Concentração e diluição da urina
This presentation is the property of its rightful owner.
Sponsored Links
1 / 32

Concentração e diluição da urina PowerPoint PPT Presentation


  • 57 Views
  • Uploaded on
  • Presentation posted in: General

Concentração e diluição da urina. Na +. Na +. ATP. 2Cl -. K +. K +. K +. K +. Cl -. Transporte transcelular e Na + e Cl -. Espesso ascendente.

Download Presentation

Concentração e diluição da urina

An Image/Link below is provided (as is) to download presentation

Download Policy: Content on the Website is provided to you AS IS for your information and personal use and may not be sold / licensed / shared on other websites without getting consent from its author.While downloading, if for some reason you are not able to download a presentation, the publisher may have deleted the file from their server.


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - E N D - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Presentation Transcript


Concentra o e dilui o da urina

Concentração e diluição da urina


Concentra o e dilui o da urina

Na+

Na+

ATP

2Cl-

K+

K+

K+

K+

Cl-

Transporte transcelular e Na+ e Cl-

Espesso ascendente


Concentra o e dilui o da urina

Para que a multiplicação do efeito unitário funcione bem, o fluido luminal em segmento fino descendente deve estar muito próximo do equilíbrio osmótico com interstício vizinho a cada ponto do túbulo.

Como ocorre esse equilíbrio?

Saída rápida de água

Entrada rápida se solutos

Combinação de ambos

O que mostrou o KO de AQP-1?

Permealidade osmótica a H2O (Pf)

- reduz em ~5X em TP

- reduz em ~10X em tDL

- reduz em ~50X em dVR

Multiplicação contra-corrente severamente prejudicado

Redução acentuada da osmolaridade medular (remoção de

solutos)


Concentra o e dilui o da urina

Modelo para o efeito unitário passivo em tAL


Concentra o e dilui o da urina

Reciclagem da uréia:

Uréia de vasos retos ascendentes na medula interna entram em vasos retos descendentes.

Entrada de uréia nas alças finas longas em medula interna.

A recirculação da uréia ajuda a concentrar a medula.

Quando a produção de uréia é baixa, por uma dieta muito pobre em proteínas, a capacidade de concentração da urina fica reduzida.


Concentra o e dilui o da urina

Reciclagem de uréia


Concentra o e dilui o da urina

Troca contra-corrente nos vasos retos


Concentra o e dilui o da urina

NaCl = 1

Uréia = 0,75


Concentra o e dilui o da urina

O organismo faz enormes ajustes na excreção de água sem efeitos significativos na excreção de solutos


Concentra o e dilui o da urina

ADH - PRODUÇÃO e LIBERAÇÃO

Osmoreceptores:

org vasc da lâmina terminal

org subfornical do hipotálamo

Núcleos supraóptico e

paraventricular


Concentra o e dilui o da urina

Ação do ADH no Aumento da Permeabilidade à Água:

Célula principal do Distal Final e Coletor


Concentra o e dilui o da urina

AQP2:

Túbulo de conecção

Ductos coletores cortical e medular

Membrana apical

Modulado aguda e cronicamente por AVP

Ações celulares da AVP

(Vesículas – endossomos de reciclagem, não vesículas secretórias)

Defeitos de concentração adquiridos – AQP2 está disregualada na intoxicação por lítio e na hipokalemia crônica (diabetes insípidus nefrogênico – NDI).

APQ2 mutação- NDI

AQP2-KO: normal ao nascer, morre em 1 semana (urina diluída e plasma hiperosmolar).

O livre acesso a água preserva a osmolaridade plasmática.


Concentra o e dilui o da urina

A osmolaridade luminal nos diferentes segmentos tubulares, na ausência e na presença de hormônio antidiurético.


Concentra o e dilui o da urina

knockouts

. NHE3 knockout:

Viável; FTG preservado, preservando a carga para distal por redução do RFG; déficit de concentração urinária por menor expressão de NKCC2

. NKCC2:

AVP aumenta a expressão e atividade de NKCC2 aguda e crônicamente.

KO não é viável (desidratação perinatal), devido ao comprometimento do FTG.

Indometacina e hidratação permite a sobrevivência por algum tempo, mas não previne hidronefrose, poliúria, e retardo de crescimento.

Heterozigoto não é diferente do “wild type”


Concentra o e dilui o da urina

. NCC e ENaC:

Sensivelmente modulados por aldosterona.

AVP também aumenta a expressão de NCC e b/g ENaC; AVP aumenta a quantidade de ENaC em membrana apical (fusão de vesículas?)

NCC – KO:

Manisfestações fenotípicas leves (leve hipotensão arterial)

Em dieta normal: capacidade de concentrar urina preservada; na restrição de K+, desenvolvem hipokalemia e poliúria por defeito central na secreção de AVP. Em hipokalemia prolongada, evidente diabetes insípidus nefrogênico, devido a supressão da expressão de AQP2 em coletor.

ENaC – KO:

KO de qualquer subunidade, fenótipo grave, com morte neonatal.

a: não conseguem retirar líquido dos pulmões ao nascer

b e g: desenvolvem hiperkalemia e perd de Na+ graves

a só em coletor: fenótipo bem leve, apenas com leve ou nenhuma dificuldade de manter a homeostase de fluidos.


Concentra o e dilui o da urina

Medida da Excreção Renal de

Água Livre de Soluto (Cágua)

  • Quando a urina é hipotônica (< 285 mOsm / kg):

(o indivíduo está em diurese aquosa: fluxo urinário elevado, sem ADH

circulante)

V = Cosm + Cágua

sendo:

V = fluxo urinário (ml / min)

Cosm =clearance osmolar (ml/min) contém todos os solutos urinários

em solução isosmótica ao plasma

Cágua =clearance de água (ml/min) contém o restante da água urinária

livre de soluto


Concentra o e dilui o da urina

Cosm = Uosm . V

Posm

sendo:

Uosm = osmolaridade urinária (mOsm / kg)

Posm = osmolaridade plasmática (mOsm / kg)

Cágua = ?

Cágua = V – Cosm


Concentra o e dilui o da urina

Medida do Transporte de Água pelo Coletor

(TCágua)

Quando a urina é hipertônica (> 285 mOsm / kg):

(o indivíduo está em antidiurese: fluxo urinário baixo, com ADH circulante)

V = Cosm – TCágua

TCágua = Cosm – V ou TCágua = – Cágua


Concentra o e dilui o da urina

Efeito dos Diuréticos no Cágua e no TCágua

diurese aquosa antidiurese

Cágua TCágua

local da ação

PROXIMAL ……………….... ……………….. 

(diuréticos osmóticos: manitol)

ALÇA de HENLE ……….……...  ………………. 

(furosemida ou lasix, ácido etacrínico)

DISTAL CONVOLUTO ………...... …………….... -

(clorotiazida)


Concentra o e dilui o da urina

diurese aquosa antidiurese

Cágua TCágua

local da ação

PROXIMAL ………………. ………………. 

(diuréticos osmóticos: manitol)

- inibe reabsorção proximal de sódio

- aumenta reabsorção de sódio no ramo ascendente

- aumenta formação água livre  em diurese aquosa  Cágua

- aumenta concentração interstício medular  em antidiurese  TCágua


Concentra o e dilui o da urina

diurese aquosa antidiurese

Cágua TCágua

local da ação

ALÇA de HENLE ……….……  ……………..…... 

(furosemida ou lasix, ácido etacrínico)

- inibe o cotransporte 1Na+:2Cl-:1K+ no ramo ascendente

- diminui a formação de água livre  em diurese aquosa Cágua

- diminui concentração interstício medular  em antidiurese TCágua


Concentra o e dilui o da urina

diurese aquosa antidiurese

Cágua TCágua

local da ação

DISTAL CONVOLUTO ………...... ………………. -

(clorotiazida)

- inibe a reabsorção de sódio no distal convoluto

- diminui a formação de água livre

 em diurese aquosa  Cágua

  • - não interfere na concentração do interstício medular

  •  em antidiurese não modifica o TCágua


  • Login