COMO CRIAR SLIDES ? e COMO FAZER APRESENTAÇÕES ? - PowerPoint PPT Presentation

slide1 n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
COMO CRIAR SLIDES ? e COMO FAZER APRESENTAÇÕES ? PowerPoint Presentation
Download Presentation
COMO CRIAR SLIDES ? e COMO FAZER APRESENTAÇÕES ?

play fullscreen
1 / 52
COMO CRIAR SLIDES ? e COMO FAZER APRESENTAÇÕES ?
133 Views
Download Presentation
colum
Download Presentation

COMO CRIAR SLIDES ? e COMO FAZER APRESENTAÇÕES ?

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. COMO CRIAR SLIDES ? e COMO FAZER APRESENTAÇÕES ? Dr. Daniel Seabra

  2. MÓDULO 1 CRIANDO SLIDES

  3. CRIANDO SLIDES 1 – REGRAS FUNDAMENTAIS: . O professor é mais importante que o slide . UM SLIDE POR MINUTO . Nº de linhas por slide: 8 (exceto título/subtítulo) - em transparências: 12-16 . Nº de caracteres por linha: 40 . Figuras devem ter área > 50% do slide . Ser “clean” o máximo possível

  4. CRIANDO SLIDES 2 - FORMA: Retangular. Proporção altura/largura= 2:3 3 – MÉTODO: seguir a seqüência . Fundo . Título . Texto . Marcadores . Linhas . Figuras

  5. CRIANDO SLIDES - C O R E S . FUNDO: -CorNEUTRA (azul, verde, cinza) . Em transparências: contrário – fundo claro - Evitar cores aberrantes (lilás, roxo, “pink”) - Gradiente de cores deve ser discreto - Evitar padrões, figuras ou fotos de fundo E V I T A R

  6. CRIANDO SLIDES 4- LETRAS: . Tipo:USAR “não-serifadas”(sem entalhes, simples, rústicas) verdana, arial black,arial, tahoma NÃO-USAR “ serifadas” (entalhes, linha de base, leitura fácil) times new roman,garamond, courier

  7. CRIANDO SLIDES 4 - LETRAS: 1 polegada quadrada Letra nº 36 = ½ polegada Letra n° 24 = 13 polegada = 72 pontos (pixels) 2,56 X 2,56 cm 8 10 12 14 16 18 20 24 28 32 36 40 44 48 54

  8. CRIANDO SLIDES times new roman (serifada) verdana (não-serifada) HC inaugura nova capela A inauguração de uma nova capela marcou o aniversário de 44 anos do Hospital de Câncer de Barretos na última sexta-feira. Denominada Capela Nossa Senhora do Pilar - carinhosamente chamada de Vó Ruth - a estrutura foi inaugurada com celebração de missa, pelo arcebispo Dom Antônio Maria Mucciolo e pelos padres João Sérgio e André Bortolameotti. “O coração do hospital palpita neste local de encontro com Deus”, disse o padre Sérgio, capelão da instituição.“Nós nos preocupamos muito com a estrutura e estávamos em falta com a parte espiritual. Agora temos um local apropriado, o que nos deixa muito felizes”, avalia Henrique Prata, diretor financeiro da Fundação Pio XII. Com a inauguração da nova estrutura, a antiga capela onde eram realizadas as missas será desativada. HC inaugura nova capela A inauguração de uma nova capela marcou o aniversário de 44 anos do Hospital de Câncer de Barretos na última sexta-feira. Denominada Capela Nossa Senhora do Pilar - carinhosamente chamada de Vó Ruth - a estrutura foi inaugurada com celebração de missa, pelo arcebispo Dom Antônio Maria Mucciolo e pelos padres João Sérgio e André Bortolameotti. “O coração do hospital palpita neste local de encontro com Deus”, disse o padre Sérgio, capelão da instituição.“Nós nos preocupamos muito com a estrutura e estávamos em falta com a parte espiritual. Agora temos um local apropriado, o que nos deixa muito felizes”, avalia Henrique Prata, diretor financeiro da Fundação Pio XII. Com a inauguração da nova estrutura, a antiga capela onde eram realizadas as missas será desativada.

  9. CRIANDO SLIDES 5– TÍTULO E SUBTÍTULO - Deve haver nexo entre eles - Letra: maiúscula - Sintéticos: < 6 palavras - Cor:amarela (degradée) - Dimensões: > 24 (padrão com > 100 anos) - Para tema-livre: . título pequeno em cima

  10. CRIANDO SLIDES 6 - TEXTO - Conciso - Se extraído de livros / artigos: . adapte-o . use pontos críticos . use palavras-chave . não use siglas - se necessário: usar notas de rodápé - Se refere à publicações: - mostrar referências em negrito, no rodapé

  11. CRIANDO SLIDES 7 – TABELAS - Relacionam e separam dados - Iniciar pelo título - Caracterizar cada linha e coluna - Discutir os dados - Limitar nº de linhas e colunas I D E A L = tabelas 3 X 2

  12. CRIANDO SLIDES Tipo de carne preferida em churrasco, de acordo com a constituição física do cliente cliente magro obeso picanha 35 85 alcatra 55 10 maminha 10 5 carne

  13. MÓDULO 2 FAZENDO APRESENTAÇÕES

  14. FAZENDO APRESENTAÇÕES 1 – FASE DE PREPARAÇÃO . Defina o objetivo, escreva e corte o máximo . Prepare-se! - cada 1 hora de aula = 10 de preparação . Apresentação relevante, simples e direta . O público se impressiona + com raciocínio . Convicção, energia e entusiasmo

  15. FAZENDO APRESENTAÇÕES REGRA DOS TRÊS “ es ” . Ensinar:deve-se aprender o tópico . Entreter:o discurso deve agradar . Explicar:tudo deve ser claro

  16. FAZENDO APRESENTAÇÕES ESCALA DE PRIORIDADE DA INFORMAÇÃO O que é preciso saber O que se deveria saber O que seria bom saber

  17. FAZENDO APRESENTAÇÕES RELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E SENTIDOS 1 % paladar 1,5% tato 3,5% olfato 11 % audição 83 % visão APRENDIZADO/RETENÇÃO 10% do lido 20% do escutado 30% do visto 50% do visto e escutado 70% do escutado e discutido 90% do escutado e feito Fonte: Second Vacuum Oil Co., 1973

  18. FAZENDO APRESENTAÇÕES RETENÇÃO EM DIFERENTES MÉTODOS dados retidos (%) método após 3 horasapós 3 dias Oral 70 10 Visual 72 20 Visual + oral 85 65 Fonte: Second Vacuum Oil Co., 1973

  19. FAZENDO APRESENTAÇÕES IMPACTO DA COMUNICAÇÃO PESSOAL VERBAL= 7% (apenas palavras) VOCAL = 38% (tom, inflexão, voz) VISUAL= 55% (facial, expressões, gestos)

  20. FAZENDO APRESENTAÇÕES REDUZA SEUS MEDOS TEMORES COMUNS COMO VENCÊ-LOS . Nervosismo excessivo . Ensaie frente a espelho . Ensaie no local . Reveja suas anotações . Respire fundo e sorria . Platéia entediada . Só fale o relevante . Entusiasme-se . Varie a velocidade . Olhe nos olhos

  21. FAZENDO APRESENTAÇÕES REDUZA SEUS MEDOS TEMORES COMUNS COMO VENCÊ-LOS . Platéia hostil . Mantenha-se educado . Mantenha-se gentil . Faça concessões . Devolva perguntas . Falha de recursos . Verifique tudo antes . Teste duas vezes . Não se desespere . “Lei de Murphy”

  22. FAZENDO APRESENTAÇÕES CONHEÇA A PLATÉIA . Qual o tamanho do público? . Qual a idade média e nível cultural? . Qual o grau de informação do assunto? . Há participação espontânea? . Há preconceitos? . Todos ou alguém da platéia te conhecem?

  23. FAZENDO APRESENTAÇÕES CONHEÇA A PLATÉIA TAMANHO ESTILO TÉCNICAS Pequeno Formal ( < 15) . Reuniões de diretoria . Encontros com potenciais clientes . Apresentações interdepartamentais . Olhe nos olhos de cada um desde começo . Olhe para a platéia o tempo todo Informal . Faça perguntas à platéia . Permita questões individuais, mas não perca tempo . Mostrar novas idéias a conhecidos . “quebra o gelo”

  24. FAZENDO APRESENTAÇÕES CONHEÇA A PLATÉIA TAMANHO ESTILO TÉCNICAS Grande Formal ( > 15) . Conferências . Reuniões anuais de empresa . Todos devem ouví-lo com clareza . Associe, resuma, enfatize e repita os pontos principais Informal . Faça perguntas à platéia . Permita questões individuais, mas não perca tempo . Quando estiver na platéia e for chamado para apresentação espontânea

  25. FAZENDO APRESENTAÇÕES ORGANIZE A PLATÉIA Situação 1 . Fileiras retas e estreitas . Palestrante vê todos . Mas os do fundo não vêem . e não ouvem bem Solução . Caminhe até o fim da sala . Pergunte ao fundo

  26. FAZENDO APRESENTAÇÕES ORGANIZE A PLATÉIA Situação 2 Solução . Inverso da situação 1 . Caminhe pelos lados . Maioria vê/ouve bem . Pergunte às laterais . Orador não vê todos

  27. FAZENDO APRESENTAÇÕES ORGANIZE A PLATÉIA Situação 3 Solução . Melhor visão/som . Áreas maiores . Orador vê todos . Uso do declive . Ocupa + espaço

  28. FAZENDO APRESENTAÇÕES VARREDURA VISUAL limite de visão do orador olhar fixo em rosto amigável olhar fixo na fileira de trás olhar fixo no horizonte

  29. FAZENDO APRESENTAÇÕES RECURSOS DIDÁTICOS Retroprojetor . Bom: quadros e tabelas . Mal usado na prática . Não obstrua a visão . Não use apontador

  30. FAZENDO APRESENTAÇÕES RECURSOS DIDÁTICOS “Flip-chart” . Bom: platéia pequena . Mal usado na prática . Não obstrua a visão . Use cores enfatizantes

  31. FAZENDO APRESENTAÇÕES RECURSOS DIDÁTICOS “Data-show” . “Aposentou o slide” . Sub-utilizado na prática . Às vezes, complexo . Caro . Se a lâmpada queima ...

  32. FAZENDO APRESENTAÇÕES RECURSOS DIDÁTICOS Microfone Apontador LASER

  33. FAZENDO APRESENTAÇÕES ATENÇÃO DA PLATÉIA Tempo de atenção da platéia . Início: público alerta . 10’: atenção máxima . 30-40’: atenção cai . 40-50’: cresce . Fim: similar ao início 0 10 20 30 40 50 Tempo (minutos)

  34. FAZENDO APRESENTAÇÕES ENTENDENDO A PLATÉIA Postura negativa . Escorado para trás . Braços/pernas cruzados . Pessoas cochichando . Cara “amarrada” . Olhando para o teto . Cuidado! Muito cuidado!

  35. FAZENDO APRESENTAÇÕES ENTENDENDO A PLATÉIA Postura interessada . Sorriem, curvam-se . Concordam com a cabeça . Cotovelos sobre joelhos . Queixo sobre as mãos . Franzido de concentração . Fáceis de conquistar

  36. FAZENDO APRESENTAÇÕES ENTENDENDO A PLATÉIA Postura neutra . Indica opinião não-formada . Relaxada = mente aberta . Pernas cruzadas = reflexão . Queixo sobre as mãos . Ainda não se convenceu . Mas se dispõe a ouvir mais

  37. FAZENDO APRESENTAÇÕES ENTENDENDO A PLATÉIA Postura de concordância . Curvam-se para a frente . Mãos à vontade . Pernas paralelas . Expressão aberta e franca . Concordam totalmente

  38. FAZENDO APRESENTAÇÕES ENFRENTANDO HOSTILIDADES Motivos: . Discordância total com o conteúdo . Raiva de palestrante anterior . Ressentimento por assistir algo obrigado Solução: . Reconheça o problema e desarme-o . Peça que sejam justos e sem preconceitos . “Plante” um amigo na platéia para ajudar

  39. FAZENDO APRESENTAÇÕES RECONHECENDO PERGUNTAS . Pergunta-resumo = esforço de recapitular “ o que você parece dizer é ... Estou certo?” . Pergunta direta = apelo direto à informação “ Quais as principais cirurgias que vocês fazem?” . Pergunta “EU” = experiência pessoal “ Quando li, descobri isto. Como você explica?”

  40. FAZENDO APRESENTAÇÕES RESPONDENDO PERGUNTA IRRESPONDÍVEL . Não ignore a pergunta; dê algo em troca . Seja evasivo ou devolva para a platéia “não sei a resposta, mas acharei. Deixe seu e-mail” “ tenho de pensar... Pergunte mais tarde... Próxima!” “ não sei a resposta. Podemos discutir mais tarde?” “ há resposta certa ou errada?. Na minha opinião...” “ eu não pretendia tocar neste assunto hoje ...”

  41. FAZENDO APRESENTAÇÕES LIDANDO COM OS CHATOS “SABICHÃO” . Exibicionista . Causa “barulho” . Trate-o com cortesia “PERDIDÃO” . Prolixo . Causa desatenção . Traga-o de volta

  42. FAZENDO APRESENTAÇÕES N U N C A ... . Comece ou termine a aula com um slide . Pule ou volte um slide . Use slides em língua estrangeira . Diga que precisa encerrar a aula logo NUNCA PEÇA DESCULPAS ...

  43. FAZENDO APRESENTAÇÕES “ GRAND FINALE ” . Conclusão forte = sensação de recompensa . Sinalize o final: “finalmente”, “para resumir” . Respeite o tempo que lhe foi oferecido . Saiba quantos e como cortar itens ao fim . Aproxime-se da platéia, firme e confiante . Utilize a aliteração

  44. FAZENDO APRESENTAÇÕES “A L I T E R A Ç Ã O ” . Palavras que começam com a mesma letra . Use no máximo 3 palavras ao confeccionar slides você deve ser: claro, conciso, criativo

  45. COMO CRIAR SLIDES ? e COMO FAZER APRESENTAÇÕES ? E X E M P L O

  46. Em abril de 2003 fui convidado, por “AMIGUINHOS”, para dar aula sobre infecção por HPV em certo congresso

  47. H P V DNA-vírus com tropismo: - pele: . genital . anal - mucosas: . orofaríngea . traqueobrônquica . uretral . retal human papilloma virus 8 Kb e 55 nm

  48. H P V DNA-vírus com tropismo: - pele: . genital . anal - mucosas: . orofaríngea . traqueobrônquica . uretral . retal human papilloma virus 8 Kb e 55 nm

  49. H P V g e n i t a l Dúvidas ... ... - por que touros reprodutores que nunca tiveram relações sexuais têm a presença do BPV (vírus do papiloma bovino, similar ao humano) ? Estudo entre UNIFEP, UFOP e Universidade de Oslo, 2002

  50. samambaia-das-taperas 30% dos bois que a ingerem têm anomalias cromossômicas e desenvolvem lesões por BPV Estudo entre UNIFEP, UFOP e Universidade de Oslo, 2002