a constru o do question rio l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
A construção do questionário PowerPoint Presentation
Download Presentation
A construção do questionário

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 23

A construção do questionário - PowerPoint PPT Presentation


  • 107 Views
  • Uploaded on

A construção do questionário. Nadya Araujo Guimarães USP, Métodos e Técnicas de Pesquisa I 01/2004. Roteiro:. O questionário: instrumento de coleta e instrumento de medida Tipos de questões: vantagens e desvantagens A economia global do questionário. 1. O questionário.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'A construção do questionário' - britany


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
a constru o do question rio

A construção do questionário

Nadya Araujo Guimarães

USP, Métodos e Técnicas de Pesquisa I

01/2004

roteiro
Roteiro:
  • O questionário: instrumento de coleta e instrumento de medida
  • Tipos de questões: vantagens e desvantagens
  • A economia global do questionário
1 o question rio

1. O questionário

Instrumento de coleta

e

Instrumento de medida

1 a o question rio instrumento de coleta
1.a - O Questionário: instrumento de coleta

Escolhidos os indicadores, como traduzí-los em perguntas de um questionário? Como formular tais perguntas?

Todas as perguntas de um questionário têm uma razão de ser, dada pela(s) hipótese(s) que orientam a pesquisa.

1 b o question rio instrumento de medida dicas
1.b – O Questionário: instrumento de medida. Dicas.
  • 1. O estímulo dado aos entrevistados deve ser o mesmo.A mesma pergunta terá de ser feita a todos, sem acréscimos ou comentários.
    • => Vigilância quanto à melhor forma de perguntar, fraseando a questão
    • 2. Cuidados com o entrevistado
    • 2.1.O questionário não pode passar a idéia de um exame ou de um interrogatório, deixando no entrevistado a sensação de ser ignorante ou induzindo-o a respostas insinceras.
    • 2.2.Não deve ser monótono, tedioso ou parecer inútil.
2 as quest es

2. As questões

Tipologia, vantagens, desvantagens e dicas

vantagens e desvantagens
Vantagens e desvantagens

Tipo de pergunta

Vantagens

Desvantagens

Aberta

Revela o nível de informação do respondente e aspectos desconhecidos

Pode produzir resposta vaga ou induzir a não-resposta

Fechada

Permite comparações

É mais fácil de ser tratada quantitativamente

Pode induzir ou distorcer a resposta

Requer muito bom conhecimento das alternativas possíveis

quest es fechadas
Questões fechadas
  • => A melhor maneira de fechar uma questão é colocá-la como pergunta aberta na fase de teste e, através de uma análise de conteúdo das respostas, escolher as alternativas para a pergunta fechada (a menos que se tenha excelente conhecimento das possibilidades alternativas de resposta).
  • => As perguntas fechadas devem oferecer
      • Uma lista exaustiva de alternativas (todas as possibilidades são oferecidas)
      • e, à exceção das de múltipla escolha,
      • Onde as alternativas devem ser mutuamente exclusivas (isto é, cada resposta só pode se situar numa categoria)
      • A não ser que se trate de questão de múltipla escolha (que comporta mais de uma alternativa de resposta)
2 2 quest es comportamentais
2.2 - Questões comportamentais

Descrevem práticas dos respondentes. Exigem:

. Motivação

. Segurança de anonimato

comportamentos socialmente aceitos
Comportamentos socialmente aceitos
  • Para comportamentos socialmente aceitos:
  • 1.formular perguntas precisas e específicas (“Na semana passada, entre sexta e domingo, quantas vezes você tomou o metrô?”).
  • 2. perguntas genéricas suscitaram impressões subjetivas.
  • 3. costuma-se ajudar a memória dos respondentes através de fichas (ou cartões), de modo a coletar o reconhecimento mais que a lembrança
  • 4. por vezes, utiliza-se o recurso a questões que funcionam como bons marcadores temporais (remissões a fatos, circunstâncias...)
comportamentos indesej veis
Comportamentos indesejáveis

Os comportamentos socialmente valorizados serão sobre-estimados, ao contrário dos socialmente reprovados.

Para evitar essa tendência: 1.Estabelecer um clima permissivo para demonstrar a aceitação de qualquer resposta. 2.Insistir sobre a normalidade ou minimizar o caráter excepcional de certos comportamentos. 3. Aumentar o leque de alternativas, misturando comportamentos desejáveis e indesejáveis. 4. Usar linguagem familiar e coloquial em questões mais longas 5.Usar questionários auto-aplicáveis, cercando-o de precauções para indicar a garantia do anonimato

2 3 quest es de opini o
2.3 - Questões de opinião

Opiniões, atitudes, satisfação, preferências, crenças, motivações

para lidar com quest es de opini o
Para lidar com questões de opinião
  • Escalonar as alternativas
  • O uso das posições intermediárias: refúgio dos indecisos versus pressupor que todos têm opinião sobre o assunto.
  • Evitar respostas dicotômicas (sim ou não)
  • Para facilitar as respostas:
  • 4.1. Usar preferencialmente questões fechadas
  • 4.2. Elaborar questões curtas, sem preâmbulos inúteis, e instruções simples
  • 4.3.  Ordenar as alternativas sempre da mesma maneira
  • 4.4.  Utilizar estímulos visuais e ilustrações
2 4 quest es de posi o social
2.4 - Questões de Posição Social
  • ocupação (as categorias socio-ocupacionais)
  • nível de escolaridade
  • renda (classes de renda, por tratar-se de uma pergunta incômoda)
  • indicadores de standing (posição) : propriedade ou não de bens e quantidade desses.
2 5 quest es indiretas
2.5 - Questões indiretas
  • Perguntas sobre outros (Você conhece alguém que usa drogas?)
  • Assunção da posição de uma terceira pessoa (imaginária)
  • Teste de associação de idéias
  • Frases para completar
  • Estímulos visuais, desenhos para serem comentados, etc
2 6 quest es ou formula es carregadas
2.6 - Questões (ou formulações) carregadas
  • 1 - Evitar questões das quais não se pode discordar (ex.: “Você é favor que a escola ensine a preparar uma alimentação saudável e equilibrada?)
  • 1.1.  indução a certo tipo de resposta (sugerir)
  • 1.2.  generalidade (“O Brasil deve defender a independência do Timor Leste?” Ou “O Brasil deve se engajar na defesa da independência do Timor Leste?” ou “O Brasil deve mandar tropas para defender a independência do Timor Leste?”)
  • 2 . Evitar a escolha entre alternativas enunciadas desigualmente: (“Você é favor da pena de morte? Sim, como meio extremo; sim, apenas para crimes odiosos; sim, apenas para bandidos irrecuperáveis; não”)
  • 3. Evitar escapar pela via da falsa sinonímia (“não autorizar” versus “proibir”; “evitar a gravidez” versus “ter um número desejado de filhos”)
  • 4. Evitar uso de vocábulos carregados de emoção (liberdade, democracia, felicidade, racismo, fascismo, etc.)
exce o quando quest es carregadas podem ser teis
Exceção: quando questões carregadas podem ser úteis

para contrabalançar tendências

ou

testar fidelidade a certos princípios.

a compreens o das perguntas
A compreensão das perguntas
  • Fazer questões concretas e precisas, evitar abstrações
  • Usar filtros (todas perguntas não se aplicam a todos os indivíduos)
  • Usar um vocabulário simples e familiar
  • Evitar palavras com sentidos diversos (polissemia)
  • Evitar formas gramaticais pouco claras
  • Precisar sempre o quadro de referência (geográfico, temporal, etc.)
  • Cada idéia deve dar lugar a uma questão.
a neutralidade das quest es
A neutralidade das questões
  • Levar em consideração tendências psicológicas
  • 1.1. tendência à aquiescência (remédio? aumentar as alternativas)
  • 1.2.  resistência à mudança (frasear alternativamente)
  • 1.3.  argumento de autoridade (credibilidade do emissor de opinião)
  • 1.4.  a apresentação das alternativas (nas listas longas, a primeira e a última alternativas tendem a ser escolhidas) Remédio: alternar a direção de leitura das listas (rodízio).
a disposi o das quest es
A disposição das questões
  • 1.1.  A ordem das questões: coerência e continuidade. Abandona-se a ordem dos temas e das hipóteses do projeto em favor da fluidez da entrevista. O uso de filtros é importante para não maçar os respondentes.
  • 1.2.  Marcar as transições ou mudanças de tema do questionário
  • 1.3.  As primeiras questões: “quebra-gelo”. Questões de ordem geral, claras, simples interessantes.
  • 1.4.  Questões difíceis, incômodas não aparecem no começo do questionário. Elas devem ser preparados por questões banais, fáceis de serem respondidas, “questões locomotivas”. Às vezes, é preciso mesmo introduzir questões de relaxamento, sem nenhum outro objetivo que o de introduzir uma questão mais difícil.
contamina o entre respostas
Contaminação entre respostas
  • Respostas podem ser contaminadas por outras já dadas anteriormente. (Exemplo: questões sobre o aborto deixam-se contaminar por questões sobre religiosidade). Nesse caso, é preciso distanciá-las. Às vezes, o próprio teor das perguntas do influencia certas respostas, sendo necessário deslocá-las para o começo.
3 a economia global do question rio
3. A economia global do questionário
  • Extensão do questionário depende do:
  • 1.1.  local onde será aplicado
  • 1.2.  interesse do assunto para o entrevistado
  • A apresentação do questionário deve:
  • 2.1.  Ser profissional e simples
  • 2.2.  Conter todas as instruções ao aplicador