epis dios da hist ria antiga da matem tica autor asger aabo l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
Episódios da História Antiga da Matemática Autor: Asger Aaboé PowerPoint Presentation
Download Presentation
Episódios da História Antiga da Matemática Autor: Asger Aaboé

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 40

Episódios da História Antiga da Matemática Autor: Asger Aaboé - PowerPoint PPT Presentation


  • 265 Views
  • Uploaded on

Episódios da História Antiga da Matemática Autor: Asger Aaboé. Gabriel Moreira Tassiana Carvalho Thiago Farias. Estrutura do livro. Prefácio e Introdução A Matemática Babilônia A Matemática Grega Antiga e a construção Euclidiana para o Pentágono Regular

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Episódios da História Antiga da Matemática Autor: Asger Aaboé' - daniel_millan


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
epis dios da hist ria antiga da matem tica autor asger aabo

Episódios da História Antiga da MatemáticaAutor: AsgerAaboé

Gabriel Moreira

Tassiana Carvalho

Thiago Farias

estrutura do livro
Estrutura do livro
  • Prefácio e Introdução
  • A Matemática Babilônia
  • A Matemática Grega Antiga e a construção Euclidiana para o Pentágono Regular
  • Três exemplos de Matemática Arquimediana
  • A Construção, por Ptolomeu, de uma tábua de Trigonométrica
slide3

As diferenças entre a matemática antiga e atual está principalmente na forma, e não de conteúdo.

  • “A matemática progride de maneira ordenada, lógica, a partir de axiomas explicitamente enunciados.” (p.5)
slide4

“É muito estimulante descobrir a maneira de pensar das grandes mentes do passado distante, e nas ciências matemáticas pode-se reconhecer quando a ressonância é obtida com um grau muito mais alto de certeza do que em qualquer outro campo. É um privilégio conduzir outros pelos caminhos percorridos pela primeira vez há tanto tempo, ou segundo uma bela frase antiga, fazer com que os antigos falem novamente, em seus túmulos. Não há, contudo, nenhum substituto real para a leitura dos próprios matemáticos antigos, e se este livreto conseguir induzir alguns de seus leitores a fazerem isso, terá desempenhado bem sua tarefa.” (p. 8)

as fontes
As fontes
  • Região da Mesopotâmia
  • Escrita cuneiforme
slide8

Os babilônios usaram, algumas vezes, um símbolo para o zero, mas apenas para representar o espaço vazio no interior de um número. Em textos mais antigos, deixava-se simplesmente um espaço aberto, ou ainda não se fazia nada.

sistema num rico posicionais
Sistema Numérico Posicionais
  • Número finito de símbolos ou algarismos
  • Atribuímos importância a sua posição
  • Exprimimos funções
  • Bases do sistema
  • Ausência do equivalente da vírgula
equa es quadr ticas
Equações Quadráticas

“Somei a área e dois terços do lado de meu quadrado, e o resultado é 0;35. Tome 1, o ‘coeficiente’, é 0;40. Metade disso, 0;20, você multiplicará por 0;20 [e o resultado], que é 0;6;40 você adicionará a 0;35, e [o resultado], 0;41, 40 tem raiz quadrada 0;50. Multiplique 0;20 por ele próprio e subtraia [o resultado] de 0;50, e 0;30 é [o lado] do quadrado”

a rea de um trap zio
A Área de um Trapézio

“[Em] Um trapézio 30 é o comprimento, 30 o segundo comprimento, 50 a largura superior, 14 a largura inferior. 30 vezes 30 é 15;0. Subtraia 14 de 50 e o resto é 36. Metade disso é 18. 18 vezes 18 é 5;24. Subtraia 5;24 de 15;0 e o resultado é 9;36. O que deveríamos multiplicar por si próprio para que o resultado seja 9;36? 24 vezes 24 é 9;36. 24 é a reta divisora. Adicione 50 e 14, as larguras, e [o resultado é] 1;4. Metade disso é 32. Multiplique por 24, a reta divisora, por 32, e [o resultado] é 12;48.”

fontes
Fontes
  • Os elementos foram escritos em 300 a.C.
  • A matemática grega atingiu seu ápice no período Helenístico (após 320 a.C)
  • A importância de Os elementos.
  • Gregos-manuscritos??? X Babilônios-tabletas
  • famílias de arqueótipos
  • Habilidades do historiador matemático (língua, história da língua e conhecimento específico)

“ Em um triângulo isósceles os ângulos da ... são iguais”

“Ventos ásperos fazem balançar os ... botões das flores de maio”

matem tica grega antiga
Matemática Grega Antiga
  • Tales de Mileto (século VI a.C.): trouxe a matemática do Egito.
  • Pitágoras de Samos (530 a.C.): inspiração babilônica. Aritmética e Álgebra.
  • As lúnulas de Hipócrates
  • A irracionalidade
  • O paradoxo de Zenão sobre Aquiles e a tartaruga
  • Teorema fundamental dos triângulos semelhantes.
l nulas de hip crates
Lúnulas de Hipócrates
  • Lúnulas de Hipócrates
  • Quadratura da lúnula
  • Quadratura do triângulo

A1

A1

A2

Se retirarmos as duas áreas A1 ou a área A2 ficamos com o triângulo ABC.

Problemas mostraram que a quadratura de figuras planas era possível, mesmo não sendo constituído por segmentos de reta.

slide18

Descoberta da Irracionalidade

  • Babilônios encontraram aproximações sexagesimais excelentes para a raiz de 2.
  • Os gregos chegaram a um ponto final lógico, porém não tinha utilidade prática para a raiz de 2.
  • Investigações Lógicas iniciadas por Parmenides e Zenão
  • Os paradoxos de Zenão: Tartaruga e Aquiles, flecha se movimentando.
  • assuntos relacionados com limite, continuidade.
  • Zenão defendia um sistema filosófico porém foi importante para que o matemáticos tomassem cuidado ao analisarem problemas.
os elementos de euclides
Os Elementos de Euclides
  • Treze livros: incorpora todo o conhecimento matemático acumulado em sua época, com exceção de as seções cônicas e a geometria esférica

Livro I: Construções Elementares, teoremas de congruência, área de polígonos, teorema de Pitágoras

Livro II: Álgebra Geométrica

Livro III: Geometria do Círculo

Livro IV: Construção de certos polígonos regulares

Livro V: A teoria das proporções de Eudoxo

Livro VI: Figuras semelhantes

Livro VII – IX: Teoria de números

Livro X: Classificação de certos irracionais (Teateto)

Livro XI: Geometria no espaço, volumes simples

Livro XII: Áreas e volumes achados pelo “método da exaustão” (integração) de Eudoxo

Livro XIII: Construção dos cinco sólidos regulares

slide20
“É naturalmente impossível chegar a um acordo sobre o que constitui a beleza e a elegância matemática, mas alguns dos ingredientes mais comuns são aspectos tais como brevidade, economia de meios, lances surpreendentes e dramáticos, clareza, novas aplicações de velhas técnicas e métodos que se prestam a generalização em outras situações. Alguns desses ingredientes por vezes se contradizem, tais como a brevidade e a economia de meios. Demonstrar um bom teorema com as ferramentas mais fracas possíveis é como conseguir pescar um grande peixe com uma velha e amada linha de seda. Não significa velocidade ou brevidade, mas tem encanto inegável. Euclides nem sempre se entrega à velocidade, mas se dedica particularmente à tarefa de obter o máximo possível com o mínimo.” (p. 71)
slide21

Postulados:

  • É possível traçar uma linha reta de um ponto qualquer a outro ponto qualquer.
  • É possível prolongar arbitrariamente um segmento de reta.
  • É possível traçar um círculo com qualquer centro e raio.
  • Dois ângulos retos quaisquer são iguais entre si.
  • Se uma reta, interceptando duas outras retas forma ângulos interiores do mesmo lado menores do que ângulos retos, então as duas retas, caso prolongadas indefinidamente, se encontram do mesmo lado em que os ângulos são menores do que dois ângulos retos
  • Axiomas:
  • Grandezas iguais a uma mesma grandeza são iguais entre si.
  • Se as grandezas iguais forem adicionadas grandezas iguais, as somas serão iguais.
  • Se as grandezas iguais forem subtraídas de grandezas iguais, os resultados serão iguais
  • Grandezas que coincidem entre si são iguais.
  • O todo é maior do que suas partes.
a constru o de euclides para o pent gono regular
A construção de Euclides para o Pentágono Regular
  • Teorema 1: Paralelogramos com a mesma base, e situados entre duas retas paralelas dadas, são iguais (em área).
  • Teorema 2: Triângulos que têm a mesma base e estão entre retas paralelas são iguais.
  • Teorema 3: Se um paralelogramo e um triângulo têm a mesma base e estão situados entre duas paralelas dadas, então o paralelogramo tem duas vezes a área do triângulo.
  • Teorema 4: Em qualquer paralelogramo, os complementos dos paralelogramos construídos sobre a diagonal do paralelogramo dado são iguais (em área)
slide23
Teorema 5: Em triângulos retângulos, o quadrado construído sobre o lado que subtende o ângulo reto (isto é, a hipotenusa é igual à (soma dos) quadrados sobre os lados que contém o ângulo reto.
  • Teorema 6: Se um segmento de reta for cortado ao meio, e um segmento lhe for adicionado, em linha reta, o retângulo contido pelo todo do segmento adicionado e pelo segmento adicionado, juntamente com o quadrado sobre a metade, é igual ao quadrado sobre o segmento de reta constituído pela metade e pelo segmento adicionado.
slide24
Teorema 7: Dividir um segmento de reta dado de maneira que o retângulo determinado pelo todo e por uma de suas partes seja o quadrado construído sobre a outra parte.
  • Teorema 8: Se de um ponto P externo a um círculo traçarmos uma reta tangente ao círculo em T, e uma reta arbitrária que o intersecta em R e S, teremos então sempre que

PR . PS = PT²

slide25
Teorema 9: Se, de um ponto A exterior a um círculo foram traçadas duas retas, uma que intersecta o círculo em B e F, e a outra cortando em D, e se AB . AF = AD², então AD é a tangente ao círculo em D.
  • Teorema 10: O ângulo α entre uma tangente e uma corda de um círculo é igual ao ângulo compreendido pelo arco determinado pela corda, do lado da corda oposto a α
slide26
Teorema 11: Construir um triângulo isósceles que tenha cada um dos ângulos da base igual a duas vezes o terceiro ângulo
a vida de arquimedes
A vida de Arquimedes
  • Prefácio de seus livros fornecem motivações e explicações sobre os problemas que ira atacar alem de outras informações
  • Tratou de assuntos como matemática, astronomia, mecânica (polia) e engenharia
  • Correu nu
  • Foi morto em 12 a.C. durante o saque de Siracusa.
os trabalhos de arquimedes
Os trabalhos de Arquimedes
  • Sobre o equilíbrio das figuras planas, I
  • A quadratura da parábola
  • Sobre o equilíbrio de figuras planas, II
  • Sobre a esfera e o cilindro, I e II
  • Sobre as espirais
  • Sobre os cones e os esferóides
  • Sobre as corpos flutuantes I, II
  • A medida de um circulo
  • O contador dos grão de areia
constru o de pol gonos regulares
Construção de polígonos regulares
  • 1 – um circulo só pode ser traçado com centro em qualquer ponto dado e com raio igual a qualquer segmento conhecido
  • 2 – Dois pontos quaisquer dados pode ser unidos por um seguimento de reta
  • 3 – Um segmento de reta dado pode ser estendido arbitrariamente
ptolomeu e o almagesto
Ptolomeu e o Almagesto
  • Viveu e trabalhou em Alexandria em torno de 150 d.C.
  • Realizou estudos em matemática e o seu trabalho Almagesto desempenhou um grande papel na astronomia
  • A coleção matemática e desenvolveu modelos astronômicos, fermentas matemáticas e geometria elementar
  • O Almagestos é um livro técnico e volumoso, com descrições quantitativa e matemáticas do fenômenos naturais
corda do arco
Corda do arco α
  • É o comprimento da corda que corresponde a um arco de α graus cujo raio é 60
a constru o por ptolomeu da t bua de cordas
A construção, por Ptolomeu, da tábua de cordas
  • Realização de demonstrações da criação da tábua de cordas

b

c/2

a

α

c

no final do livro
No final do livro
  • Apêndice: O modelo dos epiciclos de Ptolomeu
  • Soluções dos problemas
  • Sugestões para leituras posteriores