embriologia cardiovascular l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
EMBRIOLOGIA CARDIOVASCULAR PowerPoint Presentation
Download Presentation
EMBRIOLOGIA CARDIOVASCULAR

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 33

EMBRIOLOGIA CARDIOVASCULAR - PowerPoint PPT Presentation


  • 771 Views
  • Uploaded on

EMBRIOLOGIA CARDIOVASCULAR. Prof. Ms. Pedro Ludovico. FORMAÇAO DO ZIGOTO EDESENVOLVIMENTO DO EMBRIÃO. DESNVOLVIMENTO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR. DESENVOLVIMENTO DO CORAÇÃO. Formação: átrios ventrículos vasos sanguíneos válvulas sistema de condução Circulação fetal e neonatal.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'EMBRIOLOGIA CARDIOVASCULAR' - betty_james


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
embriologia cardiovascular
EMBRIOLOGIA CARDIOVASCULAR

Prof. Ms. Pedro Ludovico

FORMAÇAO DO ZIGOTO EDESENVOLVIMENTO DO EMBRIÃO

DESNVOLVIMENTO DO SISTEMA CARDIOVASCULAR

DESENVOLVIMENTO DO CORAÇÃO

  • Formação:
  • átrios
  • ventrículos
  • vasos sanguíneos
  • válvulas sistema de condução
  • Circulação fetal e neonatal
embriologia
EMBRIOLOGIA

      Após a fertilização do ovócito pelo espermatozóide tem início uma série de eventos que caracterizam a formação do zigoto e o desenvolvimento do embrião.

      O zigoto é uma célula única formada pela fusão do óvulo com o espermatozóide e na qual estão presentes os 46 cromossomos provenientes dos gametas dos pais, cada um contendo 23 cromossomos.

Zona pelúcida

Corpúsculos polares

Pronúcleos

Cauda do espermatozóide degenerado

Fusão dos pronúcleos

embriologia3
EMBRIOLOGIA

A partir de 24 horas contadas após a fertilização, o zigoto começa a sofrer sucessivas divisões mitóticas, inicialmente originando duas células filhas denominadas blastômeros, depois quatro e assim sucessivamente. Os blastômeros ficam envoltos por uma membrana gelatinosa, a zona pelúcida.

Corpúsculo polar

Zigoto na anáfase da 1ª. mitose

Zigoto na metáfase da 1ª. mitose

blastomeros

Zona pelúcida

Estágio de 04 blastômeros após mitoses sucessivas

embriologia4
EMBRIOLOGIA

Quando cerca de 12 blastômeros são formados, glicoproteínas adesivas tornam as células mais compactas, e por volta do 3º dia, quando os blastômeros somam 16 células a compactação é mais evidente. Esse estágio é então denominado mórula. Já no 4º dia a mórula alcança o útero e passa a armazenar no seu interior fluido proveniente da cavidade uterina, fazendo com que ocorra o deslocamento das células para uma posição periférica e o surgimento de uma cavidade, a blastocele. O blastocisto, como é então chamado apresenta duas porções distintas: o trofoblasto, representado por uma camada de células achatadas e  o embrioblasto, um conjunto de células que faz saliência com o interior da cavidade.

embrioblasto

Cavidade blastocística

mórula

trofoblasto

blastocisto

embriologia5
EMBRIOLOGIA

Ao redor do 6º dia tem início o período de implantação. O blastocisto, já sem a zona pelúcida, dirige-se a mucosa uterina e a região do embrioblasto se adere a ela. Os trofoblastos por sua vez são estimulados e começam a proliferar, invadindo o endométrio.

Nessa fase distinguem-se o citotrofoblasto que constitui a parede do blastocisto e o sinciciotrofoblasto, cujas células estão em contato direto com o endométrio formando um sincício com grande capacidade de proliferação e invasão. Enquanto isso o embrioblasto sofre mudanças que permite diferenciar duas porções: o epiblasto e o hipoblasto.

embriologia6
EMBRIOLOGIA

Dessa forma ao fim de nove dias após a fertilização, o blastocisto já se encontra totalmente implantado no endométrio e entre as células do epiblasto surge a cavidade amniótica.

Do hipoblasto origina-se uma camada de células denominadas membrana de Heuser que revestirá a cavidade interna do blastocisto que então passará a se chamar cavidade vitelina primitiva. Entre a cavidade e o citotrofoblasto surge uma camada de material acelular, o retículo extra- embrionário.

embriologia7
EMBRIOLOGIA

Por volta do 12º dia surgem células que revestem o retículo extra- embrionário (mesoderma extra- embrionário) que passarão a formar cavidades preenchidas por fluido e que posteriormente serão unidas formando a cavidade coriônica.

embriologia9
EMBRIOLOGIA

A medida em que a cavidade coriônica se expande ocorre a separação do âmnio e do citotrofoblasto. Na vesícula vitelínica ocorre a proliferação do hipoblasto seguida de contrição de parte da cavidade, formando vesículas exocelômicas que se detacam e são degeneradas. A porção da cavidade remanscente denomina-se agora cavidade vitelina definitiva

desenvolvimento inicial do sistema cardiovascular
DESENVOLVIMENTO INICIAL DO SISTEMA CARDIOVASCULAR
  • Sistema cardiovascular
    • 1o grande sistema a funcionar no embrião
    • Deriva principalmente do mesoderma esplâncnico
  • Desenvolvimento Inicial – 3a semana
    • Cordões angioblásticos – mesoderma esplâcnico
    • Tubos endocárdicos do coração
      • Fusão – coração tubular ( final da 3a semana )
      • Camadas: tubo endotelial ( endocárdio ),geléia cardíaca,miocárdio, pericárdio viceral ou epicárdio
    • 21o dia começa a bater
desenvolvimento inicial do sistema cardiovascular13
DESENVOLVIMENTO INICIAL DO SISTEMA CARDIOVASCULAR
  • Coração Primitivo
    • Tronco arterioso – originará os grandes vasos
    • Bulbo cardíaco - futuro ventrículo direito
    • Ventrículo Primitivo - futuro ventrículo esquerdo
    • Átrio
    • Seio venoso
  • Circulação pelo Coração Primitivo
    • Veias Cardinais Comuns
    • Veias Umbilicais
    • Veias Vitelinas
    • Tronco arterioso, arcos aórticos e aortas dorsais
conforma o dos trios
CONFORMAÇÃO DOS ÁTRIOS
  • Conformação final do átrio direito
  • Alterações do seio venoso ( Final da 4a sem. )
    • Aumento progressivo do corno direito ( Shunts E-D )
    • Incorporação do corno direito no átrio direito
      • Elevação vertical
        • Internamente – crista terminal
        • Externamente – Sulco terminal
      • Parte lisa – sinus venarum
      • Parte trabeculada – átrio primitivo
    • Veia cardinal comum e anterior direita cava Superior
    • Veia umbilical e vitelina direita Cava inferior
    • Diminuição do Corno Esquerdo
    • Corno esquerdo Seio Coronariano e Seio venoso
embriologia18
EMBRIOLOGIA
      • Arcos aórticos e outros ramos da aorta dorsal
  • Arcos aórticos – saco aórtico até aorta dorsal
  • Artérias intersegmentares:
  • Artéria vertebral
  • Artérias intercostais
  • Artérias lombares
  • Artérias ilíacas comuns
  • Artérias sacrais laterais
  • ** OBS.: a aorta dorsal forma a artéria sacral mediana
derivados dos arcos a rticos
DERIVADOS DOS ARCOS AÓRTICOS
  • Entre sexta e oitava semana – forma-se o arranjo arterial adulto
  • 3o Par
    • Artérias carótidas comuns e carótidas internas
  • 4o Par
    • 4o arco aórtico esquerdo
      • Parte da croça da aorta
      • Parte proximal da aorta – deriva do saco aórtico
    • 4o arco aórtico direito
      • Parte proximal da artéria subclávica direita
derivados dos arcos a rticos21
DERIVADOS DOS ARCOS AÓRTICOS
  • 6o Par
    • 6o arco aórtico esquerdo
      • Parte proximal – parte proximal da artéria pulmonar esquerda
      • Parte distal – ducto arterioso
    • 6o arco aórtico esquerdo
      • parte proximal da art. Pulmonar direita
rota o do tubo card aco
ROTAÇÃO DO TUBO CARDÍACO
  • Formação das cavidades cardíacas
    • Crescimento desproporcional do tubo Cardíaco
    • Alça Bulboventricular, Sulco Bulboventricular
      • Bulbo ventrículo direito
      • Ventrículo primitivo ventrículo esquerdo
    • Deslocamento posterior do átrio e seio venoso
      • Desvio medial do átrio – canal AV comunica-se c/ VD e VE
      • Origem do átrio direito e esquerdo