toxoplasmose cong nita l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
TOXOPLASMOSE CONGÊNITA PowerPoint Presentation
Download Presentation
TOXOPLASMOSE CONGÊNITA

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 38

TOXOPLASMOSE CONGÊNITA - PowerPoint PPT Presentation


  • 972 Views
  • Uploaded on

TOXOPLASMOSE CONGÊNITA. Unidade de Neonatologia HRAS/SES/DF Tatiana Fonseca Julho 2005. Toxoplasmose congênita. CASO CLÍNICO. Toxoplasmose congênita. IDENTIFICAÇÃO: K.V.G, masculino, branco REGISTRO:04/08/2004

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'TOXOPLASMOSE CONGÊNITA' - elina


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
toxoplasmose cong nita

TOXOPLASMOSE CONGÊNITA

Unidade de Neonatologia HRAS/SES/DF

Tatiana Fonseca

Julho 2005

toxoplasmose cong nita3
Toxoplasmose congênita
  • IDENTIFICAÇÃO: K.V.G, masculino, branco
  • REGISTRO:04/08/2004
  • ANTECEDENTES OBSTÉTRICOS MATERNOS:
  • Mãe fez 7 consultas de pré-natal, sendo solicitadas sorologias de rotina com os seguintes resultados
toxoplasmose cong nita4
Toxoplasmose congênita

Fez uso de espiramicina de julho (data da última sorologia) até o parto.

toxoplasmose cong nita5
Toxoplasmose congênita
  • ANTECEDENTES FISIOLÓGICOS: Nasceu no HRG, de parto cesariana por DCP, pesando 3620g, estatura 55 cm, PC 35 cm e índice de Apgar não anotado, sendo o primeiro exame físico normal. Permaneceu no ALCON sem intercorrências, tendo alta com a mãe.
toxoplasmose cong nita6
Toxoplasmose congênita

SEGUIMENTO

  • Aos 20 dias de vida, na consulta do CD, devido à história materna, foi iniciado tratamento para o RN e solicitados sorologia para toxoplasmose.
toxoplasmose cong nita7
Toxoplasmose congênita
  • TOXO IgG: 970
  • TOXO IgM: Negativo
toxoplasmose cong nita8
Toxoplasmose congênita

TRATAMENTO

  • Pirimetamina 1 mg/Kg/dia
  • Sulfadiazina 100 mg/Kg/dia
  • Ácido folínico 10 mg 3x/semana
toxoplasmose cong nita9
Toxoplasmose congênita
  • Compareceu ao ambulatório de Doenças de Transmissão Vertical aos 2 meses de vida, quando já não era assintomático. Ao exame, apresentava microcefalia, retardo do desenvolvimento neuro-motor e estrabismo convergente bilateral. Permanecia em uso da mesma medicação já referida. Foram, então solicitados os seguintes exames
toxoplasmose cong nita11
Toxoplasmose congênita

FUNDOSCOPIAS

  • 20/10/2004 -Massa vascularizada intra-ocular em ambos os olhos
  • 22/11/2004 -Grave comprometimento retiniano

TC de CRÂNIO (março/2005)

  • “Alterações atróficas cerebrais difusas caracterizadas pelo acentuação dos sulcos e dilatação ventricular. Calcificações cerebrais difusas bilateralmente, incluindo ponte. Globos oculares com configuração e contornos normais. Sem lesões expansivas
toxoplasmose cong nita12
Toxoplasmose congênita
  • Aos 7 meses de idade mantinha microcefalia (PC=39) e atraso no desenvolvimento neuro-psicomotor grave. Não fixava o olhar, não sustentava
toxoplasmose cong nita13
Toxoplasmose congênita

PROGRAMAÇÃO

  • TRATAMENTO com esquema tríplice por 1 ano
  • ACOMPANHAMENTO MULTIDISCIPLINAR: Centro de Ensino Especial e neuro-pediatra, oftalmologista (FO trimestral)
toxoplasmose cong nita14
Toxoplasmose congênita

Discussão

  • Gestante com: IgG e IgM negativas no primeiro trimestre( = gestante suscetível.); viragem sorológica ( de IgG negativo para positivo alto) e IgM > 3. Valores de IgM acima de 3 são indiscutivelmente indicativos de fase aguda da infecção. Embora o resultado seja considerado positivo se > 0,5 ou > 0,6 (valor de referência informado pelo laboratório), valores < 3 podem ser IgM residual, de infecção passada.
  • CONDUTA CORRETA: repetir a sorologia bimestralmente em gestante suscetível.
  • FALHA: não foi realizada sorologia bimestral
  • CONSEQUÊNCIA: atraso no início do tratamento da gestante acarretando em infecção fetal grave.
toxoplasmose cong nita15
Toxoplasmose congênita
  • TRATAMENTO DA GESTANTE (do feto intra-útero): por tratar-se de infecção aguda, deveria ter sido prescrito para a gestante o esquema tríplice (pirimetamina, sulfadiazina e ácido folínico). Esse esquema ultrapassa a barreira placentária e trata o feto. Já a espiramicina prescrita não ultrapassa a barreira placentária. Sua ação é diminuir a parasitemia da placenta e evitar a passagem do taquizoíto para o feto. É recomendada em caso de infecção materna mas sem acometimento do feto (IgM materna positiva e PCR do líquido amniótico negativo). Não sendo possível a realização de PCR (e IgM materna positiva), tratar com esquema tríplice supondo infecção fetal. A contra-indicação da sulfadiazina no último mês de gestação pelo risco de kernicterus está sendo abandonada pois não há estudos que confirmem essa possibilidade.
toxoplasmose cong nita16
Toxoplasmose congênita
  • RN assintomático ao nascer, a termo e AIG. (90% dos infectados são assintomáticos ao nascer).
  • 3) RN com IgM negativo:
  • POSSIBIILIDADES: resultado falso-negativo; não produção de IgM pelo RN pela imaturidade imunológica ou pelo início precoce do tratamento.
  • RN com título baixo de HI (1/64) ascendendo para 1/256 (4x maior)
  • INTERPRETAÇÃO: o Teste de HI (hemaglutinação indireta) não está indicado para o diagnóstico de toxoplasmose congênita pois seus títulos demoram muito a se positivar e a ascender.
toxoplasmose cong nita17
Toxoplasmose congênita
  • RN com índices elevados de ELISA (>300) e HI baixo:
  • INTERPRETAÇÃO: o teste de ELISA é de alta sensibilidade e especificidade para o diagnóstico de toxoplasmose congênita, positivando-se muito antes da HI.
  • FORMA CLÍNICA: Forma grave, inicialmente sub-clínica que poderia ter sido evitada com o uso da medicação em idade gestacional mais precoce. O lactente deve ter sido infectado ainda no primeiro trimestre de gestação devido a forma neurológica da doença.
toxoplasmose cong nita18
Toxoplasmose congênita

Classificação

  • Filum Apicomplexa
  • Classe Sporozoae
  • Ordem Eucoccidia
  • Fam. Sarcocystidae
  • Subfam. Toxoplasmatinae
  • Gênero Toxoplasma

Histórico

  • • Parasita descrito por Nicolle e Manceaux em 1908 em amostra
  • de fígado do roedor Ctenodactylus gundi no Norte da África
  • • Primeiro caso humano descrito por Jankú na Rússia em 1923
  • em uma lesão de retina de uma criança
  • • Transmissão congênita humana documentada por Wolf e Cowen em 1937
  • • Ciclo sexuado do parasita descrito por Frankel et al em 1976.
toxoplasmose cong nita19
Toxoplasmose congênita

Epidemiologia

  • Parasita intracelular obrigatório
  • Zoonose de distribuição mundial
  • Prevalência de infecção na população aumenta com a idade
  • Estimativa da OMS 50 a 60% da população mundial
  • Reservatórios naturais: mamíferos e aves
  • Hospedeiro definitivo: Felinos (gato doméstico)
  • Parasita de caráter oportunista em pacientes imunocomprometidos
toxoplasmose cong nita20
Toxoplasmose congênita

Formas ciclo evolutivo

  • Taquizoíto (a forma invasiva encontrada na infecção aguda)
  • Cisto (contém os bradizoítos; encontrados nos tecidos)
  • Oocisto (contém os esporozoítos; encontrados no solo e fezes exclusivamente na família dos felinos)
toxoplasmose cong nita21
Toxoplasmose congênita

taquizoítos

Cisto tecidual

Oocisto imaturo

Oocisto maduro

toxoplasmose cong nita23
Toxoplasmose congênita

Transmissão

Transplacentária

toxoplasmose cong nita24
Toxoplasmose congênita
  • Aproximadamente 40% dessas mulheres, se não tratadas, transmitirão a infecção
  • A incidência da infecção fetal é maior quando essa é adquirida no terceiro trimestre (59%), e a gravidade é maior quando a infecção materna é adquirida no primeiro trimestre, apesar do menor risco de transmissão (14%).
  • O risco de infecção fetal e a gravidade são intermediários no segundo trimestre (29%)
  • A incidência da toxoplasmose congênita é variável, ocorrendo em 1:1000 a 1:12.000 dos nascimentos

Beazley DM, Egerman RS. Toxoplasmosis. Semin Perinatol 1998; 22: 332-8

Guerina NG, Hsu Ho-Wen, Meissner C et al. Neonatal serologic screening and early treatment for congenita Toxoplasma gondii infection. N Engl J Med 1994; 330: 1858-63.

toxoplasmose cong nita25
Toxoplasmose congênita
  • No Brasil, entre 25 e 40% das gestantes são soronegativas para a toxoplasmose. O risco de infecção aguda durante a gestação é de aproximadamente 1% e a transmissão fetal ocorre em 30% dos casos, levando a infecção fetal de gravidade variável.

Spalding SM. Acompanhamento de gestantes com risco de transmissão de infecção congênita por Toxoplasma gondii Nicolle & Manceaux, 1909 na região do alto Uruguai, RS, Brasil: diagnósticos e aspectos epidemiológicos [dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2000.

Vaz AJ, Guerra EM, Ferratto LCC, Toledo LAS, Azevedo Neto RS. Sorologia positiva para sífilis, toxoplasmose e doença de Chagas em gestantes de primeira consulta em centros de saúde da área metropolitana, Brasil. Rev Saúde Pública 1990; 24:373-9.

toxoplasmose cong nita diagn stico
Toxoplasmose congênitaDIAGNÓSTICO
  • PREMATURIDADE
  • ALTERAÇÂO LIQUOR – HIPERPROTEINORRAQUIA/ PLEIOCITOSE/ LINFOCITOSE
  • CORIORRETINITE
  • RETARDO MENTAL
  • ÓRGÃOS ENDÓCRINOS – MIXEDEMA, DM
  • SÍNDROME NEFRÓTICA
  • ALTERAÇÕES ÓSSEAS
  • HEPATOMEGALIA
  • PETEQUIAS
  • ERITROBLASTOSE E HIDROPSIA FETAL
  • ASCITE
  • DIFICULDADE RESPIRATÓRIA
  • SURDEZ
slide28

Múltiplas calcificações periventriculares associadas a hidrocefalia ex vácuo. Há também calcificações na fossa posterior, situadas na substância branca cerebelar. 

slide29

Múltiplas calcificações periventriculares associadas a hidrocefalia ex vácuo. Há também calcificações na fossa posterior, situadas na substância branca cerebelar. 

Caso clínico do Dr. Paulo R. Margotto / HFA/EMFA

toxoplasmose cong nita32
Toxoplasmose congênita

DOENÇA NEONATAL

  • Sinais e sintomas presentes ao nascimento.Usualmente severa.
  • Sinais e sintomas de doença generalizada podem predominar e os sinais neurológicos estão sempre presentes.
  • Raramente evoluem sem seqüelas
toxoplasmose cong nita33
Toxoplasmose congênita

FORMA SUB-CLÍNICA

  • Normalmente o diagnóstico é feito baseado em primoinfecção materna
  • RN assintomáticos ou oligossintomáticos. O diagnóstico é baseado na história de primoinfecção materna ou persistência de títulos no lactente. A prematuridade (em 50%) ou a restrição do crescimento intra-uterino são considerados sinais clínicos.
toxoplasmose cong nita34
Toxoplasmose congênita

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL

  • PESQUISA DE PARASITOS E SEUS COMPONENTES
  • ISOLAMENTO DO TOXOPLASMA

Inoculação em camundongos.

Isolamento em Cultura de Células

  • Reação de Polimerase em Cadeia (PCR)
toxoplasmose cong nita35
Toxoplasmose congênita

TESTES SOROLÓGICOS

  • TESTE DE IMUNOFLUORESCÊNCIA INDIRETA
toxoplasmose cong nita36
Toxoplasmose congênita
  • A incidência de anomalias ultra-sonografias varia de 18,1% a 36,4%, estando associada à idade gestacional da infecção fetal
  • As alterações observadas com maior freqüência são dilatação ventricular e calcificações intracranianas

Berrebi A, Bessières MH, Cohen-Khalas Y, et al. Diagnostic anténatal de la toxoplasmose. A propos de 176 cas. J Gynecol Obstet Biol Reprod (Paris) 1993; 22:261-8

Hohlfield P, MacAleese J, Capella-Pavlovski M, et al. Fetal toxoplasmosis: ultrasonographic signs. Ultrasound Obstet Gynecol 1991; 1:241-4.

toxoplasmose cong nita37
Toxoplasmose congênita

Couto JCF, Leite JM: Ultrasonographic markers for fetal congenital toxoplasmosis; Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.26 no.5 Rio de Janeiro June 2004

refer ncias bibliogr ficas
Referências bibliográficas
  • Melo,LC. toxoplasmose congênita. Assistência ao Recém-Nascido de Risco, editado por Paulo R. Margotto, 2a Edição, 2004
  • Couto JCF, Leite JM: Ultrasonographic markers for fetal congenital toxoplasmosis; Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.26 no.5 Rio de Janeiro June 2004
  • Berrebi A, Bessières MH, Cohen-Khalas Y, et al. Diagnostic anténatal de la toxoplasmose. A propos de 176 cas. J Gynecol Obstet Biol Reprod (Paris) 1993; 22:261-8
  • Hohlfield P, MacAleese J, Capella-Pavlovski M, et al. Fetal toxoplasmosis: ultrasonographic signs. Ultrasound Obstet Gynecol 1991; 1:241-4
  • Spalding SM. Acompanhamento de gestantes com risco de transmissão de infecção congênita por Toxoplasma gondii Nicolle & Manceaux, 1909 na região do alto Uruguai, RS, Brasil: diagnósticos e aspectos epidemiológicos [dissertação]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2000
  • Vaz AJ, Guerra EM, Ferratto LCC, Toledo LAS, Azevedo Neto RS. Sorologia positiva para sífilis, toxoplasmose e doença de Chagas em gestantes de primeira consulta em centros de saúde da área metropolitana, Brasil. Rev Saúde Pública 1990; 24:373-9
  • Beazley DM, Egerman RS. Toxoplasmosis. Semin Perinatol 1998; 22: 332-8
  • Guerina NG, Hsu Ho-Wen, Meissner C et al. Neonatal serologic screening and early treatment for congenita Toxoplasma gondii infection. N Engl J Med 1994; 330: 1858-63