dastransi es articul o a ag ncia da crian a l.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
PowerPoint Presentation
Download Presentation

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 40

- PowerPoint PPT Presentation


  • 164 Views
  • Uploaded on

DasTransições à Articulção: A “agência” da Criança . Teresa Vasconcelos, ESE Lisboa 3.º Congresso da Texto Editores Santa Maria da Feira, 16.06.05. Uma História Feliz de Transição.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about '' - benjamin


Download Now An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
dastransi es articul o a ag ncia da crian a

DasTransições à Articulção:A “agência” da Criança

Teresa Vasconcelos, ESE Lisboa

3.º Congresso da Texto Editores

Santa Maria da Feira, 16.06.05

uma hist ria feliz de transi o

Uma História Feliz de Transição

Vasco e o grupo de amigos, a entrada no 1.º ciclo e a vontade de aprender: uma história de assertividade e resiliência.

aprendizagens nos primeiros anos compet ncias b sicas
Aprendizagens nos Primeiros Anos - Competências Básicas
  • Aprender a aprender (Gisbert, 2003);
  • Desenvolver resiliência (Wustmann, 2003);
  • Fazer face às transições de forma dinâmica (Griebel & Niesel, 2003).

(in: Fthenakis, 2000, 2003)

resili ncia
Resiliência
  • Porque será que algumas crianças são mais capazes de se acomodar às mudanças do que outras? Que papel podem as instituições educativas ter no apoio às crianças que, por uma série de razões, podem ser mais vulneráveis nas transições?
  • O termo resiliência é usado para descrever um conjunto de qualidades que apoiam a adaptação e a capacidade para gerir a mudança mesmo em circunstâncias difíceis (Benard, 1995; Dunlop, 2003).
resili ncia como capacidade natural
Resiliência como capacidade natural
  • Através da resiliência o indivíduo desenvolve a sua competência social, a capacidade de resolução de problemas, uma consciência crítica, autonomia e sentido de projecto e finalidade, bem como orientação para a acção.

(Benard, 1995)

perspectivas sobre transi o evolu o 1990 2004
Perspectivas sobre Transição(evolução: 1990-2004)
  • Transição como um conjunto de práticas docentes ou escolares (90-00);
  • Transição como mudança situada num tempo limitado (92-02);
  • Transição como continuidade de experiência (98-03);
  • Transição como um processo multi-facetado e multi-temporal (02-04).

(Petriwskyj, Thorpe & Tayler, 2005)

continuidade
Continuidade
  • Continuidade não como uniformidade (sameness), mas como forma de conseguir proporcionar, através da continuidade, uma ampla capacidade de agarrar naquilo que é novo e, portanto, de garantir o progresso (Dunlop, 2003).
transi o
Transição
  • “Passagem ou mudança de um local, estado, sentimento, assunto… para outro”; “Fase ou período intermédio numa evolução ou processo evolutivo” (Dicionário da Academia das Ciências)
  • Transição lembra: ritos de passagem; atravessar fronteiras; rituais de instituição
  • As transições trazem descontinuidades. (Griebel & Neisel, 2003)
estudos sobre transi o
Estudos sobre Transição
  • 1975/77 - Conselho da Europa: organizar a escolaridade, nomeadamente o último ano da educação pré-escolar e o 1º CEB com maior flexibilidade;
  • Nabuco (1990): transition preschool/primary;
  • Lobo (1996): réplica em Portugal do estudo de Nabuco;
  • Lopes da Silva (2002; 2004): como os professores do 1º CEB encaram a transição;
estudos sobre transi o cont
Estudos sobre Transição (cont.)
  • G. Portugal (2002): fundações emocionais da maturidade escolar - a creche como sistema de suporte à família;
  • C. Serra (2004): articulação curricular EI/1ºCEB
  • Conclusões: existem descontinuidades nas atitudes e nos comportamentos;
transi es com sucesso
Transições com Sucesso:
  • São definidas como a ausência de problemas de maior (Entwisle & Alexander, 1988) numa variedade de processos:

- se as crianças se adaptaram bem à creche (Fabian & Dunlop, 2002);

  • se as crianças se ajustaram bem à entrada no jardim de infância (Brostrom, 2002; Ladd & Price,1987);
  • se as crianças se adaptam bem sob ponto de vista físico, emocional, social e intelectual à escola do 1º ciclo (Yeboah, 2002; Griebel & Niesel, 2002);
slide12
- como é que as crianças fazem a sua transição para o ATL (Margetts,1997);
  • se as crianças não revelam problemas maiores de ajuste ao 2º ciclo (os índices de “indisciplina” são mais altos nesta transição: DEB,1997);
  • se as crianças e suas famílias estão preparadas (e se preparam) para estas transições (Niesel & Griebel, 1999);
  • as transições na vida do adulto (Petriwskyj, Thorpe & Niesel, 2003).
perspectiva ecol gica de bronfenbrenner
Perspectiva Ecológica de Bronfenbrenner
  • Bronfenbrenner (1979) descreve a adaptação da criança ao jardim de infância (ou ao 1º ciclo) como paradigmática da sua competência para funcionar bem numa variedade de contextos ecológicos
slide14

TRANSIÇÃO NUMA PERSPECTIVA

ECOLÓGICA

- CONTEXTOS ECOLÓGICOS

Microsistema - ex: criança

Mesosistema - ex: casa/família; j.i.; escola;

Exosistema - ex: emprego;comunidade local; estruturas locais de saúde;

Macrosistema - políticas governamentais; valores sociais; cultura; ideologias;

(Fabian & Dunlop, 2002)

perspectivas m ltiplas sobre processos de transi o
Perspectivas Múltiplas sobre Processos de Transição

Nível individual: mudanças de identidade; lidar com emoções fortes; desenvolvimento de competências;

  • Nível interactivo: novas relações; mudar relações existentes; novos papéis;
  • Nível contextual: transições familiares; integração de/em dois (ou mais) micro-sistemas; diferentes currículos.

(Griebel & Niesel, 2003)

factores indicativos de uma inser o positiva no 1 ciclo
Factores indicativos de uma inserção positiva no 1º ciclo
  • Sucesso escolar (Tizzard & Blatchford, 1988);
  • Competências sociais de cooperação;
  • Iniciativa nas interacções, fazer amigos (Asher & Coie, 1990);
  • Auto-confiança e Auto-controle (Margetts, 2002).
da transi o articula o

Da transição à articulação

Propostas e desafios

articula o
Articulação
  • “Ponto de união entre peças de um aparelho ou máquina;” (dicionário)
  • Articular: juntarem-se dois ou mais elementos para funcionar em conjunto ou formar um conjunto;
  • Adaptar, juntar, unir.

(Dicionário da Academia de Ciências de Lisboa)

articula o19
Articulação
  • Trabalhar as ligações aos vários níveis do sistema ecológico em que se move a criança;
  • Mais do que cenários desconectados, as crianças beneficiam de sistemas de atenção e educação que estejam bem ligados entre si, cujas influências não se neutralizem ou curto-circuitem, mas que se complementem mutuamente, proporcionando, no seu conjunto, oportunidades educativas ricas e polivalentes (João Formosinho, 2000).
a articula o na legisla o portuguesa
A Articulação na Legislação Portuguesa
  • Lei de Bases do Sistema Educativo (Artigo 8º, ponto 2):

a articulação entre ciclos obedece a uma sequencialidade progressiva, conferindo a cada ciclo a função de completar, aprofundar e alargar o ciclo anterior, numa perspectiva de unidade global do ensino básico

lei de bases do sistema educativo lei 46 86
Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei 46/86)

Artigo 8º: “No 1º ciclo o ensino é globalizante, da responsabilidade de um professor único” (…)

  • Artigo 8º: “No 2º ciclo o ensino organiza-se por áreas disciplinares (…) e desenvolve-se predominantemente em regime de professor por área;”
lei quadro da educa o pr escolar lei 5 97 de 10 de fevereiro
Lei-Quadro da Educação Pré-EscolarLei 5/97 de 10 de Fevereiro
  • A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da vida (art. 2º)
articula o curricular
Articulação Curricular

“Todas as actividades promovidas pela escola com o intuito de facilitar a transição entre o jardim de infância e o 1º CEB: dentro e fora do horário lectivo, dentro e fora da escola, com as crianças, com os pais, com os educadores e professores (…)”

(Célia Serra, 2004)

orienta es curriculares para a educa o pr escolar ocepe
Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar (OCEPE)
  • Cabe ao educador promover a continuidade educativa num processo marcado pela entrada para a educação pré-escolar e a transição para a escolaridade obrigatória”(…)
  • É também função do educador proporcionar as condições para que cada criança tenha uma aprendizagem de sucesso na fase seguinte, competindo-lhe, em colaboração com os pais e em articulação com os colegas do 1º ciclo, facilitar a transição da criança para a escolaridade obrigatória.
programa do 1 ciclo
Programa do 1º Ciclo
  • (Os programas do 1.º CEB) não como um corpo mais ou menos estruturado de matérias a assimilar, mas como instrumentos reguladores do processo de ensino-aprendizagem, tendo por eixo um determinado número de objectivos que visam a progressão do aluno, adequando-se ao estádio de desenvolvimento intelectual e afectivo em que ele se encontra.

DEB, 1998: 12

ocepe cont
OCEPE (cont.)

(…)A diversidade de situações e a variedade de reacções das crianças que iniciam a educação pré-escolar exigem uma grande atenção, flexibilidade e receptividade por parte do educador para encontrar as respostas mais adequadas (p. 88)

(…) O contacto com o ambiente familiar da criança possibilita compreendê-la e acolhê-la de forma individualizada, mas é também importante para os pais (…) visto que eles também podem sofrer com a separação da criança (ibid.).

transi o articula o

Transição …. Articulação

- a “Agência” da Criança -

ocepe cont28
OCEPE (cont.)
  • As crianças mais velhas ou que já frequentaram o jardim de infância no ano anterior, podem também desempenhar um papel no acolhimento dos mais novos. Planear em conjunto como receber os que chegam constitui uma situação de aprendizagem de que estes e os “antigos” podem beneficiar (pg. 89).
articular cuidar das transi es tornando as educativas
Articular: Cuidar das Transições tornando-as educativas
  • Co-construção da transição para a escola (Griebel & Niesel, 2000):

- os saberes e as perspectivas das crianças

- os saberes e as perspectivas das famílias;

  • os saberes e as perspectivas dos professores e educadores;
  • os saberes e as perspectivas dos administradores e decisores políticos;
  • etc.
articular cuidar das transi es tornando as educativas30
Articular: Cuidar das Transições tornando-as educativas
  • Reforçar a competência de aprender a aprender como organizar o seu próprio conhecimento e como usá-lo para a resolução de problemas e em situações de responsabilidade social.

(Fthenakis, 2002)

uma perspectiva pedag gica
Uma perspectiva pedagógica
  • Metodologia de Trabalho de Projecto (Irene Lisboa, 1943):
  • projecto educativo de estabelecimento
  • projecto curricular de sala na sala
  • Metodologia de Trabalho de Projecto entre ciclos (MEM; Castro & Rangel, 2004);
  • Metodologia de Trabalho de Projecto entre profissionais de diferentes níveis educativos, para garantir a transição:
  • uma perspectiva relacional
  • professores como intelectuais
uma perspectiva organizacional
Uma perspectiva organizacional
  • A continuidade atribuída não conduz por si só a uma continuidade construída… Os educadores de infância e os professores do 1.º ciclo devem ser proactivos na procura da continuidade /sequencialidade, não deixando de afirmar a especificidade do exercício profissional de cada um (L.F.Hmem, 2002)
  • As potencialidades dos agrupamentos: porque não ultrapassar a burocracia e trabalhar a pedagogia?
para uma articula o co constru da
Para uma articulação co-construída:
  • Uma aproximação na perspectiva de “cultura profissional” e de “cultura organizacional” (Homem, 2002);
  • Modelos pedagógicos (e curriculares) coerentes;
  • Pedagogias diferenciadas
para uma articula o co constru da34
Para uma articulação co-construída
  • Escutar os pais e as suas perspectivas;
  • Escutar os profissionais e suas perspectivas (professores do 1º ciclo, educadores de creche e do j.i., outros profissionais - serv. social, saúde, psicologia, anim. tempos livres)
  • Escutar as perspectivas da administração e dos decisores políticos;
  • Escutar as pesrpectivas das crianças (Einarsdóttir, 2003)
crian a autora das suas transi es
Criança “autora” das suas transições
  • Quanto mais pequena é a criança, ou o sistema em que se insere seja tomado como um adquirido, menos as crianças pequenas poderão ter “agência”, ou qualquer poder de acção sobre as coisas e os acontecimentos. No entanto, a nível pré-escolar é isso exactamente que se pretende.
ag ncia por parte da crian a
“Agência” por parte da Criança
  • O conceito de “agência”, introduzido por Giddens (final anos 90), não é fácil de definir. Emirbayer & Mische (1998) consideram que o conceito de “agência” é multidimensional, inclui definição de objectivos, sentido de intencionalidade, deliberação e avaliação, mas envolve o interface entre tudo isto no sentido do poder de um indivíduo agir em diferentes contextos estruturais de acção (Dunlop, 2003: 72).
ag ncia por parte da crian a37
“Agência” por parte da Criança
  • Num contexto de transição, a “agência” implica que a criança se sinta activa, com um sentido do seu próprio poder, sentindo-se implicada e envolvida, com o sentido de que é importante (“vale a pena”) e, portanto, capaz de dar um contributo à sociedade.
conclus o
Conclusão

Uma metáfora/texto ou um texto/metáfora para levarmos conosco…

… e não esquecermos a história feliz de Vasco:

Vasco autor das suas próprias transições;

Vasco capaz de fazer face à mudança

Vasco “agente” de si próprio!

no fim do ver o eug nio de andrade
No fim do verão(Eugénio de Andrade)

No fim do verão as crianças voltam,

correm no molhe, correm no vento.

Tive medo que não voltassem.

Porque as crianças às vezes não

regressam. Não se sabe porquê

mas também, elas

morrem.

Elas, frutos solares:

laranjas romãs

no fim do ver o eug nio de andrade40
No fim do verão(Eugénio de Andrade)

diospiros. Sumarentas

no outono. A que vive dentro de mim

também voltou; continua a correr

nos meus dias. Sinto os seus olhos

rirem; seus olhos

pequenos brilhar como pregos

cromados. Sinto os seus dedos

cantar com a chuva.

A criança voltou. Corre no vento.