slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
A Gestão da Informação Para o Desenvolvimento Paraense José Raimundo Trindade PowerPoint Presentation
Download Presentation
A Gestão da Informação Para o Desenvolvimento Paraense José Raimundo Trindade

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 44

A Gestão da Informação Para o Desenvolvimento Paraense José Raimundo Trindade - PowerPoint PPT Presentation


  • 70 Views
  • Uploaded on

A Gestão da Informação Para o Desenvolvimento Paraense José Raimundo Trindade Presidente do IDESP Doutor em Desenvolvimento Econômico. ROTEIRO 1. Desenvolvimento Econômico: Inovação, Informação e Espaço 2. Políticas Públicas e Desenvolvimento Endógeno

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'A Gestão da Informação Para o Desenvolvimento Paraense José Raimundo Trindade' - davis


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
slide1

A Gestão da Informação Para o Desenvolvimento Paraense

José Raimundo Trindade

Presidente do IDESP

Doutor em Desenvolvimento Econômico

slide2

ROTEIRO

1. Desenvolvimento Econômico: Inovação, Informação e Espaço

2. Políticas Públicas e Desenvolvimento Endógeno

3. A Gestão da Informação como Componente Estrutural do Desenvolvimento: a ferramenta SIE

algumas defini es cl ssicas
ALGUMAS DEFINIÇÕES CLÁSSICAS

“As nações mais opulentas geralmente superam todos os seus vizinhos tanto na agricultura como nas manufaturas;geralmente porém distinguem-se mais pela superioridade na manufatura do que na agricultura” (Adam Smith, 1776).

Smith identificava como causas do desenvolvimento:

  • a qualidade da força de trabalho;
  • a organização do trabalho;
  • a tecnologia (as máquinas).
slide4

“No sistema de comércio livre, cada país, naturalmente, destina seu capital e seu trabalho a empregos que lhe sejam mais benéficos. Estimulando a indústria, recompensando a criatividade e usando eficazmente a natureza, aumenta a produção e difunde o benefício geral” (David Ricardo, 1815).

Ricardo identificava como causas do desenvolvimento:

i) as forças livres do mercado;

ii) o potencial comparativo natural de cada nação.

slide5

“É um expediente muito comum e inteligente de quem chegou ao topo da magnitude chutar a escada pela qual subiu a fim de impedir os outros de fazerem o mesmo. Qualquer nação que, valendo-se de taxas protecionistas e restrições a navegação, tiver levado sua capacidade industrial a um grau de desenvolvimento que impeça as outras de concorrerem livremente com ela não fará coisa mais sábia que chutar a escada [do desenvolvimento das nações concorrentes]” (List, 1885).

List observa quanto ao desenvolvimento das nações:

  • a impossibilidade da “convergência”;
  • as nações são concorrentes pela acumulação de capital.
desenvolvimento e economia do conhecimento
Desenvolvimento e Economia do Conhecimento

“Refere-se a uma situação na qual os agentes econômicos têm a sua disposição um volume sem precedentes de informação e conhecimento” (Pascal Petit).

desenvolvimento como defini lo
Desenvolvimento: como defini-lo?
  • Crescimento econômico: implica maior produção ou acumulação de riquezas.
  • Desenvolvimento econômico: implica maior produção e mudanças nas disposições técnicas e institucionais, pelas quais se chega a esta produção.
slide8

O crescimento é algo estático, não implica em alterações significativas na estrutura reprodutiva da economia: relação, tipos e integração setorial.

Ex: a produção mineral paraense implica em crescimento do PIB, porém não necessariamente significa integração e diversificação macroeconômica.

slide9

O desenvolvimento é algo dinâmico, implica alterações estruturais, encadeamento produtivo e integração setorial.

  • O conceito de desenvolvimento compreende a idéia de crescimento, superando-a.

Ex: um possível “transbordamento” da produção mineral paraense, via forte intervenção pública, pode levar ao encadeamento de setores e a constituição de “sistemas produtivos locais”.

o desenvolvimento exige a integra o de seis diferentes dimens es sachs 2004
O desenvolvimento exige a integração de seis diferentes dimensões (SACHS, 2004):

a) Social, compreende a integração das populações ao processo de crescimento econômico.

b) Ambiental, compreende a sustentação das condições de vida e a não dispersão (depredação) dos recursos naturais.

c) Territorial, relacionado à distribuição eficiente (econômica e ambientalmente) dos recursos, das populações e das atividades produtivas.

o desenvolvimento exige a integra o de seis diferentes dimens es sachs 20041
O desenvolvimento exige a integração de seis diferentes dimensões (SACHS, 2004):

d) Econômica, sendo a viabilidade econômica a conditiosinequanon para que se dê as demais dimensões. Porém, isoladamente, não implica desenvolvimento.

e) Política, compreende a governança democrática, Implica em liberdade de atuação e organização social.

f) Educacional, Informacional e Tecnológica, implica domínio educacional, tecnológico, disponibilização e democratização da informação.

desenvolvimento end geno sustentado
Desenvolvimento endógeno/sustentado

Crescimento econômico condicionado aos

seguintes fatores:

  • Acesso ao mercado de consumo.
  • Baixa concentração de renda.
  • Mercado de trabalho menos segmentado.
  • Elevado grau de formalização.
  • Elevado grau de instrução formal.
  • Acesso tecnológico.
slide13

Daí o esforço do Estado para:

1. Estimular a introdução de inovações tecnológicas, gerenciais e organizacionais no nível empresarial.

2.Intervenções no nível mesoeconômico: construir institucionalidade política e administrativa em apoio ao desenvolvimento.

3.Definir e atuar sobre as condições de financiamento e disponibilidade de crédito.

4.Estabelecer a configuração mais includente como parâmetro para atuação governamental. Ex: Priorizar o subsídio para setores mais integrados e de maior potencialização dos recursos regionais.

desenvolvimento econ mico local e territ rio idl s
Desenvolvimento econômico local e Território: IDL’S
  • As iniciativas de desenvolvimento local: lógica de desenvolvimento que considera tanto a dinâmica e características empresariais locais, quanto a intervenção pública planejada sobre os sistemas locais de produção.
  • O desenvolvimento econômico local: processo no qual os atores locais mobilizam-se para apoiar diferentes ações, buscando criar, reforçar e preservar atividades e empregos, utilizando os meios e recursos do território.
desenvolvimento econ mico local idl s
Desenvolvimento econômico local: IDL’S
  • As IDL’s supõem uma gestão flexível que trata de corrigir, ao mesmo tempo:
  • As imperfeições dos mercados que restringem o potencial de desenvolvimento e a possibilidade de inovações das micro, pequenas e médias empresas (MPME).
  • Os efeitos indesejáveis das intervenções públicas centralizadas.
  • A rigidez burocrática e regulamentadora.
  • A submissão aos ciclos eleitorais.
componentes das iniciativas de desenvolvimento local
Componentes das Iniciativas de Desenvolvimento local
  • Qualificação dos recursos humanos.
  • Construção de redes e institucionalidades para reforçar o funcionamento dos mercados.
  • Fomento de MPEs e criação de empresas.
  • Construção de entornos inovadores em nível territorial.
  • Integração e articulação das políticas públicas e de intervenção pública com o sistema de produção local.
  • Importância dos fatores intangíveis (fatores de caráter extra-econômico) como elemento de êxito nestas iniciativas.
import ncia dos fatores intang veis
Importância dos fatores intangíveis
  • Liderança local com capacidade de mobilização dos atores sociais.
  • Tomada de consciência e participação ampla da comunidade local.
  • Diagnóstico minucioso dos pontos fortes e fracos e das oportunidades e potenciais gargalos, que permita a definição de orientações claras na formulação de objetivos e políticas.
  • Uma estratégia de desenvolvimento elaborada sobre a base de cooperação dos próprios atores locais: públicos e privados.
import ncia dos fatores intang veis1
Importância dos fatores intangíveis
  • Conhecimento preciso do mercado de trabalho local e regional e das relações entre a capacitação, o emprego e o perfil produtivo do território em questão.
  • Existência de uma agência de desenvolvimento local (ou regional), resultante da articulação dos diferentes atores.
  • Alta sensibilidade quanto à importância dos fatores culturais e quanto à necessidade de incentivar as aptidões criativas e inovadoras na cultura local.
  • Participação permanente da comunidade.
a interven o p blica deve
A INTERVENÇÃO PÚBLICA DEVE...
  • Fomentar as diferentes iniciativas de desenvolvimento econômico local.
  • Eliminar os obstáculos a essas iniciativas e facilitar os instrumentos de apoio apropriados.
  • Disponibilizar informação, conhecimentos e análises.
  • Incentivar a elaboração de planos de desenvolvimento pelas próprias entidades locais e incorporá-los às estratégias de desenvolvimento regional.
  • Delegar funções de controle e de serviços a organismos autônomos, públicos, privados ou mistos e reforçar as funções de avaliação em conjunto com os atores locais.
a interven o p blica deve1
A INTERVENÇÃO PÚBLICA DEVE...
  • Atuar como catalisador e mediador, facilitando linhas de financiamento e promovendo ativamente o planejamento do desenvolvimento local. Isso implica:
  • Ter uma visão prospectiva do desenvolvimento e compartilha-lo com os líderes locais e regionais.
  • Dispor de um plano estratégico de desenvolvimento regional.
  • Coordenar e articular o conjunto das políticas públicas tendo em vista o plano estratégico de desenvolvimento.
  • Colaborar pelo funcionamento dos sistemas de informação e emprego locais, facilitando os recursos de P&D apropriados.
slide21

Etapas de um Processo de Desenvolvimento Endógeno

Situação de

Inconformismo

Potencialidades não mobilizadas

Problemas socioeconômicos

Diagnose Participativa

Fórum de debates

Informações Técnicas

Consultas formais e informais às lideranças

Construção de uma

Agenda de Mudanças

Instrumentos disponíveis

Consistência técnica

Processo de negociação

Elaboração de um

Plano de Ação

Sistema de indicadores de processos e de resultados

Mecanismos de controle e avaliação

Processo de

Implementação

slide22

O Governo do Pará disponibilizou a primeira versão do Serviço de Informação do Estado – SIE, um canal criado pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará (Idesp) para dar visibilidade a informações públicas disponíveis sobre o Estado do Pará - sejam elas de fontes municipais, estaduais ou federais -, com o objetivo de facilitar o seu uso.

  • Não há construção de Planejamento Estratégico e Desenvolvimento Local sem a sistematização e disponibilização de informações.
  • A construção do SIE iniciou em 2008.
slide23

Disponibiliza informações geoespaciais, estatísticas e registros administrativos e informações textuais.

  • As informações abrangem os aspectos Ambientais, Demográficos, Sociais, Econômicos, Infraestruturais e Institucionais do Pará.
  • Todos os órgãos do governo e a sociedade em geral tem livre acesso às informações desdobradas em mapas, tabelas e gráficos.
  • Disponíveis na rede mundial de computadores, acessíveis de qualquer lugar do mundo, a qualquer momento.