARTE-TODO: O JOVEM PERDEU A PACIÊNCIA E ESBRAVEJOU.

AS ÁGUIAS ESTAVAM OBSERVANDO. AS AVES ESPERAVAM A HORA DE ATACAR.

LIA MUITOS POLICIAIS. GOSTAVA DE TODA ESPÉCIE DE LIVRO.

HIPÔNIMO


Antonom sia

APESAR DA DERROTA ONTEM PARA O CRUZEIRO, O TIMÃO CONTINUA LÍDER DO CAMPEONATO BRASILEIRO.

PELÉ FOI UM GRANDE REPRESENTANTE DO FUTEBOL BRASILEIRO.

ANTONOMÁSIA


Encadeamento de segmentos do texto

CONEXÃO LÍDER DO CAMPEONATO BRASILEIRO.

JUSTAPOSIÇÃO

ENCADEAMENTO DE SEGMENTOS DO TEXTO:


Conex o

AS LEIS ESTÃO AO ALCANCE DE TODOS, MAS MUITOS NÃO AS ENTENDEM.

NÃO FEZ O TRABALHO PORQUE PASSOU A NOITE INTEIRA JOGANDO.

CONEXÃO


Justaposi o

PRECISO SAIR COM URGÊNCIA. TENHO UM COMPROMISSO. ENTENDEM.

NÃO MEXA NESSES FIOS; LEVARÁ UM CHOQUE.

JUSTAPOSIÇÃO



Coer ncia textual

O RÉU FOI CONDENADO A 5 ANOS E 3 MESES, NÃO LHE SENDO CONCEDIDO, POR ISSO, O BENEPLÁCITO DE UM REGIME MAIS BRANDO, DEVENDO CUMPRIR A PENA EM REGIME FECHADO.

AS PENITENCIÁRIAS DE SÃO PAULO NÃO SÃO ADEQUADAS E NÃO OFERECEM CONDIÇÕES SATISFATÓRIAS, REPRESENTANDO, EM ÚLTIMA ANÁLISE, A FALÊNCIA DO SISTEMA CARCERÁRIO.

COERÊNCIA TEXTUAL


Coer ncia textual1

DISTINGUE UM TEXTO DE UM AGLOMERADO DE FRASES. CONCEDIDO, POR ISSO, O BENEPLÁCITO DE UM REGIME MAIS BRANDO, DEVENDO CUMPRIR A PENA EM REGIME FECHADO.

RELAÇÃO QUE SE ESTABELECE ENTRE AS PARTES DO TEXTO, CRIANDO UMA UNIDADE DE SENTIDO (KOCH & TRAVAGLIA, 1998)

COERÊNCIA TEXTUAL


Coer ncia textual2

QUEM ENTRA NA CHUVA É PARA SE QUEIMAR. CONCEDIDO, POR ISSO, O BENEPLÁCITO DE UM REGIME MAIS BRANDO, DEVENDO CUMPRIR A PENA EM REGIME FECHADO.

QUEM ENTRA NA CHUVA É PARA SE MOLHAR.

COERÊNCIA TEXTUAL


Coer ncia textual3

NÃO-CONTRADIÇÃO DE SENTIDOS ENTRE PASSAGENS DO TEXTO, NA EXISTÊNCIA DE UMA CONTINUIDADE SEMÂNTICA.

COERÊNCIA TEXTUAL



Coer ncia textual5
COERÊNCIA TEXTUAL UM TEXTO.

INTRATEXTUAL

EXTRATEXTUAL


Coer ncia intratextual

O ADVOGADO FOI AO FÓRUM, UM TEXTO.MAS AINDA NÃO TINHA SAÍDO DE CASA.

O ADVOGADO NÃO FOI AO FÓRUM, POIS ELE AINDA ESTÁ EM CASA. ACABEI DE VÊ-LO.

COERÊNCIA INTRATEXTUAL


Coer ncia intratextual1

O JUIZ NÃO FOI TRABALHAR, UM TEXTO.ENTRETANTO ESTAVA DOENTE.

O JUIZ NÃO FOI TRABALHAR, PORQUE ESTAVA DOENTE.

COERÊNCIA INTRATEXTUAL


Coer ncia extratextual

-- CONHECIMENTO DE MUNDO UM TEXTO.

-- MECANISMOS GRAMATICAIS E SEMÂNTICOS DA LÍNGUA

COERÊNCIA EXTRATEXTUAL


Coer ncia extratextual conhecimento de mundo

A GALINHA ESTAVA GRÁVIDA. UM TEXTO.

COERÊNCIA EXTRATEXTUAL: CONHECIMENTO DE MUNDO


Coer ncia extratextual conhecimento de mundo1

FHC VEIO AO TOCANTINS NO MÊS PASSADO. UM TEXTO.

COERÊNCIA EXTRATEXTUAL: CONHECIMENTO DE MUNDO


Coer ncia textual mecanismos gramaticais e sem nticos da l ngua ambig idade

MARIA DISSE A JOANA QUE ENCONTROU SEU ADVOGADO NO FÓRUM. UM TEXTO.

COERÊNCIA TEXTUAL: MECANISMOS GRAMATICAIS E SEMÂNTICOS DA LÍNGUAAMBIGÜIDADE


Coes o no discurso jur dico adi o

ASSINALO, UM TEXTO.AINDA, A DISTÂNCIA NUMÉRICA ENTRE O APARATO JUDICIÁRIO BRASILEIRO E O UNIVERSO AO QUAL ELE DEVE ATENDER. HÁ 20.000 JUÍZES PARA QUASE 350.0000 ADVOGADOS.

COESÃO NO DISCURSO JURÍDICO: ADIÇÃO


Coes o no discurso jur dico elementos de adi o e oposi o

O BRASIL PRECISA RECOMPOR AS DEFICIÊNCIAS DE SUA ECONOMIA EM CRISE E A MAGISTRATURA DEVE PARTICIPAR DESSE ESFORÇO. TODAVIA, O BRASILEIRO NÃO PODE SUPOR QUE A LENTIDÃO DO JUDICIÁRIO IMPEDE ESSA RECUPERAÇÃO.

COESÃO NO DISCURSO JURÍDICO: ELEMENTOS DE ADIÇÃO E OPOSIÇÃO


Coes o no discurso jur dico realce

É CERTO ECONOMIA EM CRISE QUE O ADVOGADO É, ANTES DE TUDO, UMA PALADINO DA JUSTIÇA, UM DEFENSOR DA LEI.

COESÃO NO DISCURSO JURÍDICO: REALCE


Coes o no discurso jur dico explica o

O ADVOGADO PRETENDE CONVERSAR COM O JUIZ HOJE, ECONOMIA EM CRISE ISTO É, ELE VAI TENTAR FALAR COM ELE, MESMO NÃO TENDO HORA MARCADA.

COESÃO NO DISCURSO JURÍDICO: EXPLICAÇÃO


Coes o no discurso jur dico exclus o

NOTA-SE QUE ECONOMIA EM CRISE SOMENTE ADVOGADO E JUIZ PUDERAM FALAR. NAQUELE MOMENTO, O CITADO NÃO TEVE VOZ.

COESÃO NO DISCURSO JURÍDICO: EXCLUSÃO


Coes o no discurso jur dico abertura de crit rio enumerativo

EM PRIMEIRO LUGAR ECONOMIA EM CRISE , TENHA-SE PRESENTE QUE GRANDE NÚMERO DOS PROCESSOS CIVIS, FISCAIS E TRABAHISTAS TEM ORIGEM EM ILEGALIDADES PRATICADAS POR ADMINISTRADORES PÚBLICOS.

COESÃO NO DISCURSO JURÍDICO: ABERTURA DE CRITÉRIO ENUMERATIVO


Coes o no discurso jur dico dj seq ncia enumerativa

EM SEGUNDO LUGAR ECONOMIA EM CRISE , ACENTUO AS OMISSÕES NO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL DOS OUTROS PODERES. EXEMPLO MAIS GRITANTE É DO PRÓPRIO LEGISLATIVO, QUE NÃO APROVOU AS LEIS SUPLEMENTARES DA CARTA DE 1998.

COESÃO NO DISCURSO JURÍDICO (DJ): SEQÜÊNCIA ENUMERATIVA


Coes o no d j enumerativo conclusivo

PELA DIALÉTICA, O RELATOR DEVE ANALISAR A QUESTÃO TENDO COMO BASE OS PRÓS E OS CONTRAS.

EM PRIMEIRO PLANO, ELE ANALISA A QUESTÃO EM RELAÇÃO AOS ASPECTOS FAVORÁVEIS.

EM SEGUIDA, HÁ A ANÁLISE DOS FATORES DESFAVORÁVEIS.

FINALMENTE, NA CONCLUSÃO, ELE DECIDE SEU POSICIONAMENTO: OPTA POR UM OU OUTRO FATOR OU, ENTÃO, PROMOVE A CONCILIAÇÃO, SE POSSÍVEL FOR.

COESÃO NO D. J.: ENUMERATIVO, CONCLUSIVO


Coes o no discurso jur dico fechamento conclus o

PELO EXPOSTO, COMO BASE OS PRÓS E OS CONTRAS. É REQUERIDO À V. EXA. O PAGAMENTO DE TODAS AS PRESTAÇÕES VENCIDAS DESSA COMPRA.

COESÃO NO DISCURSO JURÍDICO: FECHAMENTO, CONCLUSÃO


T picos da aula

COESÃO TEXTUAL COMO BASE OS PRÓS E OS CONTRAS.

COERÊNCIA TEXTUAL

COESÃO NO DISCURSO JURÍDICO

TÓPICOS DA AULA


T pico da aula coes o

PRONOMINALIZAÇÃO COMO BASE OS PRÓS E OS CONTRAS.

ELIPSE

SUBSTITUIÇÃO VOCABULAR: SINÔNIMO, HIPERÔNIMO, HIPÔNIMO, ANTONOMÁSIA.

TÓPICO DA AULA: COESÃO


T pico da aula coer ncia

INTRATEXTUAL COMO BASE OS PRÓS E OS CONTRAS.

EXTRATEXTUAL

TÓPICO DA AULA: COERÊNCIA