puc goi s engenharia de produ o disc processos de fabrica o ii prof jorge marques
Download
Skip this Video
Download Presentation
PUC Goiás ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Disc.: Processos de Fabricação II Prof. Jorge Marques

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 15

PUC Goiás ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Disc.: Processos de Fabricação II Prof. Jorge Marques - PowerPoint PPT Presentation


  • 107 Views
  • Uploaded on

PUC Goiás ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Disc.: Processos de Fabricação II Prof. Jorge Marques. Aula 15 Processos de Conformação Mecânica Layout de corte – puncionamento Operações de dobra. Referências: CHIAVERINI , V. Tecnologia Mecânica . Vol. II Telecurso 2000. Processos de Fabricação.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'PUC Goiás ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Disc.: Processos de Fabricação II Prof. Jorge Marques' - alcina


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
puc goi s engenharia de produ o disc processos de fabrica o ii prof jorge marques

PUC GoiásENGENHARIA DE PRODUÇÃODisc.: Processos de Fabricação IIProf. Jorge Marques

Aula 15

Processos de Conformação Mecânica

Layout de corte – puncionamento

Operações de dobra

Referências:

CHIAVERINI, V. Tecnologia Mecânica. Vol. II

Telecurso 2000. Processos de Fabricação.

BENAZZI JR. Tecnologia de Estampagem – Fatec-SO

layout de corte
Layout de corte
  • No puncionamentoé necessário haver um espaçamento (s) entre as arestas de corte.
layout de corte1
Layout de corte
  • O arranjo das peças a estampar, respeitando os espaçamentos, definem uma tira de estampagem.
  • A largura da tira é limitada pela capacidade da máquina ou pelas características da ferramenta de estampagem.
  • As tiras são cortadas a partir de chapas ou bobinas.
  • Obter o máximo aproveitamento do material é o objetivo do layout de corte.
  • Softwares comerciais podem auxiliar nesta tarefa.
layout de chapas
Layout de Chapas
  • O estudo do layout visa obter o máximo aproveitamento (rendimento) da chapa.
  • O layout depende de:
    • Limites das prensas (carga e dimensões);
    • Volume de produção;
    • Sentido da laminação (em alguns casos);
    • Características dos materiais (espaçamentos).
    • = rendimento da chapa.
exemplos de layout
Exemplos de layout
  • Estampos simples, com um punção
  • Estampos com dois punções
exemplos de layout1
Exemplos de layout
  • Estampos com 3 carreiras de punções
    • Mais carreiras de punções = mais rendimento

Mas também exigem estampos mais caros e complexos. Analisar o volume/escala.

exerc cio
Exercício
  • Dimensões da chapa: 2000 x 1000 mm.
  • Largura máxima da tira: 320 mm (limitação máq.).
  • Espaçamento requerido entre peças e nas bordas da tira s = 2 mm.
  • Dados o desenho da peça e demais informações abaixo, faça um layout de estampagem e calcule o rendimento da chapa.
estampos progressivos1
Estampos Progressivos
  • Utilizados para peças complexas e/ou extração de peças a partir de resíduos de outras maiores.
grandes produ es
Grandes Produções
  • Estampos com alimentadores automáticos e tiras na forma de bobinas.
opera es de dobra
Operações de Dobra
  • Enquanto no corte as forças são de cisalhamento, na dobra, utiliza-se de dos conceitos de flexão para dimensionamento dos esforços necessários.
  • Igualmente importantes no projeto de ferramentas e seleção de máquinas para operações de dobra são:
    • Raio mínimo dos materiais,
    • Retorno elástico.
  • Os dimensionamentos dos esforços e os detalhamentos e características de projeto de ferramentas e máquinas não serão tratados nesta disciplina.
desenvolvimento de blanks
Desenvolvimento de blanks
  • No dobramento, há alongamento da chapa numa face e contração na outra. Numa região próxima do centro da espessura da chapa permanece com o comprimento inicial; é a camada linha neutra.
  • O pedaço de chapa que, depois de dobrada, se transforma na peça final é chamada de blank.
desenvolvimento de blanks1
Desenvolvimento de blanks
  • Um comprimento desenvolvido L é calculado conforme o esquema abaixo
ad