DERMATOSES - PowerPoint PPT Presentation

dermatoses n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
DERMATOSES PowerPoint Presentation
play fullscreen
1 / 38
DERMATOSES
490 Views
Download Presentation
clove
Download Presentation

DERMATOSES

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

  1. DERMATOSES INFÂNCIA ADOLESCÊNCIA

  2. DERMATOSES NA INFÂNCIA Shivarametal (1993) analisaram 1381 visitas à emergência pediátrica nos EUA tendo observado que 40% apresentavam lesões cutâneas. Em estudo realizado por Falangaetal (1994) em ambulatório de dermatologia geral em hospital de Miami (EUA), por período de oito meses, foi observado: 22% dos pacientes tinham menos de 18 anos, perfazendo total de 14% das consultas dermatológicas.

  3. DERMATOSES NA INFÂNCIA O estudo das dermatoses nesta faixa etária: possibilita maior acurácia nos diagnósticos realizados. Noronha etal analisou 662 casos de lesões de pele diagnosticados histologicamente no Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná (Brasil). Idade: 0 a 14 anos, Resultados: houve alta prevalência de genodermatoses em recém-nascidos, pólipos e apêndices cutâneos em lactentes eczemas, psoríase e lesões melânicas: grupo escolar. Não foram encontradas alterações histológicas em 12% da amostra cujos pacientes foram diagnosticados com mais de 20 diferentes distúrbios dermatológicos.

  4. DERMATOSES NA INFÂNCIA Foram examinadOs 307 prontuários de crianças atendidas no ambulatório de dermatologia-HC-UFPE entre maio de 1999 a maio de 2000 Dermatoses alérgicas(17,64%) Dermatoses pigmentares(15,54%) Infecções virais(13,44%) Santos JB, Cordeiro LO, Guimarães PB, CORRÊA PMRB, CARVALHO SC. Dermatoses pediátricas no Hospital das Clínicas da UFPE. anbrasDermatol, Rio de Janeiro, 79 (3): 289-294, maio/junho 2004.

  5. DERMATOSES NO NEONATO DERMATOSES CONGÊNITAS PIGMENTARES ALTERAÇÕES VASCULARES (HEMAGIOMA DA INFÂNCIA X MALFORMAÇÕES)

  6. MANCHA MONGÓLICA

  7. ALTERAÇÕES VASCULARES HEMANGIOMA DA INFÂNCIA MANCHA VINHO DO PORTO

  8. HEMANGIOMA DA INFÂNCIA

  9. HEMANGIOMA DA INFÂNCIA TRATAMENTO SISTÊMICO: PREDNISONA OU METILPREDNISOLONA MECANISMO DE AÇÃO: VASOCONSTRICÇÃO E PROMOVA INIBIÇÃO DA ANGIOGÊNESE. CORTICOTERAPIA LOCAL: TRIANCINOLONA, BETAMETASONA OU DEXAMETASONA

  10. HEMANGIOMA DA INFÂNCIA INDICAÇÃO DE CIRURGIA: NOS CASOS ONDE HÁ ASSOCIAÇÃO DO HEMANGIOMA DA INFÂNCIA COM A SÍNDROME DE KASABACH-MERRIT A CIRURGIA PODE PROMOVER A CURA COM CO-MORBIDADE MÍNIMA TÉCNICA: POR EXCISÃO DA LESÃO E LIGAÇÃO PROXIMAL DA ARTÉRIA MANTENEDORA, GUIADA PELA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA PRÉVIA À CIRURGIA.

  11. HEMANGIOMA DA INFÂNCIA • INTERFERON-ΑLFA (INF-ΑLFA): • MECANISMO DE AÇÃO: INIBIÇÃO DA ANGIOGÊNESE; EMPREGADO NA FASE DE CRESCIMENTO. • INDICAÇÃO: RESTRITA AOS CASOS DE RESISTÊNCIA AOS CORTICÓIDES, EM DECORRÊNCIA DOS EFEITOS COLATERAIS SIGNIFICATIVOS. • RESULTADO: RESPOSTA SATISFATÓRIA EM 75 A 80% DOS CASOS.

  12. HEMANGIOMA DA INFÂNCIA TRATAMENTO QUIMIOTERAPIA:VINCRISTINA E A CICLOFOSFAMIDA,   LASER: TIPO INDICADO: PDL (PULSED DYE LASER). CRIOTERAPIA RADIOTERAPIA

  13. MANCHA VINHO DO PORTO

  14. DERMATOSES ALÉRGICAS DERMATITE ATÓPICA

  15. DERMATITE ATÓPICA

  16. DERMATITE ATÓPICA

  17. DERMATITE ATÓPICA

  18. DERMATITE ATÓPICA

  19. DERMATITE ATÓPICA:CRITÉRIOS PARA DIAGNÓSTICO • (MODIFICAÇÃO DE HANIFIN J.M.; RAJKA G., 1980) • A - CRITÉRIOS MAIORES: • PRURIDO • MORFOTOPOGRAFIA CLÁSSICA DAS LESÕES (ENVOLVIMENTO EXTENSOR E FACIAL NAS CRIANÇAS, LIQUENIFICAÇÃO E LINEARIDADE FLEXURAL NOS ADULTOS) • TENDÊNCIA À CRONICIDADE E/OU RECIDIVAS FREQÜENTES • HISTÓRIA FAMILIAR OU PESSOAL DE ATOPIA.

  20. DERMATITE ATÓPICA:CRITÉRIOS PARA DIAGNÓSTICO B-CRITÉRIOS MENORES: POSITIVIDADE AOS TESTES CUTÂNEOS IMEDIATOS ELEVAÇÃO DOS NÍVEIS SÉRICOS DE IGE DERMOGRAFISMO BRANCO OU VASOCONSTRICÇÃO PROLONGADA INDUZIDA POR AGENTES COLINÉRGICOS XEROSE ICTIOSE ACENTUAÇÃO DAS LINHAS PALMARES PITIRÍASE ALBA CERATOSE PILAR

  21. DERMATITE ATÓPICA:CRITÉRIOS PARA DIAGNÓSTICO História clínica Início precoce da doença Tendência a infecções cutâneas Conjuntivites recorrentes Tendência:dermatites-inespec-mãos-PÉS Curso influenciado por fatores ambientais Curso influenciado por fatores emocionais Intolerância alimentar Sudorese acompanhada por prurido Urticária colinérgica Enxaqueca(?) Hipersensibilidade ao níquel(?)

  22. DERMATITE ATÓPICATRATAMENTO Orientações gerais: ADEQUAÇÃO ambientes DA CASA-RETIRADA DE TAPETES BANHOS HIDRATANTE VESTUÁRIO:BRANCAS OU CORES CLARAS UNHAS CORTADAS LAVAGEM DAS ROUPAS-SEM DETERGENTES-AMACIANTES

  23. DERMATITE ATÓPICATRATAMENTO MEDICAMENTOS TÓPICOS: CORTICÓIDE INÍCIO DUAS VEZES AO DIA, POSTERIORMENTE UMA VEZ AO DIA; INTERCALAR DIAS OU SEMANA COM E SEM O USO DO CORTICÓIDE HIDROCORTISONA: CRIANÇA MENOR MOMETASONA: CRIANÇA MAIOR

  24. POTÊNCIA DOS CORTICÓIDES TÓPICOS POTÊNCIA MUITO ALTA • PROPIONATO DE CLOBETASOL 0,05% • VALERATO DE DIFLUCORTOLONA 0,3% • HALCINONIDA 0,1% • DESOXIMETASONA POTÊNCIA ALTA • DIPROPIONATO DE BETAMETASONA 0,05% • VALERATO DE BETAMETASONA 0,1% • ACETONIDO DE TRIAMCINOLONA • BUTIRATO DE HIDROCORTISONA • DESONIDA 0,05% E 0,1% POTÊNCIA MÉDIA • FUROATO DE MOMETASONA 0,1% • PROPIONATO DE FLUTICASONA 0,05% • ACETONIDO DE TRIAMCINOLONA 0,1% • ACEPONATO DE METILPREDNISOLONA 0,1% • BUTIRATO DE CLOBETASONA POTÊNCIA BAIXA • ACETATO DE HIDROCORTISONA 1% • DEXAMETASONA 0,1% E 0,2% (ADAPTADO A PARTIR DO CONSENSO BRASILEIRO DE GUIAS DE TRATAMENTO, 2006 – SBD)

  25. DERMATITE ATÓPICATRATAMENTO Imunomoduladores tópicos: pimecrolimus - 1% em creme tacrolimus a 0,1% e 0,03% em pomada MECANISMO DE AÇÃO: são inibidores da calcineurina e atuam sobre os linfócitos ativados, impedindo a liberação de citocinasproinflamatórias.

  26. DERMATITE ATÓPICATRATAMENTO CORTICÓIDE SISTÊMICO: PREDNISONA METILPREDNISOLONA ANTIBIOTICOTERAPIA TÓPICA: eritromicina a 4%; mupirocina ou ácido fusídico a 2% SISTÊMICA: cefalosporinas de primeira geração, os macrolídios OU amoxacilina-clavulonato.

  27. DERMATITE ATÓPICATRATAMENTO ANTIHISTAMÍNICOS primeira geração, com efeito sedativo: hidroxizina e dexclorfeniramina - devem ser administrados à noite. Fotoquimioterapia: combinação de psoralênico com luz Ultravioleta (PUVA) e é comprovadamente eficaz no manejo de dermatite atópica do adulto.

  28. DERMATOVIROSES TERCEIRO GRUPO DE MAIOR FREQUÊNCIA EM CRIANÇAS ATÉ OS DOZE ANOS

  29. DERMATOSES POR VÍRUS

  30. DERMATOSES POR VÍRUS

  31. DERMATOSES ADOLESCÊNCIA

  32. DERMATOSES INFLAMATÓRIASINFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA ACNE

  33. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ACNE VULGAR resposta hipersecretória das glândulas sebáceas ao estímulo androgênico-FATORES GENÉTICO E CONSTITUCIONAL hiperqueratose folicular proliferação do Propionibacterium acnes (difteróide anaeróbico), Processo inflamatório

  34. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ACNE VULGAR

  35. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ACNE VULGAR Fricção(manipulação da pele) Exposição à radiação solar ultravioleta COLONIZAÇÃO SECUNDÁRIA POR ESTAFILOCOCOS EPIDERMIDIS. MANUTENÇÃO DO Processo inflamatório

  36. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ACNE VULGAR FOTOPROTEÇÃO ORIENTAÇÃO PARA NÃO MANIPULAR-ESCORIAR A PELE retinóides tópicos; isotRetinoína, tRetinoina OU adapaleno: 0,05% peróxido de benzoíla(2 A 10%) antibióticos tópicos: ERITROMICINA: 2 A 4%; CLINDAMICINA 1%

  37. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ACNE VULGAR Antibióticos orais: tetraciclina ( 25 a 50mg/Kg/dia ); limeciclina ( 300mg/dia na primeira semana, seguidos de 150mg/dia ); macrolideos-eritromicina-Claritromicina- azitromicina). minociclina( 2mg/kg/dia- não exceder 200mgdia) (Não utilizar tetraciclina e derivados em menores de 12 anos).

  38. FIM OBRIGADA