anorexia e bulimia n.
Download
Skip this Video
Loading SlideShow in 5 Seconds..
ANOREXIA E BULIMIA PowerPoint Presentation
Download Presentation
ANOREXIA E BULIMIA

Loading in 2 Seconds...

play fullscreen
1 / 29

ANOREXIA E BULIMIA - PowerPoint PPT Presentation


  • 150 Views
  • Uploaded on

ANOREXIA E BULIMIA. Jaqueline Dalla Corte Keila H ü bner. O que é?. Anorexia nervosa é um transtorno alimentar no qual a busca implacável por magreza leva a pessoa a recorrer a estratégias para perda de peso, ocasionando importante emagrecimento.

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about 'ANOREXIA E BULIMIA' - Jims


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript
anorexia e bulimia

ANOREXIA E BULIMIA

Jaqueline Dalla Corte

Keila Hübner

o que

O que é?

Anorexia nervosa é um transtorno alimentar no qual a busca implacável por magreza leva a pessoa a recorrer a estratégias para perda de peso, ocasionando importante emagrecimento.

As pessoas anoréxicas apresentam um medo intenso de engordar mesmo estando extremamente magras.

Em 90% dos casos, acomete mulheres adolescentes e adultas jovens, na faixa de 12 a 20 anos. É uma doença com riscos clínicos, podendo levar à morte por desnutrição.

o que se sente
O que se sente?
  • Perda de peso em um curto espaço de tempo.
  • Alimentação e preocupação com peso corporal tornam-se obsessões.
  • Crença de que se está gordo, mesmo estando excessivamente magro.
  • Parada do ciclo menstrual (amenorréia).
  • Interesse exagerado por alimentos.
  • Comer em segredo e mentir a respeito de comida.
  • Depressão, ansiedade e irritabilidade.
  • Exercícios físicos em excesso.
  • Progressivo isolamento da família e amigos.
complica es m dicas
Complicações Médicas
  • Desnutrição e desidratação.
  • Hipotensão (diminuição da pressão arterial).
  • Anemia.
  • Redução da massa muscular.
  • Intolerância ao frio.
  • Motilidade gástrica diminuída.
  • Amenorréia (parada do ciclo menstrual).
  • Osteoporose (rarefação e fraqueza óssea).
  • Infertilidade em casos crônicos.
causas
Causas
  • Não existe uma causa única da anorexia nervosa. Fatores biológicos, sociais, psicológicos e genéticos podem ter uma participação na determinação dos transtornos alimentares.
  • A expectativa social de que as pessoas sejam magras torna-se uma obrigação implacável na mente de algumas adolescentes que estão num período de vulnerabilidade psicológica peculiar a esta etapa da vida, e as leva a fazer regimes muito rigorosos, o que funciona como desencadeador da anorexia nervosa.
como se desenvolve
Como se desenvolve?
  • A preocupação com o peso e a forma corporal leva o adolescente a iniciar uma dieta progressivamente mais seletiva, evitando ao máximo alimentos de alto teor calórico. Aparecem outras estratégias para perda de peso como, por exemplo: exercícios físicos excessivos, vômitos, jejum absoluto.
  • A pessoa segue se sentindo gorda, apesar de estar extremamente magra, acabando por se tornar escrava das calorias e de rituais em relação à comida. Isola-se da família e dos amigos, ficando cada vez mais triste, irritada e ansiosa. Dificilmente, a pessoa admite ter problemas e não aceita ajuda de forma alguma. A família às vezes demora para perceber que algo está errado.
fisiopatologia
Fisiopatologia
  • Pacientes com Anorexia Nervosa possuem uma aparência típica e característica. Seu corpo caquético pré-pubescente, freqüentemente faz com que eles pareçam mais jovens do que são. As características físicas comuns incluem lanugem, cabelo sem brilho e quebradiço, cianose de extremidades e pele seca que pode apresenta-se amarela devido a hipercarotemia.
  • Complicações cardiovasculares têm sido relacionadas à morte de anoréxicos.
como se previne
Como se previne?
  • Uma diminuição da pressão cultural e familiar com relação à valorização de aspectos físicos, forma corporal e beleza pode eventualmente reduzir a incidência desses quadros. É fundamental fornecer informações a respeito dos riscos dos regimes rigorosos para obtenção de uma silhueta "ideal", pois eles têm um papel decisivo no desencadeamento dos transtornos alimentares.
preval ncia da doen a
Prevalência da Doença
  • Algumas profissões são consideradas de risco para a anorexia. Bailarinas,modelos, jóqueis, atletas olímpicos, precisam estar atentos para a pressão que sofrem para reduzir o peso corporal;
  • A idade média para o início da Anorexia Nervosa é de 17 anos, com alguns dados sugerindo picos aos 14 e aos 18 anos. O início do transtorno raramente ocorre em mulheres com mais de 40 anos.
slide10
A doença acomete mais freqüentemente classes sociais mais elevadas.
  • A anorexia surge em 45% dos casos após dieta de emagrecimento; em 40% por ocasião de uma situação competitiva.
como se trata
Como se trata?
  • O tratamento deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar formada por psiquiatra, psicólogo, pediatra, clínico e nutricionista, em função da complexa interação de problemas emocionais e fisiológicos nos transtornos alimentares.
  • O objetivo primordial do tratamento é a recuperação do peso corporal através de uma reeducação alimentar com apoio psicológico.
slide12
Psicoterapia individual, terapia ou orientação familiar, terapia cognitivo-comportamental (uma psicoterapia que ensina os pacientes a modificarem pensamentos e comportamentos anormais) são, em geral, muito produtivas.
  • O tratamento da anorexia nervosa costuma ser demorado e difícil. O paciente deve permanecer em acompanhamento após melhora dos sintomas para prevenir recaídas.
bulimia
BULIMIA
  • É o transtorno alimentar caracterizado por episódios recorrentes de "orgias alimentares", no qual o paciente come num curto espaço de tempo grande quantidade de alimento como se estivesse com muita fome. O paciente perde o controle sobre si mesmo e depois tenta vomitar e/ou evacuar o que comeu, através de artifícios como medicações, com a finalidade de não ganhar peso.
tipos
TIPOS
  • Tipo Purgativo. Este subtipo descreve apresentações nas quais o paciente se envolveu regularmente na auto-indução de vômito ou no uso indevido de laxantes, diuréticos ou enemas durante o episódio atual.
  • Tipo Sem Purgação. Este subtipo descreve apresentações nas quais o paciente usou outros comportamentos compensatórios inadequados, tais como jejuns ou exercícios excessivos, mas não se envolveu regularmente na auto-indução de vômitos ou no uso indevido de laxantes, diuréticos ou enemas.
crit rios para diagn stico de bulimia nervosa
Critérios para Diagnóstico de Bulimia Nervosa
  • 1. Ingestão exagerada, em um período limitado de tempo (por ex., dentro de um período de 2 horas)
  • 2. - sentimento de falta de controle sobre o comportamento alimentar durante o episódio (por ex., um sentimento de incapacidade de parar de comer ou de controlar o que ou quanto está comendo)B. Comportamento compensatório inadequado e recorrente, com o fim de prevenir o aumento de peso, como auto-indução de vômito, uso indevido de laxantes, diuréticos, enemas ou outros medicamentos, jejuns ou exercícios excessivos.
slide16
C. A compulsão periódica e os comportamentos compensatórios inadequados ocorrem, em média, pelo menos duas vezes por semana.D. A auto-avaliação é indevidamente influenciada pela forma e peso do corpo E. O distúrbio não ocorre exclusivamente durante episódios de Anorexia Nervosa.
complica es m dicas1
ComplicaçõesMédicas
  • Síndrome da realimentação: é caracterizada por hipofosfatemia grave e súbita, quedas súbitas em potássio e magnésio, intolerância a glicose, disfunção gastrointestinal e arritmias cardíacas.
  • Complicações renais, hormonais e gástricas;
  • Inflamação na garganta (inflamação do tecido que reveste o esôfago pelos efeitos do vômito);
  • Cáries dentárias;
slide18
Face inchada e dolorida (inflamação das glândulas salivares;
  • Parada cardíaca;
  • Diminuição das características femininas;
  • A taxa de mortalidade chega a atingir 15 a 20% dos casos.
tratamento
TRATAMENTO
  • A grande maioria dos pacientes bulímicos deve ser tratada em nível ambulatorial, exceto nos casos onde o desequilíbrio metabólico exige uma intervenção mais intensiva
  • Quando necessária, a internação ocorre por complicações associadas como: depressão com risco de suicídio, perda de peso acentuado com comprometimento do estado geral, hipopotassemia seguida de arritmia cardíaca e nos casos de comportamento multiimpulsivo (abuso de álcool, drogas, automutilação, cleptomania, promiscuidade sexual).
slide20
Alguns autores preconizam a prescrição de um plano de alimentação regular. Um diário de alimentação, pensamentos, sentimentos e comportamentos experimentados em cada situação.
  • O paciente deve ser orientado a ter um planejamento antecipado dos horários quanto às atividades e refeições; tentar comer acompanhado; não estocar alimentos em casa; pesar-se apenas na consulta médica, etc.
moda anorexia e bulimia
Moda, anorexia e bulimia
  • Em Madri, 68 modelos foram impedidas de desfilar por apresentarem um índice de massa corporal inferior a 18. Esse coeficiente, equivalente a, por exemplo, 56 quilos para 1,75 metro de altura, é o limite fixado pelo governo de Madri, que se baseou em um critério sanitário estabelecido pela OMS (Organização Mundial da Saúde).
slide22
A ministra italiana do Comércio Exterior, Emma Bonino, propos um código europeu contra a anorexia e lançou um desafio aos estilistas e industriais da moda: “Tentem vestir mulheres normais”.
  • O código de Milão, que deve entrar em vigor em fevereiro, vai exigir que as modelos apresentem um certificado médico confirmando que estão saudáveis.
slide29
ALVARENGA, Marle; LARINO, Maria Aparecida. Nutritional therapy in anorexia and bulimia nervosa. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 24, 2002.
  • BALLONE GJ, Ortolani IV - Bulimia Nervosa, in. PsiqWeb, Internet, disponível em <http://www.psiqweb.med.br/bulimia.html>, revisto em 2003
  • http://bvsms.saude.gov.br/html/pt/dicas/66anorex_bulimia.html. Acesso em 22 de janeiro de 2007.
  • http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2006/09/060923_milaocodigomodarw.shtml. Acesso em 22 de janeiro de 2007.