curso engenharia de produ o disciplina organiza o industrial prof luis roberto de mello e pinto
Download
Skip this Video
Download Presentation
Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Organização Industrial

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 112

Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Organização Industrial - PowerPoint PPT Presentation


  • 174 Views
  • Uploaded on

Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Organização Industrial Prof. Luis Roberto de Mello e Pinto. Objetivo da Disciplina.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Organização Industrial' - nenet


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
curso engenharia de produ o disciplina organiza o industrial prof luis roberto de mello e pinto
Curso: Engenharia de Produção

Disciplina: Organização Industrial

Prof. Luis Roberto de Mello e Pinto

objetivo da disciplina
Objetivo da Disciplina
  • Apresentar ao aluno as diversas estruturas de métodos, processos e avaliação dos tempos dentro da organização, além de definição de lay outs e movimentação dentro da indústria, capacitando-o para o entendimento e gerenciamento da mesma.

Prof. Luis R.M.Pinto

bibliografias renovadas
Bibliografias renovadas
  • Bibliografia Básica
  • 1. ZILSTRA,K. D. Distribuição Lean, porto alegre. Bookman, 2008
  • 2. WOMACK, J.P. et al. A Máquina que Mudou o Mundo. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1992.
  • 3. Rocha, D. R., 2008, Gestão da Produção e Operações, Rio de Janeiro, Ed. Ciência Moderna .
  • 4. Rodrigues, P.S.A., 2007, Gestão Estratégica da Armazenagem, 2ª ed., São Paulo, Ed. Aduaneiras.
  • Bibliografia Complementar
  • 1. Zilstra, K.D., 2008, Distribuição Lean, Porto Alegre, Bookman

Prof. Luis R.M.Pinto

avalia o
Avaliação
  • 2 provas (1 por bimestre), ou
  • Trabalhos
  • Freqüência Mínima: 75%
  • (onde N1 e N2 são as médias bimestrais e MS é a média semestral)

Prof. Luis R.M.Pinto

avalia o1
Avaliação
  • MS >= 70 e freqüência > 75% - Aprovado
  • 35 > MS >70 – Exame Final
  • MS < 35 – Reprovado
  • Freqüência < 75% - Reprovado

Prof. Luis R.M.Pinto

avalia o2
Avaliação

MF = Média Final

MS = Média do semestre

EF = Nota do Exame Final

MF > 50 - Aprovado

Prof. Luis R.M.Pinto

hor rio de aula
Horário de Aula
  • Terças das 21:00 as 22:40
  • Quartas das 19:00 as 20:40

Prof. Luis R.M.Pinto

ementa da disciplina
Ementa da disciplina
  • Noções básicas de organização. (da produção em massa para a produção enxuta)
  • Processo de Projeto.
  • Projeto de Método (Estudo de Movimento): Técnicas de Registro e Análise
  • Economia de Movimentos.
  • Técnicas de Medida do Trabalho: Estudo de Tempos, Amostragem do Trabalho, Tempos Pré-determinados, avaliação/ritmo, Diagrama Homem-máquina.
  • Balanceamento de linhas.
  • Tempo Padrão.
  • Estudo do arranjo físico ‘’Layout’’.

Prof. Luis R.M.Pinto

slide9
Capítulo 1:

Organização : Da Produção em Massa para a produção Enxuta.

Prof. Luis R.M.Pinto

organiza o da produ o em massa para a produ o enxuta
Organização Da Produção em massa para a produção enxuta
  • Conceitos serão estudados com ajuda de estudos de caso.
  • A indústria escolhida é a automobilística por ser historicamente didática na apresentação dos conceitos.

Prof. Luis R.M.Pinto

organiza o da produ o em massa para a produ o enxuta1
Organização Da Produção em massa para a produção enxuta :

1.1. A Indústria automobilística em transição:

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • A indústria automobilística é uma das maiores em atividade industrial, com mais de 50 milhões de veículos produzidos a cada ano.
  • Por duas vezes no século passado esta indústria alterou nossas noções de como produzir bens.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o1
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Após a 1º guerra mundial, Alfred Sloan (GM) e Henrry Ford (Ford) conduziram uma mudança importante: de séculos de produção artesanal (com liderança de indústrias européias) para a era da produção em massa (início da liderança dos EUA)

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o2
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Após a 2º guerra mundial, Eiji Toyoda e Taiichi Ohno da Toyota japonesa, foram os pioneiros no conceito da Produção Enxuta. Com as outras companhias japonesas copiando este sistema, o Japão logo saltou para a atual proeminência econômica.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o3
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Histórico comparativo:
    • Produção Artesanal
    • Produção em massa
    • Produção enxuta

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o4
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Produção Artesanal: Características
    • Trabalhadores muito qualificados
    • Ferramentas simples e flexíveis
    • Um item por vez conforme desejo do cliente
    • Ex; móveis por encomenda, trabalhos de arte decorativa, alguns modelos de super-carros, etc.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o5
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Produção Artesanal: resultado
    • Bens produzidos muito caros, o que levou à produção em massa.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o6
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Produção em Massa: Características
    • Trabalhadores menos qualificados.
    • Máquinas complexas e dispendiosas.
    • Alto volume de produção de cada item.
    • Necessita suprimentos, trabalhadores e espaço extra para garantir a continuidade da produção.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o7
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Produção em Massa: resultado
    • Mudança de Produto muito cara, mantém os modelos padrão pelo máximo tempo possível.
    • Bens produzidos muito baratos, porém com pouca variedade.
    • Métodos de trabalho tediosos

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o8
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Produção Enxuta: Características
    • Mescla os dois métodos anteriores.
    • Evita o alto custo do processo artesanal.
    • Evita a rigidez do processo de produção em massa.
    • Emprega trabalhadores multiqualificados nos diversos níveis da Organização.
    • Máquinas mais flexíveis e automatizadas

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o9
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Produção Enxuta: resultado
    • Produção de grandes volumes de produtos com ampla variedade

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o10
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • A produção Enxuta foi uma expressão definida pelo pesquisador John Krafcik. É “Enxuta”, por empregar menores quantidades de tudo em comparação com os métodos de produção em Massa.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o11
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Vantagens da Produção Enxuta.
    • Menos esforço dos operários da fábrica.
    • Menos espaço para a fabricação.
    • Menos investimento em ferramentas.
    • Menos tempo para planejamento e desenvolvimento de novos produtos.
    • Menos estoques no local de fabricação.
    • Menos defeitos de fabricação.
    • Maior e sempre crescente variedade de produtos.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o12
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Diferenças de Mentalidade (Enxuta x Massa).
    • Massa:
      • Objetivo – meta limitada, que seja boa o suficiente.
      • Quantidade tolerável de defeitos.
      • Nível máximo de estoques aceitável
      • Limitada variedade de produtos padronizados.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o13
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Diferenças de Mentalidade (Enxuta x Massa).
    • Enxuta:
      • Objetivos: Custos declinantes.
      • Ausência de itens defeituosos.
      • Nenhum estoque.
      • Grande variedade de novos produtos.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 1 a ind stria automobil stica em transi o14
1.1 A Indústria automobilística em transição
  • Para o trabalhador a principal vantagem é que para cada produto os processos diferem, tornando o trabalho mais desafiador e menos monótono que o processo relacionado com a produção em massa.
  • Isso torna o trabalho mais estimulante.

Prof. Luis R.M.Pinto

organiza o da produ o em massa para a produ o enxuta2
Organização Da Produção em massa para a produção enxuta :

1.2. Ascensão e queda da Produção em Massa:

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • História:
    • 1894: S.EX.A Evelyn Henry Ellis – Abastado membro do Parlamento Inglês saiu para comprar um carro.
    • Não na concessionária, nem em qualquer loja, pois na Inglaterra não existia.
    • Foi à fábrica de ferramentas “Panhard e Levassor” ou “P&L” na França.
    • 1887: A P&L obteve licença para fabricar o motor de Gottilieb Daimler.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa1
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • História:
    • Início da década de 1890: P&L fabricava algumas centenas de automóveis por ano.
    • Processo artesanal com artesãos habilidosos que montavam a mão um pequeno número de carros.
    • Peças vinham de oficinas artesanais por toda Paris.
    • Os contatos com clientes eram feitos pelos próprios donos.
    • Não existia um carro igual ao outro ( processos de metalurgia da época não permitiam isso)

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa2
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Solicitações de Ellis:
    • Aceitou o motor e os chassis
    • A carroceria pediu de uma fábrica de carruagens
    • Controles e volante no centro do carro

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa3
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Teste do carro de Ellis:
    • Contratou um mecânico e um motorista e ficou um bom tempo em Paris para testar o carro (que era um protótipo)

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa4
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Em Londres – Fora da Lei:
    • Junho de 1895: Ellis foi o 1º a dirigir um automóvel na Inglaterra.
    • 90 km em 5 h e 32 min
    • Média de 16 km/h (ilegal – máxima = 4 m/h = 6,44 km/h)

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa5
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Em Londres – Mudando a Lei:
    • 1896: Ellis assume a liderança do parlamento Inglês e muda o limite para 12 m/h (19,32 km/h)

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa6
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Características que derrubaram a Produção Artesanal:
    • Força de trabalho altamente qualificada e cara.
    • Alguns trabalhadores se tornavam empreendedores autônomos e conduziam suas próprias firmas.
    • Organizações descentralizadas.
    • Peças provinham de pequenas oficinas

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa7
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Características que derrubaram a Produção Artesanal:
    • Utilização de máquinas gerais para todas as funções.
    • Volume de produção muito baixo.
    • Menos de 1000 carros por ano, dos quais 50 ou menos conforme o mesmo projeto.
    • Produtos sem qualidade e sem confiabilidade (todos protótipos sem testes.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa8
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Características que derrubaram a Produção Artesanal:
    • Incapacidade de pequenas oficinas fornecedoras desenvolverem tecnologia.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa9
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • O início da Produção em Massa:
    • 1903: Ford inicia a produção do Modelo A.
    • 1908: Ford inicia a produção do Modelo T.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa10
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Modelo T:
    • Carro projetado para a Manufatura.
    • User-friendly (amigo do usuário)
      • Não precisava motorista (qualquer um podia dirigir)
      • Nem mecânico (qualquer um podia concertar)

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa11
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Uma Grande sacada financeira:
    • Ford percebeu que a padronização de medidas se converteria em benefícios financeiros.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa12
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Uma Grande sacada metalúrgica:
    • Ford se beneficiou do avanço das máquinas e ferramentas que possibilitaram o trabalho com metais pré endurecidos.
    • O arqueamento resultante do aquecimento das peças impedia a padronização anteriormente.
    • Ford fundiu o bloco do motor em uma peça única eliminando ajustadores qualificados

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa13
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Uma Grande sacada para o tempo de montagem:
    • Com a produção especializada (uma tarefa por trabalhador) o tempo médio de um montador caiu de 514 minutos para 2,3, graças a não necessidade de ajustes das peças.
    • Com a produção em linha (o carro ia ao trabalhador) o tempo médio de um montador caiu de 2,3 minutos para 1,19minutos.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa15
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 1920: Ford fabricou 2 milhões de modelos T idênticos derrubando se custo para 1/3 do inicial em 1908.
  • A Ford se tornou a maior fabricante de automóveis do mundo e encaminhou para o fim a maioria da indústrias artesanais, com exceção de alguns produtores artesanais europeus de carros de luxo.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa16
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A produção em massa de Henry Ford orientou a indústria automobilística por 50 anos, sendo adotada em quase todas as atividades industriais na Europa e na América do Norte.
  • Estudaremos a seguir algumas das suas características mais importantes.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa17
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Características da Produção em massa para estudo:
    • Força de trabalho
    • Organização
    • Ferramentas
    • Produtos

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa18
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 1) Força de Trabalho:
    • Os operários das linhas passaram a ser tão intercambiáveis quanto os carros.
    • Troca da mão de obra especializada em montagem e ajuste de peças por mão de obra menos qualificada par a linha de montagem.
    • Surgimento dos engenheiros de produção ou engenheiros industriais com a incumbência de projetar e garantir o funcionamento das linhas.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa19
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 1) Força de Trabalho:
    • Somente os supervisores e fiscalizadores mantinham as qualidade de montagem dos operários originais.
    • Equipes mais qualificadas reparavam partes com defeitos ao final da linha.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa20
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 1) Força de Trabalho:
    • Surgem os trabalhadores da “inteligência” que contrastavam com os pouco qualificados trabalhadores da linha, que não passavam de supervisores ao longo da carreira.
    • Os engenheiros tinham agora uma carreira executiva e substituíram os trabalhadores especializados que acabavam abrindo suas firmas.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa21
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 2) Organização:
    • Ford era inicialmente um montador.
      • Motor = Irmãos Dodge
      • Itens diversos de outras firmas

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa22
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 2) Organização:
    • 1915 – Ford iniciou a incorporação de todas as funções em sua empresa.
    • 1931 Ford conclui a incorporação

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa23
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 2) Organização:
    • Motivos para Ford incorporar todas as funções:
      • Ford aperfeiçoou as técnicas da Produção em massa antes de seus fornecedores.
      • Ford não confiava nas pessoas.
      • Ford necessitava de peças com tolerâncias menores e com cronogramas de entrega mais rígidos.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa24
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 2) Organização:
    • Surge a moderna corporação verticalmente integrada.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa25
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 2) Organização:
    • Características da Organização verticalmente integrada:
      • Serviços e matérias primas necessárias eram obtidas de divisões operacionais internas
      • Estas divisões eram coordenadas por executivos seniores dentro da própria corporação.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa26
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 2) Organização:
    • Conseqüências da Organização verticalmente integrada:
      • Excesso de burocracia.
      • Problemas de transporte para a escala de fabricação em um só local.
      • Barreiras alfandegárias impostas por políticas governamentais.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa27
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 2) Organização:
    • Conseqüências da Organização verticalmente integrada:
      • Em 1926 a Ford montava automóveis em 36 cidades americanas e em mais 19 países, apesar de os projetos serem todos desenvolvidos, as peças desenhadas e fabricadas em Detroit

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa28
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 2) Organização:
    • Conseqüências da Organização verticalmente integrada:
      • Novo problema:
        • O produto padrão não se adaptou em todos os lugares do mundo.
        • EUA descobriram petróleo e a gasolina era barata.
        • Europa não tinha gasolina, tinha que importá-la, ou seja, gasolina cara

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa29
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 2) Organização:
    • Conseqüências da Organização verticalmente integrada:
      • Para minimizar as barreiras impostas na Europa, Ford vendeu fatia minoritária do negócio para os ingleses.
      • No início dos anos 30, Ford estabeleceu 3 sistemas integrados na Inglaterra, Alemanha e França.
      • Estas empresas “Européias” manufaturavam produtos de acordo com os gostos de cada país e eram administradas por gerentes nativos.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa30
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 3) Ferramentas:
    • As ferramentas foram a chave para o sucesso das peças intercambiáveis.
    • Tinham a capacidade de cortar o metal de alta dureza e de prensar o chapas de aço com precisão absoluta.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa31
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 3) Ferramentas:
    • A chave para a intercambiabilidade de peças a baixo custo foi a preparação das máquinas para realização de uma única tarefa e não mais receber ajustes como no processo de produção artesanal, onde as máquinas realizavam várias funções.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa32
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 3) Ferramentas:
    • Vantagens:
      • Tempo menor por operação.
      • Trabalhadores menos qualificados e mais baratos.
      • Grande volume de produção.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa33
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 3) Ferramentas:
    • Desvantagens:
      • Pouca ou nenhuma flexibilidade nos equipamentos e na linha de produção.
      • Mudanças nas linhas e nos equipamentos caras e demoradas.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa34
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 4) Produto:
    • Modelo T: Nove versões com o mesmo chassi:
      • Conversível para duas pessoas
      • Passeio aberto para quatro pessoas
      • Sedan coberto para quatro pessoas
      • Caminhão com compartimento de carga atrás

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa35
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 4) Produto:
    • 1923 foi o pico da produção do Modelo T, com 2,1 milhões de chassis construídos. (número somente alcançado pelo fusca)

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa36
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 4) Produto:
    • Motivos do sucesso:
      • Custo baixo e declinante.
      • Facilidade de manutenção (manual do proprietário)
      • Durabilidade do projeto e dos materiais.
      • Pouca atenção dos consumidores em detalhes como pinturas e demais acabamentos.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa37
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 4) Produto:
    • Devido à facilidade de manutenção dos Modelo T pelos próprios proprietários, raramente a Ford ligava um motor antes de o carro estar já fora da linha de produção.
    • Testes de qualidade e de funcionamento eram quase inexistentes.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa38
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • 4) Produto:
    • A linha de produção do modelo T teve seu fim em 1927, em parte devido aos carros da GM que eram melhores e pouco mais caros que os Ford do mesmo segmento.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa39
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Onde Ford falhou:
    • Tecnicamente o processo desenvolvido por Ford era muito bom, porém, administrativamente, Ford propiciou espaço para evoluções.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa40
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Ford investiu com recursos próprios em:
    • Plantação de borracha no Brasil
    • Fundição
    • Fábrica de vidros
    • Minas de ferro em Minnessota
    • Navios pra transporte de minério
    • Ferrovias interligando suas instalações

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa41
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Ford queria produzir em massa de alimentos (fabricando tratores e uma usina de extração de soja) até transporte aéreo, com baixo custo.
  • Financiar tudo com recursos próprios, pois odiava bancos.
  • Administrar centralizadamente com um homem tomando todas as decisões, ele.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa42
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • Conseqüência inevitável:
    • Fracasso dos empreendimentos.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa43
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A evolução da Produção em Massa:
    • A GM pos a frente de sua indústria o executivo Alfred Sloan, que revolucionou a administração da produção em Massa.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa44
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A revolução de Sloan:
    • Descentralizou a administração das diversas unidades, gerenciando seus números com frequencia.
    • Revolucionou o Marketihg da indústria automotiva:
      • Modificando a aparência externa dos carros anualmente.
      • Lançando uma série de acessórios como ar condicionado, transmissão automática e rádios.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa45
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • O apogeu da Produção em massa:
  • A produção em massa em sua forma final amadurecida se deve à:
    • Práticas de fabricação de Ford
    • Técnicas administrativas de Sloan
    • O papel do movimento sindical no controle das definições e conteúdo das tarefas

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa46
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • O apogeu da Produção em massa:
  • Resultados:
    • Companhias automobilísticas norte-americanas dominaram este mercado mundial.
    • O mercado norte-americano representou maior percentagem de vendas do mundo.
    • Companhias dos demais ramos de atuação adotaram métodos semelhantes.
    • Sobreviveram algumas firmas artesanais em nichos de pequenos volumes.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa47
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • O apogeu da Produção em massa:
  • 1955:
    • Vendas de automóveis nos EUA superou 7 Mi de carros.
    • Sloan se aposenta após presidir a GM por 35 anos.
    • Ford + GM + Chysler = 95% das vendas
    • Seis modelos representavam 80% das vendas.
    • Fim da produção artesanal nos EUA.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa48
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • O apogeu da Produção em massa:
  • 1955:
    • Início da queda do domínio norte-americano no setor, pois:
      • Demais companhias automobilísticas começaram a aplicar os mesmos métodos e a alcançar os mesmos resultados
      • Conseqüentemente a importação de veículos teve início na América e não mais deixou de crescer.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa49
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A Difusão da Produção em Massa:
  • Empresários que copiaram o modelo proposto por Ford após visitas a Higland Park:
    • André Citroen
    • Louis Renault
    • Giovanni Agnelli (Fiat)
    • Herbert Austin e William Morris (Morris e MG inglesas)

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa50
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A Difusão da Produção em Massa:
  • Desde os anos 30 Ford discutia abertamente seus métodos com os empresários europeus, além de apresentar-lhes suas instalações.
  • Somente nos anos 50 estes começaram a produzir conforme modelo de Ford.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa51
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A Difusão da Produção em Massa:
  • Motivos pelos quais as marcas européias demoraram 2 décadas para iniciar a produção em massa:
    • Caos econômico pós grande depressão de 30.
    • Nacionalismo dos anos 20 e 30.
    • Apego às tradições de produção artesanal.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa52
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A Difusão da Produção em Massa:
  • No final dos anos 50 já produziam na Europa em escala comparável a Detroit:
    • Wolfsburg (VW)
    • Flins (Renault)
    • Mirafiori (Fiat)

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa53
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A Difusão da Produção em Massa:
  • Inicialmente os Europeus especializaram-se em dois tipos de carros que os norte americanos não ofereciam:
    • Compactos e econômicos

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa54
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A Difusão da Produção em Massa:
  • Exemplo: Fusca.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa55
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A Difusão da Produção em Massa:
  • Nos anos 70 o carro de luxo foi redesenhado para menor:
    • Mercedes monobloco: 1,6 Ton, injeção de gasolina e suspensões independentes, versus:
    • Cadillac: 2,3 Ton, carburador, eixo reto e carroceria sobre chassis.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa56
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A Difusão da Produção em Massa:
  • Do início dos anos 50 até meados dos anos 70, os europeus obtiveram sucesso nas exportações.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa57
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A Difusão da Produção em Massa:
  • Apostas européias:
    • Preços competitivos (salários menores).
    • Tração dianteira.
    • Carrocerias monobloco(rígidos, leves e silenciosos).
    • Ótima relação peso / potência

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa58
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A Difusão da Produção em Massa:
  • Apostas européias:
    • Freios a disco.
    • Transmissão de 5 marchas
    • Injeção de combustível

Prof. Luis R.M.Pinto

1 2 ascens o e queda da produ o em massa59
1.2 Ascensão e queda da Produção em Massa
  • A Difusão da Produção em Massa:
  • Apostas americanas:
    • Sistemas de ar condicionado.
    • Direção hidráulica.
    • Aparelhos de som stereo.
    • Transmissão automática.
    • Motores potentes.

Prof. Luis R.M.Pinto

organiza o da produ o em massa para a produ o enxuta3
Organização Da Produção em massa para a produção enxuta :

1.3. O Surgimento da Produção Enxuta:

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • 1937: Toyota Motor Company (TMC)é fundada pela família Toyoda
  • Toyoda significa “arrozal abundante”, motivo pelo qual foi realizado um concurso em 1936 para escolha de novo nome: Toyota, que não tem significado algum em japonês.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta1
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • 1929: Kiichiro Toyoda visitou a fábrica de Ford.
  • 1950: Eiji Toyoda passa 3 meses estudando a fábrica Rouge da Ford em Detroit.
  • Anos 30; Toyota proibida de fabricar carros e obrigada a fabricar caminhões e veículos pesados para atender os esforços de guerra.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta2
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • 1949: Kiichiro Toyoda renunciou à companhia, pondo fim a longa greve iniciada com a demissão de grande parte da força de trabalho.
  • 1950: Toyota fabricou 2.685 automóveis, contra 7.000 fabricados por Rouge num único dia.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta3
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Quando Eiji voltou para Nagoya, junto com seu gênio de produção taiichi Ohno, concluíram que o processo de Ford não seria bem sucedido no Japão, criando o que eles chamaram de processo “Toyota”.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta4
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Cenário do Nascimento da Produção Enxuta:
  • Mercado doméstico Limitado: Demandava vasta gama de veículos.
    • Carros de luxo para autoridades.
    • Caminhões grandes para mercadorias
    • Caminhões pequenos para agricultores
    • Carros pequenos para cidades populosas e combustível caro.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta5
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Cenário do Nascimento da Produção Enxuta:
  • Força de trabalho não disposta a ser intercambiável:
    • Novas leis trabalhistas introduzidas pela ocupação norte americana pós 2ª guerra fortaleceram os trabalhadores nas negociações com as companhias.
    • Direito de empresas de demitir foi restrito.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta6
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Cenário do Nascimento da Produção Enxuta:
  • Força de trabalho não disposta a ser intercambiável:
    • Sindicatos, representando todos os empregados de uma companhia tinham muita força de barganha.
    • Inexistência de trabalhadores “hóspedes” dispostos a enfrentar condições precárias de trabalho em troca de baixos salários , como foi constituído o grosso da força de trabalho na maioria das companhias de produção em massa do ocidente.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta7
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Cenário do Nascimento da Produção Enxuta:
  • Economia do País:
    • Devastada pela guerra.
    • Ávida por capitais e trocas comerciais.
    • Não possibilitava a compra de tecnologias de produção ocidentais mais recentes.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta8
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Cenário do Nascimento da Produção Enxuta:
  • Mundo Exterior:
    • Repleto de produtores de veículos, ansiosos para operarem no Japão e prontos para defender seu território comercial contra as exportações japonesas.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta9
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Cenário do Nascimento da Produção Enxuta:
  • Atitude do governo japonês que alavancou a indústria automobilística japonesa:
  • Proibiu investimentos externos diretos na indústria automobilística japonesa.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta10
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Diferencial técnico do Modelo “Toyota”: Estampagem:
  • Estampagens ocidentais prensavam 12 peças por minuto (mais de 1 milhão de peças ano), o que ultrapassava demais produção inicial da Toyota.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta11
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Diferencial técnico do Modelo “Toyota”: Estampagem:
  • Os moldes podiam ser trocados, mas:
    • Pesavam várias toneladas.
    • O alinhamento tinha que ser preciso.
    • Pequeno desalinhamento produzia peças com defeito.
    • Deselinhamentos maiores poderiam fundir as peças aos moldes.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta12
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Diferencial técnico do Modelo “Toyota”: Estampagem:
  • Trocas de moldes no ocidente:
    • Somente especialistas realizavam tais mudanças.
    • Eram executadas metodicamente.
    • Custavam pelo menos 1 dia de trabalho.
    • Conjunto de prensas para algumas peças, para evitar a troca do molde que aconteceria somente a cada três meses.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta13
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Diferencial técnico do Modelo “Toyota”: Estampagem:
  • Trocas de moldes na Toyota ( Ohno):
    • Iniciou testes de trocas de prensas no final de 1940 e em meados de 1950, a Toyota trocava moldes em apenas 3 minutos.
    • Os próprios trabalhadores realizavam as trocas.
    • Os trabalhadores eram mais valorizados pois tinham que ser mais especialistas.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta14
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Diferencial técnico do Modelo “Toyota”: Estampagem:
  • Conseqüências da troca de moldes da Toyota:Custos de por peça prensada em pequenos lotes era menor que no processamento se lotes imensos.
    • Eliminava o custo financeiro de estoques de matéria prima e peças acabadas.
    • Erros de prensagem apareciam instantaneamente e não se acumulavam nos imensos estoques.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta15
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Acordo da Toyota com os trabalhadores:
    • Com a saída de Kiichiro Toyoda, cerca de ¼ da força de trabalho foi demitida em função das crises financeiras e fortes restrições de crédito.
    • Quem ficou teve garantia de emprego vitalício e valorização salarial constante segundo o tempo de serviço em cada função.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta16
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Acordo da Toyota com os trabalhadores:
    • Com os trabalhadores motivados. Ohno pode reconfigurar a linha de montagem, fazendo com que a linha fosse parada quando um trabalhador não conseguisse resolver um problema, possibilitando o envolvimento de todos na solução.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta17
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Acordo da Toyota com os trabalhadores:
    • Na linha da produção em massa as vezes os trabalhadores não paravam a linha, deixando a solução dos problemas para o final do processo, possibilitando a multiplicação da falha...

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta18
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • O legado de Ohno foi sua busca pela qualidade na e pela não realização do retrabalho no final da linha.
  • Hoje o rendimento nas fábricas da Toyota se aproxima dos 100%.
  • Enquanto que em companhias de produção em massa, 90% é considerado um ótimo resultado.
  • Estas companhias reservam de 20% de sua área operacional e 25% do total de horas de trabalho ao retrabalho de erros.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta19
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Rede de fornecedores:
    • Ohno deu aos fornecedores independência de projetos exigindo somente o cumprimento das funções solicitadas.
    • Ajudou financeiramente seus fornecedores.
    • Tornou-se acionista de seus fornecedores
    • Estimulou que os fornecedores se falassem para encontrar soluções ao invés de esconder informações.
    • Desestimulou a concorrência entre os fornecedores.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta20
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Ohno desenvolveu o sistema “jus in time” de fornecimento ao longo do processo: ou Kanban na Toyota.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta21
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Demanda dos consumidores:
    • Confiabilidade; a espátula e a chave inglesa já não ajudavam os clientes a resolverem problemas de seus carros.
    • O mercado passou a exigir vários segmentos de produtos.
    • Como a Toyota garantia a confiabilidade dos carros, logo percebeu que podia cobrar mais que os concorrentes de produção em massa.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta22
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Demanda dos consumidores:
    • 1990: Toyota oferecia tantos modelos quanto a GM apesar de ter metade do tamanho dela.
    • Para mudar um produto, a Toyota gasta metade do que gasta uma empresa que atua conforme modelo de produção em massa.
    • Hoje as companhias japonesas oferecem tantos modelos quanto todas as companhias ocidentais juntas.

Prof. Luis R.M.Pinto

1 3 o surgimento da produ o enxuta23
1.3 o Surgimento da Produção Enxuta
  • Demanda dos consumidores:
    • A Ford e a GM, focalizam suas montadoras para a meta de um único modelo por fábrica, enquanto que as fábricas japonesas transplantadas para os EUA constroem todas dois ou três diferentes produtos.

Prof. Luis R.M.Pinto

ad