Doenças
Download
1 / 47

Doenças - PowerPoint PPT Presentation


  • 123 Views
  • Uploaded on

Doenças. Exantemáticas. Exantema é uma mancha cutânea com fundo vascular, cuja a causa pode ser infecciosa, alérgica, tóxica ou física. Exantemas virais são comuns em crianças, maioria, doenças autolimitadas e benignas

loader
I am the owner, or an agent authorized to act on behalf of the owner, of the copyrighted work described.
capcha
Download Presentation

PowerPoint Slideshow about ' Doenças' - melissa-cole


An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Presentation Transcript

Doenças

Exantemáticas


  • Exantema é uma mancha cutânea com fundo vascular, cuja a causa pode ser infecciosa, alérgica, tóxica ou física.

  • Exantemas virais são comuns em crianças, maioria, doenças autolimitadas e benignas

    • Análise do tipo de lesão, sinais e sintomas concomitantes → inferir diagnóstico etiológico

      • Há situações onde exames laboratoriais são necessários para diagnóstico

  • Doenças exantemáticas clássicas: Sarampo, Escarlatina, Rubéola,Dç de Filatov-Dukes, Eritema infeccioso, Exantema Súbito (Roséola infantum)


Tipos de les es
Tipos de Lesões causa pode ser infecciosa, alérgica, tóxica ou física.

  • Máculas

  • Pápulas/ Nódulos

  • Vesículas/ Bolhas/ Pústulas

  • Placas

  • Purpúricas

  • Petequiais


  • Exatemas Maculopapulares causa pode ser infecciosa, alérgica, tóxica ou física.

    • Morbiliformes: Pápulas com tamanho variável, avermelhadas, contorno pouco regular, com pele sã de permeio. Ex: Sarampo, exantema súbito, rubéola, reações medicamentosas, echo e coxsackieviroses

    • Escarlatiniformes: Áreas extensas de vermelhidão difusa sem solução de continuidade, poupa região perioral. Hipertrofia de folículos pilosos, sensação de lixa. Ex: Escarlatina, dengue clássico, queimadura do sol.

    • Rubeoliforme: Semelhante ao morbiliforme, porém coloração é rósea, pápulas são menores.

    • Exantemas Papulovesiculares


Diagn stico
Diagnóstico causa pode ser infecciosa, alérgica, tóxica ou física.

  • Fundamentado em achados clínicos

  • Anamnese: vacinação, epidemiologia, uso de medicamentos e soros

  • Exame físico: características exantema e topografia, associação com adenopatia e heapatoesplenomegalia, estado geral do paciente

  • Evolução da doença


Sarampo
Sarampo causa pode ser infecciosa, alérgica, tóxica ou física.

  • Doença viral (paramyxovírus), contagiosa, causa vasculite generalizada

  • Transmissão: pessoa a pessoa através de secreções nasofaríngeas

  • Tempo de incubação: 8 a 12 dias

  • Período de transmissão: 4 a 6 dias antes do surgimento do exantema até 4 dias após o aparecimento

    • Isolamento respiratório (máscara) até 4 dias após surgimento exantema

  • Pródromo: 3 a 5 dias: Febre alta, mal-estar, tosse seca, coriza, olhos hiperemiados com lacrimejamento e fotofobia. Prostração pode ser intensa.


Enantema é característico, manchas de Koplik causa pode ser infecciosa, alérgica, tóxica ou física.

Manchas branco-azuladas, pequenas, circundadas por halos vermelhos, 2-3mm, na região oposta aos dentes molares

Surge 1 a 2 dias antes do exantema e desaparece 2 a 3 dias depois


  • 3º a 4º dia de doença surge exantema morbiliforme, primeiramente na face alastrando-se em direção cefalocaudal em 3 dias

  • Febre e sintomas catarrais acentuam-se no início do exantema. Temperatura normaliza no 4º dia do período exantemático.

  • O Exantema começa a esmaecer em torno do 3ºa 4º dia, desaparecendo 3 dias após. As lesões tornam-se acastanhadas

  • Pode haver descamação disseminada 1 a 2 semana após remissão


Morbimortalidade é maior em imunodeficientes, desnutridos e menores que 1 ano

Diagnóstico laboratorial

ensaio imunoenzimático (EIE/Elisa) para dosagem de IgM e IgG;

inibição de hemaglutinação (HI) para dosagem de anticorpos totais;

imunofluorescência para dosagem de IgM e IgG;

neutralização em placas.

Complicações: Laringite, otite, pneumonite, encefalite, miocardite, ceratoconjuntivite

Vacina: tríplice viral realizada com 1 ano e reforço com 4 a 6 anos

Profilaxia: Vacinação ativa até 72h após contágio, na impossibilidade, gamaglobulina até 5º dia


Escarlatina
Escarlatina menores que 1 ano

  • Etiologia: Estreptococo β hemolítico do grupo A (Streptococcus pyogenes)

  • Período de incubação: 2 a 7 dias

  • Pródromo: 24 a 48h, febre, amigdalite purulenta, língua saburrosa, dor abdominal,vômitos


  • Exantema escarlatiniforme inicia no pescoço e espalha para membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Sinal Filatov

  • Sinal da Pastia

  • Língua em framboesa ocorre no 4º a 5º

  • Após 3 a 4 dias erupção começa a desaparecer, seguida de descamação fina,inicialmente em face com progressão caudal, podendo ser laminar nas regiões palmar e plantar


Diagn stico1
Diagnóstico membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Cultura de swab da garganta em placa de ágar sangue de carneiro. Quando realizado corretamente a sensibilidade é 90 a 95%

  • Testes rápidos apresentam especificidade > 95%, e sensibilidade 80-90%

  • ↑anticorpos antiestreptocócicos (Antiestreptolisa O ou anti-DNase B)

Tratamento

  • A Penicilina é a droga de escolha

  • Eritromicina para pacientes alérgicos a penicilina


Rub ola
Rubéola membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Etiologia: Togavírus

  • Período de incubação: 14 a 21 dias

  • Período de transmissão: 5 a 7 dias antes do início do exantema até 5 a 7 dias após

  • Transmissão: Através de contato com as secreções nasofaríngeas de pessoas infectadas, objetos contaminados, sangue e urina

  • Isolamento: respiratório e contato para casos adquiridos pós-parto até 7 dias após exantema. Crianças com infecção congênita, consideradas infectantes até 1 ano ou até negativar pesquisa de vírus na nasofaringe e urina


Quadro cl nico
Quadro Clínico membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Pródromo: 2 a 3 dias, febrícula, astenia, adenopatia retroauricular, cervical e occipital (pode anteceder em até 7 dias o exantema)

  • Exantema maculopapular róseo, inicia em face e espalha rapidamente para pescoço e tronco atingindo os membros em 24 a 48h. Duração curta em torno de 4 a 5 dias

  • Sinal de Forscheimer: lesões petequiais em palato mole no início exantema.

  • 50% casos → esplenomegalia discreta


Diagnóstico membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Isolamento do vírus de material da nasofaringe ou urina

  • Pesquisa de anticorpo IgM e IgG no soro

Prevenção

Vacina de vírus vivo e atenuado (tríplice viral) com 12meses e reforço com 4 a 6 anos


Eritema infeccioso quinta doen a
Eritema Infeccioso membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupadaQuinta Doença

  • Parvovírus B19

    • Vírus de DNA

  • Picos de sazonalidade no fim do inverno e primavera. Casos esporádicos ao longo do ano

  • Tempo de incubação: 4 a 14 dias

  • Transmissão: via respiratória, sangue e hemoderivados

  • Patogenia: o vírus tem tropismo pelos precursores eritróides, parada transitória da eritropoiese

  • Pacientes com anemia hemolítica crônica, problemas na imunidade humoral, QTX para leucemia, transplantados e HIV→ > risco infecção crônica


Manifesta es cl nicas
Manifestações Clínicas membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Exantema surge na face, maculopápulas que confluem formando placa vermelho rubra na região de bochechas ( face esbofeteada). Após 1 a 4 dias evolui para MMSS e MMII, inicialmente, face extensora e após flexora e tronco. Ocorre clareamento central das lesões maculares (aspecto rendilhado)

  • Exantema pode persistir por mais de 10 dias

  • Recidiva da erupção cutânea com exposição ao sol, estresse, calor e exercícios

  • Palmas das mãos e plantas dos pés são poupados

  • Evolução em geral é afebril, pode haver artralgias e artrites (joelhos, mãos, punhos e tornozelos)


Outras manifesta es parvov rus b19
Outras manifestações Parvovírus B19 membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Síndrome papular purpúrica “em luvas e meias”

    • Febre, prurido, eritema, edema doloroso nas extremidades distais em luvas e meias, seguida por petéquias acrais e lesões orais

    • É autolimitada e desaparece em dentro de poucas semanas

  • Crise Aplásica transitória

  • Miocardite

  • Danos fetais, hidropsia, parto prematuro e aborto


Diagn stico2
Diagnóstico membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Manifestação clínica

  • Sorologia: IgM anti-B19, persiste por 6 a 8 semanas

  • O vírus não pode ser isolado em cultura

  • PCR ou hibridização de ácido nucléico


Tratamento
Tratamento membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Não há terapia antiviral específica

  • IVIG usada para tartar epsódios de anemia e crise aplásica em crianças imunocomprometidas

  • Não há vacina disponível.

Prevenção

A erupção e a artropatia são pós-infecciosos, imunomediados, sendo assim as crianças não precisam serem isoladas das atividades escolares ou creches


Exantema s bito ros ola infantum
Exantema Súbito membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupadaRoséola infantum

  • Etiologia: Herpes vírus 6 (Tipo A e B) e 7

  • Período de incubação: 5 a 15 dias

  • Período de transmissão: durante a fase de viremia, principalmente no período de febre

  • Transmissão: adultos excretam vírus na saliva

  • Período de incubação: 5 a 15 dias


Manifesta es cl nicas1
Manifestações Clínicas membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Pródomo: quando presente, rinorréia, inflamação leve da faringe, vermelhidão conjuntival discreta. Linfoadenopatia cervical leve

  • Febre alta, 37,9º- 40º que persiste por 3 a 5 dias, desaparece de forma abrupta ou em 24 a 36h

    • Convulsão febril

  • Exantema surge 12 a 24h após desaparecimento da febre. O exantema é maculopapular róseo inicialmente em tronco e espalha para pescoço, face e extremidades proximais e desaparece em 1 a 3 dias.

    • Em alguns casos o exantema pode não ser notado

  • Acomete crianças de 6 meses a 3 anos


Diagn stico3
Diagnóstico membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Cultura

  • Sorlogia

  • PCR


Varicela
Varicela membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Etiologia: Vírus da varicela-zoster

  • Transmissão: Pessoa a pessoa, através de contato direto ou secreções respiratórias e contato com lesões.

    • Transmitida indiretamente através de objetos contaminados com secreções de vesículas e membranas mucosas de pacientes infectados.

  • Período de incubação: 10 a 21 dias

  • Período de transmissão: 1 a 2 antes das erupções até a formação de crostas de todas as lesões

  • Isolamento respiratório e contato


Manifestações Clínicas membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Pródomo: febre baixa, cefaléia, anorexia e vômito, podendo durar de horas até três dias.

  • Característica marcante é o pleomorfismo das lesões

  • Erupção inicia em face com máculas eritematosas→ pápulas → vesículas umbilicadas → crostas

  • Estas lesões aparecem em surtos e são pruriginosas. Centrípetas.

  • Acometimento de couro cabeludo, mucosas orais e genitais é frequente

  • Crosta permanecem por 5 a 7 dia e caem, deixando uma mácula branca transitória


Complica es
Complicações membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Infecção bacteriana secundária

  • Pneumonite intersticial

  • Encefalite: pode preceder exantema, geralmente aparece 3 a 8 dias após início do exantema

    • Ataxia cerebelar

  • Manifestações hemorrágicas

  • Síndrome de Reye

  • Na gravidez: aborto, coriorretinite, meningoencefalite, morte


Diagn stico4
Diagnóstico membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Principalmente através do quadro clínico-epidemiológico. O vírus pode ser isoladodas lesões vesiculares durante os primeiros 3 a 4 dias de erupção.

    • Diagnóstico laboratorial

  • Os exames laboratoriais não são utilizados para confi rmação ou descarte dos casos de varicela mas podem ser utilizados para o diagnóstico diferencial em casos graves.

  • Os testes mais utilizados são o ensaio imunoenzimático (EIE), aglutinação pelo látex (AL) e a imunofluorescência indireta (IFI). A identificação do vírus Varicella-zoster realizada através da cultura do líquido vesicular.


Tratamento1
Tratamento membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Sintomático: anti-histamínicos sistêmicos para atenuar o prurido e banhos de permanganato de potássio na diluição de 1:40 mil.

    • infecção secundária, recomenda-se o uso de antibióticos sistêmicos.

  • Tópico: compressas de permanganato de potássio (1:40 mil) ou água boricada a 2%, várias vezes ao dia.


  • Específico: membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupadaantivirais (aciclovir)

    • indicado apenas para casos de evolução moderada ou grave em maiores de 12 anos, com doença cutânea ou pulmonar crônica.

    • Não está indicado casos de varicela não complicada,

    • discutível a utilização em gestantes.

    • Crianças imunocomprometidas → Aciclovir intravenoso


Preven o
Prevenção membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Vacina antivaricela > 12meses

    • 12meses a 12anos→ 1 dose da vacina

    • > 12 anos → 2 doses

  • Vacinação universal contra a varicela não é realizada no Brasil, exceto nas populações indígenas.

  • A vacina é recomendada em caso de surto nas populações indígenas a partir dos 6 meses e para a prevenção da doença em indivíduo susceptível de qualquer idade, até 96 horas após a exposição a uma fonte de infecção, desde que seja integrante de grupo de risco para as formas graves da doença

  • VZIG: crianças imunocomprometidas, mulheres grávidas, RN expostos varicela materna (1 a 5 dias antes e 48h após parto), no máximo até 96h após exposição


Doen a de kawasaki
Doença de Kawasaki membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • É uma vasculite de artérias de pequeno e médio calibre

  • Autolimitada

  • Não conseguiu detectar nenhum agente etiológico.

    • Vários agentes infecciosos possam desencadear em um hospedeiro suscetível uma vasculite generalizada mediada imunológicamente


Manifesta es cl nicas2
Manifestações Clínicas membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Febre elevada que persiste por mais 2 semanas

  • Congestão conjuntival bulbar bilateral, sem exsudato

  • Eritema de mucosa oral e faríngea, língua em framboesa, lábios secos e fissurados

  • Eritema (maculopapular, polimorfo ou escarlatiniforme) edema mãos e pés

  • Linfoadenopatia cervical

  • Descamação periungueal dos dedos das mãos e pés começa 1 a 3 semanas após início da doença

  • Envolvimento cardíaco: miocardite, pericardite, aneurisma de artérias coronarianas(25% pctes não tratados)


Fases evolutivas
Fases Evolutivas membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Fase Aguda: Dura 1 a 2 semanas, caracterizada por febre e sinais agudos da doença.

  • Fase Subaguda: prolonga-se por 3 a 4 semanas. Início descamação da pele dos dedos das mão e dos pés. Detecção dos aneurismas e trombocitose

  • Fase de Convalescença: Começa quando todos os sinais clínicos desaparecem e contínua até que VHS normalize, 6 a 8 semanas após início da doença


Crit rios diagn sticos
Critérios diagnósticos membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Febre por mais de 5 dias

  • Hiperemia conjuntival sem exsudato

  • Alterações de mucosa oral

    • Hiperemia difusa de orofaringe

    • língua em framboesa

    • lábios secos e fissurados

  • Alteracões de extremidades

    • Hiperemia de palmas e plantas

    • Edema de mãos e pés

    • Descamação da pele dos dedos e artelhos

  • Adenomegalia uni ou bilateral

  • Exantema polimorfo não bolhoso


Diagn stico5
Diagnóstico membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

  • Febre por mais de 5 dias + 4 das outras 5 características

Tratamento

  • Objetivo: reduzir inflamação dos vasos e previnir trombose

  • Imunoglobulina: 1g/kg por 2 dias ou 2g/kg em dose única em 10-12h

    • Febre persiste ou recorre (10%)→ segunda dose de 1 ou 2g/kg

    • Pequeno grupo resistente a 2ºdose → pulsoterapia com metilprednisolona com ou sem ciclofosfamida

  • AAs: 3 a 5 mg/kg/dia dose única


O prognóstico depende do tamanho dos aneurismas membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada


Obrigada! membros, aspecto de lixa. Face geralmente poupada

Dra khristiani

UTI-Pediátrica


ad